Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
CONTO OU CRÔNICA?
O FAZER LITERÁRIO E A FILOSOFIA
Rubemar Costa Alves

O marido acordou atrasado, a esta hora já deveria estar trabalhando nas máquinas implacáveis. Isto porque sonhara com ELA, dois rostos diferentes, ora freira de mosteiros medievais na Península Ibérica, pois sempre se intitulava ‘princesa’ do Castelo de Guimarães, não podia copular, ora nuazinha sem a menor folha de parreira (serpente deve ser metáfora), ingênua e provocante, só que não estava a fim de copular... Mas era ELA, ELE não se questionava: dúbia, muitas vezes multipolaríssima, pior não deve existir no mundo, porém ELA, a sua mulher perante o juiz de paz (pronomes possessivos são controversos em certos casos), única e indivisível!
Mesmo no escuro, horário de verão, claridade nenhuma de quatro e meia na natureza, por instinto e tateando ELE acertou trocar pelo menos um pneu.
Todo ano governo garante nesta época de claridade mais cedo uma super economia de força e energia... é, pode ser... - ELA tem por norma uma frase de origem anarquista: “Hay gobierno, soy contra...”   
Boa justificativa -   “...estourou na estrada e esqueci o pneu velho lá mesmo.”
(Quem não tem carro, que desculpa apresenta? Pneu... do trem?)
Chuveirada quente rápida, café solúvel de emergência, saiu de casa após beijo apressado. Ai dele sem este detalhe ao amanhecer!... - sofá substituindo cama.
ELA, que já estava acordada mesmo, pegou material de alguns anos passados, livros e folhas arquivadas, apenas definições de “Técnicas de comunicação”, porém não estava a fim de escrever, telefonou para mim, velho amigo de cadeiras estudantis. Quatro anos de Letras e minha ridícula e covarde paixão platônica.
“CONTO é tudo o que se conta.” E se for uma mentira? Inventar pode?
“CRÔNICA é contar o cotidiano.” E se cronista quiser contar o passado? Não pode?
“CONTO é narração de estória curta (condensada), base num só lugar (o onde – e se misturarmos o Monte Olimpo com Campos de Jordão, lugar alto também, não pode?), em tempo curto (o quando – e se quisermos ir de Cleópatra a Elizabeth I do Reino Unido, não pode?), com poucas personagens (quem ou os ‘quens’, se a gramática me permitir este plural – impossível conto sobre multidão no campo de futebol? não pode?) e poucas ações (o que aconteceu – conto na guerra não pode?), uma única célula dramática ou conflito (e se mulher tagarela como EU – pelo menos ELA se assumia extrema palradora... – quiser escrever o conto, tem que ser obrigatoriamente drama singular?).”
“CRÔNICA (do grego ‘cronos’, tempo) é híbrida, fusão de jornalismo com literatura, muda-se o real em verdade recriada. Geralmente lírica, perto da poesia, como em Rubem Braga (ELA sempre suspirava, sem jamais o ter visto pessoalmente: “Ai, aqueles olhos azuisinhos e o cabelo grisalho...”) ou documentária (debochava: “Repetindo enfeitadas as notícias da tevê?”).
Como se vê, contestadora que deixava os professores doidinhos, ELA praticamente desafiando os teóricos, reduzindo Aristóteles, eterna base para estudos, a zero. Se dele apenas leu a teoria poética, ótimo! Jamais sua filosofia política.
Sou jornalista - ELA é professora quase todos os dias e contista em dias de não preguiça.
Cantarolava sempre:
“Começar de novo...”
Tema de seriado televisivo (ELA nem era nascida ainda!...), autor masculino, cantora famosa, improvisava leve sotaque baiano. Minha amiga desafiava o mundo – pelo que ELA então pesquisara, seriado polêmico dos anos 80, premiado em vários países.
Mas recomeçar casamento, no seu caso pessoal, pelo menos ainda não. Até quando?
Não que seja promíscua, mas mulher independente e versátil cogita a hipótese de vários casamentos com validade média. Homem assustado, temeroso de novo erro, desconfiado e precavido nem tenta uma segunda união (ou melhor seria dizer desunião?)...
