Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Defina relevância
(Taylor Swift, celebridades bem pagas e a humanidade que perdeu a noção de valor).
Roberto Queiroz

Na quarta-feira dia 10 de julho a revista Forbes realizou mais um de seus "levantamentos" envolvendo a vida financeira de famosos e celebridades dos mais diversos setores ao redor do mundo. E chegou à conclusão de que a celebridade mais bem paga do mundo hoje é a cantora Taylor Swift. Pergunto-me e também aos leitores de meus artigos: o que isso nos diz sobre a indústria cultural e o mundo em que estamos vivendo?

Honestamente? Que escolhemos ser uma sociedade vazia e baseada em beleza e sucesso.

Não sou fã da cantora Taylor Swift (e acho que já deixei isso bem claro no curto parágrafo anterior) e, na verdade, não considero sua carreira digna de tanta relevância assim. Procuro por seu perfil no IMDb - o internet movie database - e vejo que ela fez uma aparição apagada no longametragem O doador de memórias, de Phillip Noyce (digo apagada porque, honestamente, nem me lembrava da participação dela no filme), participou da trilha sonora de Jogos Vorazes (que lançou a hoje famosa Jennifer Lawrence), realizou uma série de videoclipes que certamente os adolescentes adoram e recentemente participou de uma adaptação do musical Cats para o cinema (ainda em fase de pós-produção).

Dito isto, fica a pergunta: de onde vêm tamanha popularidade junto aos fãs?

Em alguns de seus clipes que assisto no you tube vejo que ela sabe flertar com seu público (no caso, o teen) com extrema facilidade. Ela fala a língua dos jovens como ninguém. E mais: é uma das artistas mais requisitadas para propagandas nos EUA. Em outras palavras: é aquilo que a indústria cultural vêm chamando nos últimos anos de it girl ou uma "imagem a ser comprada pelos clientes/fãs".

E é nesse exato momento que o sentimento de tristeza toma conta de mim. Infelizmente vivemos num mundo que classifica a palavra relevância para o mundo sob a ótica financeira. Você é aquilo que você produz, aquilo que você transforma em fama e dinheiro. Do contrário, nunca sairá do ostracismo.

Cultuamos mercadorias vazias, efêmeras e Taylor Swift é ponta de lança nesse quesito. Aliás, a lista da Forbes a qual lidera está repleta de figuras igualmente vazias mas notoriamente célebres: Neymar, Kayne West, Ed Sheeran... Melhor até parar por aqui!

Chegamos àquela terrível curva da estrada em que a humanidade perdeu completamente a noção de valor (respeito e ética, então, é para colecionadores!), preferindo a zona de conforto oferecida pelo capitalismo exacerbado e selvagem e que muitos acreditam é capaz de responder à todas as questões e desafios propostos pelo mundo.

Faça um teste com seus amigos de longa data, colegas de trabalho, de faculdade, conhecidos perto da rua onde moram: peçam-lhes para definir o que é relevância no mundo de hoje. Provavelmente ficarão arrasados com as respostas e, caso ainda permaneçam cidadãos íntegros, ilibados, preocupados com o futuro do mundo.

Deprimido com a escrita dos últimos parágrafos chego à conclusão de que é melhor parar por aqui, pois não decidi escrever sobre o tema para me sentir pior como ser humano ou para dar um tiro na minha própria cabeça. Pelo contrário... Acho curioso uma sociedade que fabrica ídolos tão artificiais como Taylor e depois finge preocupação com o planeta terra (que o diga, aqui no Brasil, essa história do fim das sacolas plásticas nos supermercados!).

Todos querem o deslumbre, a magia, a fantasia proporcionada pelo celebritismo. Mas esquecem do preço que estamos pagando ao idolatrar esse tipo de gente que nada faz pelo resto do mundo. Satirizando Aldous Huxley, "que admirável mundo novo esse nosso!".

P.S: lembrei de um detalhe aqui agora - pra quê serve mesmo a Forbes, hein? Pois é...

P.S 2: este artigo quase se chamou a nova Britney Spears, mas eu não quis criar ainda mais polêmica.


Biografia:
Crítico cultural, morador da Leopoldina, amante do cinema, da literatura, do teatro e da música e sempre cheio de novas ideias.
Número de vezes que este texto foi lido: 172


Outros títulos do mesmo autor

Artigos Uma divina comédia visual Roberto Queiroz
Artigos O passado sempre retorna Roberto Queiroz
Artigos Quem manda aqui sou eu Roberto Queiroz
Artigos Guerra suja Roberto Queiroz
Artigos O transgressor Roberto Queiroz
Artigos Polêmica Roberto Queiroz
Artigos Uma viagem ao túnel do tempo Roberto Queiroz
Artigos O marco da contracultura Roberto Queiroz
Artigos O nome dela? Brasil Roberto Queiroz
Artigos Não era apenas um garoto de Seattle Roberto Queiroz

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 188.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 66290 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 55175 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 43713 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 43339 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 42959 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 40880 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 39859 Visitas
Amores! - 38267 Visitas
Amor e Perdão - Amilton Maciel Monteiro 38016 Visitas
Desabafo - 37507 Visitas

Páginas: Próxima Última