Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
A Perda de Todas as Coisas por Causa de Cristo
J. C. Philpot


Título original: The Loss of All Things for Christ's Sake

Por J. C. Philpot (1802-1869)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

"Sim, na verdade, tenho também como perda todas as coisas pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como refugo, para que possa ganhar a Cristo, e seja achado nele, não tendo como minha justiça a que vem da lei, mas a que vem pela fé em Cristo, a saber, a justiça que vem de Deus pela fé." (Filipenses 3: 8, 9)

Todo pecador salvo é um milagre da graça; e creio no meu coração e consciência, que o Senhor fará com que cada pecador salvo o saiba, sinta e reconheça; pois ele vai dar-lhe de vez em quando tão profundas descobertas do quanto ele está inserido na queda de Adão, como vai convencê-lo além de toda questão e toda controvérsia que nada, senão a rica, soberana, distinta e superabundante graça de Deus pode salvar Sua alma do abismo.
Mas, embora isto seja verdade no caso de cada vaso de misericórdia, no entanto, como se para estabelecer nossa fé mais clara e plena na soberania da graça, o Senhor nos deu dois exemplos especiais nas Escrituras, onde os milagres de sua graça aparecem para brilhar no mais distinto brilho e glória; e como se para fazer o contraste maior, eles são de dois caracteres exatamente opostos. No entanto, a graça de Deus brilha tão visivelmente em ambos, que eu mal sei a qual posso atribuir a preferência. Estes dois personagens são um; o ladrão na cruz; o outro, Saulo de Tarso. Vamos visualizá-los separadamente.
Primeiro, eu olho para o ladrão na cruz. Vejo ali um malfeitor endurecido, pois ele era sem dúvida um dos capangas de Barrabás, e selecionado, quando poupado, como um dos piores, para marcar a crucificação do Redentor ao seu lado com a ignomínia mais profunda. Eu o traço, então, através de sua vida de violência e crime, e o vejo embebendo suas mãos no sangue do inocente. Vejo-o ano após ano pecando até o último ponto de todas as suas faculdades, até que por fim sofre um castigo justo por seus crimes contra as leis de seus semelhantes. Vejo-o em meio a todos os seus sofrimentos, ao unir-se primeiro a seu companheiro também ladrão, blasfemando contra o Cordeiro de Deus, que estava pendurado entre eles na cruz; pois eu li que "o mesmo lhe lançaram em rosto também os salteadores que com ele foram crucificados." (Mateus 27:44).
Mas o tempo designado chega, e eu vejo a graça de Deus, como relâmpago, não para destruir, mas para salvar, entrar em seu coração, como se fosse no último suspiro, para arrebatá-lo das portas da morte e das próprias mandíbulas do inferno. Vejo-a comunicar à sua alma a convicção do pecado e o arrependimento de seus crimes, pois reconheceu-os a Deus e ao homem. Vejo como o Espírito Santo suscitou na alma do malfeitor moribundo uma fé na Pessoa, no trabalho, no reino, na graça e no poder do Filho de Deus - uma fé tão forte que dificilmente posso encontrar um paralelo a ela, a menos a de Abraão oferecendo o seu filho Isaque como holocausto. Quando os próprios discípulos abandonaram Jesus e fugiram; quando seus inimigos cruéis celebravam seu mais alto triunfo; quando a terra tremeu em seu centro e o sol retirou sua luz; na mais baixa profundeza da vergonha e tristeza do Redentor - Ó, milagre da graça - aqui estava um pobre ladrão moribundo, reconhecendo Jesus como Rei em Sião, e orando: "Senhor, lembra-te de mim quando entrares no teu reino". Oh, minha alma, você não fez a mesma oração ao Rei dos reis e Senhor dos senhores?
Mas, agora me viro e vejo outro personagem - Saulo de Tarso. Eu vejo um homem treinado na mais estrita forma de religião então conhecida, vivendo a vida mais austera, reta e sem mácula. Vejo-o repetindo oração após oração e fazendo voto após voto, sempre pondo diante de seus olhos, dia após dia, a lei de Moisés, e dirigindo por ela sua vida e conduta. Em seguida o vejo, no auge de seu zelo, devastando a igreja de Deus, como um lobo devasta um redil, até que estivesse saciado com sangue. Vejo-o segurando as vestes das testemunhas contra o martirizado Estêvão. Vejo-o regozijando-se com uma alegria diabólica quando pedra após pedra foi ferozmente arremessada, e caiu com esmagadora violência sobre a cabeça do mártir.
Mas, que mudança! Vejo-o agora caído à terra na porta de Damasco, sob o poder daquela luz do céu acima do brilho do sol que brilhava ao redor dele; e ouço-o dizer, todo tremendo e atônito: "Senhor, o que queres que eu faça?" (Atos 9: 6). Oh livre arbítrio, onde você estava na porta de Damasco? Você não o estava apressando para atos de sangue? Ele não estava cumprindo suas ordens quando respirava ameaças e matança contra os discípulos do Senhor? Sua voz prendeu sua mão? Liberdade da graça, não foi a conquista inteiramente e somente a sua?
Agora, você pode me dizer qual destes dois pecadores salvos, elevará a palma da mão mais alto ou cantará louvores mais alto? Vocês, santos de Deus, podem decidir em qual destes dois homens a graça de Deus brilha com mais ênfase? Foi em tocar o coração do malfeitor na cruz, ou o do fariseu endurecido? Eu confesso livremente que mal posso pronunciar uma opinião, pois minha mente paira entre os dois; mas dos dois, eu deveria dar a Saulo a preferência, pois derrubar o orgulhoso, autossatisfeito fariseu autojusto, parece quase um milagre maior de graça do que converter um malfeitor morrendo, especialmente quando levamos em conta o que a graça de Deus fez depois em Paulo, e como ela trabalhou nele para ser um santo apóstolo.
Para mostrar o que a graça ensinou e fez, precisamos ir não mais longe do que este capítulo. Eu vejo aqui o que a graça de Deus fez no coração desse homem, e ao ler o abençoado registro de sua experiência como o temos aqui, ela se derramou em um fluxo de vida e sentimento de sua própria alma; eu li em cada linha e poderia dizer em todas as palavras - que grande revolução deve ter sido feita nele para fazê-lo agora amar tão carinhosamente aquele Jesus que ele uma vez abominou, que por ele contou todas as coisas além de lixo para que pudesse conhecer, vencer e ser encontrado nele, e que a justiça que uma vez ele desprezou, ele agora sentia ser sua única justificação, e sua única aceitação com Deus.
