Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O Período Regencial e os movimentos separatistas
Caliel Alves dos Santos

Resumo:
Artigo tratando do período regencial no Brasil e os movimentos separatistas que interferiram no processo político do início do século XIX.

Após a abdicação de D. Pedro I nos anos 30 do século XIX, o Brasil passou por grandes transformações políticas e sociais. Um momento marcado por revoltas e insurreições. O país recém-nascido sofreu com pressões externas. Vários são os elementos a serem estudados.
     Marco Morel (2003) em um de seus livros, revela que para além das questões políticas, havia todo um contexto de discussão sobre a escravidão. Desde os Tratados de Amizade e Livre comércio no fim do reinado de D. João VI, o Império do Brasil já sofria com a repressão ao tráfico de escravos no Atlântico.
     “Republicanos” e liberais antes do final do século XVIII questionavam não apenas a Monarquia, mas também a legitimidade da escravidão. Os ecos da Conjuração Baiana se farão ouvir nos anos de 1800. As regências, seguindo à moda da “era das revoluções”, como bem nos lembra Eric Hobsbawm (1990), modifica as relações de poder por inteiro.
     Em artigo de João José Reis (2000), vemos que a influência da Revolução Francesa e o haitianismo abalam as regências. Ocorreram dezenas de revoltas pelas províncias, dentre elas: Revoltas dos Malês e Sabinada (Bahia); Cabanagem (Pará); Cabanada (Pernambuco e Alagoas); Balaiada (Maranhão); Manuel Congo (Rio de Janeiro); Farroupilha (Rio Grande do Sul). Há outros eventos localizados, e alguns ainda pouco estudados.
     As reivindicações eram variadas, bem como as suas motivações. A Sabinada e a “Proclamação da República Juliana do Sul” tinham cunho separatistas. A Revolta das Carrancas em Minas nasce de um golpe civil-militar na província, abrindo brecha para mobilização dos escravos da região se rebelarem contra os seus senhores.
     As regências não foram unas no sentido de uma coordenação de ações governamentais (op. cit., 2003). Com a abdicação do Imperador, assume uma Regência Trina Provisória que propôs diversas reformas liberais, todas rejeitadas pelos senadores e o Conselho de Estado.
     A Regência Trina Permanente promoveu algumas reformas, mas nenhuma alterou as relações de poder ou o sistema escravista. Nem os conflitos intestinos e a repressão inglesa ao tráfico foram capazes de abalar a escravidão, o que só fez aumentar o número de cativos a partir de 1834 (MAMIGONIAN, 2009).
     A Primeira Regência Una, foi a do Padre Feijó, Ministro da Justiça e preceptor do príncipe D. Pedro, futuro imperador. O que marcou o seu governo foi o seu conflito com os dogmas do clero, a descentralização, a reforma no sistema judiciário e o Código Criminal. Após a sua abdicação, iniciou-se a Regência Una de Araújo Lima, o Marquês de Olinda. Partidário dos chimangos, centralizou o poder e reforçou as milícias. Transformando as forças militares do país em claro instrumento de repressão política.
     O que fica evidente nessa década de regência civil é a massiva participação popular na política nacional. Além disso, podemos evidenciar a divisão partidária que se acentua ao longo dos anos. As regências terminaram com o Golpe da Maioridade. A figura do Imperador era um catalizador político necessário à legitimação do sistema escravocrata e da unidade Nacional.



REFERÊNCIAS

HOBSBAWM, Eric. Nações e nacionalismo desde 1780: programa, mito e realidade. Trad. Maria Célia Paoli, Anna Maria Quirino. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.
MAMIGONIAN, Beatriz Gallotti. A proibição do tráfico atlântico e a manutenção da escravidão. In: GRINBERG, Keila; SALLES, Ricardo (orgs.). Brasil Império, volume I, 1808-1831. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009. p. 207-233.
MOREL, Marco. O período das Regências (1831-1840). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.
REIS, João José. Nos achamos em campo a tratar da liberdade: a resistência negra no Brasil oitocentista. In: MOTA, Carlos G (org.). Viagem incompleta. A experiência brasileira. São Paulo: SENAC, 2000. p. 129-175.


Biografia:
Caliel Alves nasceu em Araçás/BA. Desde jovem se aventurou no mundo dos quadrinhos e mangás. Adora animes e coleciona quadrinhos nacionais de autores independentes. Começou escrevendo poemas e crônicas no Ensino Médio. Já escreveu contos, noveletas, resenhas e artigos publicados em plataformas na internet e em algumas revistas literárias. Desde 2019 vem participando de várias antologias como Leyendas mexicanas (Dark Books) e Insólito (Cavalo Café). Publicou o livro de poemas Poesias crocantes em e-book na Amazon.
Número de vezes que este texto foi lido: 54881


Outros títulos do mesmo autor

Resenhas Rosas cor de sangue Caliel Alves dos Santos
Resenhas A arma faz o bom soldado Caliel Alves dos Santos
Resenhas No inferno? Queime! Caliel Alves dos Santos
Ensaios Naruto e a pedagogia do oprimido Caliel Alves dos Santos
Resenhas Arte perfeita e destrutiva Caliel Alves dos Santos
Resenhas Era uma vez na Segunda Guerra Mundial Caliel Alves dos Santos
Resenhas Desçamos todos a cova Caliel Alves dos Santos
Resenhas No espaço sem fronteiras Caliel Alves dos Santos
Resenhas À espreita do insólito Caliel Alves dos Santos
Resenhas Guardando na memória para depois me alembrar Caliel Alves dos Santos

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 139.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
A FARSA DA USURA - fabio espirito santo 55301 Visitas
O Senhor dos Sonhos - Sérgio Vale 55293 Visitas
Jazz (ou Música e Tomates) - Sérgio Vale 55268 Visitas
A Magia dos Poemas - Sérgio Simka 55249 Visitas
amor feito desejo... - natalia nuno 55249 Visitas
A margarida que falou por 30 dias - Condorcet Aranha 55245 Visitas
A calça preta - Condorcet Aranha 55241 Visitas
Amores! - 55232 Visitas
Menino de rua - Condorcet Aranha 55227 Visitas
A FORMIGUINHA - Jonas de Barros Vasconcelos 55211 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última