Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
A morte do Assunto
Willians de Matos Flores

Depois de um silêncio avergonhado, ele assumiu:
– O assunto morreu.
– Percebi – Disse ela, enfadada – Beijamos agora?
– Não! Claro que não! Precisamos fazer algo com o assunto!
– Ele já está morto, não tem o que fazer… Quer dizer, tem… Respiração boca à boca, entendeu?
– Não vai adiantar se está morto, precisamos sepultá-lo.
– Ai meu Deus… Ok… Como sepultaremos o assunto?
– Antes precisamos de um lugar para enterrá-lo!
– Um motel, quem sabe?
– Não, algum lugar com livros…
– Bem, motel temático, talvez? Deve ter algo assim pra casais “cults”.
– Não precisa tanto, tenho um aqui na mochila.,,, Vou pegá-lo, quer ver…
– Não, não quero! Pode parar com isso! Não está afim, já saquei, tudo bem.
– Afim de que?
– De me tocar, ser tocado… É virgem?
– Está sentindo?
– Sentindo o que?
– O assunto… ele está ressuscitando! Um milagre!
– Não acredito em milagres…
(Silêncio)
– Morreu de novo…
– Boa sorte com seu velório, eu vou embora!
– Espere! Assassina!
– Está louco?!
– Você pode ir, mas sua boca fica, ela também é responsável pela morte do assunto!
– E quem vai me denunciar? Sua boca? Ela também é culpada….
– Ora… Mas… Precisamos nos render!
– Renda-se você, eu vou fugir!
– Não deixo! – (beija-a)
– Nossa… Tentador, mas se ainda eu quiser fugir?
– Conto pro silêncio que boca é a sua, e ele vai te encontrar onde quer que esteja!
– Não vai não! – (beija-o) – Pronto, matei sua boca também.
– Ainda está meio viva…
– E ainda quero fugir…
Beijo. Beijo. Beijo. Beijo…


Biografia:
Assim que sou ingerido pelo organismo poético do outro, vou causando nele meus sintomas, uma vertigem passageira nos olhos, um eco profundo no peito, e um grito que se esvai sem gritar. Porque escrever é quietar-se e quietar ao outro. FACEBOOK: https://www.facebook.com/willians.matos
Número de vezes que este texto foi lido: 54824


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas Filhos do Mar Willians de Matos Flores
Crônicas A morte do Assunto Willians de Matos Flores
Crônicas Coragem! Willians de Matos Flores
Cartas Carta de Um Lembrador Willians de Matos Flores
Poesias Do Vício de Se Continuar Sendo o que Não se é Mais Willians de Matos Flores
Contos Todo Mundo Precisa Ir Embora Uma Vez na Vida Willians de Matos Flores
Crônicas A Pedra Não Dita Willians de Matos Flores
Contos A História que Teve um Filho Willians de Matos Flores
Contos Iara, e o Risco de Não Vivermos Uma História Inteira Willians de Matos Flores
Crônicas Do Dia Em Que Morri Willians de Matos Flores

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 13.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
Minicurso sobre a redação no ENEM - Isadora Welzel 79736 Visitas
URBE - Darwin Ferraretto 59549 Visitas
Salvando computador muito ruim - Vander Roberto 55635 Visitas
81 anos da prisão e morte dos Rosas Brancas - Vander Roberto 55456 Visitas
Delícias da festa junina - Ivone Boechat 55378 Visitas
QUE SE... - orivaldo grandizoli 55375 Visitas
Lançamento do livro - Alberto Kopittke 55357 Visitas
Nua, totalmente indefesa - rodrigo ribeiro 55309 Visitas
A FARSA DA USURA - fabio espirito santo 55293 Visitas
O estranho morador da casa 7 - Condorcet Aranha 55279 Visitas

Páginas: Próxima Última