Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Miséria do Homem e Misericórdia de Deus
J. C. Philpot


Título original: Man”s Misery and God”s Mercy

Por J. C. Philpot (1802-1869)

Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra

"Muitas vezes os livrou; mas eles foram rebeldes nos seus desígnios, e foram abatidos pela sua iniquidade. Contudo, atentou para a sua aflição, quando ouviu o seu clamor; e a favor deles lembrou-se do seu pacto, e aplacou-se, segundo a abundância da sua benignidade." (Salmo 106: 43-45)
Os filhos de Israel eram, como vocês bem sabem, "pessoas típicas", representativas por seu relacionamento com Deus, por meio de uma aliança nacional e externa, daquela geração escolhida, aquela nação santa, esse povo peculiar, que está mais próximo, numa relação mais elevada e mais permanente com ele por meio dessa aliança eterna, em tudo bem ordenada e segura (2 Sm 23: 5). Ora, havia várias razões, e todas elas carimbadas com a manifesta impressão de infinita sabedoria, misericórdia e graça por parte de Deus, no pacto externo.
Uma das razões era que o trato de Deus com eles, e suas relações com Deus, poderiam ser um registro permanente, para que a Igreja em todas as eras pudesse ler em um espelho seu próprio caráter como tipificado pelos filhos de Israel e o caráter de Deus como representado por suas relações com eles. Agora, esta é a razão pela qual um salmo como este, que nos dá um resumo ou breve história do caráter e da conduta dos filhos de Israel, tanto no deserto como na terra prometida, como sempre pecando e se rebelando contra Deus. A ternura para com eles apesar de, e em meio a todos os seus pecados e desvios, é tão instrutiva, edificante e encorajadora, que vemos por um lado, em sua conduta, a representação da nossa própria; e vemos, por outro lado, nos tratos de Deus com eles, a representação dos tratos misericordiosos de Deus conosco. Mas, como espero, com a ajuda e a bênção de Deus, mostrar esses dois pontos mais completamente ao abrir as palavras diante de nós, e passarei agora, sem outro prefácio, ao nosso texto, no qual pareço ver essas quatro características proeminentes:
Primeiro, os numerosos livramentos de Deus de Israel - "Muitas vezes o libertou".
Em segundo lugar, as ações vis de Israel, e sua triste consequência - "Mas eles provocaram-no com o seu conselho, e foram reduzidos à sua iniquidade".
Em terceiro lugar, a tendência com que Deus os contemplou quando, na sua aflição, clamaram a ele: "Contudo, viu a sua aflição quando ouviu o seu clamor".
E por fim, a misericordiosa lembrança de Deus para com eles da sua aliança e do arrependimento que moveu o seu coração gracioso - "E eu me lembrei deles por sua aliança, e me arrependi de acordo com a multidão de suas misericórdias".
Se você ver e sentir comigo, você vai ver e sentir grande beleza e doçura nas palavras do nosso texto. Convido, portanto, a quem quer que seja do Israel espiritual, que conhece tanto o que tem sido para com Deus como o que ele tem sido e é para contigo, para escutar esta manhã a tua história, na qual encontrarás abundante matéria para vergonha e tristeza, e também uma história de bondade e misericórdia de Deus, em que encontrarás abundante matéria para louvor e ação de graças.
(Nota do tradutor: Conforme a Bíblia nos revela, e pelas palavras confirmatórias do autor deste livro, podemos ver claramente que os escarnecedores da misericórdia de Deus, que julgam que Ele é um grande tolo em estender todos os dias a Sua bondade, inclusive para com eles, inveterados pecadores, que nunca se arrependem do mal, nada entendem do pacto pelo qual Ele se comprometeu a salvar um povo que o ame e sirva fielmente, ainda que sejam pecadores, pois a essência de todo o Seu propósito se resume em que Ele os tem perfeitamente santos e justos quando os tira deste mundo para a Sua presença no céu. Onde estão os escarnecedores de todas as épocas? Certamente não no céu, pois a Bíblia não nos dá testemunho do comparecimento deles ao paraíso para desfrutarem do gozo eterno da divindade.
Se há uma misericórdia em fazer o Seu sol brilhar e a chuva cair neste mundo sobre justos e injustos, todavia, a misericórdia que é manifestada para a salvação eterna da alma é destinada apenas àqueles que se arrependem e se submetem a Jesus como Salvador e Senhor de suas vidas, através da Nova Aliança firmada com eles e fundamentada no sangue que Jesus derramou na cruz.)
I. Tenho primeiro que mostrar as numerosas libertações do Israel literal como típicas e figurativas das numerosas libertações do Israel espiritual. "Muitas vezes ele os livrou."
A. Quando lemos a história dos filhos de Israel, como tão plena e fielmente prestada no Antigo Testamento, quantas repetidas vezes encontramos essas palavras cumpridas. Mas, a partir dessas numerosas libertações, posso agora apenas citar algumas.
1. Olhe primeiro, então, aquele grande sinal de libertação, quando eles eram escravos no Egito, em servidão aparentemente desesperada e indefesa. Lembre-se de seus gemidos e lágrimas, de suas costas machucadas e de corações ainda mais machucados, quando os mestres de tarefa cruéis, sob o comando do Faraó, os obrigaram a fazer tijolos sem palha e ainda assim exigiram o mesmo número anterior de tijolos. Veja como quão rápida e firme foi a mão do cruel tirano egípcio nessa terra miserável; como Deus enviou praga após praga, e julgamento após julgamento sobre ele; e, no entanto, aquele rei ímpio endureceu seu coração e não os deixou ir. Finalmente, quando todos os outros meios falharam, Deus enviou o anjo destruidor para ferir os primogênitos, desde o de Faraó que estava assentado em seu trono até o primogênito do cativo no calabouço, de modo que houve pelo Egito um clamor universal, pois não havia uma casa onde não houvesse ninguém morto. Então, e não até então, ele os enviou para fora da terra em pressa.
