Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
A SEMIOSE NA SEMIÓTICA DE PEIRCE
Dialogismo e Dialética entre o Signo e a Mente Interpretadora
ELVAIR GROSSI

Resumo:
Este ensaio tem por objetivo refletir sobre o complexo processo por meio do qual o signo constrói a representação e torna possível a comunicação, articulando, desta forma, algumas linhas do pensamento perciano, com o propósito de entender a lógica da autogeração.

No ensaio sobre O pensar é dialógico e dialético, partimos de uma afirmação e por meio de conceitos e observações sucessivas, chegamos à conclusão de que o pensar é dialógico e dialético. Mas, ao articular os conceitos embasadores da semiótica perciana, inevitavelmente, por forças dialógicas e dialéticas do universo sígnico, esbarramos na semiose. A semiose, segundo nossas pesquisas, possibilita uma abertura extensa para um estudo de tudo, por causa da abrangência que se apresenta no universo peirceano.

     No entanto, para não enveredarmos em outro terreno da semiótica, a não ser nas proposições que dão sustentação a esse debate, fomos buscar o dialogismo e a dialética a partir dos signos e seus objetos, pelos quais podemos classificar esta parte do trabalho, como sendo mais sistematizadora, o que difere um pouco do O pensar é dialógico e dialético.
     
     Ao debruçarmos na noção lógica de signo como relação triádica, focamos a seguinte colocação:

“Se um signo é algo distinto de seu Objeto, deve haver, no pensamento ou na expressão, alguma explicação, argumento ou outro contexto que mostre como, segundo que sistema ou por qual razão, o Signo representa o Objeto ou conjunto de Objetos que representa. Ora, o Signo e a Explicação em conjunto formam um outro Signo, e dado que a explicação será um Signo, ela provavelmente exigirá uma explicação adicional que, em conjunto com o já ampliado Signo, formará um Signo ainda mais amplo, e procedendo da mesma forma deveremos, ou deveríamos chegar a um Signo de si mesmo contendo sua própria explicação e as de todas as suas partes significantes; e, de acordo com esta explicação, cada uma dessas partes tem alguma outra parte como seu Objeto”. (PEIRCE, 1995,47).

pela qual fica evidenciado que atuar como signo é determinar um interpretante. Sendo assim, podemos afirmar que o signo é descrito em termos de semiose como um processo, um encadeamento, funcionando, portanto, num sentido relacional. A relação signo-objeto-interpretante, na semiótica peirceana, cumpre o papel, ou seja, visa descrever a forma desse processo.

      A realidade (o objeto) se torna manifesta por meio da mediação dos signos e esses signos são apreendidos pelo interpretante. O objeto é acessível apenas por meio da mediação dos signos. Pode-se dizer, com toda certeza, que o signo se apresenta inevitavelmente incompleto. Sua ação é a de crescer, desenvolver-se num outro signo. Assim sendo, a relação da realidade dá-se por incompleta, não é um dado acabado, mas um processo contínuo e ininterrupto.

     Dessa forma o modelo peirceano do conhecimento é triádico, sendo o signo o termo mediador, o meio do conhecimento. E, na tríade genuína, o objeto do signo não se confunde com uma coisa física ou com a causa material de uma sensação vinda do exterior, mas é, ele também, de natureza sígnica, de modo que, do lado do objeto, estamos sempre diante de uma regressão infinita de signos.


Mas, na medida em que o signo produz interpretantes, em progressão também infinita, e neles se desenvolvem, a fim de melhor revelar a relação de representação que ele mantém com o objeto, então, em última instância, o objeto do signo significa “escopo”, “uma meta”, “um propósito”, “um objetivo”.

     Nesse sentido, é o objeto (a realidade ou verdade) que funciona como causa final (infinitamente remota, aproximada, mas inatingível) na esfera do conhecimento. Sendo esse o modelo do conhecimento de natureza inevitavelmente triádica, todo conhecimento, então, é mediado, ocorrendo por meio de representações, isto é, todo pensamento se dá em signos e não há pensamento que não seja dialógico por excelência, visto que a mera presença de um signo chama a presença de um outro.
     
     Podemos concluir dizendo que o dialogismo é dialético, isto é, triádico, pois na semiose todo sentido é sempre mediação (isto é, para significar, a ação do signo acaba gerando, a meu ver, outro signo). Daí que a cadeia é infinitamente dialética.