Se, então, a mesma graça que tocou o coração do maléfico moribundo e de Saulo, o fariseu, tocou seu coração e o meu - e precisamos da mesma graça para nos salvar e santificar, como nós poderemos, pelo menos em certa medida, falar por nós mesmos a linguagem do texto, e que, com a bênção de Deus, eu vou agora abrir.
I. Primeiro, vou traçar a mente do Espírito Santo na expressão do Apóstolo - "Por quem sofri a perda de todas as coisas e as considero como lixo".
II. Em segundo lugar, a razão pela qual ele tinha sofrido a perda de todas as coisas e contou-as como tão medíocres e baixas. Foi "a excelência do conhecimento de Cristo Jesus, seu Senhor".
III. Em terceiro lugar, o intenso desejo em sua alma de "ganhar a Cristo e ser encontrado nele".
IV. E em quarto lugar, sua plena convicção de que, se encontrada em Jesus, sua alma feliz seria encontrada vestida, não em sua própria justiça, que é da lei, mas "aquela que é pela fé em Cristo - a justiça que é de Deus pela fé."
I. O apóstolo no início deste capítulo nos dá uma longa lista, na qual não vou entrar, de certos privilégios religiosos que eram seus por herança e que eram naquele tempo considerados como grandes realizações na religião que ele tinha feito por seus próprios esforços, porque ele tinha avançado por grande rigor de conduta para o mais alto grau de santidade jurídica. Ele poderia dizer, o que poucos de nós podem, que "no tocante à a justiça que está na lei", que aqui significa a sua justiça externa, ele era "irrepreensível". O significado do que o Apóstolo diz aqui é muitas vezes muito equivocado. Ele não se refere ao espírito da lei, mas à letra - uma obediência externa, não uma obediência interna - um cumprimento da lei apenas no que diz respeito à abstinência da idolatria, quebra do sábado, assassinato, roubo e adultério; não um amor interior de Deus com todo o seu coração, alma, mente e força, mas uma retidão rígida e incondicional de andar e conversar desde a sua infância para cima; e como tal, aos olhos do homem, ele era irrepreensível.
A. Sim, sem dúvida, e considero todas as coisas como perda pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor. Mas veio um tempo, de acordo com o propósito de Deus; um tempo nunca esquecido; quando a graça invencível de Deus tocou seu coração e derrubou seu orgulho no pó. Ele nos diz (Romanos 7) o que seus sentimentos e experiência estavam sob a primeira obra da graça em seu coração, e o que ele aprendeu e encontrou sob a disciplina cortante em que ele foi então introduzido. "Eu estava vivo", diz ele, "sem a lei uma vez; mas quando o mandamento veio, o pecado reviveu, e eu morri; e o mandamento que foi ordenado para a vida eu achei que era para a morte." (Romanos 7: 9,10). Ele estava" vivo, sem a lei uma vez. "Ou seja, quando não está familiarizado com a espiritualidade da lei e a ira de Deus revelou que estava "vivo", porque não o tinha matado e o havia deixado morto sob a sua maldição, pois podia ler, jejuar e orar, podia cumprir o que a lei lhe mandava, e executou, pelo menos na letra, as tarefas que lhe atribuiu, e vivia também, porque seu zelo estava em chamas para destruir a Igreja de Cristo com fogo e espada, pois ele mesmo nos diz que era extremamente zeloso das tradições de seus pais (Gálatas 1:14), e mostrou esse zelo na perseguição da igreja (Filipenses 3: 6), ou como o Espírito Santo mais expressamente diz: "Saulo porém, assolava a igreja, entrando pelas casas e, arrastando homens e mulheres, os entregava à prisão." (Atos 8:3).
Mas, quando a lei entrou em sua consciência, matou-o como também todas as esperanças de salvação por sua própria obediência; e quando Deus se agradou em revelar seu querido Filho a ele (Gálatas 1:16), ele viu e sentiu tal beleza e bem-aventurança em Sua gloriosa Pessoa como Deus-Homem, e tal perdão e paz, aceitação e justificação por e em seu Sangue e justiça, que todos os seus ganhos, uma vez imaginados, afundaram em perda absoluta. Ele era assim como um comerciante que por alguma convulsão nos negócios é arruinado de uma só vez. Ele pode ter no lado devedor do seu livro caixa uma grande quantidade de dinheiro devido a ele para os bens fornecidos, mas encontra a sua consternação que todas as somas que ele estava esperando a receber, a fim de cumprir os seus compromissos, são dívidas incobráveis, ou devem ser contabilizadas como débito, de modo que ele deve pagar onde ele esperava ser pago.
Assim sucedeu com Saulo. Ele estava continuamente fazendo seus cálculos, que a lei lhe devia como dívida vida e felicidade, com o especial favor de Deus, por causa de sua estrita obediência a ele; mas para sua maior consternação, quando o Senhor abriu os seus olhos, e a lei o agarrou como se fosse pela garganta, dizendo: "Pague-me o que você deve!" Ele descobriu que a lei não era seu devedor, mas seu credor, e que em vez de lhe dever a vida, devia-lhe a morte. Assim seus ganhos foram transformados em perda, e seus lucros em dívidas.
Agora, esta é uma lição que todos devem aprender espiritual e experimentalmente, que devem conhecer a Cristo, crer em Cristo e vencer em Cristo. Mas nós anteriormente havíamos trabalhado da maneira errada - nós pensamos uma vez que nós poderíamos ganhar o céu por nossa própria justiça. Respeitávamos rigorosamente nossos deveres religiosos e buscávamos por estes e vários outros meios recomendar-nos ao favor de Deus e induzi-lo a recompensar-nos com o céu por nossas sinceras tentativas de obedecer aos seus mandamentos; e por essas práticas religiosas achávamos que, nos dias de nossa ignorância, certamente seríamos capazes de fazer uma escada para subiremos ao céu. Esta foi a nossa torre de Babel, cujo topo era para chegar ao céu, e subindo-a pensávamos escalar as estrelas, e, como o soberano rei de Babilônia, "subir acima das alturas das nuvens e ser como o Altíssimo." (Isaías 14:14).