Mas mesmo assim, tão logo enterraram seus mortos, todos os julgamentos de Deus foram esquecidos. Este implacável rei ainda estava determinado a manter Israel. Ele os perseguiu com seus carros e seus cavalos, e os alcançou no Mar Vermelho. Com as ondas espumantes adiante, e um inimigo feroz por trás, como completamente pareciam cortados de toda ajuda ou esperança. O desespero apoderou-se deles, e até brigaram com seu libertador. "Então eles se voltaram contra Moisés e se queixaram: 'Por que nos trouxeste para aqui morrermos no deserto, não havia túmulos suficientes para nós no Egito, por que nos fizeste ir?'" (Êxodo 14:11). Mas como Moisés acalmou seus corações conturbados. "Moisés, porém, disse ao povo: Não temais; estai quietos, e vede o livramento do Senhor, que ele hoje vos fará; porque aos egípcios que hoje vistes, nunca mais tornareis a ver; o Senhor pelejará por vós; e vós vos calareis." (Êxodo 14:13, 14). Nessa sua situação extrema profunda, Deus falou a palavra; ordenou que Moisés estendesse a mão; as águas poderosas se separaram de cada lado, e através das paredes assim feitas, todos os israelitas passaram em segurança, homens, mulheres e crianças, sem sofrer o menor dano. Mas, quando seus inimigos tentaram o mesmo, por ordem de Deus, as águas voltaram e derrubaram Faraó e todas as suas tropas armadas no fundo do mar. Que libertação foi aquela. (Nota do tradutor: Tantos israelitas e egípcios não eram criaturas de Deus? Qual a razão da distinção feita entre ambos? Os israelitas não eram tão pecadores quanto eram os egípcios? Por aquele livramento Deus revelava que é o salvador do povo com o qual ele está aliançado. Que ele faz distinção entre aqueles que o servem e os que não o servem (Malaquias 3.17,18). Há esperança para todo aquele que é tornado filho de Deus por meio da justificação pela graça mediante a fé em Jesus Cristo. Mas para o ímpio que não se arrepende, não há esperança, pois não há qualquer aliança de misericórdia firmada entre eles e Deus. Por isso a Nova Aliança é designada por fiéis misericórdias prometidas a Davi – Atos 13.34).
2. Vejam outra vez como, quando vieram no deserto, Deus repetidamente estendeu a sua mão para libertá-los. Ele os livrou da fome, enviando maná diariamente para alimento. Livrou-os de perecer pela sede, ordenando a Moisés ferir a rocha, e as águas jorraram. Embora os castigasse severamente pelos seus pecados, e embora os cadáveres dos rebeldes caíssem no deserto, ele nunca deixou de suprir suas necessidades. Nesse belo resumo de sua história, que encontramos na oração dos levitas, eles falam de forma verdadeira e tocante. "Todavia tu, pela multidão das tuas misericórdias, não os abandonaste no deserto. A coluna de nuvem não se apartou deles de dia, para os guiar pelo caminho, nem a coluna de fogo de noite, para lhes alumiar o caminho por onde haviam de ir. Também lhes deste o teu bom Espírito para os ensinar, e o teu maná não retiraste da sua boca, e água lhes deste quando tiveram sede." (Neemias 9:19, 20).
3. Se, do deserto, nós os seguirmos até a terra de Canaã, ainda vemos as misericórdias de livramento de Deus, como reconhece a mesma oração. "Os filhos, pois, entraram e possuíram a terra; e abateste perante eles, os moradores da terra, os cananeus, e lhos entregaste nas mãos, como também os seus reis, e os povos da terra, para fazerem deles conforme a sua vontade. Tomaram cidades fortificadas e uma terra fértil, e possuíram casas cheias de toda sorte de coisas boas, cisternas cavadas, vinhas e olivais, e árvores frutíferas em abundância; comeram, pois, fartaram-se e engordaram, e viveram em delícias, pela tua grande bondade." (Neemias 9:24, 25).
E como retribuíram ao Senhor por todas essas misericórdias? "Não obstante foram desobedientes, e se rebelaram contra ti; lançaram a tua lei para trás das costas, e mataram os teus profetas que protestavam contra eles para que voltassem a ti; assim cometeram grandes provocações." (Neemias 9:26). O que então se seguiu? Juízos pesados, cativeiros repetidos, opressão dolorosa sofrida da parte de seus inimigos. Mas o Senhor os abandonou? Não. Quando clamaram a ele, ele ouviu seu clamor. "No entanto, ele considerou a sua aflição, quando ouviu o seu clamor. E lembrou-se de seu pacto, e se arrependeu de acordo com a multidão de suas misericórdias". (Salmo 106: 44, 45).
B. Agora, não podemos ver nestas relações de Deus com Israel de antigamente, assim registradas na Palavra, alguma semelhança com as relações de Deus com seu Israel espiritual agora?
1. Não houve um tempo em que, como Israel no Egito, eles foram mantidos em cativeiro pelo pecado, Satanás e o mundo? Não foi então uma grande e maravilhosa libertação, quando pelo poder de Sua graça vivificante ele os tirou de sua dura escravidão com uma mão forte e um braço estendido? Era Faraó um inimigo pior para os filhos de Israel do que Satanás era para eles? As tarefas mais difíceis do Faraó eram tarefas mais difíceis do que o pecado? Foram as chicotadas infligidas sobre as costas daqueles que não fizeram a quota de tijolos mais pesadas do que as colocadas sobre eles pelo flagelo de uma consciência culpada? E, no entanto, como o Senhor se alegrou em estender a sua mão e tirá-los do mundo e da escravidão do pecado, por um poder que, se não tão abertamente e evidentemente milagroso, era ainda tão real e tão eficaz.
