Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Crucificado com Cristo
J. C. Philpot


Título original: Crucifixion with Christ

Por J. C. Philpot (1802-1869)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra


"Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé no filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim." (Gálatas 2:20)

A cruz de nosso Senhor Jesus Cristo é o maior mistério da sabedoria divina e do poder Todo-Poderoso, do amor eterno e da graça superabundante, que jamais foi exibido diante dos olhos dos homens ou dos anjos. Eu o chamo de mistério, não apenas como incompreensível pelo intelecto natural, mas porque a própria essência de um mistério, no sentido bíblico do termo, é ser escondido de alguns e revelado a outros. Assim o Senhor disse a seus discípulos quando lhe perguntaram por que ele falou à multidão em parábolas: "Porque vos é dado conhecer os mistérios do reino dos céus, mas a eles não é dado" (Mateus 13:11). No mesmo espírito, ele disse em outra ocasião: "Eu te agradeço, ó Pai, Senhor do céu e da terra, que escondeste estas coisas aos sábios e prudentes, e as revelaste aos pequeninos - assim também, Pai, porque assim pareceu bem aos teus olhos.” (Lucas 10:21).
A cruz, portanto, é um mistério, não apenas como envolvendo no seu seio os tesouros mais profundos da sabedoria e da graça celestiais, mas porque o poder e a sabedoria dela estão escondidos de alguns e são tornados conhecidos a outros. O apóstolo, portanto, implora aos santos de Éfeso que orem por ele, para que lhe fosse dada a palavra para que ele pudesse abrir a sua boca com ousadia, para dar a conhecer o mistério do evangelho, pelo qual era embaixador em cadeias. (Efésios 6:19, 20). E novamente ele diz: "A mim, o mínimo de todos os santos, me foi dada esta graça de anunciar aos gentios as riquezas inescrutáveis de Cristo, e demonstrar a todos qual seja a dispensação do mistério que desde os séculos esteve oculto em Deus, que tudo criou, para que agora seja manifestada, por meio da igreja, aos principados e potestades nas regiões celestes." (Ef 3: 8-10).
A salvação pela cruz era de todas as doutrinas a mais ofensiva, e a mais ininteligível. Que o Messias prometido seria crucificado, foi para o judeu, que antecipou um rei triunfante, uma pedra de tropeço; que um homem crucificado era o Filho de Deus era loucura para o grego, pois contradiz o sentido e a razão. Assim, a pregação da cruz foi loucura para aqueles que perecem. Mas, havia aqueles cujos olhos estavam divinamente iluminados para ver, e seus corações se abriram para crer e recebê-lo. Ele acrescenta: "Mas para nós que somos salvos é o poder de Deus" (1 Coríntios 1:18). Embora loucura para os sábios gregos, havia aqueles que viram na cruz uma sabedoria que supera todas as outras como o sol do meio-dia supera a estrela mais fraca, que fez o apóstolo dizer, "Na verdade, entre os perfeitos falamos sabedoria, não porém a sabedoria deste mundo, nem dos príncipes deste mundo, que estão sendo reduzidos a nada; mas falamos a sabedoria de Deus em mistério, que esteve oculta, a qual Deus preordenou antes dos séculos para nossa glória;
8 a qual nenhum dos príncipes deste mundo compreendeu; porque se a tivessem compreendido, não teriam crucificado o Senhor da glória.” (1 Cor. 2: 6-8).
Este, então, é o mistério da cruz; esta é a sabedoria oculta que Deus ordenou diante do mundo para a nossa glória, de que o Filho de Deus, que como Deus Filho é coigual e coeterno com o Pai e o Espírito Santo, deve tomar nossa natureza em união com Sua própria Pessoa divina, e nessa natureza deve sofrer, agonizar, sangrar e morrer; que por seus sofrimentos, derramamento de sangue e morte uma multidão inumerável de pecadores deve ser redimida da maldição da lei e da condenação do inferno, e serem salvos com uma salvação eterna. Não é meu objetivo presente entrar mais adiante na profundidade deste mistério como exibição da infinita sabedoria, amor e graça de Deus; mas posso dizer brevemente que, pela cruz do nosso Senhor sofredor e moribundo, a justiça e a misericórdia foram completamente harmonizadas; cada atributo de Deus abençoadamente glorificado; o Filho de seu amor supremamente exaltado; o trabalho de redenção totalmente realizado; a igreja eternamente salva; Satanás inteiramente confundido e derrotado; e um rendimento eterno de louvor guardado para redundar para a glória de um Jeová trino. Bem, então podemos dizer: "Grande é o mistério da piedade - Deus manifestado na carne" (1 Tim. 3:16).
Mas, nunca um homem viveu mais profundamente penetrado, ou mais profundamente e interiormente possuído com um sentido da graça e glória exibido neste mistério do que o apóstolo Paulo. Tal sabedoria e poder, tal amor e graça, tal plenitude de salvação ele viu e sentiu na cruz, que, como um pregador do evangelho, ele estava determinado a não conhecer nada entre os homens, senão a Jesus Cristo e ele crucificado. Unido a Cristo por uma fé viva, ele poderia declarar: "Que eu nunca me glorie senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo foi crucificado para mim, e eu para o mundo" (Gálatas 6:14). E sabendo experimentalmente o que era ter comunhão sagrada com Cristo em seus sofrimentos e morte, ele poderia falar de si mesmo como estando crucificado com ele, como se ele fosse tão um com Jesus em espírito, tão conformado à sua imagem de sofrimento, e assim batizado em sua morte, que era como se Cristo e ele estivessem pregados na mesma cruz. "Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé no filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim".
Ao abrir estas palavras, eu, com a bênção de Deus, dirigirei suas mentes -
I. Em primeiro lugar, para a grande fundação sobre a qual repousa todo o texto, como indicado na última frase - o amor e o dom do Filho de Deus.
II. Em segundo lugar, o efeito desse ser dado à alma por um poder divino - ele faz com que ele esteja crucificado com Cristo.
III. Em terceiro lugar, a consequência desta crucificação com Cristo; que não é, como devemos esperar, a morte, mas sim a vida - "No entanto, eu vivo".
IV. Em quarto lugar, o seu eu não tem parte nesta vida divina; "vivo não mais eu, mas Cristo vive em mim".
V. Em quinto lugar, que esta vida é uma vida de fé no Filho de Deus.

I. A grande FUNDAÇÃO em que repousa todo o texto. A união com Cristo é o grande, posso dizer a única fonte da piedade vital; porque a união deve preceder a comunhão; e nossa "comunhão com o Pai e com seu Filho Jesus Cristo" é de fato a própria soma e substância, a própria vida, poder e bem-aventurança de toda religião verdadeira. Que fruto pode o ramo produzir sem a união com a videira? E não é a união mantida tão bem como manifestada pela comunhão permanente? "Permanecei em mim, e eu permanecerei em vós; como a vara de si mesma não pode dar fruto, se não permanecer na videira, assim também vós, se não permanecerdes em mim." (João 15: 4).
Mas, a fonte original, bem como a proximidade e individualidade desta união e comunhão com Cristo são apontadas pela linguagem do apóstolo, "que me amou e se entregou por mim". Ele tinha um testemunho em seu próprio peito que o Filho de Deus o amou, e se entregou por ele; e foi o doce gozo desta garantia interior do amor pessoal e individual de Cristo à sua alma, e do fluir da fé e do amor para com ele em troca, o que lhe permitiu dizer na linguagem da santa comunhão com ele: "Eu estou crucificado com Cristo.”
