Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Provérbios 26
Silvio Dutra


Provérbios 26




Silvio Dutra




Mar/2016







A474
            Alves, Silvio Dutra
                  Provérbios 26./ Silvio Dutra Alves. – Rio de Janeiro,
                  2016.
                  38p.; 14,8x21cm

                 1. Teologia. 2. Salomão. 3. Estudo Bíblico.
             I. Título.
                                                        
                                                                             CDD 230.223




Provérbios 26
1 Como a neve no verão, e como a chuva na sega, assim não fica bem para o tolo a honra.
É uma coisa muito comum dar honra aos tolos, que são totalmente indignos dela e impróprios para ela. Os homens ímpios, que não têm nem habilidades, nem graça, costumar ser preferidos por governantes, e aplaudidos pelo povo.
É muito absurdo e impróprio quando isto ocorre. É algo incoerente como a neve no verão, e como a chuva na época da colheita, o que dificulta os trabalhadores e estraga os frutos da terra, quando eles estão prontos para serem colhidos.
Quando os ímpios estão no poder eles geralmente abusam do seu poder, e desencorajam a prática da virtude, para poderem atender às suas conveniências erradas.
Esta é a razão de um comandante desonesto colocar à frente da tesouraria da unidade que ele dirige, um oficial tesoureiro também desonesto que lhe facilite as práticas de desvio de recursos, em benefício de ambos. Todavia, ocupam cargos em que são honrados pelas patentes que possuem.
Ser honesto e digno em seus procedimentos, especialmente no ambiente de trabalho, é o dever de todo homem, e disto darão contas a Deus no dia do juízo, da mordomia que fizeram ao usar os bens que foram colocados debaixo do seu cuidado e administração.      










2 Como ao pássaro o vaguear, como à andorinha o voar, assim a maldição sem causa não virá.
Aqui está a loucura da paixão. Ela faz os homens proferirem maldições sem causa, desejando mal aos outros mediante presunção de que eles são maus e têm feito o mal, interpretado de forma errada a pessoa ou o fato, ou por considerarem o mal como bem, e o bem como mal.
Um tolo troveja os seus anátemas contra tudo o que ele está desgostoso, seja certo ou errado. Grandes homens, quando ímpios, acham que têm um privilégio para manter aqueles sobre os quais se encontram, em temor, amaldiçoando-os, e xingando-os, o que revela tanto a expressão da sua maldade, quanto a sua fraqueza e inabilidade para suportarem e resolverem situações que exigem sabedoria e paciência para serem resolvidas.
Aquele que é amaldiçoado sem causa, seja por imprecações furiosas ou anátemas solenes, não sofrerá qualquer mal, assim como os pássaros que voavam sobre a cabeça de Davi não poderiam lhe fazer qualquer mal, quando ele estava sendo amaldiçoado por Golias. Eles vão voar para longe, como o pardal ou a andorinha, que se dirigem para o seu refúgio, e ninguém saberá onde encontra-los depois.
Somos proibidos pelo evangelho a amaldiçoar a quem quer que seja, ainda que nos amaldiçoem, persigam ou ajam como nossos inimigos.
O crente foi chamado para abençoar e não para maldizer.
   













3 O açoite é para o cavalo, o freio é para o jumento, e a vara é para as costas dos tolos.
Cavalos e jumentos selvagens podem ser conduzidos somente por meio do uso de açoite e freio.
A eles são comparados os tolos que se deixam governar e obedecer a quem é devido, somente por meio de açoites.
A vara da correção de Deus sempre brande nas costas de seus filhos desobedientes que necessitam ser disciplinados, e que não o permitiriam por outro modo, como se vê na epístola aos Hebreus.







