Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
OCRE 9 IND 16 ANOS
DE RICO FOG E IONE AZ
paulo ricardo a fogaça

Resumo:
BOM

Terminado o café, Cícero lava a louça e Priscila sai para a escola, só terá 3 aulas, Selma decide por ir a feira do bairro junto de Giovana.
        Cícero termina a limpeza da cozinha e vai para o quarto e logo sai dali, na área dos fundos ele usa o tanque para lavar algumas roupas que ele escondera para que ele mesmo fizesse a limpeza destas, nisso ele ouve um barulho vindo do quartinho dali, ele vai até o mesmo e ao mexer na porta nada, esta trancada, ele vai até a janela e vê dois sacos no chão, um liquido ali a escorrer e ele entende a situação, termina de estender suas roupas, de volta a cozinha ele pega o seu celular no armário e faz uma ligação, quando termina esta ele leva o aparelho para o seu quarto onde o esconde num buraco no forro da mala.
        Selma chega com Giovana ambas sorriem muito.
       - Que bom que estão animadas.
       Giovana vem até ele e entrega uma sacola com peixes, Cícero a olha curioso.
       - Prepare para a gente, compadre.
       - Sim, com todo prazer.
       - Estava falando com a comadre o quanto o senhor sabe fazer um bom peixe.
       - Obrigado, fico feliz que ainda pensa assim.
       - Sim.
       Cícero lava os peixes e já inicia os preparos para o prato.
       Priscila chega da escola e vê a mãe na costura enquanto Giovana faz um cachecol de tricot para ela.
       - Nossa que lindo vó.
       - É para você, que bom que gostou.
       - Nossa, muito lindo mesmo.
       - Obrigada querida.
       Selma olha para as duas e sorri, olha para Cícero que mostra as panelas no fogo.
       Todos comem muito bem o peixe cozido ao molho com legumes e espeiciarias, arroz com açafrão, polenta grossa e feijão de corda.
       Giovana sente o corpo mole de tanto comer, Selma lava toda a louça junto de Priscila.
       Giovana procura o quarto e logo adormece e Priscila vai também para seu quarto, Selma segue para a costura.
       - Não vai dizer que eu dopei as duas?
       - Sei que não o fez, elas que encehram demais o estomago.
       - Que bom, ainda tens bom senso.
       - Olhe, sabemos muito bem como vai terminar isso tudo.
       - Só espero que se demore tanto, afinal sua valia esta em prazo de término.
       Ela sai dali da máquina de costura e vai até ele.
       - O que diz?
       - Sua compra do quartinho.
       - Deixe que eu cuido do que me pertence.
       - É estranho estarmos aqui neste lugar tão formal.
       - Aonde quer chegar?
       - O que pretende fazer, terá de ser logo.
       - Sei de minhas capacidades e você nunca se meta em meus problemas.
       - Até por que seus problemas são todos eu.
       - Acho que esta dando muito valor ao pote, no caso você.
       - Quem sabe. Cícero sai da sala e Selma o acompanha com os olhos, ele entra em seu quarto, logo ela ouve um barulho, Giovana acordara e vai ao banheiro.

