Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O país que gostamos de inventar de tempos em tempos
(O doutrinador e a eterna mania de criarmos heroís neste país)
Roberto Queiroz

Não é de hoje que a sociedade brasileira se comporta como se o país não passasse de uma sucursal de um filme de super-heróis da Marvel ou da DC Comics. Tornamos nossa pátria - se é que ainda dá para chamar o país disso! - uma versão aterradora e esnobe de maniqueísmo, acreditando piamente que certas pessoas devam ser rotuladas de o bem encarnado, dono de moral ilibada e acima de qualquer suspeita, e outras de mal eterno, sacerdote do que existe de pior em termos de ética. Pobres deles, os rotuladores! Não fazem a menor ideia do que estão fazendo com a nação.

Prova disso é a chegada de O doutrinador, filme de Gustavo Bonafé e Fábio Mendonça, que chegou ao circuito exibidor nesta última quinta-feira e utiliza-se da estrutura mista de quadrinhos + cinema que vem fazendo a cabeça principalmente do público jovem nos últimos anos. No entanto, aqui a premissa não visa unicamente a eles. Os adultos em algum momento também irão se interessar por aspectos da trama.

O doutrinador conta a história de Miguel (Kiko Pissolato, uma grata surpresa no cenário audiovisual brasileiro), um agente da D.A.E - uma espécie de forças especiais ligadas à polícia civil - que vê sua vida mudar completamente quando sua filha pequena morre, vítima de uma bala perdida, quando estavam indo assistir a um jogo da seleção brasileira. O país já vivia dias de corrupção desenfreada com acusações disparadas ao governador da cidade, Sandro Correa (Eduardo Moscovis), e a população rugia nas ruas. Contudo, mesmo com todo o cenário negro dando as cartas, Miguel sempre acreditou no sistema e na justiça. Até aquele momento.

Nasce então o justiceiro nomeado pela mídia de doutrinador, que passa a caçar os cabeças por trás da falência do Estado. Nesse momento a trama ganha contornos ainda mais quadrinísticos (e nesse sentido, o autor Luciano Cunha - criador da hq que originou o longa - deve ter ficado um tanto satisfeito), com exageros os mais diversos, frases de efeito roubando a cena em meio ao roteiro e muita adrenalina e fisicalidade nas cenas de ação, que não são poucas. Nosso herói conta com a ajuda da hacker Nina (Tainá Medina, que lembra em alguns momentos o estado de espírito da personagem Jessica Jones, vivida na série da Netflix pela atriz Krysten Ritter) para esmiuçar o sistema de segurança que preserva a integridade desses "homens de respeito" que governam o país.

Há muito o que gostar (e também o que não gostar) no filme. Para aqueles que seguem a mentalidade atual do país polarizado em que vivemos nos últimos anos de atacar o outro lado da discussão política com ofensas e deboches, talvez este não seja o seu filme. Há várias inferências à personagens do atual cenário político nacional e certamente você se verá tentado a atacar o filme ou como fascista ou como defensor de uma moral tendenciosa e comunista, algo aliás que aconteceu recentemente quando do lançamento da série O mecanismo, de José Padilha. Fica a dica. Por outro lado, foi uma grata surpresa ver o cinema nacional enveredando por uma seara que eu (ainda) acredito não temos uma grande expertise no assunto ou mesmo tecnologia necessária para convencer. Enfim... É um filme bem intencionado dentro de nossa cinematografia cheia de altos e baixos (principalmente se colocarmos na balança os últimos, digamos, cinco anos).

Não poderia, porém, terminar este artigo sem deixar de apontar o grande legado desta produção (que coincide com o desabafo final feito por um dos personagens no próprio longa): o de que continuamos acreditando em salvadores da pátria, figuras sobrenaturais e messias capazes de nos salvar da destruição do país. "É preciso mudar", é o que diz o filme em seus últimos segundos. E mudança é uma palavra que sempre teve um sentido um tanto quanto equivocado em nosso país. Também não é pra menos. O que esperar de um país que vive de jeitinhos, esqueminhas, tratos escusos, e que se orgulha de sua própria ignorância e incapacidade de dar a volta por cima? E não bastasse tudo isso se apega a qualquer modismo que pareça legítimo, seguidor de regras e morais tortas, bem vestido e portando diploma de alguma profissão ou status de renome?

O doutrinador parece meia-boca à primeira vista? Sim. Tem suas falhas e soluções abruptas para justificar problemas sérios de comportamento social? É verdade. Entretanto, ele também traz muito sobre o que pensar neste país controverso. Digo mais: o filme de Bonafé e Mendonça é o país que gostamos de inventar de tempos em tempos, cheio de manias e homens poderosos, capazes de virar a nação de cabeça pra baixo, só para não termos de encarar o mundo real, com seus defeitos e distorções.

Em outras palavras: veja, mas de olhos abertos, questionando cada momento. Pois as entrelinhas andam merecendo melhor atenção de nossa parte hoje em dia do que o todo excessivamente visível e heróico das páginas de jornal, das redes sociais e dos formadores de opinião contraditórios.


Biografia:
Crítico cultural, morador da Leopoldina, amante do cinema, da literatura, do teatro e da música e sempre cheio de novas ideias.
Número de vezes que este texto foi lido: 101


Outros títulos do mesmo autor

Artigos Ser pai não é mole, não!!! Roberto Queiroz
Crônicas Aconteceu. De novo. Roberto Queiroz
Artigos Heróis não são tão simples assim... Roberto Queiroz
Resenhas O fim da literatura? Roberto Queiroz
Artigos Liberdade é isso? Sério mesmo? Roberto Queiroz
Artigos Memorabilia Roberto Queiroz
Artigos Slam!!!! Roberto Queiroz
Artigos E depois dizem que as outras espécies é que são animais! Roberto Queiroz
Crônicas Baratas Roberto Queiroz
Artigos A magia ainda não acabou Roberto Queiroz

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 143.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 58834 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 53324 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 42463 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39512 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 36131 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 35615 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 34359 Visitas
Amores! - 33904 Visitas
Desabafo - 33505 Visitas
Faça alguém feliz - 32082 Visitas

Páginas: Próxima Última