4 Não respondas ao tolo segundo a sua estultícia; para que também não te faças semelhante a ele.
5 Responde ao tolo segundo a sua estultícia, para que não seja sábio aos seus próprios olhos.
Veja aqui a nobre segurança do estilo de escritura, no que parece contradizer a si mesma, mas realmente não.
É preciso sabedoria para lidar com os tolos; no que tange a saber quando se deve manter o silêncio e quando falar, pois pode haver um tempo para ambos.
Em alguns casos, um homem sábio não irá equiparar a sua habilidade à de um tolo a ponto de lhe responder de acordo com sua insensatez.
Se ele se orgulhar de si mesmo, não lhe responda com vanglória de ti mesmo. Se ele falar apaixonadamente, não fales apaixonadamente também. Se ele contar uma grande mentira, não digas outra. Se ele caluniar os teus amigos, não faças qualquer calúnia ou concorde com o que ele diz. Se ele fizer chocarrices (brincadeiras de mau gosto), não lhe respondas em sua própria língua , para que não sejas como ele, ainda que tenhas um conhecimento melhor das coisas em que poderia ser ensinado, mas percebes que se interessaria em aprender, e muito ao contrário, ficaria irado com o fato de ser contraditado.
No entanto, em outros casos, um homem sábio vai usar sua sabedoria para a condenação de um tolo, quando, ao tomar conhecimento de que no que ele diz, possa haver esperança de fazer o bem, ou pelo menos evitar mais, prejuízo, quer para si próprio ou para terceiros.
Então, partindo do que ele tiver proferido pode ser acrescentado algo que conduza a um verdadeiro bem.
Nesse caso é possível que ao ver que a tua interposição apontou para um caminho melhor, o tolo não terá ocasião de se gabar de um sabedoria que pensava ter, e que por fim entendeu que há uma sabedoria verdadeira e melhor.
Quantos não chegam ao arrependimento e à conversão, por este processo, uma vez que o Espírito Santo pode levar o tolo a se convencer da sua condição e aspirar por obter a verdadeira sabedoria que há em conhecer a Jesus Cristo e a Sua Palavra.
Especialmente nos assuntos relativos à religião a “sabedoria” do mundo vai justificar a sua rejeição da verdadeira sabedoria que procede de Deus, com base nos mais variados argumentos, que vão desde a rejeição de um estilo de vida mais estrito e recolhido como exemplificado no ministério de João Batista, até o estilo mais livre e aberto que temos no ministério do próprio Senhor Jesus Cristo. A liberdade que o evangelho dá aos crentes, não era concedida a João Batista, na condição de nazireu que era, segundo a Lei do Velho Testamento.

Por isso Jesus dirigiu aos judeus as seguintes palavras:

