Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
EM CADA INTERVALO
Tércio Sthal

Chove, chove, e ainda não parou,
ninguém sabe quando vai terminar,
e poucos sabem como começou,

silenciam-se as palavras, gestos e sons,
além e aquém das portas e janelas,
a transformar as referências dos tons,
no reforço das prisões e grandes celas.

Morrem santos e pecadores,
desaparecem vidas,
e, com elas, suas intenções,

restam as vagas, senhores,
a serem preenchidas
na grande feira de ilusões.

'Abrem-se as cortinas
e começa o espetáculo',
a compor as sinas
de vidas que, com pressa,
esperam por novos intervalos
e novo ato da peça.

Ladram cães ferozes na cidade,
soltos e expostos ao céu aberto,
agindo como solitários no deserto,
com começo e fim que ninguém sabe.

Muitos querendo ouvir só o que convém:
é melhor saber ouvir do que falar,
e mais importante do que criticar,
é saber a hora certa de ajudar alguém,

sem confundir remorso e solidariedade,
nem as cinzas de bela e frondosa árvore,
ou o desejo de apagar, no campo e na cidade,
o que escrito está, em relevo, no mármore.

Quando os olhos já preferem não ver,
quando os braços não querem mais abraçar,
os corações parecem não saber
o que devem fazer ou o que perguntar,

e quando as bocas não podem responder,
quando mais ninguém quer falar,
e quando as mãos insistem em não fazer,
só o silêncio, ao acaso, vai ecoar,

entre palavras mal ditas,
entre versos mal escritos,
entre as almas aflitas
e os corações contritos,

entre boas intenções que se foram
bem antes dos nossos gestos
que, aquém, sem roupa ficaram
na imensidão do Universo.

Flauta transversal em ouro e prata
na boca do cantor que não sabe tocar,
dá-lhe o direito e o poder de consagrar
tudo aquilo que ainda lhe falta,

gestos de carinho e generosidade,
a destravar o mudo, o mundo e o muro,
a abrir caminho para a felicidade
e a colheita de bons frutos no futuro.

Chove, chove, e ainda não parou,
ninguém sabe quando vai terminar,
e poucos sabem como começou.




Biografia:
Tércio Sthal, Natural de Tupã, SP, Poeta e Escritor, MBA em Gestão de Pessoas, Cadeira de nº 28 da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro, com publicações em coletâneas da Shan Editores, Autor de a Cidade das Águas Azuis e O Menino do Dedo Torto, Do Abstrato ao Adjacente, Inferências, Referências e Preferências em http://bookess.com e Lâminas e Recortes em Widbook.com
Número de vezes que este texto foi lido: 28590


Outros títulos do mesmo autor

Poesias LAVA DO VULCÃO Tércio Sthal
Poesias EM CAUSA PRÓPRIA Tércio Sthal
Poesias DEDO NO OLHO Tércio Sthal
Poesias QUE REMÉDIO? Tércio Sthal
Poesias TRAVESSEIRO MACIO Tércio Sthal
Poesias UMBIGO Tércio Sthal
Poesias TEMPOS MODERNOS Tércio Sthal
Poesias A SANGUE FRIO Tércio Sthal
Poesias DURO OU MOLE? Tércio Sthal
Poesias OLHO DO FURACÃO Tércio Sthal

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 266.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 58723 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 53278 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 42430 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39466 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 36096 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 35534 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 34322 Visitas
Amores! - 33801 Visitas
Desabafo - 33419 Visitas
Faça alguém feliz - 32022 Visitas

Páginas: Próxima Última