Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Grafite
Vinícius Régis dos Santos

Os olhos pareciam
De terra,
Cara de quem
Não se conhecia.
As vezes eu escutava
Um som estridente,
Escutei seu ranger,
E deitado, esperei a
Morte.

Era de um brilho
Intenso, e tamanha era a
Covardia, e
Me entortou e torceu
O calcanhar,
Então gritei:
-"Roguem por mim,
Porque, mais belo foi
O ventre de minha mãe
Do que os gritos da minha
Morte.

Assim, seja eu
A repetição do meu
Ontem, ou
Quando lá estava
Viva a minh'alma,
Serei como os que passam,
E passam correndo,
E chorando, e dizendo:
-"Quem é você? "

Não quero morrer
Como um gesto de despedida,
Nem quero viver tapete,
E repetindo meus juramentos.
O que fiz?
O que fiz?

Agora minh'alma chora,
Meu peito chora
E meu choro chora.
Minha saudade chora.

Me salve,
Me salve,
Me salve,
Pois é transparente
O que vejo,
E morreu numa madrugada.
Com duas palavras
Gritava
Para as sombras na parede.
"Me salve!"

Mas logo vou, e
Vou para uma ponta
De lapiseira,
Ou o grafite que nela se aponta.
E vou, vou,
E já fui parar em sua
Gaveta, ou talvez
No teu caderno.

E o que fiz?
O que fiz?
Mas eu fiz porque tive
Que fazer,
E as sombras do meu passado
Diziam e gritavam:
-"Faça! "
Pois estava de cabeça baixa, e baixo eu me tornei.

E continuavam as sombras:
-"Mais certo é a solidão
Da morte,
Quanto a própria morte,
E sorte daquele
Que se prepara para o
Fim dos tempos."

E como estou vendo?
O que vi?
Será isso, a verdade
Em meus olhos?
Seja tal qual
Um velho livro jogado
À mesa.
Esta à qual escrevo,
Lhe digo que,
Antes de meu
Arrependimento chegar
A morte já havia
Triturado e corroído
Meus ossos e alma.

Número de vezes que este texto foi lido: 33758


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Lírio Vinícius Régis dos Santos
Poesias Estátuas de Cobre Vinícius Régis dos Santos
Poesias Estrela Vinícius Régis dos Santos
Poesias Santa Trindade Vinícius Régis dos Santos
Poesias Fotografia Vinícius Régis dos Santos
Poesias Verbos Tirânicos Vinícius Régis dos Santos
Poesias Vela Vinícius Régis dos Santos
Poesias Tirania e Rancor Vinícius Régis dos Santos
Poesias Grafite Vinícius Régis dos Santos
Poesias A prostituta Vinícius Régis dos Santos

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 14.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 34198 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 34154 Visitas
LÍRIO - Alexsandre Soares de Lima 34124 Visitas
A Carta Gelada - José Rony de Andrade Alves 34108 Visitas
A PRAIA DO PROGRESSO - Rosângela Barbosa de Souza 34105 Visitas
Na caminhada do amor e da caridade - Rosângela Barbosa de Souza 34103 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 34094 Visitas
Como posso desenvolver uma campanha de marketing - Antonio 34087 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 34084 Visitas
A TRISTEZA E O SIM DA VIDA - Alexsandre Soares de Lima 34080 Visitas

Páginas: Próxima Última