Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
A Provação pelo Fogo do Trabalho de cada Homem
J. C. Philpot

Título original: The Trial by Fire of Every Man”s Work

Por J. C. Philpot (1802-1869)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra


"E, se alguém sobre este fundamento levanta um edifício de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha, a obra de cada um se manifestará; pois aquele dia a demonstrará, porque será revelada no fogo, e o fogo provará qual seja a obra de cada um." (1 Cor. 3: 12,13)

Paulo pregou um evangelho de graça livre. A graça soberana, livre e superabundante de Deus, revelada na Pessoa e obra do Senhor Jesus Cristo, foi a alegria de seu coração e o tema de sua língua; e contra nada o santo zelo que queimava em seu seio ardeu mais veementemente do que contra qualquer perversão ou adulteração deste puro evangelho. Foi com este evangelho em seu coração, e com este evangelho em sua boca, que ele saiu em diferentes lugares, como ele foi guiado pelo Espírito abençoado, pregando Jesus Cristo e salvação através de Seu sangue e justiça. Deus possuía seu testemunho; o Espírito Santo acompanhou a palavra com poder divino; e muitos pecadores gentios, anteriormente adoradores de ídolos, e abandonados a toda sorte de luxúria, foram trazidos ao arrependimento para com Deus e fé no Senhor Jesus Cristo.
Este foi o "fundamento" que ele, como um sábio mestre construtor, instrumental e ministerialmente colocou como ele fala, "Segundo a graça de Deus que me foi dada, lancei eu como sábio construtor, o fundamento, e outro edifica sobre ele; mas veja cada um como edifica sobre ele." (1 Cor 3:10). Paulo está falando aqui não tanto do fundamento que Deus colocou em Sião, embora isso esteja incluído, como parte de seu próprio ministério. Deixe-me explicar este ponto, pois algumas pessoas parecem confundir o significado de Paulo aqui. Deus, na verdade, de Sua própria boa vontade soberana, lançou um fundamento sobre o qual a Igreja é construída. Este fundamento é Seu próprio Filho querido, "a Rocha das Eras", e contra a Igreja construída sobre este fundamento as portas do inferno nunca prevalecerão. Mas, quando um ministro prega este evangelho da graça livre, quando ele apresenta o Senhor Jesus Cristo como o único fundamento da Igreja, então ele estabelece essa fundação ministerialmente. Ele é assim, como diz o apóstolo, "um operário cooperador de Deus" (1 Cor 3: 9); para o mesmo fundamento que Deus colocou em Sião, ele coloca instrumentalmente na alma de um pecador.
Mas, esta gloriosa obra, pela qual, por meio da pregação de Paulo, os pecadores foram salvos, as igrejas edificadas e glorificadas por Deus, levantaram a inimizade de Satanás. Ele não podia suportar ver a glória trazida a Deus e a salvação para o homem; e por isso ele despertou homens errôneos para perseguir o caminho de Paulo, a fim de adulterar este precioso evangelho misturando com ele às vezes as exigências ou o espírito da lei, às vezes os princípios da filosofia pagã, às vezes adoração espúria. O primeiro foi o caso das igrejas da Galácia; o segundo com a igreja de Colossos.
O espírito legalista foi assim introduzido nas igrejas dos Gálatas que motivou a escrita pelo apóstolo da Epístola aos Gálatas, que será sempre um baluarte contra um falso evangelho de Gálatas enquanto o mundo continua. As coisas não eram tão ruins em Corinto. Os crentes naquela cidade estavam muito bem instruídos para receberem o falso evangelho que os Gálatas receberam, pois foram "enriquecidos por Ele em toda a palavra e em todo o conhecimento", e não "ficaram atrás em nenhum dom" (1 Cor 1: 5-7). E parece que os pregadores que seguiram Paulo eram, pelo menos alguns deles, homens bons, pois o apóstolo fala que seu trabalho ministerial foi queimado, mas eles mesmos sendo "salvos, como pelo fogo" (1 Cor 3:15).
Eles, portanto, em seu ministério não procuraram trabalhar contra o fundamento de Paulo. Lá, eles e Paulo concordaram plenamente.
Mas onde eles diferiam era sobre a superestrutura - o edifício que deveria ser construído sobre o fundamento. "Eu estabeleci o fundamento, e outro constrói sobre ele." Então vem a prudência solene, "Mas cada um tenha atenção como constrói sobre ele". Estamos de acordo, diz Paulo, quanto ao fundamento. Nenhum dos construtores que vieram após mim se atreveu a interferir com a minha fundação. Ele acrescenta então as palavras que às vezes são mal compreendidas: "Porque ninguém pode lançar outro fundamento, além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo." Isto significa, como eu entendo, "Vocês, sábios e bem instruídos coríntios não deveriam tolerar que um homem viesse a Corinto e pusesse outro fundamento além daquele que foi colocado entre vocês por minhas mãos, e não deveriam ouvi-lo por um só momento, e aqueles que vieram entre vocês sendo, como espero, bons homens, não há nenhuma diferença ou disputa entre nós e eles sobre o trabalho de fundação. A fundação é muito segura. Mas, agora vem a questão quase não menos importante,      qual é a superestrutura que estes homens têm construído sobre a minha fundação? Isso é certo ou não é? Aqui podemos ser muito diferentes, pois a superestrutura deve concordar com e ser digna da fundação, ou deve estar em desacordo e ser indigna dela.