Mas, o mesmo Senhor que parou a edificação da torre de Babel, confundindo o seu discurso e espalhando-os sobre a face da terra, começou a confundir o nosso discurso para que não pudéssemos orar, ou falar, ou se vangloriar como antes, e espalhou toda a nossa religião como a palha das eiras de verão. Nossas bocas foram fechadas; nos tornamos culpados diante de Deus; e os tijolos e a argamassa se tornaram uma pilha de confusão.
Quando, então, o Senhor se alegrava de descobrir à nossa alma pela fé o seu ser, majestade, grandeza, santidade e pureza, e assim nos deu um senso correspondente de nossa imundície e loucura, então toda a nossa religião da criatura e piedade natural que nós uma vez contamos como um ganho, começamos a ver que era apenas perda; que nossos deveres e observâncias muito religiosos, tão longe de serem por nós, estavam realmente contra nós, e em vez de implorarem por nós diante de Deus, tinham tantos atos de justiça poluídos e contaminados pelo pecado perpetuamente misturado com eles, que nossas próprias orações foram suficientes para nos afundar no inferno, se não tivéssemos outras iniquidades para responder no coração, lábio ou vida.
Assim, "nossas mesas" - e, entre elas, a mesa do Senhor, à qual assistimos tão constantemente - "se tornou um laço, e o que deveria ter sido para o nosso bem-estar" – pois pensávamos com carinho de nossos deveres religiosos - "tornou-se uma armadilha". Fomos apanhados como no próprio ato de pecar, e do qual não havia escapatória por qualquer esforço nosso. (Salmo 69:22).
Mas, quando tivemos uma visão pela fé da Pessoa, do trabalho, do sangue, do amor e da graça do Senhor Jesus Cristo, então começamos a ver mais claramente com que brinquedos religiosos tínhamos nos divertido há tanto tempo e o que é muito pior, zombando de Deus por eles. Estivemos secretamente desprezando Jesus e seus sofrimentos, Jesus e seu sangue, Jesus e sua justiça, e estabelecendo os pobres e miseráveis feitos de um verme poluído no lugar da obra consumada do Filho de Deus. Mas, comparando-nos com ele, bem podemos agora dizer, com Paulo, "Mas o que era lucro para mim, considerei como perda por causa de Cristo".
B. Mas o Apóstolo acrescenta: "Por quem sofri a perda de todas as coisas". Referindo-se assim não só a toda a sua religião e justiça imaginada, mas tudo o mais que entrou em competição com o Senhor Jesus.
1. Temos que experimentar a mesma perda para nós mesmos. Quando o Senhor, pelas operações divinas de seu Espírito, se alegra em tornar nossa consciência cada vez mais terna, plantando seu temor mais profundamente no coração; quando condescende em fortalecer aquilo que já realizou em nós pelo seu poder, e a pôr as graças de seu Espírito em um exercício mais vivo e uma eficiência mais poderosa, começamos a achar que há muitas coisas até então consentidas, que devemos sacrificar se pretendemos manter uma consciência honesta e caminhar perante o Senhor em todo o bem agradável. Começamos a ver que não podemos segurar o mundo com uma mão e Cristo com a outra; e que seguir a Jesus requer tomar uma cruz diária e negar-nos de muito de tudo o que a carne admira e ama!
É colocado com peso e poder sobre a nossa consciência que, se temos que ser cristãos interiormente e externamente, e ter o poder da piedade e não apenas a forma, devemos nos separar de muitas coisas que amamos como o sangue de nossa própria vida. Este é o grande teste que distingue o cristão real do nominal - o possuidor do mero professante.
Eu falo por experiência. Fui eu mesmo chamado a fazer tais sacrifícios. Não pode ser sua parte, nem pode a mesma necessidade ser colocada em cima de você; mas quando eu era um ministro da Igreja da Inglaterra, um pouco mais de 23 anos atrás, fui chamado a sacrificar todas as minhas perspectivas terrenas, e como Moisés contar o opróbrio de Cristo como maiores riquezas do que os tesouros do Egito. Repito - este pode não ser o seu caso (pois não estou me colocando como exemplo), mas senti que não podia ocupar meu cargo como ministro daquela igreja, porque essa posição me convidava a dizer e a fazer coisas que eu não poderia dizer e fazer, sem estar de pé diante do Deus do céu com o que eu acreditei ser uma mentira na minha boca e na minha mão direita. Não julgo as consciências de outros homens, mas senti que devia ou manter minha posição com um peso continuamente apoiado em minha mente, e assim zombar, como eu acreditava, de um Deus santo, que procurava o coração, ou fazer o sacrifício. Eu escolhi o último; nem me arrependi da escolha, como agora posso servir ao Senhor e pregar a sua verdade com boa consciência.
Mas, todos vocês devem sacrificar alguma coisa, se, com Paulo, "sofrerem a perda de TODAS as coisas". Pode acontecer que você seja colocado, por exemplo, em uma situação extremamente vantajosa para seus interesses temporais, e que seja rapidamente levado a uma posição de facilidade mundana e respeitabilidade. Mas se você for obrigado, ao ocupar esta posição, a fazer coisas que afligem uma consciência terna - coisas inconsistentes com o temor de Deus e os preceitos do Evangelho, a graça compelirá, assim como permitirá que você sofra a perda de todas estas coisas, ao invés de viver em pecado, para a provocação de Deus, e a trazer a escuridão e a morte em sua alma.
2. Mas se poupado desta provação; se você não tem que sofrer em finanças ou posição, você certamente irá sofrer em reputação. Você deve perder o seu bom nome, se você não perder o seu avanço mundano, ou cair em uma posição social mais baixa; pois nenhuma pessoa pode ser um seguidor sincero do Cordeiro e ainda reter a boa opinião do mundo. Se você anda no temor de Deus e segue os passos de um Jesus perseguido e desprezado, o mundo vai odiá-lo e desprezá-lo como ele o odiou e desprezou, como ele próprio declara: "Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós, me odiou a mim. (João 15:18). O próprio Deus pôs inimizade entre a semente da mulher e a semente da serpente (Gên 3:15); e nada lhe protegerá da manifestação desta inimizade se estiver do lado de Cristo. Nem o grau, nem a propriedade, nem o aprendizado, nem a educação, nem a amabilidade, nem as profusas ações de liberalidade, nem a maior retidão de conduta, afastam o desprezo dos homens, se você é um seguidor sincero do Senhor Jesus Cristo e realizar na prática o que você detém em princípio.