Agora, muitos dos santos de Deus podem não ser tão favorecidos a ponto de tomarem em seus lábios a linguagem de Paulo de segurança forte e pessoal. Eles podem esperar, e às vezes podem subir além de uma esperança, em uma doce confiança, pelo brilho do Sol da Justiça, que o Filho de Deus os amou e se entregou por eles. Mas, a força da persuasão de Paulo e a plena expressão de sua confiança até agora ultrapassam tanto sua segurança como sua linguagem, que muitos verdadeiros santos de Deus confessam que se tornam curtos tanto no coração como na língua.
No entanto, a sua brevidade para esta certeza abençoada como uma realidade desfrutada no coração, e como uma confiança declarada pela boca – porque a consciência e a língua devem se mover juntas onde Deus trabalha - não afeta o fato. Nuvens e névoas às vezes obscurecem o sol, mas não o apagam do céu. Assim, as nuvens e névoas da incredulidade podem obscurecer o Sol da Justiça, mas não o apagam do hemisfério espiritual. Ele ainda vos amou e se entregou por vós, os que credes no seu nome, ainda que não possais subir à fé de Paulo, nem falar com a mesma plenitude de segurança. O botão tem a mesma união com a videira que o ramo, mas não a mesma força de união; o bebê é tanto um membro da família como o filho adulto, mas não tem o mesmo conhecimento de seu relacionamento; o pé é tanto uma parte do corpo como o olho ou a mão, embora não tenha a mesma proximidade com a cabeça, ou as mesmas honras e empregos. Se, então, você pode encontrar qualquer testemunho interior, seja uma esperança crescente de seu interesse no Senhor Jesus Cristo, e que ele o amou e se entregou por você, olhe comigo para os três detalhes relacionados com a expressão de Paulo em sua confiança - primeiro, a Pessoa do "Filho de Deus". Em segundo lugar, o amor que ele, como o Filho de Deus, deu à sua igreja. Em terceiro lugar, o fruto desse amor, em dar-se por ela; para que a igreja fosse o objeto tanto do amor como do dom, está bastante claro nas palavras do apóstolo: "Maridos, amai a vossas esposas, como também Cristo amou a igreja e se entregou por ela" (Efésios 5:25).
A. Falando aqui da gloriosa Pessoa do Filho de Deus, eu não quero entrar no campo da controvérsia. Na verdade, comigo, a verdadeira, apropriada e eterna Filiação de nosso abençoado Senhor não é uma questão de controvérsia. Eu a recebo como uma verdade muito abençoada, não mais para ser controvertida do que a inspiração das Escrituras, a Deidade de Cristo ou a própria Trindade. Para além de todas as controvérsias, olhe para as palavras na simplicidade da fé, receba-as pura e claramente como o Espírito de Deus as ditava e as deixava registradas pela mão de Paulo, pediria a qualquer filho de Deus aqui presente se elas não fornecem em si mesmas provas suficientes de que o Filho de Deus era o Filho de Deus de toda a eternidade? Se alguém duvida desta conclusão, e eu lhe perguntar: "Quando começou o amor de Cristo?" Sua resposta, para ser consistente com a verdade, não deve ser: "Ele não teve começo, pois suas próprias palavras são:" Eu te amei com um amor eterno, por isso, com bondade te tenho atraído”? E acrescentaria corretamente: "Deve ser eterno, pela natureza de Deus, pela eternidade de seus propósitos e pela infinidade de suas perfeições, pois se este amor conhecesse o princípio, poderia conhecer o fim".
Mas, Jesus, como Filho de Deus, amava Paulo; porque lemos, "o Filho de Deus me amou"; se, então, este amor era eterno, o Filho de Deus deve ter sido eterno, ou ele o teria amado como o Filho de Deus antes que ele fosse o Filho de Deus. Assim, sem entrar no campo da controvérsia, procurar lá por outros argumentos, na simplicidade e na força da fé, como tomando nosso ponto de vista sobre este único texto, se não houvesse outro, digamos imediatamente, se o Filho de Deus amou a sua igreja desde a eternidade, ele foi o Filho de Deus desde a eternidade.
Mas, para levar isto a uma exposição prática, a um rumo próximo e experimental sobre a nossa própria consciência, como podemos saber por nós mesmos que ele é o Filho de Deus que nos amou desde toda a eternidade, a menos que tenhamos algum conhecimento dele como o Filho de Deus de toda a eternidade? Isso me faz dizer que eu passei para além da região de controvérsia - além do Mar Ártico sempre envolto nas névoas e confusões da disputa e incerteza no Oceano Pacífico de um hemisfério sul, onde podemos olhar para o Sol da Justiça como brilhando no céu claro. Aqueles que duvidam ou negam sua Filiação divina nunca viram sua glória como do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade. Não é a fé de Pedro: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo" (Mateus 16:16); e a de Natanael, "Rabi, tu és o Filho de Deus" (João 1:49); e de Paulo, quando imediatamente pregou Cristo nas sinagogas, que ele é o Filho de Deus (Atos 9:20); nem podem dizer com o apóstolo João: "E sabemos que o Filho de Deus veio e nos deu entendimento, para que conheçamos o que é verdadeiro, e nós estamos no verdadeiro, no seu Filho Jesus Cristo, este é o verdadeiro Deus e a vida eterna" (1 João 5:20).
Se quisermos viver uma vida de fé no Filho de Deus, precisamos conhecê-lo em nossas próprias almas como sendo o Filho de Deus, como João fala claramente. Se quisermos crer que Ele nos amou desde toda a eternidade, devemos ter algum conhecimento dele como o Filho de Deus de toda a eternidade. Mas, como podemos ter esse conhecimento ou essa fé, a menos que ele esteja satisfeito em revelar-se a nossa alma? Como Paulo fala nesta mesma Epístola: "Quando agradou a Deus que me separou do ventre de minha mãe, e me chamou pela sua graça, para revelar o seu Filho em mim". (Gálatas 1:15, 16). Deus revelou seu Filho no coração de Paulo, e por esta revelação ele sabia por si mesmo que ele era o Filho de Deus; pois o recebeu como tal em sua alma mais íntima e em suas afeições mais calorosas. E quando o Filho de Deus foi assim revelado em sua alma, o amor de Deus foi derramado em seu coração pelo Espírito Santo; e como esse amor foi derramado no seu interior, ele levantou uma persuasão firme de que o mesmo Filho de Deus o amava, e o tinha amado desde toda a eternidade. Pois, quando o Filho de Deus foi revelado, o amor foi revelado nele, e com ele, e por meio dele. Sim, o próprio Filho de Deus veio com tal poder em sua alma, brilhou em seu coração com tais feixes celestiais, e revelou seu amor, sangue e graça tão gloriosamente e tão claramente que ele poderia dizer, na doce linguagem da segurança "O Filho de Deus me amou."
B. Mas olhe comigo para o seu amor. Quando começou esse amor? Como eu disse antes, esse amor não conhecia nenhum começo; pois se este amor conhecesse o princípio, poderia conhecer o fim; se soubesse subir, ele poderia saber declinar. Se você pode atribuir uma origem a qualquer coisa, você deve atribuir-lhe um final; porque tudo o que começou a ser no tempo, com o tempo pode deixar de ser.
1. Era então necessariamente eterno; e nisto consiste a sua bênção peculiar, que, sendo da eternidade, durará para a eternidade; não tendo começo, nem conhecerá qualquer fim. O que seria o céu, se durasse apenas algumas eras, e depois chegasse a um fim, a um vazio, a uma dissolução, a uma aniquilação, a uma cessação do amor? Porque Deus sendo amor, o fim de seu amor seria o fim de seu ser. O próprio pensamento, a mais remota perspectiva, mudaria os hinos do céu em gemidos de pranto e lamentação. Seria completamente úmidas, se não totalmente extintas as alegrias dos santos, que eles poderiam olhar para a frente a um período em que essas alegrias cessariam, e um Deus Triúno, aquele que é Deus o Filho, não os amaria mais.