Agora vamos ler o nosso texto na conexão como explicado, e então vamos ver qual é o significado do apóstolo nele. "E, se alguém sobre este fundamento levanta um edifício de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha, a obra de cada um se manifestará; pois aquele dia a demonstrará, porque será revelada no fogo, e o fogo provará qual seja a obra de cada um."
Ao olhar para estas palavras, então, e tentar, como o Senhor possa permitir, abrir e colocar diante de vocês o seu significado espiritual, eu, com a bênção de Deus, e olhando para Ele para a força no corpo, alma e espírito, esforçar-me-ei para mostrar:
1. Qual é o fundamento que Deus realmente e verdadeiramente estabeleceu em Sião e o fundamento que cada verdadeiro servo de Deus estabelece ministerialmente na Igreja.
2. A superestrutura construída sobre este fundamento, que pode ser ouro, prata, pedras preciosas, ou madeira, feno, restolho.
3. De que tipo é o fogo que prova o trabalho de cada homem.
I. Nosso primeiro ponto principal é mostrar a FUNDAÇÃO sobre a qual a Igreja de Deus está. Aqui somos chamados a ser muito claros, e não obscurecer o conselho por palavras sem conhecimento.
Vamos ouvir, então, a própria palavra de Deus pela boca de Seu profeta Isaías. "Portanto assim diz o Senhor Deus: Eis que ponho em Sião como alicerce uma pedra, uma pedra provada, pedra preciosa de esquina, de firme fundamento; aquele que crer não se apressará." (Isaías 28:16). Este fundamento não é outro senão coigual e coeterno ao Filho de Deus. Portanto, quando Pedro fez aquela nobre confissão: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo", o Senhor Jesus respondeu: " Disse-lhe Jesus: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue que to revelou, mas meu Pai, que está nos céus. Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do hades não prevalecerão contra ela;" (Mateus 16: 17,18).
Tomemos por um momento a confissão de Pedro, pois não é sobre Pedro que se edifica a Igreja de Cristo, mas sim sobre o Filho de Deus; e não é sobre a pessoa de Pedro ou do papa, mas sobre a confissão de Pedro e a verdade nela expressa, que Cristo à direita de Deus sempre edifica a Igreja. Na confissão de Pedro há dois pontos, que separam e abraçam juntos o Senhor Jesus.
1. Ele é, "o Filho do Deus vivo". Há Sua Deidade e eterna Filiação.
2. Ele é "o Cristo", o Messias, o Ungido. Sua humanidade está em união com a Deidade. Pois, embora fosse Sua natureza humana que foi ungida pelo Espírito abençoado, contudo foi assim, como em união com Sua Deidade. Este, então, é o fundamento que Deus colocou em Sião - a Pessoa do Senhor Jesus como Deus-Homem Mediador, Emanuel, Deus conosco.
Mas, o apóstolo fala como se tivesse lançado os alicerces. "De acordo com a graça de Deus que me foi dada, como um construtor sábio, eu estabeleci o fundamento". Não há uma aparente inconsistência aqui? Deus estabelece um fundamento e outro, um homem? "Não", diz o apóstolo, "Porque nós somos cooperadores de Deus; vós sois lavoura de Deus e edifício de Deus." (1Cor 3: 9). Deus lançou o fundamento na verdade, e lançamos o fundamento ministerialmente. O apóstolo disse: Eu vim para Corinto. O próprio Senhor me disse que tinha "muitas pessoas" ali (Atos 18:10). Lá eu preguei Jesus Cristo e Ele crucificado, pois desejei não saber mais nada entre vocês. Deus abençoou a Palavra para suas almas; “Porque a minha palavra e a minha pregação não foram com palavras sedutoras da sabedoria humana, mas na demonstração do Espírito e do poder” (1 Cor 2: 4). Assim, ministerialmente, pregando Cristo e Ele crucificado, coloquei o mesmo fundamento na igreja de Corinto e em seus corações, que Deus colocou em Sião. "Não há, então, nenhuma contradição, mas uma harmonia abençoada de propósito quando o servo de Cristo é um trabalhador junto com Deus, colocando pela sua boca o mesmo fundamento que Deus colocou por Suas mãos.
