Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Bar do Barba *
Rafael da Silva Claro

Esse era o local obrigatório das saideiras -quando era cedo ou a sede permanecia- para uma noite de sábado. Frequentávamos essa espelunca por puro costume, pois a Vigilância Sanitária faria hora extra lá. O Barba era o, digamos, proprietário do empreendimento do ramo do entretenimento etílico. O atendimento era péssimo, até mesmo para a escória da sociedade. A comida, provavelmente, possuía coliformes fecais acima do permitido na lei. O pobre infeliz que aventurava-se a morder uma coxinha, contrairia uma infecção estafilocócica. A chapa para o preparo de lanches apresentava rastros de, argh, baratas. A prova do extermínio delas, era a lata de Baygon, estrategicamente posicionada.

O banheiro era, lógico, um capítulo à parte. A toalhinha de rosto, de tão usada, ficava permanentemente úmida e encardida. Essa conjuntura formava um caldo cultural perfeito para a proliferação de bactérias. A cordinha da descarga merecia um teste de carbono 14. Enfim, o, por assim dizer, “toilette” era um ambiente a ser evitado.

O fundo do boteco era onde a mágica acontecia. Para adentrar esse espaço, você tinha que vencer uma portinha. Quem passasse para lá, se isolava do resto do mundo e era brindado com um irritante videokê. Esse lugar era um tipo de bunker, de modo que, se caísse uma bomba atômica, lá fora, apenas sobreviveriam as baratas e quem ali estivesse. Nas paredes, quadros com imagens intrigantes, um pisca-pisca que mal iluminava o, vá lá, ambiente, a pretensa inscrição “Show de Luzes” e o inexplicável aviso “Ambiente Familiar”. No videokê, além dos péssimos cantores (inclusive eu), havia o momento Barba. Nesse episódio, o dono do duvidoso estabelecimento comercial, assassinava canções outrora belas. Ele era bovinamente aplaudido .

Esse refúgio, pessimamente frequentado, era, obviamente, um forte candidato a esconderijo de potenciais arquivos vivos. Ali, como em qualquer bar, saía uma briga generalizada de vez em quando. Mas não se podia chamar a Policia. Se qualquer autoridade visse o lugar, pediria sua interdição.

O Bar do Barba ficava em Guarulhos, e lá, determinadas pessoas fazem a “justiça” com as próprias mãos. Essa justiça condenou o Barba. Tentaram continuar o negócio sem ele, mas não era a mesma coisa. O bar fechou.


Biografia:
Ensino secundário completo. Trabalhei em várias empresas, fora da literatura. Tenho um blog, onde publico meus textos: “Gazeta Explosiva” Blogger
Número de vezes que este texto foi lido: 33868


Outros títulos do mesmo autor

Ensaios Nasce uma dupla Rafael da Silva Claro
Ensaios Marias-coturnos Rafael da Silva Claro
Humor 1º de Abril II Rafael da Silva Claro
Crônicas Você tem fome de quê? * Rafael da Silva Claro
Ensaios SimCity Rafael da Silva Claro
Ensaios Versão Brasileira Rafael da Silva Claro
Ensaios Amor, I love you Rafael da Silva Claro
Ensaios Futebol feminista Rafael da Silva Claro
Crônicas Playcenter: o lugar onde tudo acontece Rafael da Silva Claro
Ensaios Teoria da Conspiração Rafael da Silva Claro

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 106.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 76531 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 62271 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 50439 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 50234 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 49731 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 49438 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 49252 Visitas
A TRISTEZA E O SIM DA VIDA - Alexsandre Soares de Lima 49149 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 48956 Visitas
Solidão que nada - Morgana Bellazzi de Oliveira Carvalho 48906 Visitas

Páginas: Próxima Última