2. Mas, seu amor não era apenas eterno - era infinito. Falamos às vezes dos atributos de Deus, e usamos as palavras para ajudar nossa concepção. Mas Deus, estritamente falando, não tem atributos. Seus atributos são ele mesmo. Falamos, por exemplo, do amor de Deus, mas Deus é amor; da justiça de Deus, mas Deus é justo; da santidade de Deus, mas Deus é santo; da pureza de Deus, mas Deus é puro. Como ele é todo amor, assim ele é toda justiça, toda pureza, toda santidade. O amor, portanto, é infinito, porque Deus é infinito - seu próprio nome, seu próprio caráter, sua própria natureza, sua própria essência é amor infinito. Ele deixaria de ser Deus se não amasse, e se esse amor não fosse tão grande quanto ele, tão infinito como sua própria essência autoexistente e incompreensível. O amor do Filho de Deus como Deus Filho, é coigual e coeterno com o amor do Pai; pois a Santíssima Trindade não tem três amores distintos, nem em data nem em grau. O Pai ama desde toda a eternidade; o Espírito Santo ama desde toda a eternidade. O amor do Pai, do Filho e do Espírito Santo, como um só, igual, indivisível e infinito, Jeová não pode ser senão um. Portanto, lemos sobre "o amor de Deus", que é o Pai (2 Coríntios 13:14); do "amor do Filho", em nosso texto; e do "amor do Espírito" (Rm 15:30).
Este amor, sendo infinito, pode suportar todas as nossas enfermidades, com todos aqueles pecados graves que, a não ser que o amor fosse ilimitado, há muito o quebrariam completamente. Isto é lindamente expresso pelo profeta. "Como te deixaria, ó Efraim? como te entregaria, ó Israel? como te faria como Admá? ou como Zeboim? Está comovido em mim o meu coração, as minhas compaixões à uma se acendem. Não executarei o furor da minha ira; não voltarei para destruir a Efraim, porque eu sou Deus e não homem, o Santo no meio de ti; eu não virei com ira.” (Oséias 11: 8, 9).

3. Mas seu amor também é imutável, "Eu sou o Senhor, não mudo, por isso vocês, filhos de Jacó, não são consumidos" (Mal 3: 6). "Jesus Cristo é o mesmo ontem, e hoje, e para sempre" (Hebreus 13: 8). Assim, este amor não conhece nem a variação nem a sombra do giro - mas está sempre fixado nos mesmos objetos, sem a menor mudança, a menor adição ou a menor declinação. É difícil conceber um amor que não conheça variação, se medimos o amor de Deus pelo nosso. Somos criaturas naturalmente mutáveis, oprimidas por fraquezas através da queda e, portanto, sempre sujeitas a mudanças; mas ele não muda. Nosso amor a ele está sempre se afundando ou subindo, tão flutuante quanto as marés do mar, tão variável quanto os ventos no céu; mas seu amor a nós, cujos corações ele tocou por sua graça, é tão imutável como seu próprio ser imutável.
4. E desta circunstância seu amor é indissolúvel. Nosso amor de um ao outro é logo dissolvido. Como um pouco de contenda, um pouco de inveja, uma pequena diferença de opinião, uma palavra irritada ou um relato, podem alienar nossas afeições mutuamente! Quantas vezes o ciúme, a suspeita ou a aversão podem se infiltrar em nossos sentimentos mais calorosos e cortar os laços mais próximos! Se fôssemos rever as correntes que nos ligaram em várias ocasiões aos nossos amigos mais achegados, quantos se deitaram infelizmente no chão com laços quebrados! Tão cortado a ponto de não dar quase nenhuma perspectiva de reconciliação neste período de tempo. Admito inteiramente que uma união espiritual nunca é realmente quebrada; mas a comunhão cristã e aquela doce comunhão que deve existir entre os irmãos são muitas vezes tão interrompidas que parecem quase totalmente extintas. Qual seria a nossa condição para o tempo ou para a eternidade se o amor de Cristo para nós se assemelhasse ao nosso amor de uns para com os outros? Mas, uma das mais doces características do amor do Filho de Deus pelos seus santos é que é indissolúvel.
C. Mas, agora vamos olhar para os FRUTOS e RESULTADOS do amor com o qual Cristo amou a sua igreja. E que coração pode conceber ou que língua expressar a altura, a profundidade, o comprimento e a largura desse amor? Como diz o apóstolo, "que Cristo habite pela fé nos vossos corações, a fim de que, estando arraigados e fundados em amor, possais compreender, com todos os santos, qual seja a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade, e conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento, para que sejais cheios até a inteira plenitude de Deus." (Efésios 3:17-19). Poderia ter oferecido uma maior, uma mais rica, uma evidência mais clara deste amor do que se dando por nós? Há algo nesta expressão que parece ultrapassar toda concepção e toda expressão. Como visto pela fé, há algo tão grande, tão abrangente e, no entanto, tão inexpressivamente tocando nas palavras "entregou-se por mim", que eu desespero de trazê-lo diante de suas mentes como meu coração poderia desejar.
Mas, façamos a tentativa; e, fazendo isso, primeiro, se o Senhor permitir, tenhamos uma visão pela fé do Filho de Deus como estando no seio do Pai desde a eternidade como seu Filho unigênito. Se assim puderem contemplar as glórias do céu, a bem-aventurança que preenchem essas cortes celestiais, os doces empregos que sempre acontecem no culto e adoração dos anjos, e que ultrapassa todo o pensamento humano, a santa comunhão e a intercomunhão divina entre os Três pessoas da Divindade sagrada, e que, de toda a eternidade, não veremos então o que Jesus largou para trás ao deixar o seio de Deus?
Agora, se, abaixando nossa visão, lançarmos um olhar sobre os pecados e tristezas deste mundo inferior, o que é em si, como uma mera morada terrena, e o que o pecado tem feito com todas as suas consequências terríveis; e então, olhar para o Filho de Deus se libertando livremente do seio de seu Pai e de toda a felicidade e glória do céu, para descer a este mundo de pecado e tristeza - parecemos por alguns momentos perdidos em admiração pelo amor assim tão grande, pelo amor tão livre, pelo amor tão abnegado como este. Quão amplo se espalhou sobre uma massa tão fervilhante de pecado e tristeza; quanto tempo para conhecer nem começo nem fim, mas para esticar da eternidade para a eternidade; como afundar tão baixo como os portões do túmulo; como elevar a partir daí pobres pecadores perdidos para as glórias do céu!
E quando tomarmos uma outra visão do que o Senhor Jesus Cristo foi dado pelo Pai, assim como se deu a si mesmo, pois devemos levar em consideração ambos; quando vemos pelos olhos da fé a condescendência de Sua gloriosa Majestade ao tomar nossa carne no ventre da Virgem; quando pensamos como ele tabernaculou aqui embaixo em meio a cenas de miséria e abominação como diariamente seu olho encontrou; quando o vemos no salão de julgamento de Pilatos, exposto aos golpes dos cruéis soldados romanos, flagelado e mutilado, como se fosse um vil malfeitor, e depois vê-lo pendurado na cruz, morrendo a mais dolorosa e ignominiosa morte que a crueldade do homem jamais havia inventado; e quando nos lembramos de que aquele que sangrou e sofreu foi o Filho de Deus que assim se entregou a si mesmo para nos redimir do inferno, quão perdido ficamos parecendo estar maravilhados!