Mas, tenha sempre em mente que é uma coisa ouvir deste fundamento e outra ser construído sobre ele. É uma coisa ouvir de uma rocha, é outra estar de pé sobre ela. Uma coisa é concordar com a verdade de que há um fundamento posto por Deus em Sião, mas é outra que sua alma seja ensinada e trazida por um poder divino para descansar sobre esse fundamento. O primeiro é teoria, o outro é fato; um é noção, o outro é experiência; um é o ensino do homem, o outro o ensino de Deus; uma, a religião que está na carne, a outra uma religião que está no poder divino.
Agora, em que fundamento estamos de forma natural? Ego. E que fundamento é esse? Areia. Milhares, dezenas de milhares, centenas de milhares, miríades de pessoas, não têm outro fundamento além de areia! Uma areia movediça, um banco de areia, um banco de lama - pobre miserável, inconstante, falso e sem fé - sobre isso, eles se encontram para enfrentar as ondas do juízo divino. Agora, se nossa casa for construída sobre a areia, ela deve cair quando a tempestade irromper; mas se a nossa casa for edificada sobre uma rocha, ela permanecerá inabalável em meio às tempestades que assolam o mundo. Mas, como todos nós, naturalmente, por ignorância e por autojustiça construímos sobre a areia, devemos ser tirados de um fundamento antes que possamos suportar o outro.
E como isso pode ser feito? Que descrição Deus deu do caminho pelo qual uma alma é trazida do próprio fundamento arenoso para se erguer sobre a rocha de Cristo! Leia, marque, digite e veja se você tem algum conhecimento pessoal com ele. "Porquanto dizeis: Fizemos pacto com a morte, e com o Seol fizemos aliança; quando passar o flagelo trasbordante, não chegará a nós;” - aqui está a segurança carnal aqui está uma profissão vazia, aqui está uma religião que está na carne - "porque fizemos da mentira o nosso refúgio, e debaixo da falsidade nos escondemos" (Isaías 28:15). E em sequência a isto vem a resposta divina: ”Portanto assim diz o Senhor Deus: Eis que ponho em Sião como alicerce uma pedra, uma pedra provada, pedra preciosa de esquina, de firme fundamento; aquele que crer não se apressará. E farei o juízo a linha para medir, e a justiça o prumo; e a saraiva varrerá o refúgio da mentira, e as águas inundarão o esconderijo. E o vosso pacto com a morte será anulado; e a vossa aliança com o Seol não subsistirá; e, quando passar o flagelo trasbordante, sereis abatidos por ele.” (Isa 28.16-18).
Como o Senhor aqui revela a hipocrisia e o engano de uma religião que está na justiça da criatura, colocando como se fosse na boca de seus professantes sua própria visão dela. Esta é então a sua linguagem, "Nós fizemos uma aliança com a morte". A morte e nós somos bons amigos. Por que precisamos então temê-la então como um inimigo? Temos uma religião para morrer. E temos um acordo com o inferno. Por que então precisamos temer o inferno? Nossa religião certamente nos livrará de descer à cova; e nossa própria justiça certamente nos dará uma entrada na porta do céu. Sim, embora o próprio Deus declare que é um refúgio de mentira, mas tendo-se refugiado uma vez nela, estamos bem satisfeitos com ela, e não queremos ser expulsos dela; e embora sob a falsidade nós nos escondemos, contudo nós preferiríamos tomar nossa possibilidade e viver e morrer nela do que sofrer a dor e o incômodo de ser expulso dela. Tal é o homem, tal a sabedoria da carne; tal é toda a religião da criatura, tal o orgulho e a obstinação do coração humano; tal a inimizade mortal da mente carnal contra a salvação pela graça, que mais cedo morreria e seria condenado a seu modo; que viver e ser salvo no caminho de Deus.
Mas, o Senhor deixará Seu povo viver e morrer nesses falsos refúgios? Ele mesmo responderá à pergunta. "E farei o juízo a linha para medir, e a justiça o prumo; e a saraiva varrerá o refúgio da mentira, e as águas inundarão o esconderijo." (Isaías 28:17). Essa é a maneira de Deus de tirar a alma do fundamento arenoso do ego, preparando-a para ser edificada sobre a Rocha das Eras. A figura empregada é aquela de um construtor que trabalha com linha e prumo, e ao aplicá-lo à parede detecta imediatamente o menor desvio da perpendicular.
O que corresponde a isso na graça? A aplicação da lei à consciência, aquela lei santa, inflexível, condenadora que exige amor perfeito a Deus e ao homem. Isso é colocar o juízo na linha e a retidão no prumo, pois a lei é tão rigorosa e tão infalível ao detectar o menor desvio de seus comandos quanto a linha detecta o menor desvio da perpendicular. E o que se segue? A tempestade da indignação de Deus contra a transgressão desta santa lei. "O granizo varrerá o refúgio da mentira, e as águas transbordarão o esconderijo". A ideia é de uma pessoa se refugiando em vão da tempestade e do granizo, que naqueles países era muitas vezes composto de grandes pedaços de gelo, e a tempestade e o granizo derrubando o abrigo, e o dilúvio afogando-os e os colocando para fora de seu esconderijo.