2. Da mesma forma, quando vieram à experiência do Mar Vermelho e temeram que não houvesse livramento da maldição da lei e da condenação de uma consciência culpada, Satanás pressionando-os, como Faraó, por trás, e a ira de Deus contra os seus pecados, encontrando-os como as ondas do mar em frente, e parecia não haver esperança de fuga, como o Senhor abriu um caminho mesmo através dessas águas profundas, e trouxe-os com segurança através delas, de modo que eles viram seus inimigos mortos sobre a praia. A cruz de Cristo é para estas águas o que a vara de Moisés foi para as do Mar Vermelho. Elas se separam e se esticam sobre eles, e os redimidos passam com segurança por elas; mas as mesmas águas, quando retornam à sua força, dominam seus inimigos.
3. Mas, não encontramos paralelo semelhante também nas outras libertações que eu designei como relativas ao antigo Israel? Tem o maná do céu, a rocha ferida, a coluna de nuvem de dia e de fogo à noite, e outras misericórdias do deserto - têm cumprimento estes contínuos livramentos da fome, da sede, de se perderem num deserto estéril e sem trilhas? Levado mesmo literal e providencialmente, não houve nenhum alimento diário dado, nenhuma água diária, nenhuma roupa diária, nenhuma libertação de vez em quando das provações prementes na providência? Como os filhos de Israel tiveram que aprender a viver pela providência, assim também nós temos. E onde eles aprenderam esta lição? Não no Egito, onde estavam sentados junto às panelas de carne, e comiam pão em abundância, mas no deserto.
Assim é com a família de Deus. A providência diária de Deus sobre eles, seu olho atento, seu coração amoroso, sua mão generosa, seu terno cuidado, não são aprendidos no mundo, mas no deserto; não no rico Egito, mas no deserto estéril.
Mas veja espiritual e experimentalmente, e veja nos pecados no deserto e nas misericórdias do deserto, uma imagem reflexa do nosso comportamento para com Deus e de seu tratamento para conosco. De quantas provações, tentações, aflições, quantas épocas de escravidão e cativeiro, trazidos sobre nós mesmos por nossas próprias transgressões, e vagando por nossas próprias idolatrias, ele nos livrou. Fazendo uma revisão de tudo o que temos sido para ele, e do que ele tem sido para nós, não podemos colocar o nosso selo, "Muitas vezes ele nos libertou?"
Agora são essas misericórdias que entregam Deus à alma. Traçando sua mão nesta e naquela libertação; vendo como, quando ninguém mais do que ele podia ajudar ou livrar, o Senhor apareceu em um ou outro exemplo evidente, aprendemos ou, pelo menos, devemos aprender a observar sua mão e atribuir todo o poder e a glória a ele. Assim, Israel no Mar Vermelho viu os egípcios morrerem na margem do mar, e sob a impressão desse sinal de libertação temia e acreditava. "E Israel viu aquela grande obra que o Senhor fez sobre os egípcios – e o povo temeu ao Senhor, e creu no Senhor, e no seu servo Moisés". (Êxodo 14:31). Como o salmista declara no Salmo diante de nós, a fé estava em seu coração e o louvor na sua boca. "Então creram nas suas palavras, e cantaram o seu louvor." (Sl 106: 12).
Agora, o que esperaríamos que fosse o fruto e a consequência dessas numerosas libertações? Que para o futuro devamos desconfiar de nós mesmos, e ter visto, claramente visto, sentido, profundamente e dolorosamente sentido, as consequências miseráveis de tomar conselho da carne, e que devemos tomar conselho de Deus. Temos sua Palavra como nosso guia escrito; temos seu Espírito Santo como nosso guia interior. Não devemos então reverentemente e submissamente tomar conselho da Palavra de Deus; tomar conselho de seu Espírito Santo como devemos melhor glorificá-lo, como andar mais ternamente em seu temor, como mais agradecer-lhe por seus livramentos na providência e na graça? Já fizemos isso? Teremos nos aconselhado com o Espírito de Deus quanto a como agir? Nós fizemos o livro de Deus nosso companheiro diário? Temos buscado direção a partir da página sagrada, e temos louvado a Deus como deveríamos ter feito por seus vários livramentos? Oh, quão poucos podem dizer que eles têm! Como, na maioria das vezes, eles devem confessar, para chegar ao nosso segundo ponto:
II. Suas vis rebeliões e os tristes frutos e consequências delas. "Eles o provocaram com o seu conselho, e foram humilhados pela sua iniquidade".
A. Infelizmente! Em vez de tomar conselho com o Espírito de Deus, quantas vezes temos tomado conselho com o nosso próprio espírito, e, portanto, o deixado de lado por sermos trazidos sob uma influência errada. Quantas vezes, em vez de tomar conselho na Palavra de Deus e procurar orientação a partir da página sagrada, tomamos conselho com amigos que nos enganaram com conselhos falsos, ou tomamos conselhos com nossas próprias concupiscências para satisfazê-las, ou tomamos conselho com o nosso orgulho, com a nossa própria ambição para alimentá-la, com o nosso próprio lucro para promovê-lo, ou com o nosso próprio conforto para apreciá-lo. Em vez de tomar conselho para agradar a Deus, temos tomado conselho para agradar a nós mesmos; em vez de tomar o conselho da Palavra de Deus, nós preferimos, em vez disso, enfraquecer a sua ponta se ela fosse demasiado pontiaguda, negligenciar os seus avisos, ignorar os seus preceitos, negligenciar as suas advertências e admoestações e não prestar atenção às suas instruções sagradas e sábias e ouvir os argumentos de nossa própria autoindulgência e os desejos de nossa carne inquieta e insatisfeita.