“Mas que saístes a ver? um profeta? Sim, vos digo, e muito mais do que profeta.
Este é aquele de quem está escrito: Eis que envio o meu anjo diante da tua face, O qual preparará diante de ti o teu caminho.
E eu vos digo que, entre os nascidos de mulheres, não há maior profeta do que João o Batista; mas o menor no reino de Deus é maior do que ele.
E todo o povo que o ouviu e os publicanos, tendo sido batizados com o batismo de João, justificaram a Deus.
Mas os fariseus e os doutores da lei rejeitaram o conselho de Deus contra si mesmos, não tendo sido batizados por ele.
E disse o Senhor: A quem, pois, compararei os homens desta geração, e a quem são semelhantes?
São semelhantes aos meninos que, assentados nas praças, clamam uns aos outros, e dizem: Tocamo-vos flauta, e não dançastes; cantamo-vos lamentações, e não chorastes.
Porque veio João o Batista, que não comia pão nem bebia vinho, e dizeis: Tem demônio;
Veio o Filho do homem, que come e bebe, e dizeis: Eis aí um homem comilão e bebedor de vinho, amigo dos publicanos e pecadores.
Mas a sabedoria é justificada por todos os seus filhos. (Lucas 7.26-35)
Veja que Jesus se refere à sabedoria dos que reconheceram a procedência divina e celestial tanto no seu ministério, quanto no de João Batista, como sendo a verdadeira sabedoria que é justificada por todos aqueles que nasceram de novo, pois é pela justiça do evangelho que tanto João e nosso Senhor anunciavam que o homem é perdoado e justificado por Deus.
Ninguém é salvo e aceito por Deus por recusar ou aceitar determinados alimentos ou modo de se vestir, como costumam fazer os que são apenas religiosos e não convertidos de fato, mas por se arrependerem e crerem no evangelho.
Nosso Senhor Jesus era de uma conversa mais livre e aberta do que a de João; ele veio comendo e bebendo (v. 34) pois não estava debaixo dos votos do nazireado exigidos no Velho Testamento, uma vez que veio introduzir um Novo Testamento.
Ele iria jantar com fariseus, embora soubesse que em sua maioria eles não se importariam com ele; e também com os publicanos, embora soubesse que um grande número deles não lhe dariam qualquer crédito; mas, ainda, na esperança de fazer o bem, tanto para um grupo quanto ao outro, ele conversava familiarmente com eles.
Por isso, parece que os ministros de Cristo podem ser de muitos tipos diferentes de temperamentos e disposições, tanto na maneira da pregação e de vida, e ainda todos serem bons e úteis; na diversidade de dons que é dada a cada um para o proveito comum.
Portanto, ninguém deve fazer-se um padrão para todos os outros, nem juiz daqueles que não fazem exatamente como eles fazem.
João Batista deu testemunho de Cristo, e Cristo elogiou João Batista, embora fossem o inverso um do outro no seu modo de viver.
Mas os inimigos comuns de ambos os acusavam. Os mesmos homens que tinham descrito João como louco em seus intelectos, porque ele veio não comendo nem bebendo, descreviam nosso Senhor Jesus Cristo como corrupto em sua moral, porque ele veio comendo e bebendo; ele é um homem comilão e bebedor de vinho, diziam.
A má vontade nunca fala bem. Veja a malícia das pessoas más, e como elas colocam a pior interpretação em tudo que encontram no evangelho, e nos pastores e mestres do mesmo; e por este meio, pensam que podem depreciá-los, senão, até mesmo destruí-los; sem saber que é Deus que mantém o testemunho de Jesus Cristo na terra pelo poder do Espírito Santo, através de todos os que foram justificados pela fé.
Por isso, apesar de toda essa rejeição, Jesus disse que Deus será glorificado na salvação de um remanescente escolhido (v. 35); pois a sabedoria é justificada por todos os seus filhos. Há aqueles que são dados à sabedoria como seus filhos, e eles serão conduzidos pela graça de Deus para se submeterem à conduta e governo da sabedoria, e, assim, para justificar a sabedoria nas formas que ela apresenta para trazê-los à submissão à justiça e à verdade.
Nós podemos confirmar o uso do sentido do verbo justificar que Jesus faz no verso 35, com o mesmo que é feito no verso 29, quando diz que:
“E todo o povo que o ouviu e os publicanos, tendo sido batizados com o batismo de João, justificaram a Deus.”
Vemos assim que do mesmo modo que os que creram na pregação de João deram testemunho de serem de Deus, de igual forma os que creram tanto na sua pregação do evangelho quanto na de Jesus, deram testemunho de pertencerem à sabedoria divina, da qual se tornaram filhos.
No texto paralelo de Mateus 11.19 nós lemos: “Veio o Filho do homem, comendo e bebendo, e dizem: Eis aí um comilão e bebedor de vinho, amigo de publicanos e pecadores. Entretanto a sabedoria é justificada pelas suas obras.”
Temos aqui em vez de “a sabedoria justificada por todos os seus filhos”, do evangelho de Lucas, “a sabedoria é justificada pelas suas obras”, ou seja, é pelos seus efeitos verdadeiros e salvíficos que a sabedoria que procede de Deus é reconhecida, a saber, é justificada por ser verdadeira pelas obras que realiza na vida daqueles que a possuem.
Tiago se refere a isto em outras palavras, dizendo que a verdadeira fé que salva é reconhecida pelas obras que ela produz na vida daqueles que são salvos por meio dela.
E quais são estas obras?
Principalmente, justificação, regeneração, santificação e glorificação.
Os que não são tolos para Deus são aqueles que nasceram de novo do Espírito Santo, e por cujo trabalho em suas vidas, a sabedoria divina vai sendo implantada cada vez mais, à medida da consagração dos mesmos.








