Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
AS TRAVESSURAS DO SACI
Saulo Piva Romero

ERA UMA VEZ UM MOLEQUE TRAVESSO QUE PERDEU UMA PERNA QUANDO ESTAVA LUTANDO CAPOEIRA.
DEPOIS QUE ISSO ACONTECEU, O MENINO FICOU MUITO TRISTE, POIS, TODOS NA SUA CIDADE FICARAM SABENDO DO ACIDENTE E COMEÇARAM A CAÇOAR DELE.
ENTÃO, O MENINO DE ORIGEM AFRICANA FICOU MUITO CHATEADO E DECIDIU FUGIR PARA UMA FLORESTA QUE FICAVA DISTANTE DA SUA CASA. COMO ELE SÓ TINHA UMA PERNA ERA OBRIGADO A FICAR PULANDO O TEMPO TODO PARA PODER CAMINHAR.
O MOLEQUE ERA MUITO TRAVESSO E LOGO QUE CHEGOU À FLORESTA, ELE AVISTOU UMA GRUTA E FOI ENTRANDO SEM PEDIR PERMISSÃO.
MAS, LOGO NA ENTRADA DA GRUTA, O MOLEQUE DEU DE CARA COM UMA ESTRANHA CRIATURA COM UMA BRUXA VELHA E FEIA COM A PELE CHEIA DE ESCAMAS E UMA LONGA CAUDA QUE MAIS PARECIA UM JACARÉ.
O SUSTO FOI TÃO GRANDE QUE O MOLEQUE TRAVESSO SE ASSUSTOU E IMEDIATAMENTE DEU TRÊS PULINHOS PARA TRÁS.
A VELHA BRUXA DISSE:
- QUEM OUSA ATRAPALHAR A MINHA SONECA?
- EU SOU MATILA O NEGRINHO DE UMA SÓ PERNA.
- E O QUE FAZ AQUI NA MINHA LINDA FLORESTA
- EU FUGI DE CASA PORQUE TODOS OS MEUS AMIGOS COMEÇARAM A CAÇOAR DE MIM. PELA PRIMEIRA VEZ NA VIDA, A VELHA BRUXA SENTIU PENA DE ALGUÉM.
ENTÃO, GIRANDO A SUA VARINHA MÁGICA, DONA CUCA FEZ APARECER UMA CARAPUÇA VERMELHA QUE FOI PARAR DIRETO NA CABEÇA DO MOLEQUE, DEPOIS GIROU NOVAMENTE A VARINHA E APARECEU UM CACHIMBO NA BOCA DELE E POR ÚLTIMO, ELA FALOU ALGUMAS PALAVRAS MÁGICAS:
- FRIC, FRIC, FRIC, FRITZ!
NHECO, NHECO, NHECO!
BONGOLON, BONGOLON!
CENEFUN...
E QUANDO ELA TERMINOU DE FALAR AS PALAVRINHAS MÁGICAS, ALGUNS RAIOS SAÍRAM DA PONTA DA VARINHA E ATINGIRAM EM CHEIO O CORPO DO SACI. ESSES RAIOS FIZERAM COM QUE ELE GANHASSE PODERES MÁGICOS. UM DESSES PODERES ERA A CAPACIDADE DE FICAR INVISÍVEL. ELE TAMBÉM PASSOU A TER O DOMÍNIO SOBRE AS MATAS E ACABOU VIRANDO UM PROFUNDO CONHECEDOR DAS PLANTAS MEDICINAIS.
ENTÃO DESSE DIA EM DIANTE A CUCA SE TORNOU A SUA MADRINHA E ELE PASSOU A SER CHAMADO DE SACI PERERÊ.
CERTO DIA, O SACI SE DESPEDIU DA SUA MADRINHA E SAIU PELA MATA DISPOSTO A APRONTAR MUITAS TRAVESSURASCOMO TRANÇAR OS CABELOS DOS ANIMAIS, FAZER SUMIR OBJETOS (COMO OS DEDAIS DAS COSTUREIRAS), E AINDA, ASSOBIAR PARA ASSUSTAR OS VIAJANTES.
ELE TAMBÉM PASSOU A SER O GUARDIÃO DAS ERVAS E DAS PLANTAS MEDICINAIS. ELE CONHECIA MUITO BEM AS TÉCNICAS DE MANUSEIO E DE PREPARO, BEM COMO DE SUA UTILIZAÇÃO ACERCA DOS MEDICAMENTOS FEITOS A PARTIR DE PLANTAS.
ELE PASSOU A CONFUNDIR AS PESSOAS QUE COLHESSEM AS ERVAS E PLANTAS MEDICINAIS SEM A SUA PERMISSÃO.
CERTO DIA, O SACI AVISTOU DOIS CAVALOS CAMINHANDO NAS MATAS. ENTÃO, NÃO PERDEU A CHANCE DE ATORMENTÁ-LOS. ELE FICOU INVISÍVEL E COMEÇOU A ASSOVIAR FAZENDO COM QUE OS DOIS CAVALINHOS FICASSEM AMEDRONTADOS COM AS TRAVESSURAS DA CRIATURA QUE MEDIA APENAS MEIO METRO DE ALTURA, QUE ERA BICHO GENTE.
