Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Transformando os mangás
Caliel Alves dos Santos

Resumo:
Coletânea reúne os ganhadores do concurso Brazil Manga Awards 2014.

Quando vi o resultado do primeiro concurso de mangá Brazil Manga Awards (BMA) em 2014, vi na JBC uma iniciativa inspiradora para quadrinistas nacionais. A editora já tinha uma história com esse tipo de publicação, tanto é que o primeiro quadrinho publicado pela editora foi o kodomo Combo Rangers, sátira dos super sentais japoneses, escrito e desenhado pelo Fábio Yabu.
     Eu adquiri o a coletânea Henshin! Vol. 1 e Henshin! Vol. 2 na Comix Book Shop, e trarei aqui a resenha do primeiro tomo. Foram reunidas cinco one-shots de autores nacionais e ganhadores do concurso BMA, tendo como jurados Fábio Yabu, Arnaldo Oka e Cassius Medauar. O mangá ainda conta com extras como análise dos jurados, comentários doa autores, posfácio da especialista em quadrinhos Sonia Luyten prévias de obras do selo Ink Comics. A obra tem mais de 170 págs., em papel offwhite, que mais parece papel jornal de tão transparente que é.
     Eu vou analisar cada one-shot aqui, levando em consideração minha experiência de leitura, começando do que eu mais gostei até o que menos gostei, e não pela ordem do concurso. A crítica, por mais técnica que seja, deve também levara em consideração os critérios pessoais de quem avalia. Isso em hipótese nenhuma deve se tornar a última palavra acerca de uma obra, e não substitui a leitura do quadrinho.
     A obra que eu mais gostei foi Starmind, da dupla Ryot e Toppera-TPR. Foi a obra com a maior versatilidade de traços. Para uma história de humor, com aquela simpatia enganosa de quem quer divertir, mas acaba trazendo grandes reflexões. A obra é nonsense, e pode ser dividida em três atos: Arthur Proto Lux é um garoto que é considerado burro devido ao mau desempenho escolar, ele acaba recebendo poderes de uma estrela cadente e fica superinteligente; ele se auto impõe o objetivo de distribuir inteligência por aí, mesmo que seja nos tabefes; por fim, ele encontra sua antítese, sua nêmese, o Hobo, um mendigo que se vangloria de ser desprovido de inteligência. Quem triunfará: a inteligência opressora ou a burrice conformista? Acho que o autor deveria ter escolhido um desses três argumentos e tê-lo desenvolvido a contento.
     A segunda obra que eu mais gostei foi Entre Monstros e Deuses de Pedro Leonelli e Dharilya. A história é dividida em dois momentos, o mundo real, sombrio e melancólico, e o mundo onírico, gótico e fantástico, isso transparece na narrativa e nos desenhos. O desenho em remeteu automaticamente ao Flávio Colin, um traço característico, mas que causou boa impressão na trama. Só achei o final abrupto, o ato do Louvre no fim do one-shot, protagonista da história, não me convenceu, não achei a relação entre os personagens crível até esse ponto.
     O terceiro título que comento aqui é o famoso Quack, atualmente publicado pela Editora Draco. A série já conta com mais de quatro volumes impressos. Kaji Pato se utiliza de muito humor com piadas escatológicas e metanarrativas. Engraçado é ver que a capa não remete a nada que se passa na história. Baltazar é um jovem piloto de um monomotor, semelhante aos usados pelos aviadores no início do século XX. Seu copiloto é um pato chamado Colombo, um bicho irritante, boca-suja e brigão que o trata como um inferior. As pataquadas seguem em ritmo de bom humor. Só achei que falou um objetivo mais bem definido na trama, sobreviver a queda de um avião numa terra desconhecida e sair por aí como se nada estivesse acontecendo, foi meio frustrante. O traço agrada e muito, caricato e hachurado.
     [Re]Fábula é uma ousada releitura de uma lenda chinesa pelas mãos de Nameru Hitsuji, pseudônimo da dupla de autores Ivys Danillo e Breno Fonseca. Deus encarregou o imperador chinês de formular um desafio aos animais: a travessia de um rio, os doze primeiros que lá chegassem, se tornariam zodíacos, e teriam um ano dedicado à sua honra. Na primeira corrida, o Rato trapaceou e fez o Gato perder seu espaço no Zodíaco. Tempos depois, uma nova corrida foi anunciada. Os animais participantes e representante de cada espécie estariam em forma humana e lutariam para executar a travessia, tudo no modo sobrevivência. O argumento é bom, a releitura shonen é adequada, porém, porque é que o Tubarão não está em forma humana? Por mais caudaloso que seja o rio, não é um pouco exagerado o colocar como uma grande prova? O que seriam o pacto dos animais? Gatos não existem no Oriente? O drama do Gato é crível e a rivalidade dele com o Rato também. A luta de ambos é muito empolgante, ambos usando sua habilidade animais. A arte é simpática, mas algumas páginas pareceram poluídas aos meus olhos. A última página poderia ser apresentada de forma mais criativa.
     Crishno: O Escolhido, como os próprios autores Francis Ortolan e Lielson Zeni é uma grande tiragem de sarro com o clichê do “o escolhido”, muito comum em tramas de ficção especulativa e usadas a exaustão nos mangás B-shonen. A arte é a mais cartuncesca de todas, mas tem lá seus quadros inspirados. A obra é aquela de “uma piada só”, então, é divertida como one-shot, mas ler uma série disso, não sei.
     Para adquirir os volumes 1 e 2, acesse aqui:
Link 1 – https://editorajbc.com.br/start/colecao/henshin-manga/vol/henshin-manga-01/
Link 2 – http://www.comix.com.br/mangas/h/henshin-manga-vol-01.html


