Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Assim disseram as estrelas
Carlos Correa

E então eu volto ao mar
Já quase deixando de existir o receio ou a mágoa
Porque assim me diziam as estrelas
Enquanto sentia o toque frio em meus pés
Convidando suavemente a nele misturar-me
Como o cão que arranha a perna
Na esperança de fazer o homem segui-lo

Da costa o vento me traz uivos solitários
Alcateias desfeitas
Crianças que esperam as respostas desse mesmo vento
Choram e maldizem a permanência do vácuo
Não escutam e não conseguem ser ouvidas
E as lágrimas se combinam às gotas do mar
Lançadas pelas ondas
Transformando-se em maresia

Fluido dolorido esse
Que ao tocar o solo
Se converte em lindas canções e poesias
Solidão que ganha ritmo e palavras

Questiono então a razão de tal fenômeno
Não, não consigo aceitar que expressões tão sublimes
Sejam provenientes unicamente da dor
E vejo o quanto podemos ser ingratos e egoístas

Procuramos e encontramos as estrelas
Quando nos vemos na escuridão
Percorremos o caminho de nossa alma
Quando sozinhos nos vemos sem qualquer opção

Sim eu sei não são todos assim
Mas por vezes quando se aproximam as estrelas
Quando o vento volta a soprar
Esquecemos de agradecer

E deveríamos voltar repletos de gratidão e sorrisos
Seguir o caminho percorrido
Maravilhosas canções e poesias
A alma magnetizada pela fé também pode trazer
Fazendo-nos suspirar de encanto
E acreditem são ainda mais belas
Porque a gratidão é uma das mais graciosas virtudes

E aqui no meio de tudo
Onde o véu que nos separa permanece suspenso
Posso ver e sentir onde nasce a maresia

Correntezas se alternam a tentar nos guiar
As aparentes mais suaves e coloridas
Garantem nos levar à terra firme e prometida
E seduzidos por suas juras acabamos abraçados à tempestade
Devolvidos sobre pedras cercados por essa mesma maresia
Arrependimento, ou não

Se tivéssemos tido a coragem de enfrentar as ondas bravias
Do outro lado estariam as sinceras e verdadeiras estrelas
Aguardando-nos em solo
Onde a brisa nunca salga a pele

Retornaremos de volta ao mar
Quantas vezes forem necessárias
Até aprendermos a superá-lo
Não por sorte
Mas pela certeza do que nos aguarda
Assim disseram as estrelas
As mesmas que estão ali por toda parte a nos guiar

Então de asas molhadas a ave que me acompanha
Devolve-me à areia molhada
O toque frio me desperta
Olhando as estrelas e a coruja que se vai
Chamo o vento e agradeço
Obrigado

Carlos Correa

Número de vezes que este texto foi lido: 28573


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Apaixone-se Carlos Correa
Poesias Em algum tempo em algum lugar Carlos Correa
Poesias O Menino de Azul Carlos Correa
Poesias Noite das Bruxas Carlos Correa
Poesias De volta ao piano Carlos Correa
Poesias Quase perfumado Carlos Correa
Poesias Sob os verdadeiros véus da face Carlos Correa
Poesias Entre sonhos e canções Carlos Correa
Poesias Uivos sobre a neve Carlos Correa
Poesias Delírios Carlos Correa

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 25.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 66230 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 55157 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 43709 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 43330 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 42941 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 40868 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 39775 Visitas
Amores! - 38242 Visitas
Desabafo - 37483 Visitas
Amor e Perdão - Amilton Maciel Monteiro 37426 Visitas

Páginas: Próxima Última