Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Sr. Falsete
Tino Nenhures

Quando o Sr. Falsete, à Terra Muda ancorou,
Logo lhe arrancaram o alaúde,
E em seguida a língua.
Como, entretanto, ainda usasse da garganta
para (incontrolavelmente, rebeldemente, estupidamente) se fazer ouvir,
em notas roucas e murmúrios selvagens,
Arrancaram-lhe a laringe e as cordas vocais.
Como, ainda assim, fizesse
(incontrolavelmente, estupidamente, rebeldemente)
do corpo instrumento de percussão,
Primeiramente lhe deceparam as mãos,
Em seguida os pés e,
mais tarde, os dentes,
que feriam o imaculado silêncio daquele lugar
com seu tac tac agudo incessante.
E como, futuramente,
descobrisse nas orelhas um meio
de (incontrolavelmente, estupidamente)
suprir sua necessidade de música,
privaram-no destas juntamente com os cotos dos braços.
Mas, felizmente (lamentavelmente),
ainda lhe restavam cabeça, tronco e os cotos das pernas,
e por meio destes, em parceria com a estrutura
do quadrado que o enjaulava,
sua “música” continuou
(incontrolavelmente, desesperadamente, estupidamente),
a ressoar na Terra Muda.
Então rasgaram-lhe a coluna,
trabalharam ali com serra e machadinha,
e o mataram do pescoço para baixo.

Quando o Sr. Falsete, à Terra Muda navegou,
com a ideia estúpida e febrilmente desencorajada de compartilhar,
Através da sua música,
as maravilhas e belezas do mundo do sol,
já sabia perfeitamente que seria enxotado,
porém não imaginava, que à sua insistência,
fariam-no prisioneiro,
tanto desta soturna terra quanto de si mesmo.

… não obstante,
abandonado sozinho e miserável
nas sombras daquela cela fria,
O Sr. Falsete, que jamais suportaria viver sem música,
fez, num derradeiro e incontrolável ato de desespero,
rebeldia e, obviamente, estupidez,
da própria respiração um reprodutor
das notas trancafiadas em seu peito.
Ele inspirou e expirou,
inspirou e expirou,
inspirou e expirou,
ruidosamente, profundamente, furiosamente,
até que vieram e cortaram-lhe a cabeça,
que foi, por fim, servida ao rei da Terra Muda.


Biografia:
Tino Nenhures nasceu no Estado da Bahia e vive atualmente no Rio de Janeiro. Amante das letras, da natureza e do rock and roll, fica deprimido e às vezes espumando à sua falta.
Número de vezes que este texto foi lido: 47333


Outros títulos do mesmo autor

Contos A Bela Adormecida (a versão nunca contada) Tino Nenhures
Contos Ativo Tino Nenhures
Poesias Ecos e vislumbre Tino Nenhures
Contos Sim, pode apagar a luz Tino Nenhures
Poesias Regresso tardio Tino Nenhures
Poesias Sr. Falsete Tino Nenhures


Publicações de número 1 até 6 de um total de 6.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
O cocheiro - Onihara 50256 Visitas
Na caminhada do amor e da caridade - Rosângela Barbosa de Souza 50066 Visitas
La senda de las flores oblicuas - Eva Feld 50029 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 50004 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 49996 Visitas
Entrevista com Larissa Gomes – autora de Cidadolls - Caliel Alves dos Santos 49799 Visitas
Caçando demónios por aí - Caliel Alves dos Santos 49796 Visitas
saudades de chorar - Rônaldy Lemos 49783 Visitas
NÃO FIQUE - Gabriel Groke 49755 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 49719 Visitas

Páginas: Próxima Última