Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O MENINO NO TREM
MARCIANO VASQUES

Resumo:
Texto escrito para a ANTOLOGIA DA AEI-LIJ, retrata a felicidade de um menino na estação do Brás e na descida da serra para Santos, e depois, na volta, sempre no trem. O velho e inesquecível trem.

O MENINO NO TREM


Trem que levava os sonhos sardentos de um menino.
Numa manhã tão fria e chuvosa estávamos no Brás, nos paralelepípedos, na porteira, na plataforma da Santos-Jundiaí. Corríamos no Largo da Concórdia, passávamos pelo gasômetro. Ao chegarmos não tinha como não parar diante da escadaria para apreciar a estação.
E o trem, o trem, o trem. Meu Deus! Eu era tão menino e lá vinha ele. Acenávamos num alvoroço que meu pai incentivava. Ele está vindo! Vem Maraci. Vem Cianinho! O trem está vindo...
E ele chegava, os vagões de madeira e a preta, linda demais, tanta fumaça. Que exagerada. Viva! Eu estremecia num grito abafado. Aquela mistura de fuligem no ar chuvoso produzia nódoas que só num coraçãozinho daquele podiam caber sem escapar nada. Nódoas lilases e amarelas e cinzas, nem lembro mais.
Ela chegou, os enormes pentes de ferro no trilho, as rodas imensas, aquele carvão todo. Segure a minha mão. Dizia o meu pai. Um de cada vez. E entrávamos. Minha mãe: o rosto claro, as poucas sardas, os olhos parecendo bolinhas de gude de tanto brilho. Um azul carioca que vinha de tão longe... Ela ficava vermelha como um camarão quando tomava vinho.
Nunca mais tive aquela manhã de chuva. Que contribuiu demasiado para que eu viesse a ser o homem que hoje sou. O jeito daquelas coisas tão diferentes de tantas que viriam depois. Eu, magrinho, minha irmã segurando em minha mão, e na outra a boneca que não largava.
Depois lá ia o trem, e eu vagava num sonho acordado que voava e uma borboleta entrou no vagão e trovejava. Eu não cabia mais em meus pensamentos e abusava de ser menino sem ter a consciência de que a poesia brotava nas coisas que passavam.
Lá ia o trem. A serra despontou azulada em meus olhos famintos que não desgrudavam da janelinha. Não mais chovia. As nuvens de fumaça carvoeira moviam-se no azul. Eu queria que demorasse a viagem, e quando tinha uma curva lá na frente eu via a locomotiva e ouvia meu pai do alto de seu bigode elogiando assombrado a Maria-Fumaça, que até parecia encantamento, mas ele era assim mesmo: falava demais de uma coisa que gostava.
O frio fora embora e o que prometia ser sol despontando nas frestas do dia já era mormaço nos trilhos. Os dormentes secavam. Eu teria febre assim de tanto que tremia meu corpo franzino.
Então a serra chegou, e o cabo de aço, e a troca das máquinas. Veio uma mais linda ainda, em forma de retângulo, amarela e vermelha. Só ela conseguia subir a serra. Então lá fomos nós. Viva! Viva! A serra, a serra, a serra... Os vagões puxados por uma máquina a óleo. Isso mesmo. Nada de carvão. Adeus Maria-fumaça! Você não conseguiu subir a serra. Não consegue. Não consegue. Não consegue. Tchau, tchau, tchau!   Tchau, tchau, tchau!   Tchau, tchau, tchau. Linda. Fica com Deus.
Figurinhas, pião, roda ocupando a rua larga enquanto girávamos nas cantigas. Mas naquela viagem tudo se dissolvia. Íamos pra Santos. Os senhores aqui presentes sabem o que é isso? Um menino e sua família descendo para Santos num trem daquele? O foguista, o maquinista...
Lá íamos. Os bancos de madeira, igual ao daquele bonde aberto nas ruas de Santos. Homens de chapéu e eu lá. Que presente a minha alma em formação ganhava! Se eu pudesse rever a claridade daquelas ruas!
Minha vida nem sei quando saiu dos trilhos.
Foi bem depois de um quintal onde eu brincava com tijolos transformados em vagões. Foi bem depois daquela viagem.
A banca de jornal repleta de gibis. E numa flecha ligeira meu coração partiu rumo ao futuro. Um guaraná caçula, um pacote de amendoim, quanta coisa tinha no Brás. Minha irmã de pele índia, minha mãe: meu pai vivia a repetir entre as doses de rabo-de-galo que ela era a patroa.
Naquela manhã o trem corria e a máquina cuspia laços de fumaça num céu esverdeado. E desceu a serra.
Então a cidade despontou lá embaixo. Lá está ela, venha mais pra janelinha, é Santos.
Uma nova troca de máquinas. Da máquina a óleo para a Maria-Fumaça novamente. É outra! É a mesma! É outra! É a mesma! É outra! É a mesma! Pare de ser bobo. Como acha que ela atravessou a serra e apareceu aqui? É claro que é outra! Parem de discutir crianças!
Passamos por Cubatão e chegamos em Santos. As ondas do mormaço soltando-se dos trilhos e a estação tão imensa que nem podia passar pela minha cabeça que um dia seria demolida.
Saiamos do trem. Estávamos na cidade santista. Lá vinha o tio Germano a gritar: Aqui! Aqui!
É aquele que está acenando com o chapéu.
Viva! Viva!
Segura na mão da Marinha. Eu obedecia imediatamente. Segurar na mão dela era algo que eu disputava com a minha irmã. Quando saíamos para buscar a macela ou dávamos a volta pelo quarteirão ela aproveitava para mostrar e ensinar. Isso é alecrim. Isso é erva-cidreira.
Saiamos da estação ferroviária e então ouvi um apito. Olhei para trás. Vamos, Ciano, vamos! Pare de olhar pra trás.
Vamos parar para ver o trem. Foi o tio Germano quem falou isso. Meu pai concordou. Devo tanto àqueles homens...
Aí paramos, a família inteira. Olhávamos de uma tal forma que eu podia sentir em cada um o meu coração no ritmo do trem.
E lá ia ela puxando os seus vagões rumo a São Paulo. A família só arredou pé depois que o trem desapareceu no horizonte.
     