PARA ELE NÃO TINHA LIMITES, POIS, NÃO SATISFEITO EM FAZER OS CAVALOS TROTAREM O MAIS DEPRESSA POSSÍVEL, AINDA DEU VÁRIOS NÓS E TRANÇAS EM SUAS CRINAS.
ELE FAZIA AS SUAS TRAVESSURAS E SAIU AOS PULOS DANDO UMA GOSTOSA GARGALHADA.
DEPOIS DE DEIXAR DE ATORMENTAR OS CAVALINHOS, ELE CONTINUOU CAMINHANDO NA MATA COM DEU DE CARA COM UM GRUPO DE VIAJANTES.
MAIS UMA VEZ, O SACI COLOCOU EM PRÁTICA MAIS UMA DE SUAS TRAVESSURAS. ELE SE PÔS A ASSOVIAR ESCONDIDO ATRÁS DE UMA ÁRVORE.
COMO JÁ ERA NOITE NINGUÉM SABIA DE ONDE VINHA AQUELE ASSOVIO QUE ECOAVA DOÍDO NOS SEUS OUVIDOS E AINDA POR CIMA, FICOU NOVAMENTE INVISÍVEL E PARTIU NA DIREÇÃO DOS VIAJANTES ARRANCANDO OS CHAPÉUS DAS SUAS CABEÇAS E AINDA QUEBROU O FREIO DAS SUAS CARROÇAS IMPEDINDO QUE ELES SEGUISSEM A VIAGEM E TIVESSEM QUE PASSAR A FRIA MADRUGADA NA MATA CERCADA DE PERIGOS E ANIMAIS SELVAGENS.
NOVAMENTE O MOLEQUE TRAVESSO SAIU RINDO DA PEÇA QUE HAVIA PREGADO NAQUELES VIAJANTES.
ELE SAIU NO SILÊNCIO DA NOITE, POIS, A NOITE ERA UMA CRIANÇA, ENTÃO, COMO UMA CRIANÇA QUE ERA TAMBÉM, ELE CONTINUOU SUA AVENTURA NA MATA, CAÇOANDO DE QUEM APARECESSE NA SUA FRENTE. ELE VIU UMAS CASINHAS E RESOLVEU QUE AS SUAS PRÓXIMAS TRAVESSURAS SERIAM FEITAS NAQUELAS CASINHAS.
O MOLEQUE DA PÁ VIRADA INVADIU ALGUMAS CASAS FAZENDO COM QUE ELAS FICAREM DE CABEÇA PARA BAIXO, QUEIMANDO AS COMIDAS QUE HAVIAM SIDO PREPARADAS PARA AS CRIANÇAS LEVAREM COMO MERENDA NA MANHÃ SEGUINTE.
ALÉM DE DESAPARECER COM OBJETOS E APAGAR A LUZ DAS LAMPARINAS.
ASSIM MAIS UMA VEZ, NO SILÊNCIO DA NOITE SE OUVIU A ASSUSTADORA GARGALHADA DO SACI QUE SUMIU DALI ATRAVÉS DE UM REDEMOINHO QUE JÁ FOI VISTO POR MUITOS COMO OBRA DO SACI PARA LEVANTAR A FOLHAGEM E ESPALHAR SUJEIRA.
MAS QUEM SEMEIA VENTO, UM DIA COLHE TEMPESTADE, POIS, QUANDO O SACI PEGOU NO SONO, O GRUPO DE VIAJANTES QUE HAVIA SIDO ATORMENTADO PELAS SUAS TRAVESSURAS, CONSEGUIU CAPTURÁ-LO E RETIRARAM A CARAPUÇA VERMELHA DE SUA CABEÇA FAZENDO COM QUE ELE PERDESSE TODOS OS SEUS PODERES MÁGICOS.
PARA GARANTIR QUE NUNCA MAIS ELE IRIA ATORMENTAR OS ANIMAIS E OS VIAJANTES EM VIAGEM PELA MATA E NEM INVADIR AS CASAS PARA BAGUNÇAR O AMBIENTE E ESTRAGAR AS COMIDAS, O GRUPO DE VIAJANTES DECIDIU PRENDÊ-LO DENTRO DE UMA GARRAFA.
ASSIM, O SACI FICOU PRESO DENTRO DA GARRAFA POR MUITOS ANOS ATÉ QUE SUA MADRINHA CUCA ENCONTROU A GARRAFA E O LIBERTOU E DEPOIS PARA PROTEGÊ-LO, ELA O TRANSFORMOU NUM COGUMELO VENENOSO. E ASSIM, ELE FICOU GRUDADO NO TRONCO DAS ÁRVORES FAZENDO COM QUE QUEM SE ATREVESSE A COMÊ-LO, NUNCA MAIS VERIA A LUZ DO DIA.
MAS, PARA O SACI, AS SUAS TRAVESSURAS DE MAU GOSTO NÃO ACRESCENTARAM COISAS BOAS NA SUA VIDA E SIM SÓ AUMENTARAM A SUA REVOLTA, A SUA DESOBEDIÊNCIA E A SUA DOR, TERMINANDO OS SEUS DIAS, ENVENENADO, SOLITÁRIO E PRESO PARA SEMPRE NO TRONCO DE UMA ÁRVORE.