Você pode conseguir exercer uma mera profissão de religião, e evitar por complicações mundanas a vergonha da cruz; mas para manter o respeito do mundo com uma exploração firme das doutrinas distintivas da graça, uma experiência viva de seu poder, e uma obediência piedosa da vida, é totalmente impossível. Você pode inventar o serviço do tempo, ocultando suas visões reais, e evitando a companhia do povo de Deus, para escapar da cruz; mas cuidado, para que, ao escapar da cruz, escape da coroa. Se você não está conformado com Jesus aqui em sua imagem de sofrimento, certamente não será conformado a Jesus no futuro, em sua semelhança glorificada.
Mas se, vivendo por e para Jesus e sua cruz, o teu nome for lançado fora como mal, use-o como um distintivo, como sua medalha de guerra, como adornando o peito de um guerreiro cristão. Se os homens deturparem seus motivos ou ações e procurarem caçá-los com todas as calúnias que a malignidade mais baixa pode inventar, não prestem atenção enquanto estiverem inocentes. Eles não podem encontrar uma coroa melhor ou mais honrosa, se de fato a sua vida piedosa provoca a cruel mentira. É uma coroa que o vosso Mestre usou antes de vós, quando coroaram a Sua cabeça com espinhos. Se você sente como eu senti, você às vezes se considerará até indigno de sofrer perseguição por causa de seu nome.
3. Você pode ser chamado a sofrer a perda de relações ou amigos, se não por falecimento, pelo que às vezes é mais doloroso - separação por alienação. O próprio Senhor disse: "Porque eu vim pôr em dissensão o homem contra seu pai, a filha contra sua mãe, e a nora contra sua sogra." (Mateus 10:35). (Nota do tradutor: O que produz essa divisão senão o fato de um ser espiritual e outro carnal; um servo de Cristo e o outro de Belial?). Assim, você pode ter que sofrer neste sentido a perda de pai, mãe, esposa, irmã, filho - de seus laços mais próximos e mais queridos; a graça de Deus produzindo essa separação entre vocês e eles, como os tornará alienados a vocês, e vocês a eles.
4. Mas isso não é tudo; estas são principalmente questões externas. Há algo mais interior de que você também deve sofrer perda. Quero me referir à perda de toda a sua santidade imaginada, de toda a sua força vangloriada, de toda a sua sabedoria natural ou adquirida, de todo o seu conhecimento vangloriado; em uma palavra, de tudo na religião da criatura de que o coração é orgulhoso, e em que se deleita. Todos devem ser contados por perda por causa de Cristo; todos devem ser sacrificados ao seu amor sangrento e moribundo - nossas mais queridas alegrias, nossas esperanças mais caras, nossos ídolos mais prezados, todos devem afundar e dar lugar à graça, ao sangue e ao amor de um Deus encarnado. E não só devem ser contados como "perda", mas ainda mais baixos devem afundar, pior ainda, devem ser contados como lixo, como miudezas de rua, ou de acordo com o significado literal da palavra, como lixo do matadouro para cães. Que forte expressão do Apóstolo! Quão grande a graça, quão ardente o afeto, que o fez abominar tudo e amar a Jesus!
II. Mas, passo ao meu segundo ponto, que era mostrar a razão pela qual Paulo "sofreu a perda de todas as coisas e as considerou como lixo". Foi "a excelência do conhecimento de Cristo Jesus, seu Senhor". Podemos nos separar livre e alegremente com o que naturalmente amamos, a menos que obtenhamos para ele algo mais de escolha e valor? O dinheiro não é caro? Não é a reputação querida também? Não é a boa opinião dos outros, o que os homens pensam e o que eles dizem aprovando em nós, muito gratificante para a nossa mente natural? Ser geralmente estimado ou admirado, possuir propriedade, influência, uma boa posição social para si e suas famílias não é este o principal objetivo da maioria dos homens e sua ambição e desejo?
Como, então, sermos levados a esse estado de espírito que nos permitirá sofrer a perda de todas as coisas com santa alegria, e contar tudo em que até agora nos deleitamos como perda; sim, mais estranho ainda, contá-lo, como lixo repugnante quando é lançado para os cães?
(Nota do tradutor: Não há uma troca de uma coisa por outra. Trata-se da conquista de nossos afetos por Deus. Quando conhecemos a riqueza que há em Cristo, tudo o mais passa a ser restolho diante dos nossos olhos. Nada pode ser comparado à excelência do conhecimento das riquezas que estão em Cristo e que são compartilhadas com os nossos espíritos.)
Oh, que graça deve estar em seu coração para permitir que você renuncie ao que o mundo tão loucamente persegue e o que sua própria natureza ama tão carinhosamente! Ver todas estas delícias terrenas serem espalhadas, como se em um panorama, diante de seus olhos; os prazeres, as diversões, o espetáculo e a elegância do mundo apresentados a você, como eles fossem oferecidos por Satanás ao próprio Senhor na montanha muito alta (Mateus 3: 8); para criar dentro de você uma natureza que ama e se deleita neles, e no entanto, pelo poder da graça e da doutrina do Espírito Santo, considerá-los tão desprezíveis, e tão poluentes como o lixo na rua. Oh, que sentido profundo e vital deve a alma ter da excelência do conhecimento de Cristo Jesus, seu Senhor, e que visão pela fé de sua beleza e glória a trazê-lo a esse estado, para contar tudo o que a terra pode dar ou contribuir para o prazer individual como lixo e escória!
Tenho a certeza de que nenhum homem, em experiência viva, teve a sensação de cinco minutos em sua alma ou a levou a cabo por cinco minutos na vida, alguma descoberta pessoal da beleza e bem-aventurança do Filho de Deus. Meus amigos, considerem isso como uma verdade muito certa, que nunca poderemos conhecer Jesus Cristo senão por meio de uma revelação espiritual dele à nossa alma.
