Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Retrospectiva 2020
Flora Fernweh

O quintal florido de minha infância queimou em chamas
Com tristeza vi as árvores sendo engolidas pelo fogo
Com a esperança de um dia melhor, fui dormir
Sonhei que meu tio havia sido morto no Irã
A mando de uma grande nação
Durante o pesadelo, faltou-me ar
Não conseguia respirar
Tive a sensação de que minha vida não valia
De que minha pele era uma vergonha
De que minha cor era medonha
Tive medo
A terceira guerra se anunciava
Acordei dolorido no outro dia
Como se uma parte do meu corpo
Quisesse se desprender de mim
Como se a terra da rainha
Quisesse quebrar um pacto
Ainda me faltava ar
Para completar, estava com febre
Estava quente, subia a temperatura
Em mim e ali perto, em nosso tão caro bioma
No pantanal, um fogaréu. Doença
A tosse seca se anunciava como se eu tivesse
Que eliminar uma tristeza de dentro de mim
Minha priminha a muito custo, desfez-se do feto
Fruto de algoz violência
Enquanto isso acontecia, o tempo congelou
O mundo parou, e a natureza quase agradeceu
As ruas vazias, os pombos alegres, a vida nas telas
Logo as ruas se encheram de carros funerários
Os pulmões, de água
A mente, de preocupações
E o coração, de dor e angústia
O inimigo era microscópico
Mas seu efeito era maior que o mundo
Mundo esse, dividido em onda azul e vermelha
No auge da polarização, uma expectativa
Incrível como as autoridades ignoravam
Amenizavam, negavam e negociavam
Brigavam entre si pela banalidade de outrora
Um sai, entra e um entra, sai no ministério
Um sai, entra e um entra, sai no cemitério
Entre explosão de nitrato e destruição de monumentos,
Pobreza, milícias, mídias, recessão, repressão
Lia nauseado o jornal, apreensivo de virar a página
E encontrar a notícia de que o mundo em breve acabaria
Sei que não posso comemorar o triunfo antes da hora
Sempre é cedo para perder vidas, mas meio-vivo estou
O ano está quase lá, mas ainda não acabou
Tarde se vai, demorou, era bissexto
Nos despediremos do ano artificial sem fogos de artifício
Nem mais um susto, nem mais um som de incerteza
Mas há ainda um último dia fatídico
Não cantemos vitória antes da hora...


Biografia:
Sobre minha pessoa, pouco sei, mas posso dizer que sou aquela que na vida anda só, que faz da escrita sua amante, que desvenda as veredas mais profundas do deserto que nela existe, que transborda suas paixões do modo mais feroz, que nunca está em lugar algum, mas que jamais deixará de ser um mistério a ser desvendado pelas ventanias. 
Número de vezes que este texto foi lido: 73


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Língua de poeta Flora Fernweh
Artigos Expressionismo Flora Fernweh
Haicais Anoiteceu Flora Fernweh
Artigos A situação da saúde no Brasil: problemas e soluções Flora Fernweh
Artigos Causas e consequências do movimento antivacina Flora Fernweh
Crônicas Ânsia da escrita Flora Fernweh
Artigos A escrita é o novo divã Flora Fernweh
Contos Reflexão: ENEM 2020 Flora Fernweh
Haicais Parto Flora Fernweh
Artigos Moradia e acessibilidade Flora Fernweh

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 201.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 75713 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 61729 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 50138 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 49935 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 49476 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 49103 Visitas
A TRISTEZA E O SIM DA VIDA - Alexsandre Soares de Lima 48847 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 48701 Visitas
Solidão que nada - Morgana Bellazzi de Oliveira Carvalho 48661 Visitas
Um dia - Luca Schneersohn 48127 Visitas

Páginas: Próxima Última