Biografia:
Saulo Piva Romero, professor de Língua Portuguesa e Poeta, 46 anos. Nasceu em São Paulo no dia 9 de março de 1972. Começou a escrever poesias aos 18 anos. É formado em Letras pelas Faculdades Associadas do Ipiranga com Licenciatura Plena em Língua Portuguesa, Inglesa e Literatura.Em 2000 publicou seu primeiro livro Vida, amor e esperança.
Número de vezes que este texto foi lido: 142


Outros títulos do mesmo autor

Contos O REI SÁBIO E A CIDADE DOS VALENTES Saulo Piva Romero
Contos O TUBARÃO SURFISTA Saulo Piva Romero
Contos O FANTASMA DA MATEMÁTICA Saulo Piva Romero
Contos ESTÁ CHOVENDO NOVAMENTE Saulo Piva Romero
Contos ANA E PENINA Saulo Piva Romero
Contos NO MUNDO DA LUA Saulo Piva Romero
Contos OS RATOS CINZA Saulo Piva Romero
Contos MARIA ELIZA E A BORBOLETA VERMELHA E AMARELA Saulo Piva Romero
Contos O LOBO MAU E AS SETE CRIANÇAS Saulo Piva Romero
Contos A PROFESSORA QUE VIROU ROBÔ Saulo Piva Romero

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 169.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 57794 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 53080 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39348 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 34933 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 34179 Visitas
Amores! - 33407 Visitas
Desabafo - 33032 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 31810 Visitas
Faça alguém feliz - 31750 Visitas
Vivo com.. - 31454 Visitas

Páginas: Próxima Última