                      060721..…







              Giovana se despede de todos sempre com o olhar em Cícero.
     - Muito obrigada por ter vindo.
     - Oras, sou sua comadre e a vó desta lindeza.
     - Obrigada vó.
     - Oh querida, olhe como é linda, não é Cícero?
     - Sim, comadre.
     Giovana torna a olha-lo com ar de curiosidade.
     - Comporte-se, não quero saber de problemas.
     - Com certeza será tudo que farei, me comportar.
     Giovana entra no táxi e logo o veiculo some na rua, Selma entra na casa seguida de Priscila, Cícero fica ali na calçada e ouve um barulho vindo de dentro da casa, ele vai para a casa e ao entrar na sala recebe um choque com a arma que Selma ganhara.
     - Ficou louca.
     - Que comece os jogos.
     - O quê?
     Outro choque e ele apaga, minutos depois ele abre os olhos e esta numa cadeira amarrado, agora ali Selma e Priscila olham para ele e ficam a andar pela casa.
     - Então é isso, o que planejou?
     - Nada de tão especial assim.
     - Quando?
     - Quando o quê?
     - Quando vão usar o presente que esta naquele quartinho?
     - Aquilo, olha como ele é curioso.
     - Tenho de ser, afinal sou a vitima aqui.
     - Você pode ser o que quiser menos vítima.
     - O que quer dizer?
     - Cale a boca.
     - Vamos diga o que quer dizer?
     - Cale a maldita boca.
     Selma lhe dá um soco no rosto e Cícero sorri ao recebe-lo, Priscila encosta a arma elétrica na perna do homem e dispara, outro choque e ele grita ali em dor.
     - Gostou velho sacana?
     - Sua louca.
     - Sou.
     Outro choque e ele desmaia, Selma olha para a filha que entende a situação, as duas seguem para o quarto.
     Já anoitecera quando Cícero acorda e vê a casa cheia de velas.
     - Não pagaram a conta de luz novamente?
     As duas riem daquilo enquanto Selma troca de roupa ali na frente dele, Priscila vem com um prato de sopa para ele.
     - Hora de comer, velho.
     - Não estou com fome.
     - Pouco me importo.
     A garota derruba aquele prato no colo do homem que grita de dor, Selma lhe dá outro soco e passa fita adesiva na boca dele.
     Agora Cícero desespera ao ver na mão de Priscila um serrote.
     - Podemos começar mamãe?
     - Lógico querida.
     Priscila vai até o homem e passa o serrote em partes do corpo dele de leve mais causando agonia e dor.
     - Pronto, ele já esta pronto.
     Os atos de torturas continuam com choques, golpes, e alguns furos leves de facas pelo corpo feitos por Selma e sob supervisão da filha.
     Até que o alarme do relógio da parede dispara e Selma o desliga.
     - Pronto, já podemos ir para o segundo tempo.
     Elas saem dali, Cícero usa este espaço para tentar escapar dali, seu corpo todo ensanguentado, ele consegue soltar uma mão e logo as duas, ele desamarra uma perna e quando tenta soltar a segunda ouve passos, ele retorna as mãos a posição e fica ali se debatendo.
     - O que foi garotão, quer sair daqui?
     Selma vai até ele e lhe tira a fita num só puxo fazendo ele gritar ali de dor.
     - Acho que já podemos ir, filha.
     - Sim mãe.
     Cícero sente um forte odor de combustível e percebe que fora jogado gasolina por ali, Selma risca o fósforo e joga no tapete encharcado este inicia-se a pegar fogo, Cícero sai da cadeira e avança na mulher que cai, eles entram em luta corporal ali, Priscila se desespera e pega uma faca cravando nas costas do homem, elas saem dali deixando ele no chão em dor.
     A casa é toda tomada pelo fogo, Selma e Priscila saem numa moto para fora da cidade, bombeiros e policia são acionados.
     Cinco meses depois, Giovana ali a olhar as fotos da neta e da comadre, fotos essas que ela tirara quando esteve pela última vez na casa.
     - Olha só, eu falei, eu nunca confiaria num homem como Cícero.
     - Amor, vamos, esta na hora.
     - Sim.
     É domingo e o casal segue para a capela rural na missa, onde o padre ao final faz um celebração especial em memória de Selma e Priscila.
     De volta a fazenda o marido de Giovana no volante olha para ela.
     - Amor, você não achou estranho não terem encontrado o corpo do seu compadre?
     - Aquele canalha, com certeza fugiu.
     - Mais o delegado e todos os outros oficiais disseram que ali era impossível salvar alguém.
     - Você não conhece o traste, aquele nem o diabo o quer.
     - Cruzes, ele é tão ruim assim?
     - Ele é muito é esperto, mal, esperto.
     - Você não gostava dele mesmo.
     - Sempre o tive como um traste e é isso que ele é.
     O veiculo segue para a fazenda.
     Fronteira Brasil - Argentina, numa pousada de luxo, Selma e a filha andam á cavalo e aproveitam de todo o serviço do lugar.
     - Mais suco madame?
     - Claro, obrigado.
     - Sim madame.
     O garçom serve as duas que sorri para ele, terminado o passeio elas se deliciam na piscina com água aquecida.
     - Que lugar maravilhoso mãe.
     - Olhe, agora somos primas.
     - Sim, primas.
     - Fernanda.
     - Karen.
     As duas riem daquilo.
     - Será que aquilo acabou?
     - Quer dizer, do Cícero?
     - Sim, ele morreu mesmo?
     - Tenho comigo que não.
     - Como?
     - Ele é muito inteligente com certeza tinha seu plano.
     - Será.
     - Acredite, ele é um rato em todos os sentidos.
     - E a madrinha?
     - A Giovana deve estar chorando a falta da neta.
     - Ela até que é legal.
     - Agora é passado.
     - Sim, prima.

              120721.....


Biografia:
amo escrever e ler
Número de vezes que este texto foi lido: 47296


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas A ESTRANHA CAÇADA paulo ricardo a fogaça
Crônicas TE ODEIO paulo ricardo a fogaça
Contos INTENSO 2 IND 18 ANOS paulo ricardo a fogaça
Contos INTENSO IND 18 ANOS paulo ricardo a fogaça
Contos OCRE FINAL paulo ricardo a fogaça
Poesias ESTRANHA REALIDADE paulo ricardo a fogaça
Poesias ESTRANHO DESESPERO paulo ricardo a fogaça
Contos OCRE 9 IND 16 ANOS paulo ricardo a fogaça
Contos OCRE 8 IND 16 ANOS paulo ricardo a fogaça
Contos OCRE 7 paulo ricardo a fogaça

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 138.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
O cocheiro - Onihara 50121 Visitas
Na caminhada do amor e da caridade - Rosângela Barbosa de Souza 50065 Visitas
La senda de las flores oblicuas - Eva Feld 50028 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 50004 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 49996 Visitas
Entrevista com Larissa Gomes – autora de Cidadolls - Caliel Alves dos Santos 49798 Visitas
Caçando demónios por aí - Caliel Alves dos Santos 49796 Visitas
saudades de chorar - Rônaldy Lemos 49779 Visitas
NÃO FIQUE - Gabriel Groke 49755 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 49719 Visitas

Páginas: Próxima Última