Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
ANDRÔMEDA & ANDROMAQUE
manoel serrão da silveira lacerda

Oh Deosa de Cefeu -, Andrômeda da Etiópia -, Gioconda, Odara. Ó vós que d’alli em d’oira hora vira Zeus -, fleur do Olympo – anunciada florescer.

Ó Nubae em veste d’alva saia qu' entre as Ninfas de Nereu foras por Cassiopéia a mais bela de todas proclamada. Ó vós que por Poseidon o ânimo em fúria desperta por Nereu ao teu belo, o fragelo, foras n’uma rocha açoitada.

Ó Grega que de Cetus e de Phineus por Perseu com as cãs da Medusa foras salva, e quão por amour fou deu-lhe o destino, a quem o herói se casara. Ó vós Bem-Aventurada, que por Atena – a culta e sábia - ungida à galáxia foras eternizada.

Ó Andrômeda spectac’lo de Bengala! Ó sê sábia, que doravante ninguém tema na mais escura noite, que se apague da esp'rança o último clarão da vossa face.

Ó quasar sê sábia, escutais a queixa silenciosa das coisas... Ó escutais!!! Doravante
quando silente s’espalhar a solidão que a poesia por cá aquietai-nos n'um só instante e povoai-nos os corações de amor e paz. Ó sabeis, silenciar é a forma de melhor dizer a vida que há e aquela que está por vir. Sim que o silêncio ao homem se fale! Nunca o silêncio estulto que apaga o outro.

Oh! Andrômaca troiana, paixão insana de Pirro, rainha apeada levada ao claustro. Ó vós que d’alli do Époro, - o plasma de Aquiles -, a Orestes por inveja à Heitor em trágica hora a cria lh'a fez cair nas mãos e co' as fúrias à morte, - o vil - ordenara.

Ó Andrômaca dos versos alexandrinos de Racine!!! Obra de raro engenho, de ardor acendido, exclamo-a: Por que té' gora só dest' ao herói a luta em vão o fado, e por destruí-lo uma paixão sempre o acaba?

Ó Andrômaca dos versos trágicos de Corneille!!! E di-lo o herói: ó mal sabeis Andrômeda, o trágico, dono do próprio destino, aqui é maior que a própria sorte.

Não vês – Inda agora: Ó Andrômaca à luz de Barthes! Não vês que sois o elo num só anel de fogo, pó e água - Ó são terras áridas entre o deserto e o mar, a sombra e o sol fulgor - E o mar? O mar importa como utopia de fuga do realismo ingênuo.

E ei-la [a] de Barthes: um só nada vazio sem pejo, um desvaler, mas sempiterna aberta preenchida e significada.

Ó n'umas justas a gloria merecida: Sejais vós Andrômada o mito ou Andrômaca casta como o trágico a metáfora é o laço maior da liberdade. Não vês, a poesia é o risco de arriscar-se a perder o rumo aonde quer que ela nos leve, sim: será sempre o lugar certo.

Vede, entre presságios, se não credes no que o oráculo de Perseu predissera: ó mal sabeis como são corna musa sem métricas os meus versos de aprendiz sem estética. Mal sabeis! Mas lá 'stão! Lá ‘stão além d’ eles a plêiade sem temor e tod’alma d’ ave-grou em verbo e carne.

Ó Andrômaca, vós que habitas em fulgidas mansões siderais e todos... Ou nas hecatombes a grei do silêncio à voz da poesia nem os blazares as calara! Ó vês, sem visar a verdade, o poema, chega, a outra verdade: à verdade de sê-lo apenas Belo. Então que ressoem as harpas e as parkers dos Bardos e seremos todos tantos uma só odisseia rumo a um só lugar onde o que se vê raras vezes é o que se vê o infinito.

Ó vim dizer-to: consola-te, pois, com as vossas estrelas, como silentes, incriados e eternos à busca do além no fazer poético, os Poetas catam palavras em versos devotados escritas nas Poesias endereçadas ao Universo, quão naquilo que foi bem feito: transformam o Mundo.











Biografia:
Número de vezes que este texto foi lido: 33804


Outros títulos do mesmo autor

Poesias LOBSHOMEM manoel serrão da silveira lacerda
Poesias NEURA TRIBAL manoel serrão da silveira lacerda
Poesias ÁLIBIS manoel serrão da silveira lacerda
Poesias APRENDIZ manoel serrão da silveira lacerda
Poesias PÓSTUMO manoel serrão da silveira lacerda
Poesias AUSCHWITZ manoel serrão da silveira lacerda
Poesias O BELISCÃO manoel serrão da silveira lacerda
Poesias A TRINDADE manoel serrão da silveira lacerda
Poesias ANFÍBIOS manoel serrão da silveira lacerda
Poesias ALMA QUÂNTICA manoel serrão da silveira lacerda

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 64.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 52712 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 44646 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 43857 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 42128 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 41534 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 41305 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 41301 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 41131 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 40897 Visitas
A PRAIA DO PROGRESSO - Rosângela Barbosa de Souza 40861 Visitas

Páginas: Próxima Última