6 Os pés corta, e o dano sorve, aquele que manda mensagem pela mão dum tolo.
7 Como as pernas do coxo, que pendem flácidas, assim é o provérbio na boca dos tolos.
8 Como o que arma a funda com pedra preciosa, assim é aquele que concede honra ao tolo.
9 Como o espinho que entra na mão do bêbado, assim é o provérbio na boca dos tolos.
Salomão mostra aqui que os tolos não são aptos para qualquer desígnio útil e verdadeiro, pois suas mentes e espíritos não são parelhas à mente e ao espírito de Deus, e assim não podem conhecer e nem viver a verdadeira sabedoria.
Eles não são aptos para que lhes seja confiada qualquer missão; e assim, aquele que enviar uma mensagem pela mão de um tolo, de uma pessoa descuidada, que não pode aplicar sua mente a qualquer coisa que seja séria, será certamente prejudicado, porque o tolo não é responsável em tudo o que faz (verso 6).
Um tolo pode inspirar e trazer desgraça ao homem que fizer uso do seu serviço, porque as pessoas estarão aptas a julgar o mestre por seu mensageiro.
O tolo não possui um caráter firme e estável, e assim, a verdadeira sabedoria proverbial é pervertida pelo seu falar, assim como são flácidas as pernas de um coxo (verso 7).
Por isso, aquele que honra um tolo é comparado a quem atira uma pedra preciosa ao léu com uma funda (verso 8).
Dar honra ao tolo equivale a colocar uma espada na mão de um louco, com a qual não se sabe o mal que ele pode fazer, mesmo para aqueles que a colocaram em sua mão.
Eles não estão aptos para entregar ditos sábios, nem devem comprometer-se a lidar com qualquer questão de peso, embora devam ser instruídos a respeito disso.
Quando um tolo entrega provérbios sábios, eles o fazem de tal maneira que que ninguém pode entender o seu verdadeiro significado, e assim perdem a sua excelência e utilidade.
O provérbio na boca dos tolos deixa de ser uma parábola, e se torna uma brincadeira. Se um homem que vive uma vida má, ainda fala religiosamente e leva a aliança de Deus em sua boca, ele servirá apenas para trazer vergonha a si mesmo, e à profissão que ele afirma ter.
Por isso, é recomendado a todos os pastores que sejam apegados à Palavra fiel e estudiosos profundos das Escrituras, além de terem o seu próprio testemunho de vida conformado à verdade que pregam e ensinam.
Salomão diz que o provérbio na boca do tolo é como o espinho na mão do bêbado, porque ele pode ferir tanto a si mesmo como a outros, com o espinho ou qualquer outra coisa afiada que ele carrega em sua mão, pois não sabe como controlá-los (verso 9).






10 O Poderoso, que formou todas as coisas, paga ao tolo, e ao transgressor recompensa.
O Poderoso, que formou todas as coisas em primeiro lugar, e ainda governa em infinita sabedoria, torna a cada um segundo a sua obra. Ele recompensa o tolo, que pecou por ignorância, que não soube a vontade do Senhor, com poucos açoites; e ele premia o transgressor, que pecou presunçosamente e que soube a vontade do seu Senhor e não a fez, com muitos açoites.
Alguns entendem assim, este provérbio como se referindo à bondade da providência comum de Deus até mesmo para com os tolos e os transgressores, sobre quem ele faz com que o seu sol brilhe e sua chuva caia.
      






11 Como o cão torna ao seu vômito, assim o tolo repete a sua estultícia.
O apóstolo (2 Pedro 2.22) aplica este provérbio àqueles que têm conhecido o caminho da justiça, mas que não são transformados a partir dele; e assim, o Senhor está a ponto de vomitá-los de sua boca (Apo 3.16).
É uma coisa repugnante ver um cão se alimentando do próprio vômito. De igual modo, causa repugnação ver um tolo retornando a praticar a mesma estultícia, repetidas vezes.
Então, pecadores que foram apenas convencidos e não convertidos, voltam a pecar novamente, esquecendo quão doentio é o que ele fez.      