Esta tempestade de trovões e sua inundação concomitante rompem a segurança carnal. "E o vosso pacto com a morte será anulado; e a vossa aliança com o Seol não subsistirá; e, quando passar o flagelo trasbordante, sereis abatidos por ele." (Isaías 28:18). A aliança com a morte que não deve ter nenhuma picada – e a aliança com o inferno que não deve ter nenhuma vitória - é quebrada e anulada; e a alma está nua e culpada diante de Deus, como um fogo consumidor. Sob estas sensações angustiantes, que suspiros e gritos saem do coração! O que farei, para onde fugirei, como escapar da ira vindoura, de eternidade a eternidade, e como lidar com a eternidade, como suportarei queimaduras eternas? Por que nasci neste mundo miserável, para ser um monumento eterno do desgosto de Deus? Que eu fosse qualquer coisa menos o que eu sou - um cão, um verme, um sapo - qualquer réptil que não tivesse uma alma imortal!
Como o fogo da santa lei de Deus assim queima na consciência de um pecador, e queima seu acordo com a morte, e est cai de suas mãos como um pergaminho inútil. Parece, à primeira vista, difícil que tais medidas severas sejam necessárias para separar a alma do ego; mas tão próxima é a união, tão crescida juntamente, interligados e entrelaçados são os dois, que nada além de um poder divino pode despedaçá-los.
Agora, quando o Senhor Jesus Cristo é revelado à alma pelo Espírito abençoado como a Rocha das Eras, o fundamento que Deus colocou em Sião, há uma visão pela fé de Sua gloriosa Pessoa, sangue expiatório e justiça justificadora, Há uma vinda a Ele como tal, como diz o apóstolo Pedro: "E, chegando-vos para ele, pedra viva, rejeitada, na verdade, pelos homens, mas, para com Deus eleita e preciosa, vós também, quais pedras vivas, sois edificados como casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais, aceitáveis a Deus por Jesus Cristo." (1 Pedro 2: 4,5). Cristo é a pedra viva, e os crentes são pedras vivas. Assim, a pedra se apoderada Pedra que é o Salvador, e se apega a Ele, pelo Espírito Santo, e assim obtém uma união viva com Ele. É assim que um pecador culpado, uma alma desolada, é trazido da areia, e construído sobre e a Rocha que Deus colocou em Sião.
II. Tendo assim visto o que é o fundamento, e como a alma é trazida a ele, e construído em e sobre ele, podemos agora olhar para a SUPERESTRUTURA; pois há um edifício a ser levantado, bem como uma fundação para ser colocada; e esta superestrutura pode ou ser digna do fundamento ou indigna dele - em outras palavras, de acordo com a expressão do apóstolo, seja ouro, prata, pedras preciosas - ou madeira, feno, restolho.
Quando um ministro espiritual e experimentalmente prega o Senhor Jesus Cristo como o único objeto da esperança de um pecador, ele instrumentalmente coloca Cristo como o fundamento. Mas ele deve continuar a construir a Igreja em sua santíssima fé, e criar uma superestrutura digna do, e correspondente ao fundamento. Não é assim na natureza? É uma circunstância frequente que, quando um edifício nobre deve ser erguido, a pedra fundamental é colocada por alguma pessoa distinta com grande cerimônia. Mas, isso não é uma garantia de que a superestrutura corresponderá à fundação e estará em harmonia com ela? Uma fundação para um palácio, e a superestrutura uma choupana! Que contradição! Que inconsistência! Assim, o apóstolo assume que pode ser construído sobre Cristo, que é a fundação, uma superestrutura digna, harmoniosa, consistente, como ouro, prata, pedras preciosas - ou inconsistente, indigna, vergonhosa, como madeira, feno, e restolho.
1. Uma superestrutura DIGNA. O que devemos entender por ouro, prata, pedras preciosas? Evidentemente algo valioso, pesado, duradouro, e sobretudo incombustível. O que na graça possui essas qualidades inestimáveis? Primeiro, as grandes verdades e doutrinas principais do evangelho, pode ser dito delas que suportam estas características. A escolha eterna de Deus de Seu povo no Filho de Seu amor, sua redenção pessoal e particular pelo sangue de Cristo, sua justificação por Sua justiça imputada e sua plena e perfeita salvação nEle são todas as realidades valiosas, preciosas que o fogo não pode destruir, nem a água afogar.
Assim, as promessas do evangelho, que são todas sim e amém em Cristo Jesus para a glória de Deus, são ouro, prata e pedras preciosas, pesadas, valiosas e duradouras. Nem os preceitos do evangelho e as ordenanças da casa de Deus devem ser omitidos da superestrutura harmoniosa. Tudo o que o evangelho revela e proclama, tudo o que ele promete e ordena, toda a santa obediência a que ele chama, deve ser edificado pelos verdadeiros construtores de Sião como uma superestrutura sobre Cristo, o fundamento.
