Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Amor em xeque
(Eu sei que vou te amar: um livro, uma love story)
Roberto Queiroz

É difícil falar do amor. Quem tentou, saiu cheio de cicatrizes (e em alguns casos, renovado). Porém, é uma catarse necessária, acho até imprescindível, principalmente em tempos caóticos e confusos como estes atuais, cheios de fake news e sociedade polarizada guerreando por uma classe que nunca se importou com o povo.

Levando isso em consideração me deparo com um exemplar de Eu sei que vou te amar, livro de Arnaldo Jabor criado a partir do longametragem homônimo de 1986 que deu a Palma de Cannes à atriz Fernanda Torres, abandonado numa barraca dessas de livros usados em plena feira de subúrbio. Já havia lido o romance uns oito anos atrás e adorado (tanto que, quando lançada sua versão para o teatro, fui correndo assistir). Retomá-lo após tanto tempo e ciente do que o tema proposto nele fez na minha própria vida, decidi encarar a empreitada novamente.

Eu sei que vou te amar - que tem tintas de Vinicius de Moraes não só no título - traz um casal que viveu junto por seis anos e após uma breve separação se reencontra para discutir a relação que passou e tentar entender o que fez de errado no processo. Na própria contra-capa do livro o autor define sua obra como "o livro definitivo a traduzir as D.Rs". E está absolutamente certo.

O romance de Jabor é um tapa na cara com luvas de pelica na vida de casais que passaram a vida errando em seus relacionamentos e não conseguem admitir a culpa (isso quando não empurram toda a parte catastrófica para a conta da outra metade da relação).

A narrativa é cheia de silêncios, reticências, discursos entrecortados. Há momentos em que se percebe nitidamente a tentativa (seja dele ou dela) de construir sua defesa no calor do momento, tentando deixar no passado escolhas infelizes que fizeram, mas que são indispensáveis para entender o que os levou ao término.

Há um clima entre o rock n' roll e a bossa nova conflitando no cenário que, na versão cinematográfica, acaba por remeter ao Steven Soderbergh de Sexo, mentiras e videotape (tenho até vontade de rever o filme para saber se ainda tenho essa mesma impressão de quando o assisti pela primeira vez). E essa antítese de sentimentos, gostos, caminhos, é muito bem-vinda na hora de entendermos os sentimentos dessa geração (que não é a minha), ofuscada pelo período militar e suas castrações ideológicas.

Talvez muitos que conheceram a obra quando acabara de ser lançada a considerem hoje datada e defendam a ideia de que nada disso acontecesse com a atual geração, simplesmente porque ela "não ama mais com esse mesmo vigor". Em certo sentido, concordo. Tornamo-nos evasivos, efêmeros e mentirosos de carteirinha como sociedade, mas ainda vejo a possibilidade de podermos discutir a vida a dois (pelo menos, entre "alguns" seres humanos).

Em outras palavras: a literatura pretendida por Arnaldo Jabor - ele próprio, um provocador por natureza - é debochada, irônica, e toca numa questão muito contemporânea. Perdemos a capacidade de ouvir. Queremos ordenar e fazer dos outros empregados de nossa vontade. E não é à toa nem começou do dia para a noite esta cultura tendenciosa.

É uma pena que nossos literatos não tenham migrado mais para esse debate nos últimos anos. Andamos carentes de uma boa discussão. Não essa guerra de interesses dos dias de hoje, esse mundo videogame onde seus vizinhos, parentes, amigos são adversários a serem aniquilados e nada mais.

Por mais amores de carne-e-osso como este aqui e menos vidas de plástico, botoxizadas, construídas à bisturí e esteróides...


Biografia:
Crítico cultural, morador da Leopoldina, amante do cinema, da literatura, do teatro e da música e sempre cheio de novas ideias.
Número de vezes que este texto foi lido: 129


Outros títulos do mesmo autor

Artigos O triunfo da mentira Roberto Queiroz
Artigos O ator mais icônico da minha geração Roberto Queiroz
Artigos Clássico revisitado Roberto Queiroz
Artigos 50 anos de uma história bem contada Roberto Queiroz
Artigos Defina relevância Roberto Queiroz
Artigos A invenção do século que passou Roberto Queiroz
Artigos Um banquinho, um violão, um adeus Roberto Queiroz
Artigos Quem detém o conhecimento? Roberto Queiroz
Artigos Cada um no seu quintal Roberto Queiroz
Artigos Vendendo a alma Roberto Queiroz

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 188.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
Faça alguém feliz - 35606 Visitas
TOMO TUDO - sigmar montemor 35342 Visitas
Lamento - FERNANDO 35089 Visitas
Vivo com.. - 35080 Visitas
Parabéns, Daniel Dantas! - Carlos Rogério Lima da Mota 34656 Visitas
MANCHETE DE JORNAL - sigmar montemor 34484 Visitas
eu sei quem sou - 33981 Visitas
camaro amarelo - 33869 Visitas
MENINA - 33765 Visitas
sei quem sou? - 33745 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última