Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Santuário do Coração
José Ernesto Kappel

Lá no fundo, bem fundo e milagroso

de nossa vida,

mora o santuário do coração.

 

Lá longe, onde a mente não alcança,

os sentidos tremulam,

e a luz constante afogueia a escuridão,

mora nosso santuário do coração.

 

Na nossa vida,no passar dela,

até seu ocaso,

num dia sanzonal,

você vai pousar

no santuário do coração.

 

Se você é tão sozinho

como os meus,

se você se amarga

com os pobres e desfeitos,

com os descamisados,

e com os de corações sufocados,

verá que já está dento do santuário.

 

Se você é história pra contar,

vida pra se viver,

inspiração de todos os dias,

encanto que arde o coração,

verá que está entrando no santuário.

 

Se você vive o minuto que lhe resta

propagando raízes de cor-jasmim,

abonando dores,

e vivificando desesperados,

que a vida nos trás todos os dias,

num prato, que a maioria rejeita,

por convicção e desamor,

você está às portas do santuário.

 

É lá que a vida pulpita e resvala

para o interior da alma,

e a faz mais viva e repentina,

dona de todos os sentidos,

sem permeios de medos,

sem aparentes receios.

 

É ai que você começa a fazer

parte do santuário do coração.

 

Se já perdeu tanto na vida

- pouco se dá!

Se já  é fruto da humilhação

- muito pouco se dá!

Se já sentiu  o sem sentido

e  foi perambulante, com vazios adornos

magros no espírito:

muito, muito pouco se dá!

 

Você já faz parte do Santuário

do Coração!



Um lugar dos incríveis,

dos serenos amantes,

dos beijos incontroláveis,

de luzes maravilhosas,

de céus adornados por flores

absintas e de cor novel.

 

Um lugar perdido no mundo

e que vive dentro de você:

- o santuário do coração,

onde eu sou sempre

árvore de crescer,

flores de mesas,

adornos de bonecas,

tão férteis em beleza

e encanto que medra

os temerosos de glória!

 

Você acaba de descobrir

o Santuário do Coração,

que começa na minha agonia

e termina na vida,

por mim,por nós,pelo amigo,

pela donzela amada,

por todos, na caravana de

fiéis e amantes,

de ser bom e amado,

lá dentro do nosso

Santuário do Coração!







Santuário do Coração (II)







Ouvindo você toda vez,

toda hora, assim de espírito

aberto,

vejo sua vida,

aberta no santuário do coração.



Sei que lá nasce o sol

e cantarolam pássaros,

florescem arbustos

coloridos,

e bandeiras de paz

tremulam ao vento.



Sei que lá é sua morada.

Sei que arde em seu corpo

o ardor pela vida.



Quando vejo os caldenses da nova era,

misturados a nova ordem

de angústia e caos,

de desesperanças e solidão,

me confundo entre o claro

o escuro dos dois lados da vida.



Então,penso,justo em você,

pois sei que sua estadia

é no santuário do coração,

e imagem sua nem espelho faz.



Sei que estou junto a você

mesmo se a distância de

mil jardas nos surprenda;

mas procuro sua imagem

que floresce nos campos

que me fenecem de ternuras

de antigas cantigas

de ninar.



Sei que estou perto da verdade,

quando mais longe estou dela,

porque  sua luz dorme

em meu pranto,

e me guarda de esperanças,

me tira a sensação de pó

quando chego no seu santuário

do coração.



Lá não há partidas,

e outroras.



Há risos

de crianças,

albergue dos vivos,

fortaleza de amores.



Lá, viver é um dom,

um acontecimento,

um renascimento:

um afogueio de esplendor

e de vida.



No pórtico do santuário do coração

o milagre se faz todos os dias.

O justo milagre de renascer

sem morrer,

de jurar sem pecar,

de ouvir sem falar.



Lá, você vive em mim,

e já não é minha dúvida:

é minha luz

é meu santuário do coração.





Santuário do Coração (III)



Digo mulher!

Digo e não passo!

O que fez comigo, que me cativa?

Você é nobre, é singular,

Não se assustou com meus trapos?

 

Roço seus sentidos,

e,uma nuvem de nome

misterioso, me toma

aquém de minhas forças,

longe de meu poder.

 

Sou tomado e sugado

pelos seus sentimentos,

pelo seu arder de vida,

pela volúpia, que não

esconde,

e sou tomado de você.

 

Sou você e disso não sabe.

Não sei se você me perdoa

pelo que digo,

e se digo, digo de amor.

Se calo, clamo de amor.

 

Posso pedir que não

me falte?

 

Posso pedir lanjedouras de ouro,

que me envolva de seu

sonho.



Que guarda para o

próximo rei,

que, do pórtico de

seu castelo,se aproxima?

 

Diga mulher,

das esperas!

É a nova era !

 

É um beijo

dos eternos,

destes que nos unem

com bondades

e acalentam o

Santuário do Coração!

Número de vezes que este texto foi lido: 53106


Outros títulos do mesmo autor

Poesias O Corcel, a Areia e o Vento José Ernesto Kappel
Poesias Zero no Escuro José Ernesto Kappel
Poesias Coisas Ao Contrário José Ernesto Kappel
Poesias Puro Brandy José Ernesto Kappel
Poesias Santuário do Coração José Ernesto Kappel
Poesias E Se Tudo Fosse Azul ? José Ernesto Kappel
Poesias José Ernesto Kappel
Poesias A Taça e o Vinho José Ernesto Kappel
Poesias Coisas Perenes José Ernesto Kappel
Poesias É Sobre Hoje José Ernesto Kappel

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 464.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
JASMIM - evandro baptista de araujo 69079 Visitas
ANOITECIMENTOS - Edmir Carvalho 57977 Visitas
Contraportada de la novela Obscuro sueño de Jesús - udonge 57630 Visitas
Camden: O Avivamento Que Mudou O Movimento Evangélico - Eliel dos santos silva 55903 Visitas
URBE - Darwin Ferraretto 55222 Visitas
Entrevista com Larissa Gomes – autora de Cidadolls - Caliel Alves dos Santos 55198 Visitas
Caçando demónios por aí - Caliel Alves dos Santos 55078 Visitas
Sobrenatural: A Vida de William Branham - Owen Jorgensen 54961 Visitas
ENCONTRO DE ALMAS GENTIS - Eliana da Silva 54945 Visitas
Coisas - Rogério Freitas 54934 Visitas

Páginas: Próxima Última