Tal era o Israel do passado. "Eles não esperaram por seu conselho;" Ou nas palavras do texto, "Eles o provocaram com o seu conselho". Assim, eles cometeram dois males. Eles negligenciaram o conselho de Deus e seguiram os seus. Eles rejeitaram o bem e escolheram o mal. Seus preceitos bondosos e ternos, adequados e salutares foram desprezados; mas todos os impulsos e inclinações, luxúrias, e dispositivos de sua própria mente eles avidamente seguiram.
Agora, este deve ser sempre o caso quando nós negligenciamos a Palavra de Deus. Na religião não há posição neutra; nenhuma posição neutra entre o bem e o mal, entre a obediência e a desobediência; nenhum equilíbrio sutil de motivos e ações; nenhuma direção cuidadosa e cautelosa entre os marcos do certo e errado, como se pudéssemos apenas pastar à borda da cerca sem tocá-la; não considerar o cumprimento da vontade de Deus, e como se deve agradá-lo e satisfazê-lo, e cumprir a vontade da carne para agradá-la e satisfazê-la. Saul tentou dessa maneira; assim fez Aitofel; assim fez Demas. Manter o evangelho em uma mão e o mundo na outra; agradar a Deus e não desagradar ao homem; ser religioso o suficiente para conseguir um nome para viver e ser carnal o suficiente para garantir uma boa participação nos lucros e prazeres, estima e favores do mundo - este é o grande feito do dia; e embora os homens infelizmente não precisem de instrução nem para elaborar ou executar um plano tão falacioso e tão apropriado, Satanás prepara milhares de ministros para ensiná-los mais eficazmente a fazer malabarismos com suas próprias consciências e suavizar o caminho até as câmaras da morte.
É agora como era no passado. O povo gosta de ser enganado, e os profetas adoram enganá-los. "Que dizem aos videntes: Não vejais; e aos profetas: Não profetizeis para nós o que é reto; dizei-nos coisas aprazíveis, e profetizai-nos ilusões." (Isaías 30:10). "Coisa espantosa e horrenda tem-se feito na terra: os profetas profetizam falsamente, e os sacerdotes dominam por intermédio deles; e o meu povo assim o deseja. Mas que fareis no fim disso?" (Jeremias 5:30, 31).
Mas nós, que professamos ser um povo separado de todas essas doutrinas e de todos esses caminhos? Por acaso, não provocamos muito a Deus? E isso não é desagradável para Deus? Retribuir a sua libertação com vil ingratidão? Isto não é o que ele espera de nossas mãos; isto não é o que é digno de seu grande nome, e das obrigações que ele colocou sobre nós. E, no entanto, acredito que não há um entre nós que, se a questão fosse pressionada em sua consciência, seria obrigado a pendurar a cabeça e corar de vergonha com uma confissão diante de Deus de que a acusação é verdadeira. Porque o Senhor considera o coração; seu olho escrutinador olha para dentro de nosso íntimo, e lá ele lê todo o nosso conselho. As tramas, os planos, os artifícios, as especulações que ocorrem nas câmaras da imaginação, estão todos nus e abertos aos olhos daquele com quem temos de lidar. Ele vê como repetidamente consultamos nosso próprio interesse, conforto e benefício, em vez da glória e honra de Deus; temos buscado agradar a nós mesmos em vez de agradá-lo e obter algo para nossa gratificação, em vez de tentar conhecer sua vontade e fazê-la.
Se às vezes tivemos pensamentos, desejos e sentimentos certos, como eles se desvaneceram antes que produzissem frutos sólidos; com que murmurações e inquietação vimos nossos ídolos levados; e como, de má vontade e contra a vontade divina, caminhamos por um caminho de abnegação, e paramos, olhamos para trás, ou nos sentamos em cada pequena colina de dificuldade ou num trecho de estrada áspero. Não é tudo isso altamente provocador para o Senhor?
Se um pai acumulou todos os benefícios possíveis para seu filho, deu-lhe o melhor de educação, liberalmente supriu todas as suas necessidades, nunca lhe negou qualquer coisa que era para seu bem real, cuidou dele na doença, ajudou-o em dificuldade, pagou todas as suas dívidas, e tem sido para ele o mais bondoso e melhor dos pais, não esperaria razoavelmente algum retorno de gratidão e afeto? Mas se, ao invés de retribuir seu pai por afeição e obediência, este filho, tão cuidadosamente educado e ternamente indulgente, viesse a revelar um caráter vil, e o que é pior, se ele praticasse todas as manobras para enganar seu pai, e ainda que ele pudesse dar a todas as suas transgressões uma aparência do que é moral e bom, e ainda secretamente estivesse se se entregando a toda a forma de vício, não devemos corar de vergonha por tal filho e tal curso de conduta?
Ou se tivéssemos um amigo a quem tivéssemos carregado de benefícios, a quem tivéssemos feito todo o bem que pudéssemos, e procurado em todos os sentidos servir, e então descobríssemos que ele estava tomando conselho como poderia nos ferir, e estava secretamente planejando alguma forma como ele poderia nos ferir mais profundamente, como deveríamos levantar as mãos e dizer: "Ó ingratidão do homem".
Ou se, de vez em quando, caminhássemos para a casa de Deus em companhia de alguém de quem esperávamos o bem, se lhe tivéssemos confiado algum segredo íntimo, e descobríssemos, tarde demais, que ele era um traidor de Deus, da verdade e da amizade, ficaríamos maravilhados com a iniquidade do homem e ficaríamos surpresos de que houvesse alguém tão vil. E, no entanto, tudo isso é apenas uma transcrição fraca, senão uma fraca cópia do que somos internamente, pois direi que temos praticado tudo isso externamente, diante dos olhos de um Deus santo. É assim que "o provocamos com o nosso conselho".