Estas são as coisas para as quais os anjos desejam olhar; porque no céu viram a sua glória antes de o terem visto na manjedoura, lhe ministrado no deserto, lhe fortificado no jardim, viram-no na cruz e vigiaram o seu sepulcro. Uma parte do grande mistério da piedade é que "Deus manifestado na carne" foi "visto dos anjos" (1 Tim. 3:16); visto por eles como o Filho de Deus no céu; visto por eles como o Filho do homem na terra. Vê-lo, então, com os olhos dos anjos é olhar para o que Cristo veio, e o que Cristo veio fazer, aquele que estava no céu e aquele que estava na terra; as glórias da casa de seu Pai e a ignomínia da sala de julgamento de Pilatos; a felicidade do seio de seu Pai e as torturas da cruz do Calvário; o amor do coração de seu Pai e os esconderijos do rosto de seu Pai; a adoração de anjos e os gritos da multidão blasfema; a glória do Filho unigênito e o suor sangrento do Getsêmani.
E você não vê na expressão "deu a si mesmo", quão livremente, quão plenamente, quão voluntariamente, quão sem reservas ele se entregou às profundezas da vergonha e da tristeza! Nenhuma força, exceto a suave força do amor; nenhuma compulsão, senão a compulsão da graça; nenhuma restrição, senão o constrangimento de fazer a vontade de seu Pai, que era seu deleite (Salmo 40: 8), moveu-o a entregar-se. Ele não podia dar mais; ele não daria nada menos. E tudo isso ele fez para salvar nossas almas do abismo. Ora, esses mistérios celestiais não são questões de mera doutrina ou especulação teórica, mas de serem recebidos em um coração crente como uma questão de experiência pessoal e viva; em uma palavra, eles devem ser revelados à nossa alma pelo poder de Deus, e feito experimentalmente e sensivelmente nosso pelo testemunho selador do Espírito Santo sobre o nosso peito. Agora, assim como somos postos em posse dessas realidades divinas por uma experiência interior de seu poder celestial, podemos usar a linguagem do apóstolo, para a qual eu venho agora.
II. O Efeito do amor de Cristo sendo dado à alma por um poder divino - faz com que esta seja crucificada com Cristo. Busquemos, se o Senhor permitir, alguma entrada espiritual no significado experimental dessas palavras - "Eu estou crucificado com Cristo".
A. E levá-los primeiro em seu significado simples, não acrescentando, nem diminuindo a sua significação literal. Ser "crucificado com Cristo" deve ser estar pregado na cruz com ele. Mas, isso não poderia ser feito; porque Jesus não tinha companheiro em sua cruz, embora houvesse aqueles que foram crucificados ao seu lado. Foi, então, nos sentimentos de sua alma que Paulo foi crucificado com Cristo. Este abençoado homem de Deus tinha tal visão em seu seio da crucificação do Senhor da vida e da glória, que era como se estivesse pregado na mesma cruz com ele, como se os mesmos pregos que perfuraram as mãos e os pés do bendito Redentor também atingiram suas mãos e seus pés. Não estava no corpo, mas na alma; não em sua carne, mas em seu espírito, que ele foi assim crucificado com ele. Nesse sentido, ele foi pregado lado a lado, ou melhor, na mesma cruz, com o Deus-Homem sofredor. Nesse sentido, portanto, sofreu mística e espiritualmente como Cristo sofreu, morreu como Cristo morreu; e foi assim tornado conforme à Sua imagem sofredora e moribunda.
B. Mas levando as palavras em um sentido mais amplo, como aplicável a todos os santos de Deus, podemos colocá-lo como uma verdade certa que há dois sentidos em que cada santo é crucificado com Cristo - primeiro, representativamente; em segundo lugar, experimentalmente. Ambos os sentidos que vou agora revelar.
1. Representativamente. Primeiro, portanto, há uma união que a Igreja de Cristo tem com a sua Cabeça, que podemos chamar de união representativa; isto é, há tal união entre Cristo e sua Igreja que existe entre a Cabeça e seus membros, entre o Esposo e a esposa; e como esta não é uma união nominal, mas real, não uma união morta, mas uma união viva, ela tem tanto interesse em tudo o que ele fez e sofreu por causa dela, que dela pode ser dito ter sido uma com ele nesses atos e sofrimentos. Assim, quando ele morreu, ela morreu com ele; quando ele se levantou, ela se levantou com ele; quando subiu ao alto, subiu com ele; quando ele se sentou à direita do Pai, ela foi feita para sentar-se em lugares celestiais com ele. Todas estas lembranças são expressões bíblicas, e destinam-se a nos mostrar não só a intimidade desta união, mas sua natureza eficaz; pois a virtude e a validade desses atos e sofrimentos de sua gloriosa Cabeça se tornam dela em consequência dessa união íntima e eterna da pessoa e dos interesses. Da mesma forma, quando Cristo foi crucificado, a Igreja de Deus foi crucificada com ele; porque tão íntima é sua união, que quando a Cabeça foi crucificada, os membros foram crucificados também. Isso pode parecer misterioso e incompreensível. Mas, por que Cristo foi crucificado? Era para si mesmo? Por que Cristo sofreu? Foi por seus próprios pecados? Se um marido vai para a prisão por sua esposa, ou morre por ela, ela não está unida misticamente com ele na prisão? Assim, mística e representativamente, cada membro do corpo de Cristo foi crucificado com sua Cabeça crucificada.
2. Experimentalmente. Mas este não é o único, nem mesmo o principal significado da passagem diante de nós. O apóstolo falava experimentalmente dos sentimentos da alma - o que passava diariamente como um membro vivo do corpo místico de Cristo; pois embora exista uma crucificação representativa de todos os membros de Cristo em que toda a família de Deus tem uma parte, mesmo aqueles que ainda não nasceram, e estão unidos a ele por laços eternos, isso só pode ser conhecido pela graça regeneradora. Há, então, um ser experimentalmente crucificado com Cristo, tornado conhecido à alma pelo poder de Deus; e desta crucificação sentida, interior, diária e experimentalmente, o apóstolo aqui fala especialmente.
C. Mas você vai observar, se olhar o texto cuidadosamente, que o apóstolo usa a palavra "eu" no mesmo. E se além desta observação da letra, você é capaz de ler o texto à luz do Espírito, e compreendê-lo experimentalmente para si mesmo, compartilhando na mesma obra graciosa em seu coração, você também vai encontrar que há dois "eus " que percorrem todo o texto, e que esses dois "eus" são perfeitamente distintos. Assim, há um "eu" que está crucificado, e um "eu" que vive crucificado; há um "eu" não digno do nome, que é, portanto, chamado de "não eu"; que existe um "eu" que vive na carne, e que há um "eu" que vive pela fé do Filho de Deus. Esses dois "eus" são perfeitamente distintos no nascimento e no ser; no começo e no fim; em viver e morrer; em pensamento e sentimento; em palavra e ação; no desejo e no movimento; e eles são tão essencialmente distintos como para nunca se unir, mas para estar em guerra perpétua. Há, portanto, um "eu" natural e um "eu" espiritual. Estes são os dois "eus" que nos olham do texto; e cuja vida e morte, história e ações, são fielmente registradas pela pena de alguém que as conhece muito pela comunhão diária, a cada hora. A solução deste mistério não é difícil.
Cada crente carrega no seu seio duas naturezas distintas; como nascido de Adão, uma natureza que a Escritura chama de "velha"; e outra que, como nascida de Deus, a Escritura designa de o "homem novo". O primeiro é o "eu" natural, e o segundo é o "eu" espiritual; e é na luta entre estes dois princípios, o velho e o novo, o "eu" carnal e o "eu" espiritual, que consiste tanto o conflito no seio de um cristão. Quão vividamente o apóstolo descreveu estes dois "eus" e o conflito entre eles, em Romanos 7. Lá encontramos um "eu" que é "carnal, vendido sob o pecado"; um "eu" que faz o mal, em que nenhum bem habita; que serve a lei do pecado, e em que o corpo da morte está sempre presente. E então temos um "eu" que se deleita na lei de Deus; que consente no que é bom; que o serve e odeia tudo que é contrário; que clama: "Oh, miserável homem que sou", e ainda graças a Deus através de Jesus Cristo. Existe alguém nascido de Deus que não encontra diariamente e sente esses dois "eus"? Existe uma alma viva na qual eles nunca estejam em guerra?
