Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Prazos prescricionais e decadenciais
Isadora Welzel

A prescrição corresponde à perda da pretensão, que é a exigibilidade de uma prestação, sendo que conforme a teoria da actio nata, é preciso que nasça a pretensão e o direito de ação para que haja prescrição, perde-se o direito de ação para exigir a tutela de um bem lesado. Já a decadência relaciona-se aos direitos potestativos e fulmina o próprio direito material. A renúncia à prescrição ocorre quando o credor renuncia ao recebimento após a prescrição da pretensão. Não se pode renunciar à pretensão antes da prescrição, bem como a renúncia não pode prejudicar terceiro, tornando-se inválida quando utilizada por exemplo para frustrar o crédito de outrem, e se renunciar, o prazo não volta a correr. A renúncia é viável na decadência decorrente de prazo contratual, podendo ser expressa ou tácita. A diferença fundamental em síntese, é que o prazo prescricional decorre da lei (art. 206), enquanto que o prazo decadencial se estabelece entre as partes e submete-se à análise judicial. O prazo decadencial estabelecido em contrato é renunciável, já o prazo previsto em lei deve ser integralmente cumprido e é irrenunciável.

O prazo prescricional não pode ser estipulado pelas partes em contrato, pois diferentemente dos prazos decadenciais que podem ser estabelecidos de forma privada mediante um negócio, os prazos prescricionais estão previstos em lei e devem ser seguidos obrigatoriamente. A prescrição, contudo, conforme o art. 193 do CC, pode ser alegada em qualquer grau de jurisdição pela parte a quem aproveita. Diferentemente do prazo decadencial, por exemplo, que pode ser estabelecido em cláusula contratual entre as partes.

Não é possível exigir a devolução de uma dívida já prescrita. Isso porque a prescrição incorre na perda da pretensão, ou seja, na perda do poder de exigir uma providência ou uma prestação, e consequentemente no direito de ação. Contudo, o direito material não se extingue com o fim do prazo prescricional, ele ainda se faz presente enquanto um direito natural, uma vez que só é fulminado pelo instituto da decadência. Portanto subsiste o direito de adquirir, bem como a validade do pagamento da prestação.

As causas suspensiva e interruptiva estão no âmbito dos prazos processuais, e diferenciam-se essencialmente uma vez que quando a causa suspensiva cessa, o prazo volta a correr do momento em que parou. Aplicam-se somente a prazos prescricionais, bem como as causas interruptivas, diferentemente da causa impeditiva, que obsta não somente a prescrição, mas também a decadência. Quando há uma interrupção no prazo prescricional, cessada a causa interruptiva, o prazo reinicia, volta ao início e para situação anterior à superveniência de causa de interrupção, desconsiderando-se o tempo transcorrido até que a causa interruptiva adviesse. Ambas não se aplicam aos prazos decadenciais, porque a decadência define-se pela contagem da corrida do prazo assim que o direito nasce, não sendo possível suspender ou interromper, tão somente impedir.

Disciplina: Direito Civil II


Biografia:
Além de grande admiradora da escrita e da literatura, sou estudante de Direito na Universidade Federal de Santa Catarina e meu propósito no Recanto das Letras é traduzir conteúdos do mundo jurídico para a comunidade leitora, de modo a propagar conhecimentos sobre o Direito e propor reflexões. 
Número de vezes que este texto foi lido: 143


Outros títulos do mesmo autor

Jurídicos Padrões decisórios Isadora Welzel
Jurídicos Minicurso sobre oratória Isadora Welzel
Jurídicos Oratória Isadora Welzel
Jurídicos A contemporaneidade: Maquiavel e armamentismo Isadora Welzel
Jurídicos Reflexões sobre os direitos humanos Isadora Welzel
Jurídicos Resumo - livro Privatização e serviços públicos Isadora Welzel
Jurídicos O câmbio na economia internacional Isadora Welzel
Jurídicos A Organização Mundial do Comércio Isadora Welzel
Jurídicos Resenha - A Grande Transformação: Karl Polanyi Isadora Welzel
Jurídicos A prova no direito civil e processual civil Isadora Welzel

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 110.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
JASMIM - evandro baptista de araujo 69082 Visitas
ANOITECIMENTOS - Edmir Carvalho 57979 Visitas
Contraportada de la novela Obscuro sueño de Jesús - udonge 57636 Visitas
Camden: O Avivamento Que Mudou O Movimento Evangélico - Eliel dos santos silva 55910 Visitas
URBE - Darwin Ferraretto 55229 Visitas
Entrevista com Larissa Gomes – autora de Cidadolls - Caliel Alves dos Santos 55211 Visitas
Caçando demónios por aí - Caliel Alves dos Santos 55088 Visitas
Sobrenatural: A Vida de William Branham - Owen Jorgensen 54965 Visitas
ENCONTRO DE ALMAS GENTIS - Eliana da Silva 54957 Visitas
Coisas - Rogério Freitas 54947 Visitas

Páginas: Próxima Última