Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
EDIVIRGENS E SUAS ATITUDES
DE PAULO FOG
paulo azambuja

Resumo:
BOM


              Edivirgens foi á feira, nada comprou.
            Trouxe sacolas com roupas.
             Que ela de uma comadre ganhou.
               Embora fosse viúva.
                 Trazia na face a sutileza dos juvenis.
                     Consigo ao peito a medalha.
                    Do falecido soldado do Brasil.
                  Não tinha tantas garantias.
                 Vivia da costura e do soldo.
               Um dia encontrou-se mais jovem.
              Deixou-se aos braços de um franco galanteador.
           Foram momentos de tudo ao extremo.
          Diante a tal formosura, este lhe prestou o convite.
        Três meses, casada, limpando a janela de seu apartamento.
            Lembrou-se que pouco sabia daquele homem.
              Decidira então por vasculhar as cooisas deles.
                  Até que encontrou algo que a fez sussurrar.
               Seu príncipe, nem tanto trazia em meio a uma gaveta.
              O seu salvo conduto.
                  Surpresa com aquilo, ela até pensou em jogar fora.
                 Aprontou o jantar como de costume.
               Ali os dois conversaram sobre diversos assuntos.
               De seus olhos, somente o marejar.
                 O homem dormiu agarrado a ela.
                  Mais quando acordou, não a tinha mais.
                   Junto do tal salvo conduto.
                     Um bilhete em letras que o fez chorar.
                      " Foram ótimo estes dias, meses, a seu lado, mais preciso de muito mais.
                             Preciso de alguém que me console nos dias frios.
                               Não se sinta culpado, eu sou a tal gélida nisso tudo.
                                 Por favor guarde a raiva até amanhã, depois a jogue para bem longe.
                                   Seja assim, feliz, eu ainda devo, tenho de pagar ".
                      O homem pegou, leu, releu, sentou, refletiu, compadeceu.
                     Momentos depois na porta de um bar.
                   Ele vê passar pela vitrine.
               A baratinha louca a gritar.
              Lá vai mais um.
            Não, é mais uma.
             Aquela antes lhe fizera feliz.
               Agora ali no banco de trás.
               É levada a um passeio infeliz.
                                                 30042019...................



Biografia:
gosto de escrever
Número de vezes que este texto foi lido: 28582


Outros títulos do mesmo autor

Poesias O MEDO E SEUS PARCEIROS paulo azambuja
Crônicas NOSSO PAÍS E SEUS DEVANEIOS paulo azambuja
Poesias O SENTIDO DE DOER paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 11 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Poesias OUTROS SONHOS E AFINS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 10 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 9 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 8 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Contos ESTRADA DE AÇO 7 NOVEL LIVRE 12 ANOS paulo azambuja
Poesias INCERTEZAS E OUTROS MOMENTOS paulo azambuja

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 166.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 30228 Visitas
eu sei quem sou - 30125 Visitas
sei quem sou? - 30096 Visitas
viramundo vai a frança - 30079 Visitas
PSICOLOGIA E DIREITO - Francisco carlos de aguiar neto 30061 Visitas
camaro amarelo - 30040 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 30038 Visitas
MENINA - 30025 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 29988 Visitas
O que e um poema Sinetrico? - 29987 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última