O Senhor não nos permitiu, pode ser, que colocássemos em execução ativa as várias armadilhas e arranjos de nosso coração ímpio; não nos permitiu andar como nós teríamos andado impiamente; não nos permitiu erigir nossos castelos arejados, ou construir e plantar nossos paraísos visionários. Mas, o conselho estava em nosso coração para fazê-lo, e isso o provocou, embora ele não tivesse permitido que o enredo amadurecesse em execução. Você nunca planejou qualquer desejo secreto e planejou formas para realizá-lo? Você nunca se deleitou com a imaginação em cenas de iniquidade, e realizou todo um drama de pecado, desde a concepção de uma luxúria até sua completa execução? Você nunca alimentou seus desejos em vez de morrer de fome, e deu lugar a uma tentação em vez de resistir a ela? Você não especulou repetidamente, inventou e planejou algo que sua consciência sabia que era mau e odioso para Deus?
E agora, com tudo aquilo que a tua consciência tem registrado e tudo o que a tua consciência esqueceu, podes olhar para Deus e dizer: “Nunca te provoquei pelo meu conselho, nunca tive um pensamento no meu coração, uma ação em minhas mãos contrária à tua santa vontade. Sempre achei o que era mais para tua honra e glória, e nunca me entreguei a nenhum plano para promover meu próprio interesse, satisfazer minha própria mente ou agradar a minha própria carne." Ó seu hipócrita! Ó, pobre criatura enganada, assim também zomba de Deus e do homem. Que véu deve estar sobre o teu coração, para ocultar da tua visão tanto o pecado como o ego; pois se tivesses uma visão correta do que era pecado aos olhos do Deus santo, terias dito: "É por causa da misericórdia do Senhor que eu não fui consumido quando conspirando e tomando conselho com o meu coração ímpio, e pecando em especulação e imaginação se não em ação positiva."
B. Mas agora vejamos qual foi o EFEITO deste Deus provocado por seu conselho. Eles "foram humilhados pela sua iniquidade".
Deus toma grande notícia do que se passa nos corações dos homens, e como ele é provocado pelo conselho deles, então no devido tempo ele os traz para baixo; e isso é "pela sua iniquidade", porque ele é um Deus de conhecimento, e por ele não só as ações, mas os pensamentos são pesados. "Mesmo o pensamento da loucura é pecado". Deus tem várias maneiras de reduzir a aparência. "O dia do Senhor será sobre toda torre alta, e os altos cedros do Líbano, que são altos e elevados, e sobre todos os carvalhos de Basã". Porque "Os olhos altivos do homem serão abatidos, e a altivez dos varões será humilhada, e só o Senhor será exaltado naquele dia." (Isaías 2:11).
Mas, o Senhor tem várias maneiras de executar essa determinação de seu coração.
1. Às vezes ele traz o seu povo em circunstâncias baixas. Você tem planejado como entrar no mundo; talvez tenha conseguido em alguma medida, e seu coração é levantado. Agora vem um golpe de Deus na providência, e você é trazido para baixo. Seu trabalho falha ou seu salário diminui; sua empresa parece gradualmente diminuir; os clientes não vêm como antes em sua loja; você perde os bons e os maus; um negócio concorrente é criado perto de você, e você tem a mortificação de ver o seu comércio deixando-o para o seu rival. Ou você faz dívidas impagáveis; as contas vêm, e as dificuldades surgem de lugares que você mal poderia esperar. Ou sua fazenda se torna inútil; você tem grandes perdas entre suas ovelhas ou gado; ou ferrugem em suas colheitas; ou algo em uma forma de adversidade marcada que parece claramente mostrar a mão de Deus contra você. Esses traços pesados fazem você examinar por que é assim tratado, e logo começa a ver que é trazido para baixo por causa da sua iniquidade; que o orgulho, ou a cobiça, ou a mentalidade mundana dominaram você, que você tem tomado conselho com o pecado e o ego em vez de com o Senhor, e que essa conduta errada trouxe este golpe sobre você.
2. Alguns Deus traz para baixo no corpo, coloca sobre eles uma queixa que pode tornar a vida miserável sem muito encurtá-la, como uma afeição nervosa, ou um estado de espírito deprimido e melancólico, brotando de e conectado com alguma aflição corporal, de modo que a vida ainda o possa suportar, contudo dia após dia traz consigo melancolia e miséria.
3. Às vezes, o Senhor envia uma tribulação à família. Quantas vezes os pais piedosos, às vezes até ministros da verdade, têm filhos desobedientes e ímpios, cuja conduta, não só contrasta, mas realmente excede a vida ímpia e as ações daqueles que nunca conheceram as restrições de um lar religioso, nunca ouviram as orações de um pai piedoso, ou as advertências de uma mãe graciosa. Poder-se-ia pensar que isso era suficiente para trazer os pais em humildade diante de Deus e do homem, e perguntar-se: "Não há uma causa? Ser assim afligido em minha família - não fui culpado de alguma negligência e, em certa medida trouxe esse problema para mim por minha severidade indevida ou minha indulgência indevida?”
4. Ou você pode ter sofrido de falecimentos familiares dolorosos - pode ter perdido uma esposa querida ou marido amado, um excelente filho ou uma filha afetuosa, e suas plantas agradáveis foram assoladas.
5. Outros, mais uma vez, o Senhor traz para baixo, especialmente no que diz respeito às suas almas. Ele permite que eles sejam muito provados com dúvidas e medos, permite que Satanás caia sobre eles com suas sugestões, permite que sejam tentados dia a dia e noite a noite; e por essas tentações severas e cortantes eles são derrubados tão baixos como às vezes ou mesmo muitas vezes para questionar se eles têm uma centelha de graça em seus corações, ou um grão de temor piedoso em suas almas. Nessas e semelhantes maneiras o povo de Deus muitas vezes é trazido para baixo.
