Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
A verdade está nas unhas
Ana Mello

Uma vez por mês participo de um encontro de casais. Nossa justificativa revelada é amizade. Exercitamos o contar nas nossas próprias vidas e o comentar nas dos outros.
Como tempero, uma boa comida, acompanhada de vinho ou cerveja, que vai soltando nossas proteções e nossas línguas. São três casais. Os homens, bem parecidos, gostam de carros e de futebol, falam noites inteiras sobre esses assuntos, fazendo das ouvintes peças dispensáveis.

As mulheres, as outras duas, são bem diferentes. Marta está sempre impecável. Roupas combinando, perfumada, cabeça erguida, imponente. Se fosse bicho seria cobra. Fica ali, parada, ouvindo tudo. De repente dá o bote, lança sua opinião certeira e fulminante. Que é puro veneno, mortal, abate seu oponente. É magra e esguia e gosta de ser servida e obedecida. Com um olhar comanda Arnaldo que lhe traz
uma outra taça de vinho. Percorre o ambiente com a avidez de uma busca, analisa tudo, todas as repetidas vezes que vem a minha casa. Minhas mãos ficam geladas, meu coração bate apressado, será que coloquei toalhas limpas no banheiro ?

Marta tem horário pra tudo, sua vida é cronometrada e agendada. Ginástica, analista, supermercado e manicure. Ela faz as unhas toda semana. Acho que é uma outra terapia.
Ela faz para ser perfeita em primeiro lugar, depois para sentir-se mimada. Lá ela pode contar tudo que faz e ouvir um pouco do que as outras acham importante. Pode ouvir como os outros têm problemas e ela não. Jamais faria as próprias unhas porque não faz nada que julgue menos importante. Usa sempre esmalte vermelho.

Rose é a mulher do Peçanha. Doce, calma, gentil. Sempre sorrindo. Veste-se com discrição e elegância. Como profissão escolheu o magistério e adora o que faz. Tem paciência e jeito especial com as crianças. Já perdeu a conta de quantas alfabetizou. Além de trabalhar fora tem um tempo especial para dedicar-se aos trabalhos da casa.
Que é aconchegante, cheia de guardanapos de crochê feitos pela Rose nas horas vagas. Ela tem habilidade para trabalhos manuais. Se fosse um bicho seria gato. Uma gata carinhosa que se enrosca nas pernas dos visitantes, miando e pedindo carinho.
Mas uma gata de unhas lixadas e bem cuidadas. Rose faz suas unhas em casa, em um momento só dela. Usa sempre esmaltes de cores claras.

Quanto a mim, faço as unhas no salão, sem regularidade, quando dá. Na maioria das vezes estão curtas e só lixadas. Pois fazer as unhas não é minha prioridade.Se eu fosse bicho, nos dias de jantar de casais seria fera, pois acabo sempre lavando a louça, já que não fiz as unhas.


Biografia:
Para saber mais sobre a autora acesse http://anamello.multiply.com
Número de vezes que este texto foi lido: 54914


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas Um livro diferente Ana Mello
Crônicas Um eterno jogador Ana Mello
Contos Muralhas da infância Ana Mello
Crônicas Doença de médico Ana Mello
Crônicas Digo sempre “Eu te amo” Ana Mello
Poesias Eu te amo Ana Mello
Crônicas Namore, não fique Ana Mello
Crônicas Na verdade, tá ligado? Ana Mello
Contos Amor adolescente Ana Mello
Crônicas Em briga de marido e mulher Ana Mello

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 27.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
O Senhor dos Sonhos - Sérgio Vale 55275 Visitas
Jazz (ou Música e Tomates) - Sérgio Vale 55251 Visitas
A Magia dos Poemas - Sérgio Simka 55246 Visitas
amor feito desejo... - natalia nuno 55245 Visitas
A margarida que falou por 30 dias - Condorcet Aranha 55233 Visitas
A calça preta - Condorcet Aranha 55223 Visitas
Menino de rua - Condorcet Aranha 55209 Visitas
A FORMIGUINHA - Jonas de Barros Vasconcelos 55207 Visitas
Amores! - 55200 Visitas
Decadência - Marcos Loures 55196 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última