Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
ARTE: VOCAÇÃO E PAIXÃO
Tânia Du Bois


     A arte de pensar. A arte de não pensar em nada, desperta a calma. Desperta o silêncio.
     A arte de ler uma obra leva o pensamento ao coração. Deixa a imaginação ir e vir espontaneamente. Entregar-se de corpo e alma ao texto faz sentir o prazer tomar conta de nós. Concentrar-se é manter a expressão, sonhar o melhor, despertar.
     A arte de escrever, fazer literatura, leva-nos a pensar sobre as “estrelas” das letras, que nos embalam no tempo. Respire fundo. Sinta a diferença: alguns literatos que nos provocam sensação de bem estar...
     Castro Alves aos vinte e três anos escreveu O Navio Negreiro. O texto é marco do romantismo brasileiro. O mais célebre poema sobre a abolição. Foi o principal nome do período. Morreu aos vinte e quatro anos.
     Raquel de Queiroz aos dezenove anos publicou O Quinze. O livro é uma das principais obras da literatura regionalista do Brasil.
     Álvares de Azevedo morreu aos vinte e um anos e deixou centenas de páginas de poesia e prosa, que estão entre as mais importantes do romantismo.
     Ferreira Gullar aos vinte e quatro anos publicou A Luta Corporal; com esse livro o poeta começou a busca da linguagem que desembocaria no concretismo.
     José Saramago teve editado o seu primeiro romance importante aos cinquenta e quatro anos.
     Essas artes reproduzem a cultura instalada e criada pelas “estrelas” das letras, e mantém certo poder de encantamento. Conforme Antônio Cândido, “A literatura é uma atividade sem sossego.”
     Na arte da leitura encontramos, detalhadamente em seus livros, a produção de cada um deles que, por sua vez, influenciam e mapeiam a atual literatura, demonstrando vocação e paixão pela arte.
     Tem coisas que não mudam; a paixão pela arte é uma delas; sinônimo de sentimento porque é como estar junto de quem nos faz bem. É estar na companhia de escritores e músicos. Sem sobressalto, curtimos os sons e as palavras, como nas sinfonias de Beethoven e, na literatura, a Sinfonia de Cores, de Helena Kolody ou na Sinfonia de Cores, de Fernando Andrade.
     Essas referências ampliam o nosso horizonte e nos levam a confrontar gostos e opiniões; sair da rotina e experimentar outras sensações; aprendizados, que nos encorajam e ajudam abrir nossas mentes e as tornar criativa. Como em Luiz Felipe Loureiro Comparato, talentoso roteirista que, entre tantas produções, em 1983, escreveu o livro Roteiro, que o projetou culturalmente em muitos países. Seu livro é obra única no gênero. Foi editado em vários países da América Latina, na Espanha, na Itália e em Portugal.
     Sempre um produto de suporte às minisséries, escrito devido à experiência que o autor teve na área: Lampião e Maria Bonita, Malu Mulher, Plantão de Polícia, Carga Pesada e O Tempo e o Vento.
     Para Comparato, no Brasil, não só para sobreviver, mas, para manter o padrão de vida é necessário trabalhar quatro ou cinco vezes além da sua capacidade. No exterior é diferente, as pessoas se envolvem durante quatro meses com um roteiro e, nos outros oito meses, estuda, lê e recompõe suas forças para o próximo trabalho.
     A primeira produção de Comparato no exterior foi em parceria com Gabriel Garcia Marquez, com o original do escritor colombiano, “Alugam-se Sonhos”. Também, trabalhou no roteiro de “O Homem que Descobriu o Paraíso”, programa especial para a televisão soviética sobre a expedição de Langsdorff ao Brasil.
     Comparato diz, “Gosto mais de escrever para o teatro. O desafio é maior. Você tem o desafio do espaço e o desafio do tempo. Você pode delirar...”      
     Essa sabedoria é intensa, quando na arte vivemos a intensidade de como ele mexe com o nosso olhar e pensamento e, ainda, sobre o efeito, sobre nós, da sua vocação e paixão pela cultura.


Biografia:
Pedagoga. Articulista e cronista. Textos publicados em sites e blogs.Participante e colaboradora do Projeto Passo Fundo. Autora dos livros: Amantes nas Entrelinhas, O Exercício das Vozes, Autópsia do Invisível, Comércio de Ilusões, O Eco dos Objetos - cabides da memória , Arte em Movimento, Vidas Desamarradas, Entrelaços,Eles em Diferentes Dias e A Linguagem da Diferença.
Número de vezes que este texto foi lido: 28544


Outros títulos do mesmo autor

Artigos PAULO MONTEIRO reverso VERGÍLIO A. VIEIRA Tânia Du Bois
Artigos O BEIJO Tânia Du Bois
Artigos AMORES versus HORAS Tânia Du Bois
Artigos DIA DA MENTIRA (I) Tânia Du Bois
Artigos TRAÇOS INSTIGANTES: paisagens x imagens Tânia Du Bois
Artigos O reverso do momento Tânia Du Bois
Artigos CASSINO DA MAROCA Tânia Du Bois
Artigos FELIZES para SEMPRE Tânia Du Bois
Artigos AS APARÊNCIAS ENGANAM Tânia Du Bois
Artigos NADA? ESSE É O SEGREDO Tânia Du Bois

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 340.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 40273 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 38701 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 30713 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 30517 Visitas
Amores! - 30035 Visitas
Desabafo - 29838 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 29808 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 29805 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 29764 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 29591 Visitas

Páginas: Próxima Última