Mas, agora, observe o efeito desses tratos de Deus com eles. Seus olhos se abrem para ver a mão de Deus nestas dispensações de sua providência ou sua graça. Eles são feitos para sentir que são trazidos para baixo por suas iniquidades; que havia algum pecado secreto indulgente, seguiram alguns conselhos ímpios, algum pagamento vil pela bondade e misericórdia de Deus; e eles podem ver, se trazidos para baixo, o que eles trouxeram sobre si mesmos. "Você não comprou isso para si mesmo?" Eles podem ver que tinham entrado em um espírito mundano; tinham sido retirados do caminho estreito e apertado; se tornaram lânguidos e descuidados nos caminhos do Senhor; tinham perdido muito do seu antigo amor, zelo e ternura de consciência, e tinham caído em um estado morto e estéril. Agora eles claramente veem por que eles são abatidos e acham a palavra verdadeira: "Aquele que semeia na carne, da carne colherá corrupção."
Mas, serão deixados lá? Não! Eles têm um Deus misericordioso para lidar com eles. Eles não têm um duro mestre sobre eles como Faraó; eles não têm um inimigo cruel como Satanás, mas têm um Deus misericordioso, cujas compaixões não falham. Portanto, lemos, o que nos leva ao nosso próximo ponto:
III. A terna consideração com que Deus os contemplou quando, na sua aflição, clamaram a ele - "No entanto" - O que? Um "No entanto!" - "Ele considerou a sua aflição quando ouviu o seu clamor".
Aqui está a marca da vida de Deus na alma; pois quando o povo do Senhor é levado para baixo pela sua iniquidade, geralmente há um suspiro e um clamor pelo que Deus colocou em seu coração; e como este suspiro e clamor é sincero, e eles não são como aqueles de quem lemos, "Eles não clamaram a mim com seu coração quando eles uivaram em suas camas"; como é o fruto especial da graça de Deus, e é a respiração intercedente do Espírito Santo neles, ele inclina o Seu ouvido gracioso e considera a voz da sua súplica. E embora não possam orar com fluência, pois suas orações fluentes nos tempos passados agora se transformam em suspiros e gemidos; embora eles não possam se aproximar do Senhor com qualquer medida de confiança e doce segurança, como tendo tão vilmente pecado contra ele, ainda há isto forjado por seu Espírito e graça dentro deles, que clamam das profundezas de um coração quebrado e espírito contrito.
Não, às vezes eles são obrigados a voltar para sua primeira oração, e clamam: "Deus seja misericordioso comigo, um pecador". Eles são feitos para confessar seus pecados, e para chorar por eles; eles são feitos para lamentar que sempre tenham tomado conselho com a carne, e se rebelado contra o Senhor tão ingratamente por suas libertações anteriores. Nenhum ponto é demasiado baixo para eles, nenhuma postura demasiado humilde, nenhuma confissão demasiado abjeta e não reservada. Eles se confessam ser o principal dos pecadores, o mais vil e pior de todos os transgressores, os mais vil de todos os rebeldes, o mais atrevido de todos os rebeldes e o mais sujo e culpado de todos os provocadores da paciência e misericórdia de Deus.
Agora, quando eles assim clamam, suas orações entram nos ouvidos do Senhor Todo-Poderoso. Ele considera sua aflição. Uma das coisas mais dolorosas que muitas vezes você sente é que o Senhor não considera suas aflições. Vocês que estão aflitos - aflitos em circunstâncias, aflitos em corpo, aflitos em família, aflitos em mente - quantas vezes vocês sentem ou temem que Deus não considera sua aflição. Você diz: "Se Deus olhasse para minha aflição, ele não a tiraria ou me apoiaria mais sob ela? Se ele considerasse minha aflição, por que não estende a mão e a alivia, se não totalmente a leva embora? Que acrescenta tristeza à minha tristeza e, em vez disso, torna a carga mais pesada do que mais leve. Por que ele assim adiciona cruz a cruz e golpe a golpe? Ou se ele achar adequado ainda assim me afligir, por que não tenho mais fé, mais paciência, mais submissão, mais poder para suportar o que o Senhor deposita sobre mim, e por que eu não colho mais proveito disso? Onde está a minha humildade? Onde minha submissão à vontade de Deus? Onde a minha gratidão, mesmo para o menor dos seus atos? Qual é o meu senso de sua grande bondade para comigo, apesar de estar no meio de meus muitos problemas? Tudo parece engolido em minha aflição. Estou tão perturbado que não posso falar, minhas aflições são tão pesadas que parecem esmagar-me."
Mas, apesar de todos esses murmúrios e perguntas inquietas, o Senhor considera sua aflição. Ele não trouxe esse golpe sobre você sem pretendê-lo para o seu bem. Por que ele lhe trouxe para baixo em circunstâncias, por que ele lhe afligiu em corpo, provou você em mente, e lhe trouxe baixo de espírito, senão porque ele queria trazer-lhe boas coisas? E não tem o que é bom já saído disso? Não quebrou em pedaços o conselho que você tomou com o ego, e fez você temer a fim de que não deveria ser mais enredado outra vez em pecados assediantes? Não lhe fez temer, para que não seja novamente preso nas armadilhas de Satanás; fez com que você visse mais a santidade de Deus, a sua pureza e majestade e o terrível mal do pecado; fez a sua consciência mais terna, fez com que o temor de Deus crescesse mais e prosperasse humilhou-o, e colocou-o baixo no pó diante dele? Não há nada de bom aqui?