Há, então, estes dois "eus" em cada crente, e a pergunta surge naturalmente em nossa mente, que "eu" é crucificado com Cristo - o "eu" carnal, natural ou o "eu" espiritual. Não podemos, por um momento, duvidar de qual "eu" é crucificado quando nos voltamos para a linguagem do apóstolo. "Sabendo isto, que o nosso velho homem foi crucificado com ele, para que o corpo do pecado fosse destruído, para que, de agora em diante, não servíssemos o pecado". (Romanos 6: 6). Temos uma luz similar lançada sobre o ponto por outra expressão do apóstolo nesta epístola, "Aqueles que são de Cristo crucificaram a carne com os afetos e concupiscências" (Gálatas 5:24). E ainda: "Deus me livre de gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu para o mundo" (Gálatas 6:14).
Assim, vemos, pelo próprio testemunho de Deus, que é o velho homem, a carne e o mundo que são crucificados; de modo que quando o apóstolo diz: "Eu estou crucificado", ele quer dizer o seu velho Adão "eu"; seu mundano, seu carnal, seu pecador, seu egoísta "eu"; em uma palavra, o todo desse "eu" nativo e natural que ele derivou de nosso pai caído. Mas, vamos olhar para essas coisas um pouco mais de perto.
1. Se somos crucificados com Cristo, o MUNDO deve ser crucificado para nós e nós para o mundo. Mas qual mundo é crucificado, porque há dois; um mundo exterior, e um mundo interior. Podemos levar o mundo exterior em nossas mãos e atravessá-lo com os cravos da crucificação? Isso nós não podemos fazer mais do que podemos abraçar o globo, ou beber o Atlântico. O enorme mundo que se estende diante de nossos olhos está além de nosso alcance; fora de toda a proporção com nosso poder. Mas, temos um "eu" mundano em nosso seio, que é apenas o reflexo do grande mundo exterior. Pois o que é o mundo ao nosso redor, senão um agregado de corações humanos; uma multidão heterogênea, mesclada de "eu" carnal; de modo que cada indivíduo é apenas um espécime do todo, e o todo, senão uma enorme coleção de espécimes individuais? Na verdade, seria então, senão trabalho perdido, tentar unir o mundo exterior à cruz de Cristo. Esta não é a tarefa que se coloca diante do filho da graça.
Sua crucificação se refere ao seu interior. Seu próprio coração carnal, espírito mundano, orgulhoso, cobiçoso, é, que deve ser crucificado com o Senhor da vida e da glória. Pois ele chega a isto, que nosso "eu" mundano deve ou reinar e governar; ser mimado e acariciado; alimentado e nutrido no orgulho e no prazer; ou deve ser crucificado, mortificado e subjugado pelo poder da graça de Deus. O apóstolo, portanto, fala do mundo sendo crucificado para ele e ele para o mundo. Que atração teria o mundo, com todos os seus prazeres e lucros, aos olhos de alguém morto em uma cruz? Ou que encantos podia ele, retorcendo-se de dor, gemendo em agonia, deixando cair sangue de suas mãos e pés, aos olhos do mundo alegre e reluzente? A cruz matou o mundo para ele; a cruz o matou para o mundo. O que era um mundo vivo para um moribundo? O que era um moribundo para um mundo vivo?
Agora, não podemos ser literalmente crucificados. Mesmo se fôssemos, isso não nos daria nenhuma mudança espiritual de coração, nem nos faria crucificados com Cristo. Não é, portanto, o corpo real ou a carne literal - o mero homem material exterior crucificado; mas é o espírito mundano no coração de um crente, o "eu" egoísta e carnal, que, pela virtude primeiro de seu representante, e depois pelo poder de sua crucificação experimental com Cristo é crucificado com Jesus, pregado na cruz, sofrendo, sangrando e morrendo com ele.
Essa crucificação interior do espírito mundano, do "eu" natural, mata o crente para o mundo. Você não encontra isso em sua própria experiência? O mundo logo atrairia ou influenciaria sua mente, a menos que você tivesse o mundo interior vivo para ele. Enquanto o espírito do mundo viver em vós, insubmisso, não mortificado, não crucificado, a nossa religião não será mais profunda. Uma camada fina de profissão pode filmar a superfície do coração, escondendo o interior da vista; mas todo o espírito de impiedade está vivo abaixo, e tanto em união com o mundo como o ímã com o polo, ou o bêbado com os seus cálices. Mas, pelo contrário, se o mundo interior for crucificado pelo poder da cruz de Cristo, o mundo exterior terá pouco encanto. E isto será na proporção exata da vida e força de sua fé e da realidade de sua crucificação.
O mundo é sempre o mesmo; uma enorme massa de pecado e impiedade. Isso não pode ser mudado; que nunca pode morrer. Deve ser você quem deve ser mudado; deve ser você quem deve morrer para ele. Agora, não é verdade que é o encontro dos dois mundos em um abraço, que dá ao mundo exterior todo o seu poder de enredar e emaranhar seus pés? Que o espírito mundano seja crucificado em nosso peito, então seremos como o moribundo que não tem simpatia com o mundo vivo. O pobre criminoso que estava pregado na cruz, morrendo ali em agonia e vergonha, podia olhar para baixo com os olhos expirando sobre a multidão debaixo dele, ou lançar seu último olhar sobre as montanhas e vales, bosques e rios da perspectiva diante dele. Não pode alguém dizer: "Oh multidão ocupada, oh mundo, uma vez belo e atraente, estou morrendo para você, e você está morrendo para mim. Oh, mundo, onde estão agora suas modas, onde suas máximas, onde os seus espetáculos vãos e espalhafatosos, onde estão todos, agora que estou morrendo aqui na cruz? Meus olhos estão afundando nas sombras da noite. Eu estou deixando você, e você está me deixando. Quem uma vez amou você, e você uma vez me amou, mas há entre nós agora separação, inimizade e morte." Não é isso crucificação? Esta é, pelo menos, a figura do apóstolo; e uma das mais marcantes, na qual ele representa o mundo como crucificado para ele, e ele próprio para o mundo.
Mas, você observará que é somente em virtude da "cruz de Cristo", isto é, por uma união espiritual e comunhão experimental com Cristo crucificado, que esta crucificação interior pode ser realmente efetuada. Há duas coisas pelas quais a crucificação interior, espiritual e experimental de um filho de Deus se distingue da de um Fariseu. A primeira é que é por "a cruz de Cristo", isto é, ela flui de um conhecimento espiritual de união com um Jesus crucificado. "Eu estou crucificado com Cristo". Eu não me crucifico; nem a minha carne crucifica a minha carne. A segunda característica é que todo o velho homem é crucificado; não é um membro, mas todo o corpo que sofre a crucificação; como o apóstolo diz: "sabendo isto, que o nosso homem velho foi crucificado com ele, para que o corpo do pecado fosse desfeito, a fim de não servirmos mais ao pecado." (Romanos 6: 6). Na crucificação literal, embora os cravos fossem pregados nos pés e nas mãos, todo o corpo foi crucificado; tão espiritualmente, embora os cravos possam atingir principalmente os membros operantes e movimentados do velho homem, contudo, o todo dele é crucificado com eles. Assim, não só o nosso espírito mundano, mas toda a nossa carne, com todos os seus planos e projetos, com todos os seus esquemas, motivos e projetos, são pregados na cruz; e especialmente a nossa carne "religiosa", pois isso está incluído nas "afeições" dela, que são crucificadas (Gálatas 5:24).
