Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Esther
Luiz Eudes

No meio do caminho tinha uma casa, às margens da estrada. Era a casa da negra Esther. Neta de escravos, Esther era freguesa da mercearia de José Paulo. Dona Esther estava sentada em uma esteira feita por ela mesma com palha de licuri. A velha já estava cansada, perdeu o vigor das forças nas duras tarefas da vida na roça. As suas pernas não respondiam mais ao desejo de manter-se de pé. Sentia-se velha e cansada, a octogenária. Passava os fins de tarde a contemplar o sol se pôr por trás das jaqueiras atrás da casa e quando chegava a noite e seus mistérios, ela rezava o rosário para afastar o medo e descansava o corpo pesado de mulher que pariu dezoito filhos numa cama de vara de cipó coberta por um colchão de palha seca de capim. Sempre que aparecia prenhe o falecido marido lhe pedia; “me dê um filho homem, é melhor para me ajudar nos roçados”.
Dona Esther mandou que o visitante entrasse e tomasse assento no largo banco de madeira, ordenou à neta que lhes servisse café fresco, água de moringa e que fizesse ligeiro um suco de graviola ou de pitanga, ao gosto das visitas. A casa de taipa não era invadida pelo calor do sol porque o frondoso umbuzeiro fazia sombra, onde as galinhas ciscavam a terra molhada, enquanto leves nuvens se perdiam pelo vasto céu.
José Paulo tirou o alforje que trazia pendurado na cangalha e de dentro extraiu mantimentos e os colocou sobre a pesada mesa para alegria de todos. Dona Esther era sua cliente desde quando comprou a mercearia a José de Simão, filho de Simão, e por ela nutria consideração e respeito.
Tomou um caneco de água fresca da moringa, se despediu dos moradores da casa, beijou suavemente o belo rosto negro da velha Esther, emoldurado por longos cabelos brancos envoltos em uma polpa e continuou a caminhada atrás de novos sonhos e novas esperanças, enquanto a negra ficou mirando o horizonte, pitando o seu cachimbo recheado com o fumo picado que o amigo lhe trouxe.













Biografia:
Luiz Eudes é autor de Noite de Festas e Tempo de Sonhos
Número de vezes que este texto foi lido: 287


Outros títulos do mesmo autor

Contos Os músicos Luiz Eudes
Contos Zé do Mato Luiz Eudes
Contos Esther Luiz Eudes
Contos Rádio de Pilha Luiz Eudes
Contos Pizza de pimenta Luiz Eudes
Contos O prefeito Luiz Eudes
Contos Pagando promessa Luiz Eudes
Poesias A missão Luiz Eudes
Contos A voz da nossa gente Luiz Eudes
Contos Encontros e desventuras Luiz Eudes

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 14.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 68364 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 55700 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 44388 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 44117 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 43745 Visitas
IHV (IAHU) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 42398 Visitas
Amor e Perdão - Amilton Maciel Monteiro 42080 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 41348 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 41267 Visitas
TOMO TUDO - sigmar montemor 39757 Visitas

Páginas: Próxima Última