Um cristão, como ele cresce em graça, como trigo maduro, vai se curvar para o chão. Ele não levantará sua cerviz quando o ouvido está disparando primeiro; mas com o ouvido amadurecido, mais e mais curvará abaixo sua cabeça. Ele não pode ficar muito baixo; e quanto mais graça ele tiver, mais baixo ele ficará, pois quanto mais rico o ouvido e mais maduro o trigo, mais ele abaixará a cabeça. Professantes estéreis se erguem para cima. Nenhum talo cresce tão alto como talos estéreis; nenhum ouvido olha tão orgulhosamente como aqueles que têm toda a palha neles e nenhum grão. Portanto, se você sente ou teme que Deus não considera a sua aflição, contudo, se sua aflição o humilhou, e o derrubou, fez com que aprendesse mais a misericórdia, mostrou-lhe mais do mal do pecado, tornou sua consciência mais tenra, trouxe-o mais para fora do mundo, e mais em união com a querida família de Deus, isso te fez bem. Havia um propósito nisso, e esse propósito foi até agora realizado.
"No entanto, ele considerou a sua aflição, quando ele ouviu o seu clamor." É, eu ia dizer, insultando a Majestade do céu, que Deus não considera a sua aflição. É negar seu olho que tudo vê, ou sua mão todo-poderosa, ou seu coração terno, misericordioso. Ele considera sua aflição quando ele ouve seu clamor.
Mas, como ele mostra isso? Ele não tem meios de mostrar sua poderosa mão e esticar o braço? Ele está sempre calado? Não!
IV. Observe, então, em quarto lugar, a lembrança de Deus de sua aliança e arrependimento para com seus filhos. "E ele se lembrou deles por causa de seu pacto, e se arrependeu de acordo com a multidão de suas misericórdias."
Deus fez um pacto com Israel. Jurou a Abraão que nele e em sua descendência seriam abençoadas todas as nações da terra. E Deus, tendo-se comprometido por juramento e aliança, cabia à sua veracidade e fidelidade nunca afastar-se de uma só coisa.
A. Mas há algo extraordinariamente marcante nas palavras: "Lembrou-se deles por sua aliança". É quase como se Deus tivesse parcialmente esquecido, ou melhor, como se estivesse quase tentado a quebrá-la. Pensei, por vezes, que, se Deus não se ligasse por aliança, os pecados e as iniquidades do seu povo de tão grandes que são, ele teria sido provocado além de toda a resistência, para expulsá-los para sempre e enviá-los à perdição. Portanto, se eu posso usar a expressão, ele amarrou suas próprias mãos pelo vínculo de sua própria veracidade. Ele se ligou por um pacto para que não fosse provocado além da resistência; de modo que, quando seu braço estava prestes a ser solto para varrer da terra, sua aliança o reteve.
Vemos isso representado no Salmo diante de nós. "Por isso disse que os destruiria, se Moisés, seu escolhido, não tivesse estado diante dele na brecha, para desviar a sua ira, para que não os destruísse". Mas, como Moisés se colocou diante dele na brecha? Ao lembrá-lo de sua aliança, bem como dizer-lhe o que os egípcios diriam se ele destruísse seu povo no deserto. "Lembra-te de Abraão, de Isaque, e de Israel, teus servos, aos quais por ti mesmo juraste, e lhes disseste: Multiplicarei os vossos descendentes como as estrelas do céu, e lhes darei toda esta terra de que tenho falado, e eles a possuirão por herança para sempre." (Êxodo 32:13). E qual foi o efeito desse apelo? "E o Senhor se arrependeu do mal que pensou fazer ao seu povo". (Êxodo 32:14). Foi assim que Moisés, como o mediador típico, se interpôs entre Deus e Israel e reteve a mão estendida. Deus lembrou-se de sua aliança.
Mas, agora vejamos este ponto no sentido do Novo Testamento como tendo relação com a aliança da graça. Deus fez uma aliança com seu querido Filho em favor do seu povo escolhido. Nesta aliança comprometeu-se a perdoar todos os seus pecados; para vesti-los com uma túnica de justiça em que eles seriam aceitos e justificados; para abençoá-los com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo Jesus; para levá-los através de todas as tempestades da vida, e colocá-los diante de seu rosto em glória. O Filho se comprometeu a salvar todos os que lhe foram dados, a lavá-los na fonte de seu preciosíssimo sangue, a viver, morrer e ressuscitar para eles, e executar com toda a fidelidade a confiança que lhe foi confiada, como seu Fiador e Mediador, pôde levantar-se no último dia, e dizer: "Daqueles que tu me deste, eu não perdi nenhum."
Agora, se Deus tivesse sido provocado pelos pecados de qualquer um de seu povo para soltar sua mão e arrastá-lo à destruição, ele teria quebrado sua aliança. Ele convidou a aceitar e abençoar cada membro do corpo místico de Cristo, porque, se alguém fosse perdido, toda a aliança teria sido quebrada. É com esta aliança celestial como é com as alianças terrenas. Tomemos, por exemplo, uma locação ou um contrato. Se você quebrar qualquer uma de suas condições, o todo é anulado. Portanto, se alguém da família querida de Deus perecesse no caminho, a aliança da graça teria sido quebrada. Portanto, "Ele se lembra deles por sua aliança".
Embora aborreça os seus pecados e os abata por causa das suas iniquidades; embora gravemente provocado pela sua desobediência, contudo, ele se lembra deles - isto é, de sua aliança. Não são suas boas ações que ele considera, nem suas más. Ele parece mais alto que qualquer um. Ele olha para o seu Filho querido, com quem fez um pacto eterno, bem ordenado em todas as coisas e com segurança. Ele olha para o selo pelo qual foi selado com sangue, pois lemos do "sangue da aliança eterna", e como no Egito, ele se lembra do sangue e passa por seus pecados, ao passar por cima das casas com sangue.