Mas, agora surge outra pergunta. É esta crucificação com o nosso consentimento, ou contra o nosso consentimento? A isso respondo que é em parte voluntária e parcialmente involuntária. Podemos ilustrar isso pelo exemplo de Pedro. O Senhor lhe disse: "Em verdade, em verdade te digo que, quando eras mais moço, te cingias a ti mesmo, e andavas por onde querias; mas, quando fores velho, estenderás as mãos e outro te cingirá, e te levará para onde tu não queres." (João 21:18). O Senhor estava aqui referindo-se à crucificação de Pedro. Não vemos disso que Pedro se encolheria de ser crucificado, mas que seria levado à cruz contra sua vontade? Contudo lemos na história eclesiástica que, quando chegou aquele tempo, Pedro pediu aos seus verdugos que o crucificassem com a cabeça para baixo, porque não podia suportar morrer na mesma posição como o seu Senhor foi crucificado. Assim, vemos na crucificação real e literal de um dos seguidores mais favorecidos do Senhor, que houve um encolher diante da cruz, e ainda uma submissão a ela. "O espírito estava disposto, mas a carne era fraca." O "eu" natural não estava disposto, o "eu" espiritual estava disposto.
Assim é conosco em um sentido espiritual. A carne covarde se revolta contra, e grita sob os cravos da crucificação; mas o espírito se submete e, quando favorecido pela ajuda divina, considera-se indigno de tal honra e tal bênção. Mas, nenhum homem crucificou espiritualmente sua própria carne. Esta é a obra de Deus. Talvez estejamos abraçando um ídolo, algum desejo secreto, alguma ambição crescente, algum plano cobiçoso ou perspectiva agradável. Isso pode ser tão caro para nós quase como para a nossa vida natural. Podemos então colocá-los sob os cravos crucificantes? Ou se pudéssemos, isso crucificaria? Não. Deus mesmo deve tomá-lo com sua própria mão, e passar através deles os cravos da crucificação; sim, e assim mortificá-los deste espírito mundano, deste coração cobiçoso, desta mente orgulhosa, inflexível, dessa afeição autojustificada, autoagradável, autoexaltante, desta religião carnal enganosa, ilusória, destruidora da alma. É ele, não você, que crucifica assim, que suas mãos não podem mais se mover para executar seus projetos do que as mãos de um homem pregado em uma cruz, e seus pés não mais andar no plano projetado do que os pés de um crucificado O homem não pode descer da cruz e andar pelo mundo. Aqui está Deus tomando seus esquemas queridos, seus projetos favoritos, seus prazeres antecipados, para que eles se tornem objetos mortificados.
Você não experimentou isso repetidamente na providência? Todos os seus castelos arejados não foram lançados para baixo, suas perspectivas de vida desfeitas, as suas esperanças rebaixadas, seus projetos decepcionados, em uma palavra, todos os seus esquemas e planos para entrar na vida tão pregado na cruz que eles não pudessem mover nem as mãos, nem pés, mas continuaram a morrer por uma morte lenta, dolorosa e persistente? Mas você aprovou tudo isso? Muito longe disso; você estava nas mãos de Deus, e não podia lutar contra seus golpes cortantes. Assim, então, você tem uma prova em si mesmo que seus projetos mundanos foram tomados pela mão de Deus, contrariamente ao seu desejo, pois você os amava muito para se separar deles, mas foram como se arrancados de seu peito pela mão Deus implacável, e pregados na cruz, não por você, mas por ele.
E, no entanto, a misericórdia estava tão misturada com esses negócios, e seu coração estava tão suavizado por um senso de bondade de Deus dentro e debaixo deles, que havia um doce espírito de submissão dado a você, que se misturou com essa relutância a ser subjugado e dominado. Assim, no dia do seu poder, você foi feito voluntário para que Deus tirasse os seus ídolos do seu seio com a sua própria mão; você consentiu em geral, que eles deveriam ser crucificados, porque somente por esta morte persistente o sangue da vida de seu espírito mundano poderia ser drenado de todo o seu peito. Porque a crucificação é uma morte gradual que drena a vida e o sangue lentamente.
2. Assim com a CARNE geralmente, para toda a nossa carne deve ser a crucificação; porque "aqueles que são de Cristo crucificaram a carne, com suas afeições e concupiscências". E mais uma vez: "Se por meio do Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis" (Romanos 8:13). Mortificar significa matar; e essa morte é a morte da cruz. Por seu Espírito e graça, Deus dá ao seu povo força às vezes, para mortificar e crucificar as ações do corpo, com todas as paixões miseráveis e afeições da mente carnal. Nesse sentido, eles o fazem; pois ele atira a alma com um ódio santo ao pecado e um ressentimento divino, que o apóstolo chama de "indignação" e "vingança" (2 Coríntios 7:11), contra seus movimentos e horrível oposição à vontade e à palavra de Deus. De modo que, num certo sentido, o "eu" espiritual do crente, sob a influência da graça, conduz os pregos da crucificação através de seu "eu" carnal.
Você não sentiu às vezes que você poderia com suas próprias mãos vingar-se sobre essa sua carne terrível que foi e é um inimigo mortal, não somente a Deus mas à paz da sua própria alma? Você não poderia quase matar seu coração perverso por ser o que é? Agora, como a graça de fazer isso só flui para a alma na união a Cristo crucificado por nós, estamos nesse sentido "crucificados com Cristo". Não há outro caminho pelo qual o pecado possa ser subjugado, ou a carne crucificada com todas as suas afeições e concupiscências; de modo que nem um, por mais escondido que esteja, pode escapar do cravo crucificador.
Ó, quão abençoado é ter uma visão pela fé da cruz de Cristo; para tirar força daquela cruz, para entregar nossa carne à crucificação, render nossos ídolos do peito, e com nossas próprias mãos crucificar nossas queridas concupiscências, dizendo ao Senhor: "Todos esses males do meu coração são teus inimigos jurados, toma-os, Senhor, e crava-os na tua cruz, para que não vivam no meu seio, para afligir o abençoado Espírito, para ocultar a tua face, ferir e angustiar a minha consciência." Assim, você vê que esta crucificação interior é feita involuntariamente, e ainda feita de boa vontade. O "eu" carnal se rebela contra a cruz, mas o "eu" espiritual submete-se a ela, vê a vontade de Deus nela e se une a ela na realização disso.
Podemos compará-los, talvez, aos dois malfeitores que foram crucificados com Cristo. Ninguém sentiu senão as agonias exteriores da cruz, e se rebelou contra ela até seu último suspiro - esta pode ser uma figura do nosso "eu" carnal. O outro malfeitor se rebelou e blasfemou também; mas quando a graça tocou seu coração e Deus revelou seu querido Filho nele, ele poderia bendizer ao Senhor por ter sido crucificado com ele, e considerou seu dia mais feliz e seu mais querido deleite, pois dele veio a salvação e o Paraíso. Ofereço isto, no entanto, como uma figura, não como uma interpretação.
No entanto, não podemos deixar de sentir profundamente os cravos crucificantes, e clamar sob eles; mas o Senhor não nos poupará pelo nosso clamor. O Senhor não tem piedade de nossos pecados, embora tenha compaixão de nossas pessoas. Como ele não tiraria seu querido Filho da cruz, embora como Pai ele tivesse pena dele, para que ele possa se compadecer de você como um filho (Salmo 103: 13), mas não poupar suas luxúrias.
A crucificação do eu é indispensável para seguir a Cristo, como ele próprio disse: "Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome cada dia a sua cruz e siga-me". O criminoso sempre carregava sua própria cruz. Tomar a cruz, então, é ser crucificado por estar afixado a ela. O que é tão caro a um homem como si mesmo? No entanto, este eu amado deve ser crucificado. Seja orgulhoso, ou ambicioso, ou egoísta, ou cobiçoso, ou, o que é ainda mais difícil, autorreligioso - aquela criatura querida e idolatrada, que tem sido objeto de tantos afagos, é separar-se da nossa própria vida natural - esse eu carinhosamente amado tem de ser tirado do nosso seio pela mão de Deus e pregado na cruz de Cristo.
