Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Quando o caçador vira a sua própria presa
Caliel Alves dos Santos

Resumo:
Conheça uma das melhores histórias do Homem-Aranha.

O Homem-Aranha é um dos heróis mais icônicos do cenário dos comics estadunidenses. Nascido em 1962, na revista Amazing Fantasy, da mente dos três mosqueteiros Stan Lee, Jack Kirby e Steve Ditko. O personagem tinha muito de sua época: Guerra do Vietnã e pulp fiction. É incrível o que um órfão criado por seus tios poderia se tornar. Tão incrível quanto esse herói foram os seus vilões.
     Dentre eles, está Sergei Kravinov, ou como ficaria mais conhecido no mundo aracnídeo, Kraven, “o Caçador”. Ele nasceu na Rússia czarista, na cidade de Volvogrado, era filho de aristocratas russo, exilados do país pelos sovietes. Sua primeira aparição foi no ano de 1964. É um dos antagonistas mais metódicos e perigoso que o Homem-Aranha enfrentou em sua trajetória.
     Kraven, entediado da civilização e, do mundo capitalismo, se dedicou as caçadas, em busca de um propósito mais nobre. Foi nessas viagens que ele conheceu ervas medicinais que alteraram a sua fisionomia, aumentaram a eficácia de seus músculos e sentidos. Conheceu artes ocultas. Grandes contribuições do seu desenvolvimento vieram do tempo em que caçava no continente africano.
     Um homem que possui habilidades tão elevadas não se contentaria apenas em caçar leões e rinocerontes com as mãos nuas, não, ele desejava mais emoção. Ele chegou até a participar de uma das formações dos Vingadores, isso nos anos 50. Mas, foi graças há uma venenosa sugestão que passou a caçar o amigão da vizinhança. A caçada ao Homem-Aranha lhe pareceu o maior de todos os desafios: uma presa que raciocina!
     Em A última caçada de Kraven, o caçador parece ainda mais obsessivo, indo às raias da loucura. Submergimos em sua mente adoecida. Sua necessidade de provar os seus limites e se mostrar a presa suprema o fez enlouquecer. Uma demência que não apenas trazia risco as pessoas a sua volta, ou ao Homem-Aranha, mas a ele mesmo. Essa HQ nos mostra que uma vida baseada numa obsessão não leva a pessoa a realização de seus desejos, mesmo que consiga realizar o seu objetivo. No fim, não resta nada.
     Como uma graphic novel baseada num vilão, mergulhar na mente de Kraven não é nada fácil, mas, revelador. O personagem, tão apegado as suas origens nobres, se refugia numa tradição que não mais existe, ou melhor, não faz mais sentido num mundo bipolarizado, consumista, onde a ordem acaba se rompendo em uma revolução. É quase um desabafo nietzschiano. E como todo bom niilista, é no passado que se encontra o futuro do homem, ou melhor, do além do homem. O homem que pode seguir os seus instintos, servir-se de sua potência e realizar seus desejos mais profundos sem que as convenções morais o impeçam.
     Esses são apenas um dos questionamentos que o quadrinho vai abordar. Para Kraven, se tornar o Homem-Aranha o fará sobrepujar a sua presa. Entenderá a sua essência. Ao ser o herói, deixa de ser o vilão, metaforicamente falando. Através de um plano mirabolante, Kraven derrota o Homem-Aranha, e depois disso, não encontra mais objetivo em sua vida. A caçada havia terminado.
     Peter Parker, agora vivendo com Mary Jane, sopesam a vida de casado e a separação devido sua atividade de herói. Tanto ele, quanto Mary sofrem com a situação. Ela teme por sua segurança. Já o Peter no Homem-Aranha entra em conflito com seu álter-ego. É nesse momento que ele percebe que seu papel vai mais além do que lutar contra vilões, é um símbolo, e seus valores pessoais não estão desprendidos do combate à criminalidade.
     O Vilão Rattus, embora seja um vilão menor nas histórias do Homem-Aranha, tem um papel de relevância na trama. Entra como um catalisador do conflito de valores entre os antagonistas. O modo de tratamento a Rattus indica qual é a posição e visão de mundo de ambos os personagens, Kraven e Homem-Aranha. O enredo vai trabalhar com os discurso, simbologias e o psicológico das personagens, não se focará em grandes lutas, embora, haja muita ação.
     A obra é desenhada por Michael “Mike” Zack. Nasceu em 6 de setembro de 1949, Greenville, Pensilvânia. Em 1967, frequentou a Escola de Artes, mas só em 1974 começou a trabalhar como quadrinista. Depois disso trabalhou em diversos títulos da DC e Marvel. J. M. DeMatteis nasceu em 15 de dezembro de 1953, Brooklyn, Nova York. John Marc DeMatteis foi músico e jornalista do mundo do rock, antes de produzir HQs. A última caçada de Kraven já foi votada como a história nº 1 do aracnídeo. Atualmente também escreve para séries de TV e cinema.
     Essa edição é da Panini Comics, formato capa dura. Reúne histórias publicadas originalmente em 1987, respectivamente: Web of Spider-Man (31-32); Amazing Spider-Man (293-294); e Peter Parker, The Spectacular Spider-Man (131-132). A impressão está de excelência. Tem por volta de 150 págs. Para adquirir a obra, acessar aqui:
     https://loja.panini.com.br/panini/produto/Marvel-Homem-Aranha-A-Ultima-Cacada-de-Kraven.aspx
     https://www.amazon.com.br/Última-Caçada-Kraven-1/dp/8583681023/     


Biografia:
Caliel Alves nasceu em Araçás/BA. Desde jovem se aventurou no mundo dos quadrinhos e mangás. Adora animes e coleciona quadrinhos nacionais de autores independentes. Começou escrevendo poemas e crônicas no Ensino Médio. Já escreveu contos, noveletas, resenhas e artigos publicados em plataformas na internet e em algumas revistas literárias. Desde 2019 vem participando de várias antologias como Leyendas mexicanas (Dark Books) e Insólito (Cavalo Café). Publicou o livro de poemas Poesias crocantes em e-book na Amazon.
Número de vezes que este texto foi lido: 33761


Outros títulos do mesmo autor

Resenhas Azul sempre foi a cor mais quente Caliel Alves dos Santos
Releases Zumbi, mais que ação, um ideal Caliel Alves dos Santos
Releases Arqueologia Pop – VAN Caliel Alves dos Santos
Resenhas Arqueologia Pop – Kroma! Caliel Alves dos Santos
Releases Arqueologia Pop – Nova Ventura Caliel Alves dos Santos
Resenhas Arqueologia Pop – Blood Crystals Caliel Alves dos Santos
Resenhas Quando o caçador vira a sua própria presa Caliel Alves dos Santos
Resenhas Só nos sobraram os espinhos Caliel Alves dos Santos
Resenhas Caçando demónios por aí Caliel Alves dos Santos
Resenhas Caçadores de emoções... e aventuras Caliel Alves dos Santos

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 111.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 34531 Visitas
LÍRIO - Alexsandre Soares de Lima 34435 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 34418 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 34416 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 34409 Visitas
Na caminhada do amor e da caridade - Rosângela Barbosa de Souza 34407 Visitas
Como posso desenvolver uma campanha de marketing - Antonio 34397 Visitas
A Carta Gelada - José Rony de Andrade Alves 34377 Visitas
A PRAIA DO PROGRESSO - Rosângela Barbosa de Souza 34373 Visitas
A TRISTEZA E O SIM DA VIDA - Alexsandre Soares de Lima 34366 Visitas

Páginas: Próxima Última