12 Tens visto o homem que é sábio a seus próprios olhos? Pode-se esperar mais do tolo do que dele.
Nos capítulos anteriores nós vimos que nada pode ser esperado dos tolos, e aqui se diz que pode-se obter mais do tolo do que do homem que é sábio a seus próprios olhos.
Qual a razão disto?
Possivelmente, porque aquele que é simplesmente tolo pode vir a alcançar a sabedoria, mas um tolo que é sábio a seus próprios olhos, que confia na sua própria justiça, dificilmente se deixará convencer que a o princípio da sabedoria é o temor de Deus.
De modo que quando temos o verdadeiro temor de Deus, a nossa justiça própria é aniquilada pelo reconhecimento de que somos pecadores e falhos e que necessitamos ser justificados por meio da Justiça de Jesus, e andarmos segundo esta justiça que nos vem do Alto e que é revelada na Pessoa do Senhor e nos Seus mandamentos.
O sábio se compara com Deus, vê sua real condição e é humilde na busca da semelhança com o Senhor Jesus. Já o que confia na própria justiça compara-se com outros homens que julga menos importantes, inteligentes, religiosos, e que enfim lhes supera em todas as áreas do conhecimento.
Nem mesmo crentes estão livres de retornarem a esta condição de andarem confiados na própria justiça, quando perdem o temor de Deus e a comunhão com Ele, e pensam que o seu estado espiritual é bom, quando realmente é muito ruim, como vemos no caso da Igreja de Laodiceia (Apo 3.17).
Salomão não era apenas um homem sábio, mas um mestre de sabedoria; daí esta observação que ele fez sobre os seus alunos, com os quais ele encontrou ser mais difícil realizar o seu trabalho, e que eram, portanto, menos bem sucedidos do que aqueles que tinham uma adequada opinião de si mesmos e eram sensíveis à realidade de que precisavam de instruções.
Foi por isso que o apóstolo Paulo disse que aquele que considera-se sábio em si mesmo, deve tornar-se um tolo, para que possa ser sábio (1 Cor 3.18).
Há mais esperança em um publicano do que em um fariseu orgulhoso (Mt 21.32).
Muitos são impedidos de ser verdadeiramente sábios e religiosos por uma presunção falsa e sem fundamento de que eles já o são.
“E disse-lhe Jesus: Eu vim a este mundo para juízo, a fim de que os que não veem vejam, e os que veem sejam cegos.
E aqueles dos fariseus, que estavam com ele, ouvindo isto, disseram-lhe: Também nós somos cegos?
Disse-lhes Jesus: Se fôsseis cegos, não teríeis pecado; mas como agora dizeis: Vemos; por isso o vosso pecado permanece.” (João 9.39-41).













13 Diz o preguiçoso: Um leão está no caminho; um leão está nas ruas.
Os ociosos sempre procuram justificar a sua preguiça com as desculpas mais descabidas, como a que é citada no provérbio.
Ele teme o caminho, as ruas, o lugar onde o trabalho está sendo feito e arranja uma forma para ir embora; pois odeia cada coisa que exija cuidado e trabalho.
Não há nada que mais desqualifique uma pessoa a fazer progresso na fé, na vida cristã, do que a preguiça, pois não há santificação sem diligência e muito trabalho.
     







14 Como a porta gira nos seus gonzos, assim o preguiçoso na sua cama.
Depois de ter visto o homem preguiçoso com medo de seu trabalho, aqui vamos encontrá-lo amando o conforto e a facilidade, pois permanecerá deitado o maior tempo possível, virando de um lado para o outro como os gonzos nas portas, pois quando se cansa de ficar deitado sobre uma lado, vira para o outro. E como a porta que se move de um lado para o outro mas nunca sai do mesmo lugar, também sucede com o preguiçoso, pois não fará avanços na vida, em qualquer aspecto, quer no secular, quer no espiritual.
Aqueles que amam o sono irão provar no final que têm amado a morte.
     






