Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Conjuração Lunar - parte 7
Caliel Alves dos Santos

Resumo:
A conjuração está chegando ao final, a sorte está lançada.

A luz era intensa em seu rosto, um gongo soava em sua cabeça. Depois da luz diminuir sua intensidade, ele percebeu que estava numa sala úmida, algemado e amordaçado, recostado a um canto do catre em posição fetal. A sua volta estava Leopold e dois guar-das. Ambos cochichavam quando perceberam que o espião havia acordado. O líder da conjuração estapeou o rosto de Tobias, depois retirou sua mordaça. O militar piscou os olhos, depois focou nos seus captores.
    — Não esperei que mandassem outro tão rapidamente, tivemos que antecipar os nos-sos preparativos — disse Leopold.
    — Cristophe, Cristophe, sabe muito bem que a UTE não brinca em serviço — res-mungou o agente secreto ironicamente.
    — Este cão ainda tem bom humor — retrucou o conjurado sorrindo entre os dentes, com uma bicuda, ele silenciou o seu interlocutor.
    — Devemos matá-lo Grande Líder? — perguntou um dos guardas apontando uma submetralhadora na testa do militar.
    — Ele ainda pode nos ser útil — respondeu Leopold secamente.
    — Não acha que ele deve ser perigoso Grande Líder? Afinal de contas ele eliminou o Haaji no hotel, um dos seus melhores mercenários — aconselhou o outro guarda.
    Depois de hesitar por um instante, o próprio lunar pegou a arma e mirou Tobias.
    — Uou, uou, uou, esperem — falou o agente secreto sorrindo de modo desvairado.
    — Porque este idiota está a sorrir? — observou um guarda.
    — Deve estar se tremendo de medo.
    — Não seus idiotas, o outro implorou até o último momento antes de nos dar tudo o que sabia, tem algo errado aqui — e como o outro não parava de rir, Leopold ficou ainda mais pensativo —, diga logo cão sarnento, o que está escondendo?
     — Sorria você está sendo filmado! — ironizou Tobias.
     — Não blefe comigo seu... — antes que pudesse aplicar uma coronhada no prisionei-ro, uma enorme explosão sacudiu a saleta, as luzes se piscaram por alguns segundos, su-ficientes para o espião se levantar e contra-atacar os seus adversários.
    O primeiro a morrer foi o guarda a sua direita, estrangulado pelas algemas. O segundo morreu com um chute desferido no abdômen, indo morrer chocando sua cabeça contra a quina da porta. Só restava o Grande Líder. Entretanto ele tinha uma submetralhadora, e Tobias estava no lado errado da arma.
   — Parece que é o fim da linha pra você — disse o conjurado arreganhando os dentes alvos por debaixo de seu espesso bigode.
    Por descuido do velho militar em apertar logo o gatilho ou por acaso de uma nova explosão, está muito mais perto que a anterior, fez o tiro atingir o bíceps esquerdo ao invés do coração do agente secreto. Ambos tombaram no chão. Leopold entretanto ha-via caído mais distante da arma e mais perto da porta. Enquanto as luzes piscavam como vagalumes, ambos os inimigos se encaravam. Tobias não podia usar a arma, mas podia muito bem ser mais forte que o alto oficial de 53 anos.
    O outro preferiu debandar. Rapidamente, o espião retirou a lente de contato do olho esquerdo e a amassou com as pontas dos dedos e a colocou na fechadura da algema. Depois disso ele molhou a mesma de saliva. Depois de alguns segundos, a goma foi ad-quirindo uma forma cada vez mais metálica. Em poucos segundos, a goma metalizada rompeu a algema. Tobias pegou a submetralhadora e empreendeu uma corrida.
    Pelos corredores labirínticos da antiga mina abandonada, atual QG dos conjurados, tiroteios e gritos ecoavam ensurdecedores. No entanto, o militar não perdia sua presa de vista. Leopold não estava mais em pleno vigor físico, além do grande stress de ter os seus planos abortados de maneira tão drástica e definitiva. O conjurado ao perceber que não podia se desvencilhar de seu perseguidor, montou tocaia atrás de um tubo de refri-geração.
    — Como descobriram nossa localização? — gritava o velho lunar enquanto disparava sua pistola.
    — Através de transmissão em sinal analógico, minha lente de contato é uma câmera com um microtransmissor de ondas de rádio, esse tipo de transmissão está obsoleto na própria Terra, foi fácil burlar as defesas — mais três tiros foram disparados. — Com esses já foram cinco, você sabe que essa pistola só tem mais dez balas não é?
    — Ah! Maldito, tome isto, tome seu cão — dizia o velho enquanto disparava sem parar.
    — Game over — disse Tobias de modo triunfante. — Saia com as mãos pra cima, e largue a pistola, não queremos que se machuque à toa.
    A pistola foi jogada bem perto do agente secreto, Leopold saiu de trás do tubo com as mãos erguidas para o alto, mas com as mãos fechadas.
    — O que está escondendo aí?
    — O jogo nunca acaba para homens como eu...
    Ao abrir os dedos, era visível uma granada. O clipe girava no dedo indicador da mão esquerda do velhote. Sua feição havia contraído um aspecto doentio. Ele discursou:
    — O sacrifício de todos os meus homens não será em vão, e mesmo que eu caía neste dia, meu nome será escrito na história com sangue e honra, urgh...
    Não pôde completar, o teto desabou em cima dele, seguida da explosão da granada. Destroços ensanguentados voaram na direção de Tobias que se protegeu adentrando outro corredor. O agente secreto tocou a sua lente de contato, e textos informacionais em realidade aumentada apareceram. No canto superior direito da tela estava a imagem de um líder de esquadrão liderando um ataque aos conjurados. Na tela dividida a es-querda, a central de inteligência da UTE explicando em que nível estava a invasão.
    Um scanner tridimensional mostrou a que distância a cavalaria se encontrava dele. Leste, dobrando dois corredores em direção ao próximo andar ele pegaria um grupo de conjurados com a guarda baixa. Tobias apressadamente verificou o pente da sua arma e correu na direção oposta, passando por cima da sepultura improvisada pelo destino.


Biografia:
Comecou a escrever depois de um concurso em sala de aula. Dois anos depois ele publicou seu primeiro livro.
Número de vezes que este texto foi lido: 223


Outros títulos do mesmo autor

Resenhas A paixão como eterno crime culposo Caliel Alves dos Santos
Resenhas Os sonhos não acabam Caliel Alves dos Santos
Resenhas Uma mão sempre arruma uma boa luva Caliel Alves dos Santos
Resenhas Bem-vindo ao Mundo Fantástico Caliel Alves dos Santos
Resenhas Literatura eletrizante! Caliel Alves dos Santos
Resenhas Eternas aventuras de meninos Caliel Alves dos Santos
Resenhas A nova onda cyberpunk Caliel Alves dos Santos
Resenhas Costurando as lembranças de uma vida Caliel Alves dos Santos
Resenhas Um pequeno livro de grandes coisas Caliel Alves dos Santos
Resenhas O olho que tudo vê Caliel Alves dos Santos

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 81.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 58016 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 53103 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39361 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 35013 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 34201 Visitas
Amores! - 33433 Visitas
Desabafo - 33060 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 31824 Visitas
Faça alguém feliz - 31772 Visitas
Vivo com.. - 31483 Visitas

Páginas: Próxima Última