Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Um Amor, um peixe, uma tragédia
ROGÉRIO RIVELLINO SABIONI

Resumo:
A Saga de Hudi Zastre

Reza a lenda, que certo dia. Vamos combinar um nome fictício para o protagonista, Hudi Zastre. Depois de muito pousar os olhos naquela joia que todo dia entrava na padaria quase sempre no mesmo horário, e procurava-o para ser atendida, ele tomou coragem e convidou-a para um suco. Moça recatada, criada a sete olhos, gostou do convite mas achou inoportuno aceitá-lo. Mas deixou uma "migalhinha de pão", um sorriso, para que Hudi não desistisse, e assim foi, os dias seguiam e eles naquele bailado interminável, até que um dia, pegando Hudi de surpresa, Eleonora perguntou se ele gostaria de almoçar, domingo em sua casa. Os olhos dele estalaram feito dois ovos fritos, e apenas com um aceno de cabeça, confirmou sua presença no evento. Ela saiu novamente com aquele sorriso, e ele não cabia em si de tanta felicidade. Faltavam 3 dias, mas eles já estava tendo brotoejas, de tanta ansiedade, e todos os dias até o domingo ela confirmava se estava tudo certo.
Domingo, dia ensolarado, parecia que alguém tinha dado uma mão de tinta em todas as flores, tamanha era a felicidade com que Hudi apreciava a todos e a tudo. No caminho para a casa de Eleonora, era bom dia pra cá, tudo bem pra lá, um satisfação só. Chegou diante da casa 75 Da Rua Palmito. Um leve suor nas mãos, garganta seca, apertou a campainha. Blim Blommm.
Saiu um Senhor com seus 55 anos, um bigode enorme que parecia havia engolido uma andorinha mas as asas tinha ficado para fora. Saudou-lhe com bom dia, e apresentou-se.
O homem acenou com a mão para que subisse, e então ambos adentraram a casa.
Eleonora o recebeu com seu melhor sorriso, e só isso já lhe bastava. Chegou o grande momento, todos a mesa e, lá vem a mãe, com uma travessa esfumaçante, coberta com uma tampa, e ao abrir, Hudi ficou gelado. Era peixe. Lembrou-se rapidamente do problema que tinha todas as vezes que comia peixe e quando foi educadamente falar, a mãe falou primeiro.
Sim, ela disse que havia feito especialmente pra ele o prato. Meu Deus, como recusar?
Sorriu, agradeceu a gentileza, e afirmou pelo aroma e aparência, tudo estaria perfeito. A mãe lhe serviu um pedaço generoso, ele educado, agradeceu e quando pegou o garfo, viu os olhos de ursinho coala da mãe, esperando o veredito. Ele não teve duvidas, encheu o garfo e nhac. Uma delícia, e ele tentava não comer, mas mãe como um predador não tirava os olhos dele, então quando ele deu a última garfada, mal o garfo chegou a boca, a mãe já estava lhe servindo outros pedaço. Passado o almoço, todos foram a sala e estavam conversando quando Hudi sentiu o efeito devastador que o peixe lhe causa. Um uivo estremecedor veio do interior com uma força fenomenal, devastadora, que nenhum esfíncter seria capaz de segurar, ele levantou rapidamente como uma naja, pediu licença, e também a direção do banheiro. Eleonora o encaminhou e lá chegando ele livrou-se rapidamente da calça, sentou, e parecendo a Columbia, quase decolou de tão forte e rápida foi a saída. Ele suava, mas não parava, passado alguns minutos, ele sentiu que estava salvo. Respirou aliviado e quando foi se limpar, se deu conta de que não havia papel. Pensou, só pode ser brincadeira, olhou por todo o banheiro e nada, passou pela cabeça limpar na cortina, no tapete, mas foi quando teve uma ideia. Vou me lavar na pia, sabia que não era certo, mas era vital. Foi com jeitinho colocando a borda do bumbum na pia, quando ao apoiar na mesma, ela se soltou caindo no chão e partindo em vários pedaços, nesse mesmo momento Hudi Zastre perdeu o equilíbrio e caiu sentado sobre um dos cacos se cortando e então começou a gritar. Todos na casa correram a porta, e o pai perguntava o que havia acontecido, e apenas ouviam o moço gritando. O pai arrombou a porta e viu a cena devastadora, Hudi caído no chão com as calças arriadas, todo ensanguentado e cacos para todo lado. Hudi nunca mais teve coragem de olhar Eleonora nos olhos, pediu demissão da padaria, mudou-se de cidade e até hoje ninguém mais teve notícias do rapaz.


Biografia:
Número de vezes que este texto foi lido: 28804


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Arrisque ROGÉRIO RIVELLINO SABIONI
Poesias Como é sua nuca? ROGÉRIO RIVELLINO SABIONI
Poesias Um brinde ao protagonista ROGÉRIO RIVELLINO SABIONI
Poesias Adias há dias ROGÉRIO RIVELLINO SABIONI
Poesias Predador ROGÉRIO RIVELLINO SABIONI
Poesias DIFÍCIL EQUILÍBRIO ROGÉRIO RIVELLINO SABIONI
Poesias A ÚLTIMA PEÇA ROGÉRIO RIVELLINO SABIONI
Contos A DIFERENÇA DAS FORMAS ROGÉRIO RIVELLINO SABIONI
Humor A paciência está com Alzheimer ROGÉRIO RIVELLINO SABIONI
Humor Um Amor, um peixe, uma tragédia ROGÉRIO RIVELLINO SABIONI

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 19.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 69495 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 55936 Visitas
IHV (IAHU) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 48108 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 44662 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 44307 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 43931 Visitas
Amor e Perdão - Amilton Maciel Monteiro 43210 Visitas
viramundo vai a frança - 43086 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 41907 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 41562 Visitas

Páginas: Próxima Última