15 O preguiçoso esconde a sua mão ao seio; e cansa-se até de torná-la à sua boca.
Este provérbio é uma repetição do constante do capítulo 19, verso 24.
O preguiçoso é um tolo, e todo o seu cuidado é escapar do trabalho.
Ele esconde a sua mão no seu seio, finge que é manco e não pode trabalhar; suas mãos estão frias, e ele deve aquecê-las no seu seio, e, quando estão quentes lá, ele deve mantê-las assim.
Ele se abraça à sua própria vontade e é resolvido contra o trabalho e as dificuldades.








16 Mais sábio é o preguiçoso a seus próprios olhos do que sete homens que respondem bem.
Este provérbio demonstra o nível de corrupção a que pode chegar a natureza terrena decaída no pecado, pois, um homem que não tenha feito qualquer progresso sua vida secular ou espiritual, por ser preguiçoso, ainda assim, gaba-se de ser mais sábio do que sete homens de entendimento.
O parecer elevado, que o preguiçoso tem de si mesmo, não lhe permite enxergar a loucura e o absurdo da sua preguiça.
Um homem sábio deve ser capaz de explicar a razão da esperança em Cristo que há nele (I Pedro 3.15), mas um preguiçoso jamais poderá fazê-lo porque é necessário diligência para aprendermos qual é a razão da esperança da nossa fé.
Todo crente bem instruído sabe que no Senhor o seu trabalho não é vão, e traz grande recompensa, e como o preguiçoso poderá conhecer isto já que se recusa a se esforçar e a trabalhar para alcançar a sabedoria que procede de Deus?
A referência do provérbio, no entanto, é a de que o mais vaidoso de todos os homens é justamente o que é preguiçoso.
Ele se entrincheirará na sua justiça própria e não terá humildade para reconhecer a sua real condição e começar a fazer progressos, porque teme ter que abandonar a ociosidade que é o seu verdadeiro prazer.










17 O que, passando, se põe em questão alheia, é como aquele que pega um cão pelas orelhas.
Coelhos são animais, juntamente com outros, que permitem ser levantados pelas orelhas, sem se importar com isso. Mas os cães não somente não o toleram como podem reagir procurando morder aquele que o fizer.
Se pudermos ser instrumentos para promover a paz entre aqueles que estejam em desacordo, devemos fazê-lo, caso observemos a possibilidade de êxito ao fazê-lo, por um exame das circunstâncias que se apresentem favoráveis, ou por se tratarem de pessoas da nossa familiaridade e bem conhecidas.
Todavia, quando se trata de uma questão alheia tanto no que tange ao nosso desconhecimento do assunto da divergência, ou até mesmo das pessoas envolvidas, tentar arbitrar o problema nos trará provavelmente dificuldades e feridas que poderíamos evitar não nos envolvendo no caso.
    


18 Como o louco que solta faíscas, flechas, e mortandades,
19 Assim é o homem que engana o seu próximo, e diz: Fiz isso por brincadeira.
Fraude e falsidade queimam como fogo e matam, mesmo à distância, como flechas.
Aqueles que não têm escrúpulos e enganam o seu próximo são como loucos que lançam tições, flechas, e morte, e muita dor que eles podem fazer por seus enganos.
Veja quão frívola é a desculpa que os homens geralmente usam para o mal que fazem, que eles fizeram isso como uma brincadeira; e com isso, eles pensam que serão desculpados quando forem reprovados pelo que fizeram.
Dizer “fiz isso por brincadeira” é apenas uma coberta para a malícia, quando se sabia que é perigoso brincar com o fogo e flechas, geralmente disparados por um falar irresponsável e insidioso.
Aquele que peca em tom de brincadeira deve arrepender-se a sério, ou o seu pecado será sua ruína. A verdade é valiosa demais; é algo que não pode ser vendida por uma brincadeira, e com isso ferir a reputação do nosso próximo.
Por isso nosso Senhor Jesus Cristo diz que no dia do Juízo os homens terão que prestar contas das palavras ociosas que proferiram.
Se os homens considerassem que uma mentira vem do diabo, e traz com ela o fogo do inferno, com certeza isso iria estragar a brincadeira deles; pois veria que estão lançando fogo, flechas e morte para si mesmos.
      