Vocês sabem as palavras - elas são as que não podem mentir: "Esta é a vida eterna, que eles te conheçam, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste". Como posso conhecer o único Deus verdadeiro? Não habita na luz à qual ninguém pode se aproximar, e a quem nenhum homem viu nem pode ver? Não deve, pois, brilhar na minha alma, para que eu possa vê-lo pela fé, como Moisés o viu, que "suportou como quem via o invisível?" O próprio Senhor não diz: "Ninguém conhece o Filho senão o Pai, e ninguém conhece o Pai senão o Filho, e aquele a quem o Filho o revelar"? (Mateus 11:27).
Como, então, posso conhecer o Pai ou o Filho senão por revelação e manifestação? Como posso conhecer Jesus Cristo como Deus, coigual e coeterno Filho do Pai em verdade e amor, senão por uma manifestação divina de sua glória? Como posso conhecê-lo como um homem e ver sua humanidade pura e imaculada, a menos que os olhos de meu entendimento sejam iluminados pela unção celestial? Ou como posso conhecê-lo como Deus-homem, a menos que, pela fé, eu o veja como tal à direita do Pai? Para mostrar-nos Jesus, sua Pessoa, sua graça e sua glória, é a obra expressa do Espírito Santo, como o próprio Senhor declara: "Ele me glorificará, porque receberá do que é meu, e vo-lo anunciará. Tudo quanto o Pai tem é meu; por isso eu vos disse que ele, recebendo do que é meu, vo-lo anunciará." (João 16:14, 15)
(Nota do tradutor: É este aroma da unção do Espírito Santo, que crescendo no crente, o torna afetuosamente ligado a Cristo – todos os seus afetos são conquistados por Cristo e ele não tem maior prazer do que estar em comunhão com ele e servi-lo.)
Estou convencido de que só posso conhecê-lo pela manifestação de si mesmo. Espero ter tido essa manifestação dele para a minha alma; mas estou certo de que não temos conhecimento salvífico ou santificador do Filho de Deus, a não ser por uma revelação especial dele ao nosso coração. Não quero dizer com isso nada visionário ou visível, mas uma descoberta dele pelo Espírito Santo aos olhos da fé. E quando ele é revelado aos nossos corações pelo poder de Deus, e vemos quem e o que ele é por uma fé viva, então "contemplamos a sua glória - a glória como do unigênito do Pai, cheio de graça e verdade." (João 1:14). Vemos Sua gloriosa Deidade como o Filho de Deus; vemos sua pura e imaculada Humanidade - quão inocente, quão santa, quão sofrida, quão sangrenta; e vemos esta Deidade eterna e esta Sagrada Humanidade em uma pessoa gloriosa - Emanuel, Deus conosco - sentado à direita da Majestade no alto.
Assim, vê-lo, assim conhecê-lo, assim crer nele, assim amá-lo e, assim, apegar-se a ele com propósito de coração - isto é vital e experimentalmente realizar "a excelência do conhecimento de Jesus Cristo nosso Senhor." Oh que excelente conhecimento! - como supera tudo adquirido de livros! Você pode ter lido a Bíblia desde a infância - e ela não pode ser lida demais - e pode conhecê-la quase de cor, de ponta a ponta; você pode ser capaz de ler o texto hebraico, e entender o original grego; você pode estudar comentarista após comentarista - tudo o que eu mesmo fiz e, portanto, sei o que estou dizendo; e ainda assim todas as suas leituras e todas as suas buscas no sentido da Escritura, nunca lhe darão aquele conhecimento espiritual e salvífico da Pessoa e da obra, da graça e da glória do Senhor Jesus, que cinco minutos de sua manifesta presença revelará à sua alma. A luz de seu semblante, o brilho de sua glória e o derramamento do seu amor, ensinar-lhe-ão mais, em poucos minutos a doce comunhão, quem e o que ele é como o Rei em sua beleza, que sem esta manifestação poderia aprender em um século.
Se alguém disser que falar de manifestações é entusiasmo, peço-lhes que expliquem o que o Senhor quis dizer quando disse aos seus discípulos: "Aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei e me manifestarei a ele." (João 14:21). O Senhor não fala aqui para "se manifestar" aos que o amam? É isto entusiasmo? E quando Paulo fala em linguagem quase semelhante: "Porque Deus, que mandou que a luz brilhasse das trevas, brilhou em nossos corações, para dar a luz do conhecimento da glória de Deus na face de Jesus Cristo" ( II Cor 4: 6), Paulo estava ensinando e pregando o entusiasmo? Que o Senhor me dê um pouco mais deste entusiasmo, se os homens chamarem por esse nome a manifestação de Cristo para a alma. Somente assim entendemos, sentimos e desfrutamos "da excelência do conhecimento de Cristo Jesus, nosso Senhor".
Não admira que os homens não sofram nenhuma perda de uma coisa, muito menos de todas as coisas, por amor de Cristo; não admira que eles gananciosamente peguem as miudezas que o assim chamado entusiasta lança para os cães. Mas seja-lhes conhecido que Cristo Jesus não é seu Senhor, a menos que tenha tomado posse de seus corações; pois "ninguém pode dizer que Jesus é o Senhor, senão pelo Espírito Santo". (1 Cor 12:3). Quando, então, Jesus se manifesta à alma, ele se torna seu Senhor; porque ele derruba todos os outros rivais, e assenta-se no trono dos afetos. Ele então se torna na realidade o que antes era, senão em nome, Cristo Jesus nosso Senhor. Encontramo-nos então em seus pés sagrados; nós o abraçamos com os braços da fé; ele balança o cetro sobre um coração disposto, e nós o coroamos Senhor de tudo. Agora é somente a excelência deste conhecimento de Cristo Jesus nosso Senhor, tão vivamente sentida que nos faz querer sofrer a perda de todas as coisas.
Oh, o que é um pouco de dinheiro, um pouco de ouro e prata, em comparação com uma fé viva no precioso sangue de Cristo! "Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver, que por tradição recebestes dos vossos pais, mas com precioso sangue, como de um cordeiro sem defeito e sem mancha, o sangue de Cristo." (1 Pe 1:18, 19). Oh, esse precioso sangue! Como eu às vezes pensei e disse, 'A Deidade estava em cada gota!' Oh, aquele sangue precioso que escorria de suas veias no jardim do Getsêmani, quando caiu em grandes gotas de sua testa sangrenta! Oh, aquele sangue precioso, em que seu corpo foi banhado sobre a Cruz do Calvário! Oh como correu de suas mãos e pés e lado! Purificação, como correu, como uma fonte aberta, para a Igreja de Deus de todo o seu pecado e impureza. (Zacarias 13: 1).
