Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Quem detém o conhecimento?
(O gênio, o louco, a criação do dicionário Oxford e a velha cultura opressiva dos engravatados)
Roberto Queiroz

Nunca vou entender essa cultura vigente no nosso país de que o conhecimento está sempre nas mãos dos acadêmicos, dos bem nascidos, dos perpetradores do beletrismo, dos privilegiados. Somos uma nação que, infelizmente, não acredita em autodidatismo e sempre que pode os rotula de "falsos intelectuais".

O gênio e o louco, de Farhad Safinia, é mais um daqueles filmes que foi lançado nos cinemas tarde demais (digamos: um década pelo menos). Faz parte de um imaginário que se perdeu no circuito exibidor de cinema: o de filmes inteligentes, para aqueles espectadores que desejavam sair da sala de projeção transformados de alguma forma. Hoje em dia isso caiu em desuso por conta do sucesso de empresas como a Marvel, a DC, a Lucas Film, que visam como primeiro objetivo o lucro e a quebra de recordes de bilheteria.

Todavia, como não pertenço a esta geração que vê a sétima arte como mero entretenimento e sempre gostei do desafio de pensar (algo que anda em extinção na atual sociedade), foi com grata surpresa que me deparei com um longa que respeita os cinéfilos amantes da língua, da literatura como um todo e também de uma história bem construída.

O filme de Safinia conta a história da criação do dicionário Oxford. E tão difícil missão passa pelas mãos de dois homens cujas formações incomodam à sempre pedante intelligentsia britânica. O primeiro é James Murray (Mel Gibson), um autodidata escocês, tudo que as cabeças mais brilhantes de Oxford detestam, por considerá-lo um homem indigno (por não possui diploma de nível superior) para tal missão. E o segundo, ainda mais grave, é o médico William Chester Minor (Sean Penn, fantástico!), condenado a viver num manicômio após ter cometido um crime leviano.

Porém, o que entendem esses homens de terno-e-gravata, portadores de PHD, sobre estar realmente habilitado para realizar uma missão dessa magnitude?

Nunca imaginei que criar um dicionário pudesse dar tanto trabalho e gerar tanta política. O longa aborda toda a luta de Murray para construir um compêndio que pudesse representar toda a nação inglesa, e não somente a elite que considerava certas expressões e palavras populares desnecessárias. Houve, inclusive, um momento em que cheguei a correlacionar a saga de Murray à criação da Bíblia de Gutenberg, tamanho os interesses que estavam em jogo naquele momento.

A eterna mania opressiva e radical dos engravatados acadêmicos de exibiram seus diplomas como solução para o mundo resvala na inteligência nítida de Minor, um homem atormentado por sua própria loucura, o que o leva a um comportamento por vezes quase animalesco, mas sob certo prisma coerente com a sociedade maquiavélica na qual vive. E é esse homem o único que realmente entende o sonho - para muitos, um delírio - de Murray. Somente esta dupla e não um bacharel, mestre ou doutor conseguirá entender a grande provação que é criar uma obra literária deste nível.

Pena que os espectadores de hoje - os mesmos que acharam a adaptação de O código da Vinci, de Dan Brown, uma sucessão inesgotável de blá blá blás (pois é: conhecimento hoje em dia entrou para a categoria de desnecessário, vide o sucesso de certos "ignorantes" na indústria fonográfica e literária) - não tenham a paciência necessária para comprar o roteiro lúcido de John Boorman (criador de filmes memoráveis como Excalibur, Amargo pesadelo e Esperança e glória).

Mais uma vez (como já disse em outros artigos cinematográficos meus): quem perdeu foram eles mesmos!

O gênio e o louco não é franquia, remake, spin off ou sequel de nenhuma outra mercadoria gratuita que vem sendo feita nos últimos anos em hollywood. Pelo contrário: é filme para corajosos e sobreviventes dessa eterna mania do mundo globalizado de querer "esvaziar a cabeça das pessoas". Honestamente: não sou bexiga para comprar essa torpe realidade.

Dito isso, recomendo o longa para aqueles que não aguentam mais sair de casa para ver os mesmos filmes ou a continuação dos mesmos. E, sim, ainda há vida inteligente na sétima arte. A diferença é que agora é você mesmo quem tem de procurá-la.


Biografia:
Crítico cultural, morador da Leopoldina, amante do cinema, da literatura, do teatro e da música e sempre cheio de novas ideias.
Número de vezes que este texto foi lido: 169


Outros títulos do mesmo autor

Artigos Uma divina comédia visual Roberto Queiroz
Artigos O passado sempre retorna Roberto Queiroz
Artigos Quem manda aqui sou eu Roberto Queiroz
Artigos Guerra suja Roberto Queiroz
Artigos O transgressor Roberto Queiroz
Artigos Polêmica Roberto Queiroz
Artigos Uma viagem ao túnel do tempo Roberto Queiroz
Artigos O marco da contracultura Roberto Queiroz
Artigos O nome dela? Brasil Roberto Queiroz
Artigos Não era apenas um garoto de Seattle Roberto Queiroz

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 188.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 66290 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 55175 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 43713 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 43339 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 42959 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 40880 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 39859 Visitas
Amores! - 38267 Visitas
Amor e Perdão - Amilton Maciel Monteiro 38016 Visitas
Desabafo - 37507 Visitas

Páginas: Próxima Última