20 Sem lenha, o fogo se apagará; e não havendo intrigante, cessará a contenda.
21 Como o carvão para as brasas, e a lenha para o fogo, assim é o homem contencioso para acender rixas.
22 As palavras do difamador são como doces bocados; elas descem ao mais íntimo do ventre.
A pessoa que é dada a contender e a difamar é como um combustível que alimenta as chamas das rixas.
Esse fogo pode queimar tudo que é bom, e colocar famílias e a sociedade em chamas. Agora, aqui nos é dito como esse fogo é comumente acendido e mantido, para que possamos evitar as ocasiões de conflitos e assim evitar as consequências perniciosas dos mesmos.
Se então, desejarmos manter a paz, não devemos dar ouvidos a mexeriqueiros, pois alimentam o fogo da discórdia.
Aqueles que insinuam suspeitas , que revelam segredos, e deturpam palavras e ações, podem acender o fogo que destruirá relacionamentos até mesmos de pessoas amigas.
Eles destroem a comunhão cristã, e não raro produzem feridas que são incuráveis.
Não devemos nos associar com pessoas contenciosas, que encontram ocasião para iniciar discussões sobre todas as coisas.
     






23 Como um vaso de barro coberto de escórias de prata são os lábios ardentes com o coração maligno.
Um coração maligno disfarçando-se com os lábios ardentes, queimando com as profissões de amor e amizade, e até mesmo dirigindo a alguém suas lisonjas; é como um vaso de barro coberto com a escória de prata, com o qual aquele que é fraco pode se afeiçoar como se fosse de algum valor, mas o homem sábio fica logo ciente da fraude.










24 Aquele que odeia dissimula com seus lábios, mas no seu íntimo encobre o engano;
25 Quando te suplicar com voz suave não te fies nele, porque abriga sete abominações no seu coração,
26 Cujo ódio se encobre com engano, a sua maldade será exposta perante a congregação.
Isto é aqui mencionado como uma coisa comum (v 24): Aquele que odeia o seu próximo e que está maquinando para fazer-lhe um mal, ainda dissimula com os seus lábios, professa ter respeito e afeto por ele e estar pronto para servi-lo, fala gentilmente para que a sua maldade não possa ser descoberta, e com isso tem uma maior oportunidade de executar os seus propósitos sem levantar suspeitas.
Esta pessoa carrega o engano dentro de si, ou seja, ela o mantém em sua mente o mal que ele pretende fazer ao seu próximo até que tenha a oportunidade de abordá-lo com vantagem.
Esta é a malícia que tem nada menos do que a astúcia do que tem do veneno da velha serpente nele.
Agora, quanto a este assunto, somos aqui advertidos a não sermos tão tolos a nos deixar levar por pretensas palavras de amizade. Lembre-se de desconfiar quando um homem fala suavemente; não se apresse a acreditar nele, a menos que você o conheça bem, pois é possível que haja sete abominações no seu coração, um grande número de projetos malignos contra você, nos quais ele está trabalhando tão diligentemente para esconder com seu discurso lisonjeador.
Satanás é um inimigo que nos odeia, e ainda em suas tentações fala amigavelmente, como ele fez com Eva, mas é loucura dar crédito a ele, pois há sete abominações no seu coração.
Embora a fraude possa ser ocultada por algum tempo, ela será trazida à luz (v. 26). Aquele cujo ódio se encobre com engano será num momento ou noutro descoberto, e sua maldade revelada, para sua vergonha e confusão, diante de toda a congregação; e nada vai tornar um homem mais odioso para todas as companhias.
   