Mas, eu penso que nós podemos aplicar as palavras mais particularmente à obra do Espírito abençoado na alma, pela qual Ele a constrói para um templo para Ele habitar, como o apóstolo fala - "Ou não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que habita em vós, o qual possuís da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos? " (1 Cor 6:19). Se este for o caso, então as três coisas aqui faladas - ouro, prata, pedras preciosas, terão referência especial aos ensinamentos e operações do Espírito abençoado.
O que podemos então entender pelo OURO? Evidentemente fé. O próprio Senhor compara a fé com o ouro em Seu discurso à igreja de Laodiceia: "Eu te aconselho a comprar de Mim ouro provado no fogo", (Apo 3:18), e isso significa que a fé é clara a partir da linguagem de Pedro, “Para que a prova da vossa fé, mais preciosa do que o ouro que perece, embora provado pelo fogo, redunde para louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo;" (1 Pe 1: 7). Pois bem, esta preciosa fé pode ser comparada ao ouro, pois enriquece a alma, colocando-a em posse de todas as riquezas de Cristo. Portanto, o apóstolo diz: "Todas as coisas são suas". Por quê? Porque "você é de Cristo".
Como o ouro é o grande meio de troca, pelo qual, de acordo com a quantidade que possuímos, obtemos tudo o que precisamos, assim a fé é o meio de troca do crente, pelo qual recebe da plenitude de Cristo um suprimento para todas as suas necessidades. Assim diz o Senhor: "Ó vós, todos os que tendes sede, vinde às águas, e os que não tendes dinheiro, vinde, comprai, e comei; sim, vinde e comprai, sem dinheiro e sem preço, vinho e leite." (Isaías 55: 1). Esta divina, esta fé viva, não é o exercício de qualquer faculdade natural da mente de um homem; não é a mesma coisa que credibilidade dada a algum evento histórico, como eu acredito que há uma Austrália, ou que havia um Bonaparte. Mas é um fruto especial e graça do Espírito, uma bênção da nova aliança, o dom de Deus, e operado no coração por um poder divino.
Um ministro constrói com esse ouro na superestrutura quando ele aponta e insiste, descreve e desdobra a origem e a natureza dessa fé; e quando o Espírito abençoado detém o seu testemunho e levanta fé no ouvinte sob o seu testemunho, Ele a instila na alma e o edifica em Cristo. Tal foi a fé de ABEL, o primeiro mártir; tal a fé de ENOQUE, que andou com Deus; tal a fé de NOÉ, pela qual ele construiu a arca; tal a fé de ABRAÃO, pela qual ele se tornou o amigo de Deus; tal era a fé de JACÓ quando ele lutou com o anjo; de DAVI, quando ele saiu contra Golias, e tal foi a fé daquele glorioso grupo de quem o mundo não era digno, cujos sofrimentos o apóstolo registra em Hebreus 11. Esta fé é digna da fundação, pois é a Obra do Espírito Santo, a única que concorda e está em harmonia com a pessoa e a obra de Deus Filho.
Mas, o apóstolo menciona a PRATA como formando um segundo constituinte de uma superestrutura digna e adequada. Não devemos esticar expressões figurativas muito longe, para que não caiamos em interpretações fantasiosas. Uma rédea aqui é necessária ao invés de um estímulo, para que não devêssemos ser levados para a região sem rumo da imaginação em vez dos verdes pastos da verdade do evangelho.
Mas, eu acho que, sem ser fantasioso, podemos explicar a prata como referindo-se à graça da esperança. Não é esta uma parte da superestrutura a ser construída sobre Cristo o fundamento? Como o hino diz,
Minha esperança é construída sobre nada menos
Do que o sangue e a justiça de Jesus.
Qual é a nossa esperança e seu valor se não for construída sobre a Pessoa, trabalho e sangue do Filho de Deus? Mas uma boa esperança através da graça é a obra do Espírito abençoado e, portanto, está em harmonia com a obra acabada de Jesus.
Mas, como um ministro constrói com essa prata uma parte constitutiva da superestrutura? Ao pregar o evangelho em sua pureza e plenitude; estabelecendo a liberdade da graça; traçando a obra do Espírito no coração; sustentando o Senhor Jesus Cristo como Salvador e Amigo do pecador; descrevendo o caráter da família pobre e necessitada de Deus e apresentando as promessas, convites e declarações de Deus em seu favor. Esta boa esperança através da graça, sendo construída sobre a Pessoa, obra e sangue de Cristo, e sendo forjada no coração pelo Espírito abençoado, é uma parte da superestrutura digna e adequada para a fundação.
