Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
EDIVIRGENS E SUAS ATITUDES
DE PAULO FOG
paulo azambuja

Resumo:
BOM


              Edivirgens foi á feira, nada comprou.
            Trouxe sacolas com roupas.
             Que ela de uma comadre ganhou.
               Embora fosse viúva.
                 Trazia na face a sutileza dos juvenis.
                     Consigo ao peito a medalha.
                    Do falecido soldado do Brasil.
                  Não tinha tantas garantias.
                 Vivia da costura e do soldo.
               Um dia encontrou-se mais jovem.
              Deixou-se aos braços de um franco galanteador.
           Foram momentos de tudo ao extremo.
          Diante a tal formosura, este lhe prestou o convite.
        Três meses, casada, limpando a janela de seu apartamento.
            Lembrou-se que pouco sabia daquele homem.
              Decidira então por vasculhar as cooisas deles.
                  Até que encontrou algo que a fez sussurrar.
               Seu príncipe, nem tanto trazia em meio a uma gaveta.
              O seu salvo conduto.
                  Surpresa com aquilo, ela até pensou em jogar fora.
                 Aprontou o jantar como de costume.
               Ali os dois conversaram sobre diversos assuntos.
               De seus olhos, somente o marejar.
                 O homem dormiu agarrado a ela.
                  Mais quando acordou, não a tinha mais.
                   Junto do tal salvo conduto.
                     Um bilhete em letras que o fez chorar.
                      " Foram ótimo estes dias, meses, a seu lado, mais preciso de muito mais.
                             Preciso de alguém que me console nos dias frios.
                               Não se sinta culpado, eu sou a tal gélida nisso tudo.
                                 Por favor guarde a raiva até amanhã, depois a jogue para bem longe.
                                   Seja assim, feliz, eu ainda devo, tenho de pagar ".
                      O homem pegou, leu, releu, sentou, refletiu, compadeceu.
                     Momentos depois na porta de um bar.
                   Ele vê passar pela vitrine.
               A baratinha louca a gritar.
              Lá vai mais um.
            Não, é mais uma.
             Aquela antes lhe fizera feliz.
               Agora ali no banco de trás.
               É levada a um passeio infeliz.
                                                 30042019...................



Biografia:
gosto de escrever
Número de vezes que este texto foi lido: 28583


Outros títulos do mesmo autor

Poesias lua nua paulo azambuja
Poesias lua nua paulo azambuja
Poesias lua nua paulo azambuja
Poesias lua nua paulo azambuja
Poesias lua nua paulo azambuja
Romance lua nua paulo azambuja

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 161 até 166 de um total de 166.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
Minha casa laranja - Davi de Souza Campos 1 Visitas
O abismo - Davi de Souza Campos 1 Visitas
TCAS evita colisões entre aeronaves - Carlos Henrique Motta 1 Visitas
União Estável e Pensão por Morte - Alexandre Triches 1 Visitas
Cavalos - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 0 Visitas
Flúor - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 0 Visitas
Amor vê - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 0 Visitas
Pneu - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 0 Visitas

Páginas: Primeira Anterior