Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
PLURAL de LEITURAS
Tânia Du Bois


     As histórias começam parecidas... Apesar do enredo, ideia e construção serem semelhantes, cada escritor tem o seu modo, estilo e tempo de escrever – o que chamo de plural de leituras, onde a arte de escrever se reflete na inspiração como expressão. Escrever é ato imprevisível que exige entrega e desprendimento, em que cada escritor leva o leitor a repetir o slogan de “quem lê viaja” e de “quem não lê não vê”. Isto é, aproveitamos o nosso interesse para ler uma obra de qualquer época e estilo de linguagem e, assim, construímos novos conceitos para ir além das diferenças culturais. Para Pedro Du Bois, “cinco minutos / tudo o que peço // só cinco minutos / separando minha necessidade / da vida normal que passa / entre todas as horas...”
     Muitas vezes, em nossas vidas, o calendário corre na velocidade que não alcançamos. Então, questionamos os dias e as noites, onde os números representam o nosso tempo. Recontamos os anos que se repetem: a infância, juventude, meia idade e a melhor idade. Ousamos pensar ter alcançado a verdade ao nos permitir refletir sobre a vida literária em relação aos números, como no livro 150 Momentos mais importantes de Passo Fundo, obra que retrata o plural de leituras da Academia Passo-Fundense de Letras e os fatos marcantes da cidade.
     Recontamos as experiências e nos permitimos abordar as suas múltiplas riquezas; assim, conseguimos, no plural de leituras, impor nossas próprias ideias. Nada é definitivo: fugas, comoções e novos horizontes. A certeza de seguir se faz através dos números, como W. J. Solha demonstra em seu livro “Sobre 50 Livros (Brasileiros e Contemporâneos) Que Eu Gostaria de Ter Assinado”.
     Encontro o livro de Machado de Assis, Um Apólogo, onde ele conta a importância da função de cada um através de linhas e agulha, levando-nos a perceber quantas vezes servimos de agulha na vida...
     As escritas são diversificadas em suas construções e nos impressionam pelas fantasias e ilusões, porque trazem à luz a hora mágica em que se misturam com a realidade. O ocaso do acaso não irradia a solução dos tempos, porque não há hora para a inspiração, começo e término de cada obra.
     Há atos e fatos que resumem a vida. Quantos? Quantas vezes, com dúvida ou sem dúvida, compartilhamos ideias com alguém para suprir nossas vidas agitadas? Agendamos nossas vidas em compromissos e preços. Proclamamos virtudes aos quatro ventos, como fazem os escritores Rubem Braga, com 200 Crônicas Escolhidas; Apparício da Silva Rillo, com Doze Mil Rapaduras e outros Poemas; Dalton Trevisan, com 111 AIS (minicontos); Sérgio Capparelli, com 111 poemas para Crianças e Nilma G. Lacerda, com Dois Pássaros E o Voo Arcanjo.
     Lembramos-nos dos números como plural de leituras, na marcação dos passos nas histórias. Os momentos de criação nos mantém vivos e podem estar perto ou longe da plenitude, mas, o mais importante é que contamos as estrelas e os dias de trabalho; acertamos o relógio e numeramos os milagres; relembramos o primeiro beijo, filho, livro, neto. A primeira carta, fotografia, música, pergunta e descoberta. Lorenzo G. Ferrarri demonstra, “Nosso amor tem um dia especial, / Ele anda lentamente, / E ao mesmo tempo segue rápido, / Nosso amor tem vinte e cinco horas...”
     Assim, desfrutamos o encantamento do tempero da vida nos estilos de linguagem, formando o plural de leituras. Nas palavras de Pedro Du Bois, “Faço contas números / de agradecimentos e louvor / ao horror de contar até dez / sabendo que a vida termina noves fora //... confusos pares e ímpares / primos entre si / na improbabilidade de serem corretos...”.
     



Biografia:
Pedagoga. Articulista e cronista. Textos publicados em sites e blogs.Participante e colaboradora do Projeto Passo Fundo. Autora dos livros: Amantes nas Entrelinhas, O Exercício das Vozes, Autópsia do Invisível, Comércio de Ilusões, O Eco dos Objetos - cabides da memória , Arte em Movimento, Vidas Desamarradas, Entrelaços,Eles em Diferentes Dias e A Linguagem da Diferença.
Número de vezes que este texto foi lido: 28523


Outros títulos do mesmo autor

Artigos PAULO MONTEIRO reverso VERGÍLIO A. VIEIRA Tânia Du Bois
Artigos O BEIJO Tânia Du Bois
Artigos AMORES versus HORAS Tânia Du Bois
Artigos DIA DA MENTIRA (I) Tânia Du Bois
Artigos TRAÇOS INSTIGANTES: paisagens x imagens Tânia Du Bois
Artigos O reverso do momento Tânia Du Bois
Artigos CASSINO DA MAROCA Tânia Du Bois
Artigos FELIZES para SEMPRE Tânia Du Bois
Artigos AS APARÊNCIAS ENGANAM Tânia Du Bois
Artigos NADA? ESSE É O SEGREDO Tânia Du Bois

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 340.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 41694 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 38719 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 30823 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 30529 Visitas
Amores! - 30151 Visitas
Desabafo - 29952 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 29823 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 29817 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 29775 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 29607 Visitas

Páginas: Próxima Última