Biografia:
Caliel Alves nasceu em Araçás/BA. Desde jovem se aventurou no mundo dos quadrinhos e mangás. Adora animes e coleciona quadrinhos nacionais de autores independentes. Começou escrevendo poemas e crônicas no Ensino Médio. Já escreveu contos, noveletas, resenhas e artigos publicados em plataformas na internet e em algumas revistas literárias. Desde 2019 vem participando de várias antologias como Leyendas mexicanas (Dark Books) e Insólito (Cavalo Café). Publicou o livro de poemas Poesias crocantes em e-book na Amazon.
Número de vezes que este texto foi lido: 54886


Outros títulos do mesmo autor

Resenhas Poetize a vida Caliel Alves dos Santos
Artigos O Brasil não é hexa, mas Lula é tri! Caliel Alves dos Santos
Artigos O romper das cordas Caliel Alves dos Santos
Resenhas Mirar na lua acima das estrelas Caliel Alves dos Santos
Artigos Representação política como parâmetro da divisão do Brasil Caliel Alves dos Santos
Artigos O que é dívida histórica? Caliel Alves dos Santos
Resenhas Iraci Gama: intérprete de Alagoinhas Caliel Alves dos Santos
Ensaios Militares como fator de risco a democracia Caliel Alves dos Santos
Resenhas A cidade em palavrório Caliel Alves dos Santos
Resenhas A poética feminina Caliel Alves dos Santos

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 139.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
Minicurso sobre a redação no ENEM - Isadora Welzel 79736 Visitas
URBE - Darwin Ferraretto 59549 Visitas
Salvando computador muito ruim - Vander Roberto 55635 Visitas
81 anos da prisão e morte dos Rosas Brancas - Vander Roberto 55456 Visitas
Delícias da festa junina - Ivone Boechat 55378 Visitas
QUE SE... - orivaldo grandizoli 55375 Visitas
Lançamento do livro - Alberto Kopittke 55357 Visitas
Nua, totalmente indefesa - rodrigo ribeiro 55309 Visitas
A FARSA DA USURA - fabio espirito santo 55293 Visitas
O estranho morador da casa 7 - Condorcet Aranha 55276 Visitas

Páginas: Próxima Última