Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
SEM LESCO LESCO
Cap.I
Zaga Mattos

Resumo:
Um passeio pelas quebradas das noites boêmias !/4 Capítulo

SEM LESCO-LESCO
Capítulo I
Era do tipo “comigo ninguém tira farinha”. De andar sestroso e, às vezes. malemolente, ela fazia furor pelos salões do Operário, Batelzinho, Caça e Tiro. Trazendo no rosto o viço da idade, com olhos arteiros e sorriso largo, despertava desejos e invejas. Para não dar vaza à malandragem só saía para dançar com quem lhe agradasse por saber dizer o samba nos pés. Aí não tinha pra ninguém: o salão ficava mais iluminado com o seu brilho. Levou muitos a buscarem o consolo no copo após o “obrigado... depois dançamos outra”. E lá ficava o par (que desejava ser efetivo), com olhar pidão, esperando a fila andar e chegar novamente sua vez. Para as outras restava repetir a frase: “deixa só... um dia ela paga”.
Não deu outra. Praga pega. Inda mais quando leva consigo cargas de rancor, ciúme e inveja. E aí não há sal grosso que proteja. Para ela, a defesa era só mesmo as pequenas marcas das varas de marmelo que levou no lombo quando criança. Até chegar àqueles dias percorreu longo caminho. Se poucas marcas ficaram pelo corpo muitas outras ficaram na lembrança. Essas só estavam visíveis em seus olhos tristes quando o pensamento viajava pelo tempo até os infelizes dias de sua infância. Agora, porém, era hora de virar o jogo.
E virava o jogo a todo instante quando desfilava pelos salões como se ali fosse a passarela de seu reinado. Se algum mais ousado se aproximasse com olhos gulosos e mãos afoitas apenas dizia “anda, desafasta”.
Tantas vezes o vaso vai à fonte, que um dia lá se quebra. Foi o que se deu com Yonara. Dodô chegou e não respeitou o ipsilone. Jogou para a garganta toda a cerveja do copo, desencostou do balcão do bar e foi em direção de Yonara como o perdigueiro que levanta a caça para o abate no tiro certeiro do caçador. Ajeitou as ombreiras do paletó para lhe dar um aspecto espadaúdo, deu um brilho nos sapatos, esfregando-os na parte traseira das barras da calça, e foi em direção àquele pitéu.
Parou junto à mesa, deu uma olhada na moça de alto a baixo, com paradas nas saliências apetitosas e arfantes. Deu uma tragada profunda e apagou o cigarro no cinzeiro cheio de bitucas sobre a mesa. Nem seguiu a praxe do convite à dança. Simplesmente a pegou pelo braço. Ela viu em Dodô aquele da canção de Betânia. O tipo do “mal sei como ele se chama, mas entendo o que ele quer”. Assim ele se instalou feito um posseiro dentro do seu coração.


Biografia:
Jornalista. São escritos construídos ao longo do tempo. Alegrias ou tristezas. Tudo está por aí ao derredor. Basta ter olhos e ouvidos atentos e o coração aberto. Assim é o cotidiano. A paisagem do dia a dia.
Número de vezes que este texto foi lido: 755


Outros títulos do mesmo autor

Contos SEM LESCO LESCO Zaga Mattos
Crônicas Saindo de moda Zaga Mattos
Crônicas MEDO DE VIRAR VINAGRE Zaga Mattos


Publicações de número 1 até 3 de um total de 3.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 68328 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 55693 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 44374 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 44109 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 43737 Visitas
Amor e Perdão - Amilton Maciel Monteiro 42058 Visitas
IHV (IAHU) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 41809 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 41338 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 41240 Visitas
TOMO TUDO - sigmar montemor 39747 Visitas

Páginas: Próxima Última