Oh, a bem-aventurança de ter um manifesto interesse salvador no sangue da aliança, e assim ter um testemunho de que Deus fez uma aliança com seu amado Filho em nosso favor; que nossos nomes estão escritos no livro da vida; e que Cristo é o nosso Mediador à direita do Pai. Quais são todas as bênçãos terrenas em comparação com isso? O que são a saúde, a força, a riqueza e todos os bens da vida; o que é tudo o que o coração carnal pode desejar ou a mente cobiçosa agarrar; o que é tudo comparado com um interesse salvador na aliança eterna, e no amor, sangue e justiça do Senhor, do Cordeiro? O que é a terra, com todas as suas atrações, em comparação com um interesse salvador no sangue precioso de um Jesus moribundo?
Você vai encontrá-lo assim quando você chegar a deitar sobre uma cama de doença e dor; quando as gotas frias do suor se levantarem em sua testa, e o último inimigo estiver prestes a agarrá-lo pela garganta. Quais serão as suas ansiosas tentativas de ter algo mais do que você tem ou é - e posso acrescentar - seus sucessos - o que eles farão por você então? Apenas serão espantosos espectros do passado para aterrorizar e alarmar sua consciência, para ver por quais sombras você tem procurado se agarrar à negligência da substância sólida. Mas, naquela hora solene ter um testemunho de Deus de perdão e paz, vai tornar suave um leito de morte; acalmará todos os medos ansiosos; e te levará com segurança pelo vale escuro da sombra da morte.
B. Mas agora, para algumas palavras sobre a última frase do texto: "Ele se arrependeu de acordo com a multidão de suas misericórdias". Foi, como eu disse há pouco, como se Deus estivesse prestes a acabar com eles. Mas, veja como isso se relaciona com a nossa experiência diária. Às vezes, quando você tem planejado, e talvez gastado metade do dia em conspirar como você deve realizar este ou aquele desígnio mundano, à noite você começa a refletir sobre o negócio do dia; e as tramas e esquemas que passaram por sua mente ocupada caem com algum peso e poder sobre sua consciência. E agora você se pergunta como Deus poderia suportá-lo; como ele poderia permitir que um desgraçado como você vivesse e se entregasse a tais esquemas e planos para sua própria honra, ganho ou ambição, e consultar tão pouco a honra e a glória de Deus.
Agora, você é levado a ver que o Senhor, se ele deu pleno alcance à sua ira, dará um fim a você; mas em vez disso se arrepende - isto é, não fará o que faria de outra maneira. Não que devamos atribuir o arrependimento a Deus como devemos ao homem. Mas, como um termo emprestado da linguagem dos homens, ele até agora se arrepende de não pôr em execução os pensamentos de seu coração santo e indignado. Assim, em vez de nos arrastar para a destruição, ele nos leva ao seu seio; em vez de juízo, manifesta misericórdia; em vez da ira ele revela sua graça; e assim ele se arrepende de acordo com a multidão de suas misericórdias.
Que expressão doce é essa e como ela parece transmitir à nossa mente que as misericórdias de Deus não caem gota a gota, mas são tão inumeráveis como a areia sobre a praia, como as estrelas que brilham no céu; gotas de chuva que enchem as nuvens antes de descarregarem seus copiosos chuveiros sobre a terra. É a multidão de suas misericórdias que o tornam um Deus tão misericordioso. Ele não dá senão uma ou duas gotas de misericórdia - que logo serão exaladas e desaparecidas, como a chuva que caiu esta manhã sob o sol quente. Mas, as suas misericórdias fluem como um rio, sim, como aquele "rio de Deus" que lemos "está cheio de água". Há nele uma multidão de misericórdias para uma multidão de pecados e uma multidão de pecadores. E assim ele dá de acordo com a multidão de suas misericórdias.
Isto é sentido e recebido no amor que quebra, humilha, suaviza, e derrete o coração de um pecador sensível; e ele diz: "Por que, pecar contra tais misericórdias?" Por que, quando o Senhor se lembrou de mim na minha baixa propriedade, novamente visitou-me com a luz do seu rosto, e manifestou mais uma vez uma sensação de sua misericórdia - devo agir para provocá-lo de novo, tomar de novo o conselho de meu próprio coração, voltar a andar inconsistentemente, ser enredado novamente nas armadilhas de Satanás? Ó, que Deus o proíba. Que o proíba o evangelho, a terna consciência, e todo o amor moribundo de Jesus!
Assim, Deus toma ocasião, pelas próprias necessidades de seu povo, para derretê-las em obediência, para amaciá-las em arrependimento, para dissolvê-las em arrependimento e assim trazer uma colheita de louvor e gratidão para fora dos sulcos que ele rega tão abundantemente com sua misericórdia. Ele assim colhe para si um louvor eterno no céu, enquanto ele assegura essa obediência, através da qual ele é glorificado ainda agora sobre a terra.





Este texto é administrado por: Silvio Dutra
Número de vezes que este texto foi lido: 28580


Outros títulos do mesmo autor

Artigos As Coisas Melhores que Acompanham a Salvação J. C. Philpot
Artigos Bálsamo de Gileade J. C. Philpot
Artigos Miséria do Homem e Misericórdia de Deus J. C. Philpot
Artigos A Provação pelo Fogo do Trabalho de cada Homem J. C. Philpot
Artigos O Poço e o Muro J. C. Philpot
Artigos A Unção do Santo J. C. Philpot
Artigos A Perda de Todas as Coisas por Causa de Cristo J. C. Philpot
Artigos A Palavra da Graça e Deus J. C. Philpot
Artigos Crucificado com Cristo J. C. Philpot
Artigos O Exercício e o Lucro da Piedade J. C. Philpot

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 40.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 58656 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 53264 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 42415 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39454 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 36083 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 35484 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 34310 Visitas
Amores! - 33784 Visitas
Desabafo - 33395 Visitas
Faça alguém feliz - 32003 Visitas

Páginas: Próxima Última