Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Na verdade, tá ligado?
Ana Mello

No meu laboratório doméstico fiquei analisando o vocabulário do meu filho de doze anos e sua tribo. Tem um dos índios que em cada frase coloca no mínimo dois: tá ligado. Tem também o tipo assim, direto, man, ô meu.
Sei que quando jovens usamos muitas gírias, roupas parecidas, gostamos do que nossos amigos gostam. É legal, dá segurança.
Mas além das limitações da escrita que o MSN permite e eu não dou conta de corrigir agora mais a comunicação oral para atormentar.
Não resisti, chamei o amigo para uma conversa.
- Mateus, não quero interferir no teu modo de ser, aprovo que tenhas amizade com meu filho, mas não achas que usas muito, tá ligado?
- Pois olha Ana, tá ligado, eu nem me dou conta, tá ligado.
Bom, a conversa aprofundou e os “tá ligado” até diminuíram.
Ele provou ser bom na argumentação, e que está bem no colégio. Ele acredita que os adultos também usam suas gírias e enchem a paciência repetindo-as até na TV. Referindo-se ao “na verdade”. Expliquei que “na verdade” não é gíria, é uma locução adverbial que quer dizer "realmente, certamente, de certo, por certo". Já usada há muito tempo. Machado de Assis já usou no romance D. Casmurro: “Na verdade, Capitu ia crescendo às carreiras”. E no conto Uns braços: “Na verdade, eram belos e cheios, em harmonia com a dona, que era antes grossa do que fina, e não perdiam a cor nem a maciez por viverem ao ar;”.
Muitos outros autores já usam há muito tempo.
Agora está na moda, os repórteres usam nas entrevistas da TV. É usado em diálogos informais e discursos acadêmicos. Os políticos usam muito. O que para alguns se faz necessário, pois existe também o “na mentira”.
Concordamos finalmente que tudo que é demais atrapalha, e que falar e escrever corretamente requer estudo diário. Cometer erros não deve ser motivo para desistir ou ficar acanhado. Corrigir com educação contribui mas usar o conhecimento para constranger está completamente por fora, é preconceito lingüístico.

MORFOLOGIA E SINTAXE

amor gramatical,
ele interrogação
ela ponto final


Biografia:
Para saber mais sobre a autora acesse http://anamello.multiply.com
Número de vezes que este texto foi lido: 33808


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Desinfetante Ana Mello
Poesias Desinfetante Ana Mello
Crônicas Fogo que arde Ana Mello
Crônicas Manias Ana Mello
Crônicas Assuntos complicados Ana Mello
Contos Compunção Ana Mello
Contos No elevador - faltou luz Ana Mello
Crônicas Uma voz interior Ana Mello
Crônicas Oficinas e pessoas Ana Mello
Crônicas A verdade está nas unhas Ana Mello

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 27.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 48424 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 42776 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 41863 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 40778 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 40420 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 40134 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 39997 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 39961 Visitas
A PRAIA DO PROGRESSO - Rosângela Barbosa de Souza 39762 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 39728 Visitas

Páginas: Próxima Última