Este é o sangue precioso que espargiu sobre a consciência limpando-a de todo pecado, e purgando-a de obras mortas para servir a um Deus vivo. (Hebreus 9:14). Quando, então, vemos por meio do olho da fé aquele sangue expiatório e nos lançamos, por assim dizer, com todos os nossos pecados naquela fonte aberta, como Naamã mergulhou no Jordão, podemos ousar colocar nossas palavras e obras em competição com tal sacrifício, com as agonias e tristezas, a obediência sofredora e a morte meritória do Cordeiro de Deus? Aos olhos do Deus e Pai do Senhor Jesus Cristo, pode haver um insulto maior do que colocar as palavrinhas e as obras do homem no lugar da obra consumada de seu próprio Filho querido?
Se o homem pode salvar a si mesmo, por que Jesus teria sangrado e morrido? Por que precisamos dos sofrimentos de um Deus encarnado, se alguns atos de piedade natural podem merecer o céu? Homens ignorantes de Deus e da piedade estão muito prontos para montar suas próprias obras e confiarem na sua própria justiça; mas todas as obras da criatura afundam em pior do que insignificância, quando colocadas lado a lado com as maravilhas do sangue redentor e amor divino. Pode haver um maior insulto diante da temível Majestade do Céu, do que desfilar algumas tarefas e deveres da criatura quando apenas uma sombra menos meritória do que o sangue e a obediência daquele que, como Filho coeterno de Deus, não pensou ser usurpação ser igual a Deus? (Filipenses 2: 6). Perecem todos esses pensamentos do nosso coração; e antes vamos contar todas as coisas, sejam elas como lixo e escória em comparação com Jesus e seu sangue.
Não é a verdadeira religião, mas a falta dela, que faz com que os homens se estimem, e estabeleçam suas próprias obras e desconsiderem a de Cristo. Quando o Senhor se agrada de visitar seus redimidos com sua presença, eles sentem que não há nada na terra que eles tanto amem e valorizem quanto Ele mesmo. Sentir sua presença e amor é o antegozo da alegria eterna; o primeiro gole daquele rio que alegra a cidade de Deus. (Salmo 46: 4), então eles veem o que é "a excelência do conhecimento de Cristo Jesus, nosso Senhor". Então eles estão dispostos a se separar de todas as coisas e considerá-las apenas como lixo; e aquelas coisas que uma vez contavam como ganho agora são vistas como perda real, pois estão no caminho de Cristo, e impedem, por assim dizer, sua aproximação à alma.
Se, tendo visto e sentido a preciosidade de Cristo e tendo tido uma visão pela fé de sua gloriosa Pessoa e obediência imaculada à Lei de Deus, nunca mais estabelecerá sua própria santidade imaginada. Oferecer tal oblação será como oferecer sangue de porco; queimar incenso à sua própria justiça será como se abençoasse um ídolo. (Isaías 46: 3). Em comparação também com ele, o dinheiro, a reputação, a honra mundana ou qualquer vantagem temporal serão vistos como sem valor.
Deixe-me ilustrar isso por uma figura. Você é um homem de negócios, e seu tempo é ocupado quase todo o dia com questões de importância. Convido-lhe a "passar alguns momentos ociosos", não tendo nenhum negócio para realizar, mas meramente deixarem o tempo passar. Seu tempo, no entanto, é precioso, pois você tem assuntos urgentes à mão. Vejo-o através de sua cortesia por alguns momentos, mas como seu tempo é muito valioso para ser interrompido por mera fofoca, você logo diz: "Desculpe-me, não posso lhe dar mais tempo. Não posso te ver agora.”
Olhe a figura espiritualmente, e veja como, de maneira semelhante, tudo o que ocupa nosso tempo, ocupa nossos pensamentos, e nossos afetos e afasta nossos pés do Senhor é perda positiva, porque rouba nossa alma de seu melhor tesouro. Se cada olhar dele traz uma força renovada, e cada visão dele pela fé traz consigo uma bênção, então tudo o que impede esses olhares dele, é tanto perda positiva para a alma, como o comerciante sendo afastado de Seu negócio, tem uma perda em suas finanças.
O que é saúde ou classe ou beleza; em uma palavra, o que são todas as delícias terrenas, com as quais todos devem partir em breve, e que em breve nos deixam ou deixamos, em comparação com o Salvador e com um doce testemunho em nossas almas que somos dele e que ele é nosso, e de que há um trabalho da Sua graça sendo operado em nós? Somente deixe que o bendito Redentor lhe olhe com aquela face mais desfigurada do que a de todos os filhos dos homens, com um só olhar daqueles olhos lânguidos, tão cheios da mais profunda tristeza e do mais terno amor; somente deixe que o Espírito Santo conduza você ao jardim do Getsêmani e à cruz do Calvário, para ver pelo olho da fé o Filho sofredor de Deus, e então você sentirá quão pobres e baixas são todas as coisas terrenas e quão gloriosas e abençoadas são aquelas realidades divinas que a fé vê aqui, e que Deus tem reservado para aqueles que o amam.
Você verá, também, como os melhores e mais brilhantes objetos aqui embaixo, são tão pouco dignos de sua verdadeira consideração como os brinquedos da infância ou os esportes da juventude. Você saberia, então, por que Paulo assim escreveu? Foi porque Cristo foi feito precioso para sua alma que sua caneta rastreou as palavras do nosso texto, pois elas são a expressão de sua própria experiência, do que ele mesmo tinha visto, sentiu e desfrutou nas graciosas descobertas do Senhor para o seu coração.
