Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O preço da arte
(Beyoncé, Jay-Z, Apeshit e o comércio nas galerias)
Roberto Queiroz

Bastou Childish Gambino (aka Donald Glover) escancarar a terra de Tio Trump em This is America e outros artistas decidiram escancarar outras aspectos que merecem ser discutidos no mundo o quanto antes. A vez agora é do casal Beyoncé Knowles - que todo mundo conhece desde os tempos em que exibia sua meninice junto às Destiny Child - e seu esposo, o rapper Jay-Z, polêmico por natureza. Eles estão juntos no álbum colaborativo Everything is Love (a ser lançado em breve) e a primeira faixa a mostrar conteúdo audiovisual nas redes sociais é Apeshit (em tradução livre: cocô de macaco).

Pois bem: assim como fiz com This is America quero repetir aqui a máxima de que não sou um especialista, muito menos fã ardoroso do hip-hop. O que me interessou de fato no clipe proposto foi seu contexto denunciatório a uma temática vigente na atual sociedade. E nesse ponto, o casal atingiu em cheio o meu interesse.

Apeshit fala do mercado de arte contemporâneo das últimas décadas e do excesso de mercantilização desse setor. Não é de hoje - os bons observadores e fãs de artes, principalmente as artes plásticas, já devem ter percebido - que os grandes museus e instalações artísticas têm se rendido à uma indústria da falácia, do gratuito, do vulgar e por que não dizer? daquilo que a priori não produz outro significado que não o nonsense, o absurdo.

E é exatamente nessa jugular que a dupla Beyoncé e Jay-Z (que assina este trabalho em parceria com o pseudônimo de The Carters) dispara sua verve e palavreado rápido e certeiro.

Corpos trajando nudes (uma tecido que simula a nudez) em escadarias de mármore de carrara, mulheres rebolando atrevidamente na frente de obras consagradas da arte mundial, um anjo negro velando as portas do museu do Louvre (onde o clipe foi gravado), Jay-Z em cima de um cavalo todo pintado, cujo único papel é o de chamar a atenção gratuitamente... Sim, meus caros amigos e leitores, a arte está (aqui, no clipe, e também nos museus, centros culturais, galerias) a serviço do banal.

O filme The Square: a arte da discórdia, de Ruben Ostlund, que concorreu recentemente ao Oscar de melhor filme estrangeiro, já mostrava esse caráter deficitário do que é chamado de arte atualmente. Mas aqui, a dupla esfacela ainda mais o contexto exibindo aquilo que o mundo do hip-hop sabe fazer de melhor: chocar, escandalizar, aparecer a qualquer custo.

Em determinado momento da música os cantores dizem ao público que "devemos ser gratos". Gratos pelo que estamos vendo. Devemos também pagar a conta. A sensação que eu tenho é de que somos obrigados a aceitar a arte como mero produto, pois assim decidiram os que produzem essa arte e não há nada melhor que possa ser feito para combater isso. Recuso-me! E acredito que Beyoncé e Jay-Z também.

A pergunta que incomoda aqui é: qual o preço da arte? E vem seguida de uma segunda ainda mais incômoda: e por que ela precisa ter um preço? Van Gogh era sustentado por seu irmão e não ficou milionário com sua obra. Basquiat era um quase-grafiteiro que foi descoberto (e certamente explorado) nas ruas dos EUA. Jackson Pollock, Pablo Picasso e Bansky estavam (no caso de Bansky, está ainda) mais preocupados com a abrangência de seus trabalhos do que com o respaldo monetário. Portanto: a que se destina o mercado e comércio desmesurado da arte? Certamente, não a seus criadores que, na grande maioria, comeram o pão que o diabo amassou, mastigou e regurgitou.

Da privada de Marcel Duchamp, as latas de Sopa Campbell de Andy Wahrol, aos exibicionismos estéticos e gratuitos de hoje, a arte piorou muito. Carecemos de verdadeiros artistas e não somente nas artes plásticas. Porém, como o assunto aqui é mais voltado às performances esdrúxulas e corpos sarados que tomaram o lugar de grandes nomes como Leonardo da Vinci, Monet, Cézanne, Goya e outras feras da linha de frente, é preciso enfatizar: quando foi que desaprendemos a criar e passamos apenas a exibir um conteúdo tão primário e pouco reflexivo? Tornamo-nos vazios e nos orgulhamos disso (pelo menos, é o que o final do século passado e o início desse tem deixado claro até agora).

São muitas perguntas, eu sei... E responder a todas elas é uma saga que certamente perdurará todo o século XXI. Contudo, é preciso elogiar a atitude do casal Beyoncé/Jay-Z mesmo que à primeira vista a música deles não seja nenhuma obra-prima digna de ser notada pela qualidade musical.

Apeshit é, no final das contas, a tampa numa lata de lixo de uma cultura relapsa e que se locupleta de falsos valores e talentos para gerar mídia. Resta saber agora até quando esta sociedade que aqui se encontra aturará tal desfaçatez e tomará vergonha na cara para mudar a ordem dos fatos.

Porque do jeito que está, a extinção do que conhecíamos como arte até então é uma questão de tempo...


Biografia:
Crítico cultural, morador da Leopoldina, amante do cinema, da literatura, do teatro e da música e sempre cheio de novas ideias.
Número de vezes que este texto foi lido: 137


Outros títulos do mesmo autor

Artigos Aconteceu, virou manchete! Roberto Queiroz
Artigos O cinema a partir de suas entranhas. Roberto Queiroz
Artigos Terra de ninguém (e de todos) Roberto Queiroz
Artigos A diva eterna Roberto Queiroz
Artigos Amor em xeque Roberto Queiroz
Artigos J'acuse... Roberto Queiroz
Artigos Marionetes sacanas Roberto Queiroz
Artigos Manda quem quer, obedece quem tem interesse Roberto Queiroz
Artigos Grito de alerta Roberto Queiroz
Artigos Uma nova forma de cutucar, incomodar, agregar Roberto Queiroz

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 116.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 48620 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39030 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 33114 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 32051 Visitas
Amores! - 32037 Visitas
Desabafo - 31657 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 31413 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 30788 Visitas
Faça alguém feliz - 30771 Visitas
Vivo com.. - 30427 Visitas

Páginas: Próxima Última