Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O OLHAR QUE FAZ A ARTE, A ARTE QUE FAZ OLHAR
Flora Fernweh

De acordo com a escritora francesa Simone de Beauvoir, é na arte que o homem se ultrapassa definitivamente. De modo análago, a arte assumiu diferentes papéis e concepções na vida das sociedades no decorrer da história, assumindo um importante valor estético em defesa do belo na arte clássica, religioso em busca da salvação eterna no século das trevas, cultural no mundo moderno em vias de movimentos de efervescência política e ideológica, e crítica na contemporaneidade instável e imprevisível, tendo em vista, a formação humana.
     A discussão acerca daquilo que pode ser considerado arte ou não, permeia séculos e sempre adquiriu o caráter polêmico da representação do mundo. Marcel Duchamp, o precursor do Ready-made e um dos artistas pertencentes à vanguarda dadaísta da anti-arte, proporcionou uma reflexão sobre os limites da interpretação artística ao expor um urinol em um ambiente erudito e tradicional. Seu ponto de vista defendia a importância dada ao contexto para que um simples objeto de caráter utilitário fosse considerado uma peça de grande valor e semiótica.
     A ideia supérflua de arte, presente no imaginário de uma parcela significativa da população, está associada unicamente com a pintura e com a escultura. Observa-se deste modo, que há uma indiferença quanto ao fazer artístico, pois a arte é livre, é um organismo vivo e dinâmico, independente, e não necessita de uma tela e uma tinta para se manifestar. A música, a dança, o teatro, o cinema e a literatura são meios de expressão intimamente ligados a ela, a publicidade cotidiana pode estar impregnada pela arte, um simples pensamento ou uma poesia lida no jornal são o suficiente para despertar o lado artístico. Crescer, aprender, amadurecer, conviver e aceitar que arte não é apenas relíquia pictórica, é fundamental para que ampliemos nossos horizontes. Arte é sinônimo de cultura, subjetividade, olhar diferenciado e partilha do sensível.


Biografia:
Sobre minha pessoa, pouco sei, mas posso dizer que sou aquela que na vida anda só, que faz da escrita sua amante, que desvenda as veredas mais profundas do deserto que nela existe, que transborda suas paixões do modo mais feroz, que nunca está em lugar algum, mas que jamais deixará de ser um mistério a ser desvendado pelas ventanias. 
Número de vezes que este texto foi lido: 308


Outros títulos do mesmo autor

Sonetos Bile negra Flora Fernweh
Crônicas Poupe-me, passado Flora Fernweh
Frases Conhecer é sofrer? Flora Fernweh
Artigos Preconceito linguístico Flora Fernweh
Poesias Mar noturno Flora Fernweh
Frases Teoria do amor Flora Fernweh
Crônicas Pretérito mais-que-perfeito Flora Fernweh
Frases Compromisso Flora Fernweh
Poesias Caminhos para uma nova gestão do trabalho na era tecnologia Flora Fernweh
Crônicas O ensurdecedor silêncio de adolescer Flora Fernweh

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 133.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 66697 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 55327 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 43815 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 43572 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 43453 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 41000 Visitas
Amor e Perdão - Amilton Maciel Monteiro 40959 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 40255 Visitas
TOMO TUDO - sigmar montemor 39432 Visitas
Lamento - FERNANDO 39328 Visitas

Páginas: Próxima Última