Mas PEDRAS PRECIOSAS também são mencionadas como parte do edifício espiritual. Estas, é evidente, superam em raridade, beleza e valor, o ouro e a prata. Mas qualquer coisa pode superar a fé e a esperança? Sim. Manifestações preciosas do amor de Deus, preciosas visitas de Jesus, preciosas aplicações de Seu sangue à consciência, preciosos sorrisos de Sua face e preciosas palavras de Seus lábios. Estes são realmente raros. Não é frequente na vida de um homem que ele tenha manifestações especiais do Senhor Jesus.
A fé e a esperança, como o ouro e a prata, são mais para todos os dias, pois pela fé vivemos, e lutamos, e portanto precisamos continuamente; e pela esperança ser salvos do desespero, e, portanto, precisamos dela a cada hora. Mas, pedras preciosas brilham senão sobre poucos dedos, e são apenas para dias festivos. No entanto, que valor existe em um pequeno diamante! Assim, uma manifestação de Cristo, uma descoberta do amor perdoador de Deus e uma aplicação do sangue expiatório à consciência, embora não seja grande em extensão nem longa duração, mas quão indizivelmente valioso e precioso é! Estas pedras preciosas que um ministro edifica como parte da superestrutura quando as descreve, as impõe na consciência, insiste e contende por elas.
Agora dê uma olhada neste edifício, fundação e superestrutura. A gloriosa Pessoa do Filho de Deus com Seu sangue expiatório, justificar e o trabalho consumado é o fundamento. A obra do Espírito, as graças que Ele produz e as manifestações de Cristo que Ele dá - que é a superestrutura.
Como o Senhor Jesus é o único fundamento sobre o qual a alma pode descansar, assim pela obra do Espírito é a única em que deve ser construída. Assim, vemos a Trindade envolvida. Deus, o Pai, estabelece os alicerces; Deus, o Filho, é ele mesmo o fundamento; e Deus o Espírito abençoado constrói a superestrutura gloriosa. Esses ministros, portanto, e somente esses ministros, são "obreiros cooperadores de Deus" que trabalham de acordo com a regra deste padrão, e cujo ministério, de acordo com Sua palavra e vontade, Ele possui e abençoa a construção de Sua igreja.
2. Uma superestrutura indigna. Mas, havia aqueles nos dias de Paulo, como encontramos em suas epístolas, e os tais também existem em nossos dias, que não têm olhos para ver nem corações para valorizar o ouro, a prata e as pedras preciosas. E, no entanto, eles seriam mestres construtores, colocando sua mão na obra; e embora em vez de construírem um templo para Deus, o que construíram? Uma Babel. Um traz "madeira", um segundo traz "feno", e um terceiro traz "restolho".
Há indubitavelmente um significado espiritual nesses materiais. A ideia principal que permeia o todo é, naturalmente, que todos eles são altamente combustíveis - materiais perigosos em um incêndio. Seu segundo caráter é, sua absoluta inutilidade; a terceira, sua inaptidão para tal fundamento eterno. Mas, vamos examiná-los um pouco mais de perto.
MADEIRA. Isso forma a porção principal da superestrutura falsa. Um sistema bem compactado de deveres da criatura apenas encontra a ideia de um pináculo de madeira. Há as madeiras serradas de vários comprimentos, os postes, vigas, e todos os demais tipos - um dever aqui e uma regra lá; uma oração para segunda-feira e um capítulo para terça-feira; quando jejuar e quando se banquetear; quando ficar de pé e quando se ajoelhar! - o que pode ser mais puro e mais compacto do que o nosso bom pináculo de madeira?
Mas, como é, dificilmente suportará a chuva e o mau tempo. Existem violações agora e então feitas nestes deveres e observâncias. A consciência torna-se desconfortável, à medida que a luz entra através das frestas. Bem; o que ocorre então? Traga alguns remendos para fechar os buracos. Um conjunto de resoluções, votos, determinações para fazer melhor na próxima vez, a mortificação pela falta de sucesso e uma luta fixa para não ser mais vencido pelo pecado e pela tentação - este é o "feno" que os falsos construtores empurraram para dentro das enormes rachaduras da madeira da obediência da criatura.
Mas, o edifício ainda tem lacunas; a moldura de madeira, com seus buracos cheios de feno, começa a parecer um tanto ruinoso. Não é à prova de água. O que deve ser feito em seguida? Fechar com restolho para manter fora a chuva. Vá para o campo do mérito humano, colete as palhas, junte-as, alise-as, regue-as com algumas lágrimas e coloque-as como cobertura para o telhado de madeira. A santidade carnal, a piedade da criatura, um rosto recatado, uma voz piedosa, uma caminhada suave, um traje solene e uma seleção seleta de frases bíblicas - colocam toda essa fingida humildade e zombam da religião, e colocam o todo como uma cobertura de palha no campanário de madeira.