Agora, o que pode nos compensar por essa dor e esse sacrifício? Nada que a terra possa dar. Mas, há uma compensação muito abençoada que a terra nunca sonhou, mas que é o dom especial do céu. E esta compensação começa aqui embaixo; pois como o filho da graça é assim experimentalmente crucificado com Cristo, os benefícios da cruz de Cristo começam a fluir para a sua alma. Perdão pelo seu sangue; paz através do seu sacrifício; comunhão com ele em seu amor moribundo; poder sobre o pecado; vitória sobre o mundo; a subjugação de suas concupiscências e a subjugação de suas iniquidades, tornam-se mais ou menos experimentadas, sentidas e percebidas. Pois, assim como a alma está assim crucificada com Cristo e a carne pregada na cruz, o poder passa da cruz para a alma, para nos dar a vitória sobre si mesma; pois "esta é a vitória que vence o mundo, é a nossa fé". E fé em quem? Em Jesus como o Filho de Deus, que veio "pela água e pelo sangue" - o sangue para purificar e a água para santificar (1 João 5: 4, 6). Quão profundo, quão abençoado é o mistério que em Cristo, Deus nos fez "santificação", assim como "justiça" (1 Coríntios 1:30); e que a mesma graça que perdoa o pecado também o subjuga! Quem de vocês pode dizer: "Eu estou crucificado com Cristo?" Bendito seja esse homem! Abençoada é essa crucificação!
III. A consequência desta crucificação com Cristo; que não é, como deveríamos esperar, a nossa morte, mas sim a vida. Mas, o apóstolo acrescenta, como eu propus mostrar nesta terceira parte, "No entanto eu vivo". Poder-se-ia pensar à primeira vista que esta crucificação seria a sua morte. Ser crucificado com Cristo! Para ter tudo o que a carne ama e idolatra ser colocado à morte! Como um homem pode sobreviver a tal processo? Da mesma forma que os três jovens lançados na fornalha nos dias de Daniel, não foram queimados pelo fogo. A crucificação não é morte, mas vida para um filho de Deus. Isto fez o apóstolo dizer: "No entanto eu vivo". Mas que eu? Já mostrei que há um duplo eu no seio do cristão – o “eu” relativo ao velho Adão e o "eu" relativo ao novo Adão, ou, o "eu" carnal e o "eu espiritual"; e também lhes mostrei que é o “eu” do velho Adão que é crucificado com Cristo. Mas, como este “eu” do velho Adão é crucificado, não é o "eu" que vive, senão o que é "espiritual"; pois a morte do "eu" carnal é a vida do "eu" espiritual. Como o velho é posto fora, o novo homem é colocado em seu lugar; como o mundo, o pecado e o eu são crucificados e subjugados pelo poder da cruz, a vida de Deus brota com um novo vigor na alma. O "eu" crente, a esperança, o amor, a oração, a vigilância, o quebrantamento, a contrição, a humildade, em uma palavra, o novo "eu" vive na medida em que o "eu" natural é crucificado pela graça de Deus.
Aqui está o mistério, e aqui está a grande e distinta diferença entre o santo vivo de Deus e os mortos no pecado ou os mortos na profissão. É a morte de um homem mundano tirar o mundo de seu peito. Aqui está um homem imerso em negócios, cujo coração inteiro está nele noite e dia. Deixe-o entrar em dificuldades, tornar-se um falido, arruinar-se e sua família, ser preso por dívidas e trancado na prisão; o homem morre com um coração partido. Aqui está outro cujo coração inteiro está em seu dinheiro - é seu ídolo, seu deus, seu tudo. Magoado pela luxúria de ganho, ele especula para uma grande quantia. Um estrondo vem; ele é jogado para baixo; e qual é o seu fim? Ele coloca uma pistola na cabeça, ou bebe um frasco de veneno mortal, e morre em um terreno baldio. Tomem por exemplo outro homem vivendo na embriaguez, na luxúria e em todas as demais abominações. Coloque-o em uma penitenciária; raspe sua cabeça, e dê-lhe pão e água. Ele morre da miséria da vida. Os prazeres da vida se foram. Ele só viveu para eles. Tire-os, e ele morre por falta deles.
Pegue outra pessoa. Será desta vez uma senhora - cheia do mundo, suas modas, seus prazeres, seus divertimentos, sua companhia, seus prazeres. Tire-lhe as delícias do seu coração vão; seus belos vestidos, seus admiradores, suas atrações juvenis - a mulher se torna miserável; ela morre, se não literal, mas interiormente, de vexação e desapontamento.
Mas, deixe o mundo, o pecado, o eu, e tudo que ele ama por natureza ser tirado de um filho de Deus. Ele morre? Morrer? O quê, ele morreu? Não; apenas o contrário. Ele vive ainda mais porque agora vive mais para o Senhor. Como mártires na prisão têm abençoado e louvado a Deus. Um calabouço não matou a sua vida interior. Ser retirado do mundo e encerrado numa prisão escura não era a sua morte, pois o mundo não era a sua vida. Eles só desfrutavam mais da luz do sol do rosto de Deus. Olhe para os cristãos em seu leito de morte, quando o mundo com todos os seus shows espalhafatosos é fechado. Isso os mata? Não viverão mais ainda para Deus; de modo que quanto mais o mundo é fechado, e quanto mais o eu é colocado sob seus pés, mais eles sentem uma alegria santa, um contentamento tranquilo e doce, como só Deus tem prazer em derramar sobre o seu seio. Apenas, então, na medida em que o mundo e a carne, o pecado e o eu são crucificados, a vida de Deus brota na alma daqueles que temem a Deus. Foi esta vida divina que surgiu dentro do apóstolo que o fez dizer o que lemos - e não podemos às vezes ecoar de volta suas palavras? “No entanto eu vivo”.
Aqui, então, está o grande segredo da piedade vital que o cristão vive em seu interior, quando tudo mais morre no exterior; quanto mais a natureza se desvanece, mais prospera a graça; quanto mais o pecado e o eu, e o mundo estão mortificados, mais a santidade e a espiritualidade da mente, afetos celestiais e desejos graciosos brotam e florescem na alma. Oh! Abençoada morte Oh! Vida ainda mais abençoada!
IV. O eu não tem parte nesta vida divina. Mas, chegamos ao nosso próximo ponto - a fim de descartar toda ideia de que ele poderia fazer tudo ou nada disso - que ele tinha qualquer força inata para realizar essa obra abençoada em sua própria alma - para nos despojar de tal opinião de sua própria força ou santidade, nos diz na linguagem mais aguda: "Todavia não eu, mas Cristo vive em mim". "Oh", ele diria, "não olhe para Paulo, não tome sua medida dele como se fosse capaz de fazer essas coisas em sua própria força. Não olhe para ele, mas para Cristo, nele Paulo vive, não em sua própria vida, mas na de Cristo, ele luta contra o pecado e contra si mesmo, mas não em suas próprias forças, mas em Cristo, ele se mantém justo diante de Deus, mas não em sua própria justiça, mas em Cristo. Vontade e ação, mas não a sua, mas a de Cristo, porque Cristo opera nele, o querer e o efetuar a Sua boa vontade. Isso fez o apóstolo dizer "Não eu". Não poderia ser o seu "eu" natural, porque aquele foi crucificado; e ele mesmo renuncia a qualquer parte do trabalho feito por seu "eu" espiritual; pois embora vivesse, todavia, só vivia com Cristo vivendo nele.