Mas você diz, talvez, "Eu não esteja lá." Não, você pode não estar lá, pois poucos chegaram como Paulo ao conhecimento de Cristo; mas você está no caminho para lá? Há um ser em um lugar, há um ser no caminho para um lugar, e há uma completa ausência de movimento em direção a um ponto. Quando cheguei ontem à beira da estrada de ferro, cada minuto me aproximava cada vez mais da estação para onde eu chegava – e à medida que eu me afastava, cada minuto me levaria cada vez mais longe. Assim é em relação às coisas sagradas. Alguns de vocês podem estar chegando à vista do Getsêmani. Siga em frente. Vocês estão no caminho, se estiverem aprendendo aquela lição difícil e amarga, mas doce, humilhante, exaltante - contando por causa de Cristo todas as coisas como perda. Cada novo julgamento, cada nova bênção, cada nova visão de si mesmo, cada nova visão dele, o trará mais à experiência de Paulo.
Mas, há aqueles que odeiam interiormente e evitam a cruz, e que, com toda a sua profissão de religião, amam o mundo e estão enterrados nele. Cada dia, à medida que sua consciência se endurece cada vez mais através do engano do pecado, eles estão cada vez mais longe da cruz, e se um milagre da graça não os resgatar, tanto mais perto e próximo da destruição estarão no final de seu curso.
III. Mas passo a abrir, como eu propus, a expressão do Apóstolo: "Para que eu possa ganhar a Cristo". O que! Ele não tinha ganhado a Cristo? Sim, ele tinha em certa medida, mas havia aquela beleza divina e bem-aventurança em sua gloriosa Pessoa, que sua alma desejava alcançar em um grau ainda maior de plenitude. Como um amante deseja ganhar não só o amor, mas a pessoa do objeto de seu apego a ser sua própria noiva, e apertá-la ao seu coração e chamá-la dele, assim fez o Apóstolo por muito tempo para apertar Jesus nos braços de sua fé para poder dizer: "Este é meu amigo, e este é o meu amado, ó filhas de Jerusalém". "Sim, este é o meu Cristo, meu próprio Cristo, meu próprio Jesus, meu querido Jesus, o meu na vida, o meu na morte, o meu para toda a eternidade!"
Mas ele sentia que, se assim fosse para ganhar a Cristo, só poderia ser contando todas as outras coisas como perdidas para ele. Como o noivo conta todas as outras mulheres não dignas de um momento de pensamento em comparação com sua noiva, e a ninguém mais ama, senão ela, assim sucede com a alma que ama sinceramente a Cristo.
Isto para alguns de vocês pode parecer entusiasmo, e para outros doutrina rígida. Foi assim para o jovem que "tinha grandes posses" e desejava a vida eterna, mas não à custa de seguir a Cristo. (Mateus 19:21). Foi assim para aqueles discípulos que voltaram e não andaram mais com Jesus. (João 6:66). Foi assim mesmo para o próprio Pedro quando ele tentou afastar o seu Mestre da cruz. (Mateus 16:22.) Mas este é o caminho, e não há outro; como o próprio Senhor disse às "grandes multidões que o seguiam" - "Se alguém vier a mim, e não aborrecer a pai e mãe, a mulher e filhos, a irmãos e irmãs, e ainda também à própria vida, não pode ser meu discípulo. Quem não leva a sua cruz e não me segue, não pode ser meu discípulo." (Lucas 14:26, 27).
Não há caminho intermediário para o céu - não há um estado intermediário entre o inferno e o céu; nenhum purgatório para aquela classe numerosa que pensa que não é suficientemente boa para o céu, mas não é suficientemente ruim para o inferno. Não; não há estrada intermediária, nem estado. Devemos conquistar a Cristo como nosso próprio e abençoado Jesus, e com ele desfrutar da felicidade e da glória do céu, ou afundar-se no inferno com todos os nossos pecados sobre a nossa cabeça. A alma então encantada com a beleza e a bem-aventurança de Jesus deseja ganhá-lo, e isso não por um dia, por um mês ou por um ano, mas pela eternidade; pois ao obtê-lo, ele obtém tudo o que Deus pode dar à alma do homem para desfrutar, como criado imortal e para a imortalidade.
Sob a influência de sua graça, sente às vezes até mesmo aqui embaixo, todos os seus poderes imortais que brotam para a vida ativa, celestial, e olha para a fé e esperança para uma gloriosa eternidade, onde será posta em maior gozo que Deus pode dar ao homem, que é a união consigo mesmo em virtude da união com seu querido Filho, de acordo com aquelas maravilhosas palavras do próprio Redentor - "para que todos sejam um; assim como tu, ó Pai, és em mim, e eu em ti, que também eles sejam um em nós; para que o mundo creia que tu me enviaste." (João 17:21).
Agora seu coração já suspirou pelo Senhor Jesus como o cervo pelos riachos de água? (Salmo 42: 1). Você já se deitou no pó de luto por seus pecados contra esse amor sangrante na Cruz? Você alguma vez pediu a Deus para acender em sua alma um desejo intenso de ter Jesus como seu Cristo, para que ele possa ser o seu prazer aqui e sua porção para sempre? Se você não tem amor ou afeição por ele, por que é isso, senão porque ele não se acostumou com a sua alma? Mas se ele se manifestou a você, você já viu e sentiu o suficiente de sua bem-aventurança para convencê-lo de que não há paz real ou felicidade fora dele. É verdade que você pode ter muitas provações e tentações para enfrentar; muitas perplexidades e tristezas podem se espalhar em seu caminho; mas não se assombra, porque pelo amor de Cristo, se já experimentou o amor derramado no seu coração, lhe fará mais do que vencedor em todas as suas tribulações.
Que o Senhor nos faça e mantenha fiéis à verdade, tal como ela foi dada a conhecer à nossa consciência; e que a bondade e a misericórdia de Deus brilhem em nossos corações e derramem seus raios de luz e alegria em nossos momentos mais sombrios e sob nossas mais severas provações; e sermos achados nele no grande dia, como membros de seu corpo, de sua carne e de seus ossos - para ser achados como o "tesouro peculiar" do Senhor naquele dia quando ele nos fizer suas joias. (Mal 3:17.) E então, onde estarão os que não são achados no Senhor Jesus? Eles invocarão os montes e as rochas para "caírem sobre eles e os esconderem da face daquele que está assentado sobre o trono e da ira do Cordeiro". O Apóstolo, então, sabendo qual era a tremenda ira de Deus, e com que Jeová santo e justo ele tinha que lidar, e sabendo também que não havia refúgio para sua alma culpada senão no Senhor Jesus, desejou com intensidade não só vencer por Cristo, mas ser achado no grande dia em união com ele, como lavado em seu sangue, e vestido em sua justiça. E isso me leva ao último ponto do texto que eu propus considerar.