Por estas figuras notáveis, o apóstolo descreve e expõe toda a legalidade e o farisaísmo que, em todas as eras, construtores ignorantes acumularam sobre Cristo, admitindo que Ele fosse o alicerce, ainda que criando sobre Ele esta superestrutura miserável e sem valor.
Mas, esta superestrutura permanecerá? Não! O que a destruirá e derrubará? Fogo. Este é o modo designado por Deus de provar a obra, quer seja para perecer ou permanecer. "A obra de cada um será manifestada, porque o dia a declarará, porque ela será revelada pelo fogo, e o fogo provará a obra de cada homem de que espécie ela é". De qual obra é aqui falado? É principalmente ministerial. "Todo homem" aqui significa, em geral, todo ministro, pois é deles que o apóstolo fala principalmente. Agora, a obra de cada ministro deve ser manifestada, quer seja obra de Deus, quer seja obra do homem. Todo ministro da verdade que se levanta diante de um povo tem um trabalho a fazer; e esta obra deve ser manifestada; é para ser revelado e trazido à luz de que tipo é. E como Deus o torna manifesto? O apóstolo nos diz aqui da maneira mais clara, para que o que corre possa ler. Ele diz: "O dia o declarará, porque será revelado pelo fogo, e o fogo provará a obra de cada homem de que espécie ela é". Por esta "obra", aqui, podemos entender não só a religião imposta pelo ministro, mas também o povo que recebe o seu ministério, e é construído instrumentalmente por ele, seja na fé, na esperança e no amor - ou na legalidade e santidade carnal.
Pelo fogo enviado de Deus para provar o trabalho podemos entender várias coisas.
1. A PERSEGUIÇÃO é um fogo. Pedro parece aludir a isto como uma parte da fornalha, onde fala da "prova ardente"; porque ser um cristão naqueles dias foi muitas vezes uma fornalha que queimou o corpo, e enviou a alma ao céu em uma carruagem de fogo.
2. Mas, a tentação também é um fogo, e uma fornalha mais quente para a alma do que a fogueira é para o corpo. Pedro fala de "os eleitos estrangeiros" como sendo "provados para que a prova da vossa fé, mais preciosa do que o ouro que perece, embora provado pelo fogo, redunde para louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo;" (1 Pedro 1: 7).
A tentação é para a nossa natureza caída o que é correspondente a restolho, feno, e madeira sendo colocado na fornalha. O pecado em nossa natureza está morto até que a tentação o incendeie. O que derrubou Davi? Tentação. O que derrubou Pedro? Tentação. O que moveu Moisés para a ira, Jó para amaldiçoar o dia de seu nascimento, e Jonas a virar as costas para fazer a obra de Deus? Tentação. E o que muitas vezes nos faz cambalear e temer onde nossos corações perversos não podem nos manter firmes na fé? Tentação. Bem poderia o Senhor dizer: "Vigiai e orai para que não entreis em tentação"; e outra vez: "Não nos deixeis cair em tentação", pois, se levados e deixados nela, quem pode nos livrar ilesos?
3. Mas, a ira de Deus contra todo pecado é também um fogo. Os relâmpagos de Sua santa indignação contra o orgulho, a hipocrisia, a justiça própria e outros males abundantes em nossos corações são parte da fornalha que o Senhor designou em Sião.
4. Medos de morte, picadas de consciência, apreensões sombrias do que pode ser um leito moribundo, visões dolorosas de nossas miseráveis insuficiências, descobertas da profundidade do pecado e da iniquidade que habitam em nós, uma contínua luta com os levantes e a corrupção interna - isto também faz parte do fogo que deve provar o trabalho de cada homem de que tipo é. Pois você observará que eu me limito principalmente a esses fogos e fornalhas que queimam a lenha, o feno e o restolho da falsa superestrutura.
Agora observe o EFEITO do fogo que é destinado a provar de que tipo é a obra de cada um.
1. Primeiro, o ouro, a prata e as pedras preciosas - fé da dádiva de Deus, esperança do amor inspirador de Deus, amor pelo derramamento de Deus no exterior - pode ser que estas graças do Espírito sejam queimadas? Não! Eles não são consumidos na fornalha mais quente. Eles podem, na verdade, parecer às vezes perdidos e enterrados em fumaça e cinzas, quando a lenha, o feno e o restolho são incendiados; mas eles são absolutamente indestrutíveis, embora a fornalha seja aquecida sete vezes mais do que o usual (veja Dan 3:19).
2. Mas, como a madeira, o feno e o restolho estão? Onde está agora a obediência da criatura, a santidade da carne, as suas formas e deveres? Onde está agora a moldura bem compacta de madeira, os feixes de feno, a palha de restolho? O fogo da perseguição, da tentação, do pecado, da santa indignação de Deus, das dúvidas e dos temores culpados, poupará essa superestrutura feita pelo homem? Não! Arde em nuvens de fumaça, afunda, cai, por mais alto que levante sua cabeça elevada, acabará em cinzas negras e ruína sombria.
