Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
A separação dos amantes: da perda à restauração
Professor Jorge Trindade

Resumo:
Encontros de Vivência a partir da obra do psicanalista austríaco Igor Caruso (WhatsApp 99914-8044)

A separação daqueles a quem se ama gera um sentimento que obrigatoriamente tangencia o tema da morte. No caso, da morte em vida.
De fato, o predominante é o sentimento de perda que remete a uma via de mão dupla. Em uma direção, corre o dar-se conta de que a pessoa amada irá desaparecer em nosso pensamento. Isso, por si só, produz muito sofrimento. No outro sentido, está um sentimento ainda mais duro: aquele de se dar conta de que o ‘eu’ (ego) também irá desaparecer no imaginário do outro(a). Trata-se de cada dia tornar-se cada vez menos, até o esquecimento completo.
Essa dinâmica psicológica ameaça a própria identidade dos amantes. Coloca ambos em xeque. Por isso, é frequente ouvir a frase: ‘não me esqueça’. Isso é válido para as duas partes dessa relação.
Por outro lado, a ruptura afetiva pode também dar lugar a um enorme desejo de reparação dos vínculos danificados ou simplesmente adoecidos. Essa reconstrução, se for o caso, sempre será um processo difícil e delicado. Exigirá mudanças de parte a parte.
Na verdade, o sentimento de perda que acompanha uma separação repete todas as primeiras separações anteriores, desde aquela da criança em relação ao ventre materno.
Por esse motivo, a reparação afetiva do vínculo amoroso rompido consiste em curar, em primeiro lugar, aquela ferida que se encontra lacerada e aberta. Mas não é só. Significa também o caminho de cura de todas as outras dores afetivas pretéritas.
Como se pode notar, o tema da separação dos amantes - da ruptura à restauração – interessa a qualquer tipo de relacionamento afetivo, pois a separação e o divórcio é uma questão que convoca o olhar atento, tanto de profissionais da psicologia quanto de especialistas da área do Direito de Família.
Mais uma vez, se nota como a natureza é sábia, pois, de uma forma ou de outra, é preciso continuar vivendo. E amando... porque viver só não basta.
Encontros de Vivência a partir da obra do psicanalista austríaco Igor Caruso (WhatsApp 99914-8044).

Jorge Trindade, psicólogo clínico e advogado. Doutor em Psicologia. Doutor em Ciências Sociais. Professor na Universidade Fernando Pessoa.
drtrinddade@terra.com.br
https://www.inpsi.com.br


Biografia:
Advogado e psicólogo. Pós-doutorado em Psicologia Forense Doutor em Psicologia, Doutor em Ciências Sociais e Professor.
Número de vezes que este texto foi lido: 217


Outros títulos do mesmo autor

Artigos A separação dos amantes: da perda à restauração Professor Jorge Trindade
Artigos Violência sexual contra mulheres Professor Jorge Trindade
Artigos Ano Novo 2024: novas esperanças Professor Jorge Trindade
Artigos Depressão e fim de ano Professor Jorge Trindade
Artigos A lei de alienação parental Professor Jorge Trindade
Artigos Somos uma sociedade de cabeça baixa? Professor Jorge Trindade
Artigos A Política Manicomial Professor Jorge Trindade


Publicações de número 1 até 7 de um total de 7.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
Coisas - Rogério Freitas 54577 Visitas
frase 935 - Anderson C. D. de Oliveira 54542 Visitas
1 centavo - Roni Fernandes 54521 Visitas
Ano Novo com energias renovadas - Isnar Amaral 54318 Visitas
NÃO FIQUE - Gabriel Groke 54265 Visitas
Na caminhada do amor e da caridade - Rosângela Barbosa de Souza 54244 Visitas
saudades de chorar - Rônaldy Lemos 54226 Visitas
PARA ONDE FORAM OS ESPÍRITOS DOS DINOSSAUROS? - Henrique Pompilio de Araujo 54139 Visitas
Depressivo - PauloRockCesar 53996 Visitas
Jazz (ou Música e Tomates) - Sérgio Vale 53996 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última