27 O que cava uma cova cairá nela; e o que revolve a pedra, esta voltará sobre ele.
Aqui é dito que aquilo que intentamos fazer de mal a outros, acaba retornando sobre nós mesmos.
Por mais que alguém trabalhe duro cavando uma cova ou rolando uma pedra, ainda assim, os que são justos serão livrados por Deus e Ele fará com que o mal caia sobre o ímpio, assim como Hamã foi enforcado na própria forca que ele preparou para Mardoqueu.










28 A língua falsa odeia aos que ela fere, e a boca lisonjeira provoca a ruína.
Existem dois tipos de mentiras igualmente detestáveis:
A mentira da difamação, que declaradamente odeia aqueles de quem fala mal. A língua falsa odeia aqueles que são afligidos por ela; aflige-os por calúnias e censuras porque os odeia, e pode, assim, feri-los secretamente onde estão sem defesa.
A outra forma de mentira é a lisonjeira, que trabalha dissimuladamente a ruína dos quais ela elogia. No primeiro, o mal é simples, e os homens se protegem contra ele, mas neste é pequena a suspeita, e os homens são traídos por serem crédulos de suas próprias virtudes e os elogios que são passados sobre eles. Um homem sábio, portanto, será mais cauteloso com um adulador que beija e mata, do que de um caluniador que proclama guerra.






Biografia:
Servo de Deus, que tendo sido curado, pela graça de Jesus, de um infarto do miocárdio e de um câncer intestinal, tem se dedicado também a divulgar todo o material que produziu ao longo dos 43 anos do seu ministério, que sempre realizou para a exclusiva glória de Deus, sem qualquer interesse comercial ou financeiro. Há alguns anos atrás, falou-me o Senhor numa visão que eu fosse ter com os puritanos e com Martyn LLoyd Jones. Exatamente com estas palavras. Por incrível que possa parecer, até então, nunca havia ouvido falar sobre os puritanos e LLoyd Jones. Mais tarde, fui impelido pelo Senhor a divulgar todo o material que havia produzido como fruto do referido estudo. Você pode ler e baixar estas mensagens nos meus seguintes blogs e site: http://livrosbiblia.blogspot.com.br/ Comentário dos livros do Velho Testamento https://www.legadopuritano.com/ https://spurgeonepuritanos.net/ https://jenyffercarrandier.wixsite.com
Número de vezes que este texto foi lido: 54830


Outros títulos do mesmo autor

Artigos Deus Requer Santificação aos Cristãos 3 Silvio Dutra
Artigos Deus Requer Santificação aos Cristãos 2 Silvio Dutra
Artigos Deus Requer Santificação aos Cristãos 1 Silvio Dutra
Artigos Porque a Vida Eterna é Dependente da Fé Silvio Dutra
Poesias O Selo do Crente Silvio Dutra
Artigos O EVANGELHO QUE NOS LEVA A OBTER A SALVAÇÃO Silvio Dutra
Artigos O Real Sentido da Vida Silvio Dutra
Artigos Satisfação Silvio Dutra
Poesias Salvação sem Jesus? Silvio Dutra
Artigos Quem São os Puritanos? Silvio Dutra

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 2088.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
Minicurso sobre a redação no ENEM - Isadora Welzel 79731 Visitas
URBE - Darwin Ferraretto 59546 Visitas
Salvando computador muito ruim - Vander Roberto 55635 Visitas
81 anos da prisão e morte dos Rosas Brancas - Vander Roberto 55456 Visitas
Delícias da festa junina - Ivone Boechat 55378 Visitas
QUE SE... - orivaldo grandizoli 55371 Visitas
Lançamento do livro - Alberto Kopittke 55352 Visitas
Nua, totalmente indefesa - rodrigo ribeiro 55309 Visitas
A FARSA DA USURA - fabio espirito santo 55293 Visitas
O estranho morador da casa 7 - Condorcet Aranha 55275 Visitas

Páginas: Próxima Última