Mas o que dizer da fundação? Essa também está queimado? Não! Essa é Cristo, portanto permanece, o mesmo ontem, hoje e eternamente. Observe o que o apóstolo está falando aqui daqueles que são eventualmente salvos. "Se a obra de alguém for queimada, sofrerá perdas, mas ele mesmo será salvo, assim como pelo fogo" (1 Cor 3:15). Sua obra deve ser queimada, e assim sofre a perda; mas ele mesmo é salvo, assim como pelo fogo, isto é, como um homem puxado pela força de uma casa em chamas, apesar de toda a sua propriedade ser consumida.
Agora isso lança uma luz misteriosa sobre alguns ministros e sobre alguns ouvintes. Eles estão certos quanto aos fundamentos, mas errados quanto à superestrutura. Eles descansam realmente e verdadeiramente em Cristo, e ainda, são enganados e seduzidos por um espírito legalista, autojusto, e eles trazem as ações da criatura. Por misericórdia de suas almas, Deus envia um fogo para queimar tudo isso. Na natureza às vezes um fogo é a melhor coisa que pode acontecer. O grande incêndio de Londres foi a maior bênção que Londres jamais teve. Até então era de vez em quando assolada pela praga. Mas o fogo que queimava a velha Londres, com suas ruas estreitas e pestilentas, queimava a praga. E assim, a melhor coisa que pode acontecer à religião de algumas pessoas é que ela seja queimada. Há então alguma esperança de que, das ruínas enegrecidas e das cinzas ardentes, possa surgir uma nova e melhor religião.
III. Aplicação. Tendo assim apontado a minha flecha, deixe-me agora colocá-lo na corda para eu possa lança-la em algumas de suas consciências. Há vários passos distintos e marcados estabelecidos pelo apóstolo aqui. Vamos ver até onde podemos colocar o nosso pé sobre eles.
1. O primeiro é, o ser retirado da base arenosa. Como toda a natureza se constrói sobre a areia, e como todos antes de serem construídos sobre a rocha, são trazidos da areia, este é um evento para não ser feito como se não soubesse o onde, o quando ou o como. Ser vivificado na vida espiritual, ser convencido do pecado e trazido da segurança carnal para as apreensões da santidade, da justiça e da majestade de Deus é o maior evento em todas as nossas vidas.
2. O próximo passo é ser construído sobre Cristo como o único fundamento da esperança de um pecador. Mas, isso não pode ser sem uma descoberta espiritual da Pessoa, sangue, justiça e graça do Senhor Jesus Cristo. É a obra especial do Espírito Santo glorificar Jesus e exaltá-lo no coração, tomando as coisas de Cristo e revelando-as à alma. Isso, portanto, é uma coisa que não pode ser feita no escuro, quando um homem está dormindo e não sabe nada sobre ele. Ser trazido da lei para o evangelho, do Monte Sinai ao Monte Sião, de si mesmo a Cristo, da incredulidade à fé, do desânimo à esperança e dos temores ao amor, é um evento na vida espiritual de um homem que não pode ser mais esquecido do que uma fuga de um naufrágio.
3. Em seguida vem a questão da superestrutura. Aqui, evidentemente, os tristes erros são cometidos por operários desajeitados. Construir a torre requer a habilidade principal do arquiteto. Deixe-o olhar bem para seus materiais, e fazer a escolha correta. A madeira, o feno e o restolho podem fazer um casebre ou um estábulo ou um celeiro, mas não servem para um templo. "Tu és o templo do Deus vivo", no qual Ele habita e anda. Portanto, que seja uma mansão digna de Sua morada, um templo do qual o próprio Deus é o construtor, Cristo o fundamento, e as graças do Espírito abençoado a superestrutura.



Este texto é administrado por: Silvio Dutra
Número de vezes que este texto foi lido: 28667


Outros títulos do mesmo autor

Artigos As Coisas Melhores que Acompanham a Salvação J. C. Philpot
Artigos Bálsamo de Gileade J. C. Philpot
Artigos Miséria do Homem e Misericórdia de Deus J. C. Philpot
Artigos A Provação pelo Fogo do Trabalho de cada Homem J. C. Philpot
Artigos O Poço e o Muro J. C. Philpot
Artigos A Unção do Santo J. C. Philpot
Artigos A Perda de Todas as Coisas por Causa de Cristo J. C. Philpot
Artigos A Palavra da Graça e Deus J. C. Philpot
Artigos Crucificado com Cristo J. C. Philpot
Artigos O Exercício e o Lucro da Piedade J. C. Philpot

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 40.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 68620 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 55735 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 44444 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 44155 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 43779 Visitas
IHV (IAHU) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 43505 Visitas
Amor e Perdão - Amilton Maciel Monteiro 42224 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 41391 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 41361 Visitas
Amores! - 39910 Visitas

Páginas: Próxima Última