Mas, como pode ser perguntado, Cristo vive na alma de um crente? Pelo seu Espírito e graça; por ser formado no seu coração, a esperança da glória; abençoando a alma com sua presença e poder; comunicando e derramando no exterior o seu amor. Assim, não é o crente, mas o Espírito de Cristo nele, pelo qual ele vive para Deus. Você não acha isso verdade em sua experiência diária? Se orarmos com qualquer vida ou sentimento em nossa alma, com qualquer acesso a um trono de graça, ou obter qualquer resposta; não somos nós que oramos - é o Espírito de Deus orando em nós. Se eu pregar qualquer coisa que possa instruir, consolar ou edificar sua alma, ou escrever qualquer coisa que possa ser abençoada para edificar a Igreja de Deus em nossa santíssima fé; não sou eu, mas o Espírito de Deus que fala em mim e guia a minha caneta. De que outra maneira eu poderia ser feito, ou qualquer outro homem, uma bênção para a igreja de Deus? Não são minhas habilidades ou aprendizado, mas o orvalho e unção do Espírito abençoado que repousa sobre mim, que glorifica a Deus ou edifica a igreja.
Ou me leve como um cristão privado. Se me arrependo de meus pecados, não sou eu quem se arrepende, mas o Espírito de Deus me dá arrependimento. Se eu acredito no Senhor da vida e da glória, não sou eu quem crê, mas o Senhor me dá fé pelo seu Espírito Santo. Se eu vigiar, ele deve vigiar em mim; se eu viver para o seu louvor, ele deve viver em mim; se eu agir para sua honra, ele deve agir em mim; se eu aprecio sua presença, é ele que deve comunicar um sentido daquela presença a meu coração. Assim não sou eu, mas Cristo mesmo que vive em mim. Oh hóspede bendito! Oh habitante gracioso!
Quem teme a Deus não teria um habitante tão abençoado para morar em seu seio? E quem o teve uma vez não busca muito a sua doce presença e para experimentar manifestações renovadas e repetidas de seu amor? É verdade que essas são raras épocas; mas o Senhor nunca deixa o coração em que ele já habitou. Se você não tem a presença sentida, você está desejando por ela; e esses anseios, respirações e desejos manifestam mais ou menos o seu poder e presença. Você também encontrará de vez em quando como secretamente e contudo quão abençoadamente o Senhor entrará na alma. Ele virá às vezes em uma palavra de promessa; às vezes em um olhar do amor; às vezes em um sorriso doce; às vezes em um sussurro suave; às vezes em um toque celestial. Como ele vai derreter em um tempo o seu coração em tristeza pelo pecado; como ele, em outra ocasião, lhe encorajará com uma palavra, quando muito abatido; como ele brilhará sobre a sua alma quando anda em trevas escuras; como ele vai renovar sua vida que parece quase desaparecer, e reavivar seu espírito. E como você vai encontrar a sua dependência dele para cada respiração espiritual e para cada desejo gracioso, você vai aprender que não é você que vive, mas Cristo que vive em você.
V. Mas, para chegar ao nosso último ponto, vejamos a natureza desta vida. "A vida que agora vivo na carne, vivo pela fé no Filho de Deus." É uma vida ainda "na carne", com todas as enfermidades, com todas as fraquezas, todos os pecados e todas as dores de um corpo de pecado e morte; uma vida na carne e, portanto, cercada com tudo o que pertence à carne. E ainda assim uma vida na carne, não uma vida da carne, mas uma vida espiritual em um corpo de pecado e morte. Cristo no coração a esperança da glória; e ainda o coração enganoso acima de todas as coisas e desesperadamente perverso. Que mistério da graça é isso! Que um hóspede tão santo tomasse sua morada no peito de um pecador poluído, e ainda não participasse da poluição do pecador; deve trabalhar nele por seu Espírito e graça, e ainda manter-se livre de toda a sujeira e loucura do pecador.
A grande bem-aventurança de um crente aqui embaixo é que ele vive uma vida de fé no Filho de Deus. Mas, como pode fazer isto a menos que tenha tido uma visão de fé do Filho de Deus como o tendo amado, e se entregado a si mesmo por ele, ressuscitando dentre os mortos, e vivendo sempre à direita de Deus para interceder por ele? É, pois, como ele tem prazer em enviar seu Espírito para baixo em seu coração para testemunhar de sua graça, e para operar fé, esperança e amor, e cada afeto doce para centrar em si mesmo que ele vive uma vida de fé nele. "Porque eu vivo, diz o Senhor, também vós vivereis; e nós vivemos porque ele é "a ressurreição e a vida". Assim como Jesus vive à direita de Deus, ele vive também na alma do crente; e como ele envia seu Espírito para baixo no coração do crente, e atrai sua fé, esperança e amor para si mesmo, ele o capacita a viver uma vida de fé sobre ele como o Filho de Deus.
Vendo o Filho de Deus à mão direita do Pai, ele olha para ele para o suprimento de todas as suas necessidades. Ele o vê uma vez como um Deus bondoso na providência; ele o vê em outra como um Salvador bendito e adequado em graça; ele às vezes olha para o seu sangue expiatório como purificação de todo pecado; a sua gloriosa justiça como seu único manto de justificação; e ao seu amor celestial como o mais doce bálsamo que Deus pode derramar no seu coração. Deseja de vez em quando ter comunhão com o Filho de Deus; para ser conformado à sua imagem de sofrimento aqui embaixo, para que ele possa ser conformado à sua imagem glorificada acima. É assim que ele sobe do deserto, apoiado em Cristo como seu amado. Por sua graça superabundante ele é recuperado e restaurado de seus inumeráveis deslizes e quedas e recuos; por suas renovações graciosas, sua juventude é renovada como a águia; e assim, dia a dia, como o Espírito bendito opera na sua alma para a sua boa vontade, vive pela fé do Filho de Deus.
E como tudo isso só pode ser feito pelo poder da fé, pela fé ele vive, pela fé ele age; pela fé anda; a fé sendo o grande princípio de movimento de cada ação de sua alma, e a cadeia unificadora que liga sua alma ao Filho de Deus em seu trono celestial. Assim, vivendo uma vida de fé sobre o Filho de Deus, ele recebe desta plenitude graça sobre graça; e com a ajuda e a força de Deus, eventualmente, morre nele, e subindo até as gloriosas mansões da luz, vive com ele para toda a eternidade!
Este é um fraco esboço da vida de um cristão; o que devemos saber de nossa própria alma, antes que possamos realmente acreditar que somos santos do Deus vivo, pelo testemunho do Espírito em nosso seio. Temos que confessar que chegamos dolorosamente pequenos em muitas dessas coisas; e ainda temos toda a razão para louvar ao Senhor se ele colocou qualquer medida desta experiência em nossos corações, pois onde ele começou essa boa obra certamente a completará até o dia de Jesus Cristo.





Este texto é administrado por: Silvio Dutra
Número de vezes que este texto foi lido: 28627


Outros títulos do mesmo autor

Artigos As Coisas Melhores que Acompanham a Salvação J. C. Philpot
Artigos Bálsamo de Gileade J. C. Philpot
Artigos Miséria do Homem e Misericórdia de Deus J. C. Philpot
Artigos A Provação pelo Fogo do Trabalho de cada Homem J. C. Philpot
Artigos O Poço e o Muro J. C. Philpot
Artigos A Unção do Santo J. C. Philpot
Artigos A Perda de Todas as Coisas por Causa de Cristo J. C. Philpot
Artigos A Palavra da Graça e Deus J. C. Philpot
Artigos Crucificado com Cristo J. C. Philpot
Artigos O Exercício e o Lucro da Piedade J. C. Philpot

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 40.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 68343 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 55698 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 44382 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 44114 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 43742 Visitas
IHV (IAHU) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 42149 Visitas
Amor e Perdão - Amilton Maciel Monteiro 42068 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 41343 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 41251 Visitas
TOMO TUDO - sigmar montemor 39754 Visitas

Páginas: Próxima Última