IV. O desejo de Paulo de ser "achado nele, não tendo a sua própria justiça que é mediante a lei, mas a que é pela fé em Cristo, a justiça que é de Deus pela fé".
Aqui estão as duas justiças claramente estabelecidas, em uma ou outra em que todos devemos estar diante de Deus - a justiça que é da lei e a justiça que é de Deus pela fé em Cristo. Mas tenha isso em mente, que a justiça para ser aceitável diante de Deus, deve ser uma perfeita justiça. Esta "justiça perfeita", nenhum homem jamais teve ou poderia produzir por sua própria obediência à lei, pois nenhum homem ainda amou a Deus "com todo o seu coração, alma, mente e força e seu próximo como a si mesmo". E se um homem não ama assim a Deus e assim ama o seu próximo, ele já é acusado e condenado pela justa lei que amaldiçoa "todo aquele que não continua em todas as coisas que estão escritas no livro da lei para fazê-las".
Agora, o apóstolo sentiu que, como esta perfeita justiça não poderia ser concedida a ele como um pecador caído, ele deveria necessariamente cair sob a condenação e maldição anexada a essa lei santa. Tremendo, portanto, em sua consciência, com o sentimento de que a ira de Deus se revelou contra ele, e todos os pecadores injustiçados em uma lei condenatória, e sabendo que ele deve afundar para sempre sob a terrível indignação do Todo-Poderoso, se ele não tivesse a cobertura para sua alma necessitada e nua, senão a sua própria justiça, fugiu dela para encontrar justificação e aceitação, misericórdia e paz na justiça de Cristo. De agora em diante, ele "estava determinado a não conhecer nada, a não ser Jesus Cristo e ele crucificado", e Jesus se tornou para ele o seu "tudo em tudo".
Quando uma vez ele tinha sido favorecido com uma visão da justiça do Filho de Deus, ele não precisava de outra para o tempo presente ou para a eternidade. Ele viu pela fé as palavras e as obras do Deus-Homem, e viu a Deidade carimbada em cada pensamento, palavra e ação daquela humanidade pura com a qual estava em união e, assim, investida com um mérito além de qualquer concepção ou expressão de homens ou anjos. Ele o viu pela fé levando seus pecados em seu próprio corpo sobre o madeiro, e por sua obediência ativa e passiva elaborando uma justiça aceitável a Deus, e tal como ele, todos os redimidos podiam estar diante do grande trono branco sem mancha ou defeito.
Como um viajante atingido por uma tempestade violenta foge alegremente para uma casa no caminho onde ele pode encontrar abrigo do relâmpago e da chuva arrebatadora; ou como um navio ameaçado por um furacão inclina todas as velas para chegar ao porto de refúgio em segurança - assim a alma aterrorizada pelos trovões e relâmpagos da justa lei de Deus, procura abrigo no lado ferido de Jesus e se esconde debaixo de sua obediência justificadora. Esta justiça é aqui chamada "a justiça de Deus"; porque Deus o Pai a inventou, Deus o Filho a realizou, e Deus o Espírito Santo a aplica; e é dito que é "pela fé" e "pela fé em Cristo", porque a fé a vê e crê nela, a recebe e dá à alma um interesse salvador nele.
Agora, meus amigos, vocês que desejam temer a Deus, que tremem ao pensar em viver e morrer nos seus pecados, poderão encontrar alguma coisa no seu coração, como agora sentido ou vivido anteriormente, correspondente à experiência do Apóstolo? Se você puder - e espero que haja alguns aqui que possam fazê-lo - que coisa abençoada é que você tenha um testemunho interior, de que o próprio Senhor operou e ainda está trabalhando essa experiência em sua alma.
Portanto, não se assombrem com as provações e tentações que podem estar em seu caminho, nem se aterrorizem com a vastidão do grande abismo que parece ainda estender-se entre vocês e ele. Essas provações e tentações serão todas abençoadamente anuladas para o seu bem espiritual, e todas o levarão a buscar cada vez mais vestir-se com a impecável justiça de Cristo, na qual somente você pode estar em aceitação diante de Deus. Novamente eu digo: não se desanimem, ó filhos sofredores de Deus, pelas suas provações e sofrimentos e medos; pois se o Senhor julga oportuno que os seus queridos filhos sejam assim provados e tentados, é para ensinar-lhes que há uma idoneidade e uma preciosidade em Cristo que eles nunca podem encontrar em si mesmos.
E agora que o Senhor, se for a sua graciosa vontade, abençoe as suas almas, e os santos sofredores, o que ouviram dos meus lábios, lhes leve ainda a perseverar, a suportar todas as coisas que possam vir sobre vocês, e paciente e submissamente carreguem a cruz, olhando para a coroa, e assim estando dispostos, e mais do que dispostos, a seguir os passos de Cristo e serem conformados à sua imagem de sofrimento aqui, na doce esperança e abençoada confiança de vê-lo como ele é daqui em diante, e sendo conformados à sua semelhança gloriosa nos reinos brilhantes de um dia eterno!




Este texto é administrado por: Silvio Dutra
Número de vezes que este texto foi lido: 28617


Outros títulos do mesmo autor

Artigos As Coisas Melhores que Acompanham a Salvação J. C. Philpot
Artigos Bálsamo de Gileade J. C. Philpot
Artigos Miséria do Homem e Misericórdia de Deus J. C. Philpot
Artigos A Provação pelo Fogo do Trabalho de cada Homem J. C. Philpot
Artigos O Poço e o Muro J. C. Philpot
Artigos A Unção do Santo J. C. Philpot
Artigos A Perda de Todas as Coisas por Causa de Cristo J. C. Philpot
Artigos A Palavra da Graça e Deus J. C. Philpot
Artigos Crucificado com Cristo J. C. Philpot
Artigos O Exercício e o Lucro da Piedade J. C. Philpot

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 40.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 68342 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 55698 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 44382 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 44114 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 43742 Visitas
IHV (IAHU) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 42138 Visitas
Amor e Perdão - Amilton Maciel Monteiro 42068 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 41343 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 41251 Visitas
TOMO TUDO - sigmar montemor 39754 Visitas

Páginas: Próxima Última