Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Pelo signo do ódio morrerás
Caliel Alves dos Santos

Resumo:
Conheça novo título de Leandro Karnal, historiador e palestrante.

O ódio é mais que um sentimento, é a expressão última do pecado capital da ira. Para alguns é um modo de vida, uma ação cotidiana naturalizada e revestida de moral. Quando o historiador, filósofo e palestrante conceituado Leandro Karnal decide tratar do ódio em seu livro Todos contra todos – o ódio nosso de cada dia, nascido de uma entrevista a Editora Leya, temos uma nova perspectiva para entender a humanidade.
     De acordo o autor, a sociedade é mais hobbseana do que rousseauneana. Para aquele, a humanidade vivia em caos e para evitar a autodestruição, surgiu o Estado e a coerção para frear os ânimos egoístas. Já para Rousseau, considerado o “Cisne Negro” do Iluminismo, a sociedade corrompia o homem, logo, o homem era bom a priori, mas são as relações sociais que deturpam o seu ser.
     Tomando como base o Brasil, e seu ambiente de contrastes demarcados desde as últimas eleições em 2014, o autor tenta desmistificar a contradição do homem cordial brasileiro. Esse homem cordial não é um homem bom, mas sim um homem passional. É movido pelo puro sentimentalismo agressivo, isso pode produzir todo o tipo de ação, desde ações de puro amor até violência selvagem.
     Se Eric Hobsbawm chamou o século XX de a Era dos Extremos, podemos deduzir de Leandro Karnal que adentramos a Era do Extermínio. Não existe mais luta por ideais ou ideologias, o objetivo agora é colocar o seu narciso num pedestal e fazer com que todos o adorem como um deus, mesmo sendo um simulacro do humano inatingível. Há ausência de diálogo demarca o fim de qualquer evolução social ou pessoal.
     O ufanismo e o regresso ao passado são uma construção histórica para descaracterizar o presente, logo, o avanço do nosso país é sempre ao lugar anterior. O que me leva a acreditar que ou o brasileiro não está preparado para o progresso social ou estamos vivendo uma sociedade muito conservadora. Fazer do passado a “era de ouro” é o mesmo que dizer que o tempo presente é o lugar do atraso, quando é o contrário.
     Leandro Karnal também trata da inveja. O pecado envergonhado, pois ninguém admite que o tem, é um dos mais cometidos por uma sociedade que busca execrar o outo pelo seu sucesso (financeiro, amoroso, intelectual etc.). As relações se dão sempre num nível de pré-julgamento, onde o conteúdo é trocado pela forma. Há um esvaziamento da crítica, ou melhor, nos tornamos acríticos.
     Por muitos exemplos dados no livro, o modelo que nossa sociedade segue é o europeu. Tentamos a todo tempo reforçar uma identidade totalmente artificial, que mais segrega do que integra. O cruzamento do racismo e da desigualdade social permitiu que não houvesse a necessidade de guetos institucionais, eles se tornam estruturais em nossa sociedade movida a ódio.
     O trânsito mata, a escola mata, o hospital mata, a polícia mata, a política mata, todos matam! A ausência de catástrofes naturais parece diluir o ódio cotidiano. Se não morremos de furacão ou tsunami, não somos violentos, agressivos e mesquinhos. As guerras civis trazidas em conceitos assépticos de revoltas e conjurações no período imperial é um bom exemplo disso. A nossa história nacional reforça essa posição.
     A internet acabou acirrando ainda mais os ânimos de pessoas retrogradas, que aqui daremos o nome adequado de idiota. Esse ser, o idiota, vê o mundo do tamanho de suas convicções, baseadas em preconceitos e pré-conceitos. Destila ódio nas redes sociais, camuflados por telas digitais e IPs. Esse é o cidadão que apenas incita a violência entre as pessoas e nunca uma crítica da realidade.
     O autor estabelece duas formas de diminuir o ódio: a coerção (pela lei) e o consenso (pela educação e conhecimento), quando maior o consenso, menor o uso de instrumentos jurídicos legais. Menor o gasto com segurança pública e com políticas públicas. Leandro Karnal não estabelece fórmulas complexas, mas aponta a família e a escola como bases para uma mudança profunda na nossa sociedade odiosa.

Acesse aqui:
https://www.amazon.com.br/Todos-Contra-Todos-%C3%93dio-Nosso/dp/8544105327/ref=asc_df_8544105327/


Biografia:
Comecou a escrever depois de um concurso em sala de aula. Dois anos depois ele publicou seu primeiro livro.
Número de vezes que este texto foi lido: 310


Outros títulos do mesmo autor

Resenhas O livro dos escritores olimpianos Caliel Alves dos Santos
Contos Preview: Distante do Céu Caliel Alves dos Santos
Releases ACID+NEON VOL.2 Caliel Alves dos Santos
Resenhas Um estrangeiro no pedaço Caliel Alves dos Santos
Resenhas Pelo signo do ódio morrerás Caliel Alves dos Santos
Resenhas Explorar é preciso! Viver? Nem tanto... Caliel Alves dos Santos
Resenhas Floresceram poemas no quintal Caliel Alves dos Santos
Resenhas O espírito ainda anda Caliel Alves dos Santos
Artigos A história até a História Caliel Alves dos Santos
Resenhas A paixão como eterno crime culposo Caliel Alves dos Santos

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 90.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 64565 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 54326 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 43173 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 42752 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 40827 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 40249 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 37788 Visitas
Amores! - 36045 Visitas
Desabafo - 35442 Visitas
Faça alguém feliz - 33857 Visitas

Páginas: Próxima Última