     Mas Peirce vai muito além disso ao dizer que a semiose não é patrimônio exclusivo do homem. Essa semiose está presente no vegetal, no animal, na ameba e até mesmo    nas inteligências artificiais, em toda linguagem e, se assim podemos dizer, até na imaginação e transformação da própria natureza que -- parece-nos -- também é toda dialética, pois não só o pensamento humano faz parte do dialogismo cósmico. Esse pensamento de Peirce exige, ainda mais,   que precisemos o conceito de dialogismo e dialética.



Podemos dizer que, basicamente, a dialética e o dialogismo têm a função integradora do signo, estendida como uma lei estrutural no todo do sistema peirceano.


Referências



- BALDWIN, James M. (1901) Dictionary of Philosophy and Psychology. (New York London: The Macmillan Co.)

- BALAT, M. (1990) Sur la distinction signe/representamen chez Peirce. Versus 55-56 (41-67).

- PEIRCE, C.S. (1995) Semiótica, São Paulo: Perspectiva [ trad. brésilienne d’extraits des CP].                                                   

- _____ (1971a) The Collected Papers of C.S.Peirce. Vol 1-6, 1931-35, (C.Harsthorne, P. Weiss, eds.); vol. 7-8, 1958, ( A.W.Burks,ed.), Cambridge: Havard U. Press.   

- _____ (1977b) Charles Sanders Peirce: Semiótica e Filosofia. São Paulo: Cultrix [traduction brésilienne d”extraits des CP, avec une introduction].

- _____ (1980) Peirce e Frege. São Paulo: Abril Cultural [coll. Os Pensadores, vol XXXVI; traduction brésilienne d’extraits des CP et d’extraits de travaux de Frege, avec des introductions].

- POTTER,V.G. & Shields P.B.(1977) Peirce’s Definitions of Continuity. Transacations of the Charles S. Peirce Society XIII: 1(20-34).

- PRADO, Caio Junior. (1969) Dialética do Conhecimento. Vol 1-2, São Paulo: Brasiliense.

- SANTAELLA -Braga, M.L.(1993) O que é Semiótica. São Paulo: Brasiliense.

- _____ (1988) Charles S. Peirce’s Object (of the Sign). Versus 49 (53-58)

- ______ (1988a)Ciências e Amor Evolutivo. Cruzeiro Semiótico (Porto) Vol.8 (67-75).

-______ (1992) A assinatura das Coisas; Peirce e Literatura. Rio de Janeiro: Imago.

- ______ (1995) A Teoria Geral Dos signos. São Paulo: Ática.

- ______ (1996) Produção de Linguagem e Ideologia. São Paulo: Cortez.

- SERSON, Breno. (1993)O Ciclo Abdução, Dedução E Indução Em C.S.Peirce e Sua Importância Para a Epistemologia Das Ciências Cognitivas.   Cruzeiro Semiótico Vol.18-19 ( 47-70).

- SHORT, T.L. (1982) Life Among Legisigns. Transactions of the Charles S. Peirce Society XVIII:4 (285-310).

- ______ (1988) The Growth of Symbols. Cruzeiro Semiótico (Lisboa) Vol.8 (81-87).

- THIBAUD, P. (1983) La notion peircéenne d’interprétant. Dialectica 37:1 (3-33).

- THIBAUD, P. (1986) La notion peircéenne d’objet d’un signe. Dialectica 40:1 (19-43).




       



















































































Biografia:
MESTRE EM COMUNICAÇÃO E SEMIÓTICA PELA PUCSP, PROF UNIVERSITÁRIO DE PRODUÇÃO DE TEXTO, LINGUISTICA E LITERATURA. ALGUNS ARTIGOS E ENSAIOS PUBLICADOS EM REVISTAS ACADÊMICAS E UM LIVRO: A REDAÇÃO E SEU ENSINO, PUBLICADO PELA EDITORA ESPAÇO EDITORIAL. email: pos-cult@uol.com.br
Número de vezes que este texto foi lido: 28829


Outros títulos do mesmo autor

Ensaios A SEMIOSE NA SEMIÓTICA DE PEIRCE ELVAIR GROSSI
Ensaios O pensar é dialógico e dialético ELVAIR GROSSI
Ensaios A RELAÇÃO ENTRE CIÊNCIA E ARTE, CULTURA E NÃO-CULTURA ELVAIR GROSSI


Publicações de número 1 até 3 de um total de 3.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 48517 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39006 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 32961 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 32022 Visitas
Amores! - 31983 Visitas
Desabafo - 31599 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 31389 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 30767 Visitas
Faça alguém feliz - 30733 Visitas
Vivo com.. - 30379 Visitas

Páginas: Próxima Última