Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
MÁGOA
katialimma

MÁGOA
Às vezes esperamos tantos dos outros que quando chega a decepção é como se fosse uma facada superficial, sangra mas não mata. Esperamos tanto das pessoas que nem vemos que elas são imperfeitas como nós, que esperam como nós e se decepcionam como nós.
Via de mão dupla.
E nessa via falamos coisas que não devíamos e nem queríamos, mas agora já é tarde, a pedra foi lançada. E depois de lançada já não é possível ser recuperada. O jeito é seguir em frente como se nada tivesse acontecido, mas sabendo que aconteceu, sabendo que magoou, que se magoou, que feriu, que se feriu.
Desculpa.
É só uma palavra que dificilmente apagará tanto estrago.
Tenho fé na humanidade, mas não tenho muita fé em mim. Sou descontrolada, eu sei, cabeça dura, mas tenho meus motivos de ser assim. Nasci assim. Morrerei assim.
Na verdade, eu não sei nada. Só o que sei é que neste momento estou magoada. Como sentir. Ela doi. Queima. Engasga com o choro e não passa. Fica lá quietinha esperando o momento certo (ou não) de sair em jato de fúria, de choro.
Preciso me livrar disso. Dessas pequenas lembranças que não conseguem sair de mim. Às vezes me inundam, porque me amarraram demais. É um crime que cometo contra mim mesma. Estou com saudade do tempo de criança quanto se ficava “de mal” durava algumas horas, e não se sentia remorso, rancor, raiva. Passava logo. Agora não.
Pode durar uma eternidade e assim mesmo não passar.
Não gosto desse sentimento que me impede de viver, às vezes, fico pensando nele, sentindo-o, passo a ter angústia. Mas ele não sai assim tão fácil.
Quero ser livre. Respirar profundamente só sentir o ar entrando e mais nada.
Estou sofrendo horrores, e as pessoas nem percebem, também não é da conta delas.
O motivo de tanta mágoa sou eu mesma. Joguei pedra em mim mesma, mas outras ajudaram. Xinguei-me, me bati e me magoei. Como? Deixando de falar o que devia, na hora que devia, fazer o que queria na hora que queria, bater em quem devia, na hora que devia. Deixei passar coisas demais. Agora é tarde. Eles continuaram com a sua via. Eu parei com a minha.
Para esquecer choro. Mas não adianta muito. Esvazia um pouco. Sou escrava de meus sentimentos. Estou submetida à pressão do mais forte. E não sei como me livrar, porque são muitos.


Biografia:
Escrevo porque me alivia do tanto de pensamentos que me assolam. São várias pessoas que vivem dentro de mim, sou frágil e por isso uso a arma que sei utilizar: as palavras.

Este texto é administrado por: katia
Número de vezes que este texto foi lido: 33758


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Óh, Senhor! katialimma
Crônicas CARTA PARA O MEU AMOR katialimma
Crônicas A MARCA katialimma
Crônicas PEQUENOS SINAIS katialimma
Crônicas SALTO ALTO katialimma
Crônicas POR MAIS UM DIA katialimma
Crônicas SOU A CULPADA katialimma
Crônicas AGORA POSSO TE ENTENDER katialimma
Crônicas TEMPO DE CRISE katialimma
Crônicas MÁGOA katialimma

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 16.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 34128 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 34113 Visitas
LÍRIO - Alexsandre Soares de Lima 34059 Visitas
A PRAIA DO PROGRESSO - Rosângela Barbosa de Souza 34055 Visitas
Na caminhada do amor e da caridade - Rosângela Barbosa de Souza 34054 Visitas
A Carta Gelada - José Rony de Andrade Alves 34053 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 34046 Visitas
Como posso desenvolver uma campanha de marketing - Antonio 34045 Visitas
A tristeza no Nordeste - Wanessa Daiana de Brito 34036 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 34036 Visitas

Páginas: Próxima Última