                                                        MARCIANO VASQUES


Biografia:
Marciano Vasques é escritor, natural de Santos, e autor de Literatura Infantil. Publicou diversos livros, entre os quais "Uma Dúzia e Meia de Bichinhos", "Griselma", "Arco-Íris no Brejo", "Espantalhos", "Rufina", "Uma Aventura na Casa Azul" e "As Duas Borboletas". É também autor teatral.
Número de vezes que este texto foi lido: 28646


Outros títulos do mesmo autor

Artigos MAGIA E AGRURAS DO TEATRO INFANTIL MARCIANO VASQUES
Artigos CANTO CHAMADO RABERUAN MARCIANO VASQUES
Contos O MENINO NO TREM MARCIANO VASQUES
Artigos A EPOPÉIA FATAL MARCIANO VASQUES
Releases A PRINCESA QUE NÃO SABIA CHORAR MARCIANO VASQUES
Poesias A PRINCESA QUE NÃO SABIA CHORAR MARCIANO VASQUES
Contos JACY MARCIANO VASQUES
Artigos CANTRIZ MARCIANO VASQUES
Artigos SOBRE O POEMA DE AFFONSO ROMANO DE SANT'ANNA MARCIANO VASQUES
Crônicas NO GALOPE DA IMAGINAÇÃO DESEMBESTADA MARCIANO VASQUES

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 15.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 58745 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 53283 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 42431 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39470 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 36098 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 35551 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 34324 Visitas
Amores! - 33806 Visitas
Desabafo - 33423 Visitas
Faça alguém feliz - 32026 Visitas

Páginas: Próxima Última