Perguntou (logo a mim?) se no casamento havia amo e senhor versus “coisa” possuída.
Bom, para o homem o conceito de domínio e posse é um, para mulher é o oposto. ELE quer mulher recatada e obediente, que não ouse nem ao menos escolher fora de casa a refeição por conta própria – afinal, a quem o garçom costumeiramente se dirige?
Contudo, se a ousada “senhora” fizer um carinho de bom jeito, sentar de leve no colo, beijar no capricho, em poucos minutos ELE aceitará feliz a “escravidão”. Isso minha audaciosa amiga faz constantemente, muito sabidinha.
Mulheres mandonas ou submissas? Mulher ideal? Talvez um misto de sargento com uma doce fada.
Pediu que EU escrevesse e publicasse alguma coisa, desligou brutalmente sem se despedir, como quem vira as costas para o interlocutor porque viu alguém mais interessante do outro lado da rua. Quatro anos de convívio, quatro horas em cada tarde, aulas de segunda a sexta – me acostumei! (Ou ainda não me acostumei?)
Não me contou nada – vai então uma crônica, sem local ou tempo determinados, sem personagens em ações diretas. Prometi: “Amanhã, poderá ler no “meu” jornal.”
O próprio Aristóteles (tomara que ELA não saiba disto ou marido e EU estaremos ferrados para o resto da vida!) dizia que a condição de amo ou de escravo era dada pelo nascimento, isto é, uns nascem para mandar (ELA? – quase concordo...), outros para servir (o coitado do principal provedor da casa, muitas vezes suando pesado até nove da noite por um problema complicado na empresa, ELA já me disse, e ainda a ajudando a lavar panelas ou em trabalhos didáticos num qualquer domingo).
Aos senhores, a natureza deu razão (de racionalizar, não de raciocinar, mas ELA diz sempre: “Tenho razão até quando não tenho razão...” – e quando sentencia, ai de quem tentar contradizer!...) e inteligência (de verdade, excelente universitária), aos escravos deu corpos fortes para realizarem trabalhos servis (ELA quer utilização doméstica em 1.80, tipo arrastar móveis, empurrar o carro enguiçado, trazer ‘mil’ sacolas do mercado ou da feira livre – já assisti pesaroso).
Sim, havia o escravo natural e também o escravo porque perdeu a guerra, tivesse esta sido justa ou não. Para os gregos, toda guerra era justa e todos os outros desprezíveis povos eram sempre incultos, bárbaros: não falavam grego!
Não sei muito bem o relacionamento íntimo do casal, o dia a dia. Sei que ELA acha tudo sempre justo, a bandeira branca é uma caixinha com orquídea lilás ou cem gramas de balas açucaradas de damasco – trégua... temporária!
Sempre se sentiu poderosa, mesmo baixinha, teoricamente “governando “em casa um gigante com ares de tirania. (Também tenho essa altura: coitados!)
Para o pensador grego, “macho, de fala grega e proprietário de terras teria nascido para mandar”, mas assumia que a união macho e fêmea era indispensável para a geração de descendentes, porém “o macho regendo sobre a fêmea.”
Ha, ha, ha, minha amiga jamais se submeterá a isto.
Ao contrário, tivemos uma regente mulher que num 13 de maio acabou com a escravidão física, mas a emocional será eterna. Pior é que os homens sentem prazer nisto.
Cumpri a minha missão: esta feita a crônica.
Ai de mim que não a escrevesse!...
                                        
                                                     F   I   M




Biografia:
PARVUS IN MUNDUS EST. (O MUNDO É PEQUENO DENTRO DE UM LIVRO) Ser dedicado, paciente, ousado, crítico, desafiador e sobretudo enlighned são adjetivos de um homem cosmopolita que gostaria de viver mais duzentos, ou quem sabe trezentos anos para continuar aprendendo e ensinando. Muitos de nós acreditam que uma vida de setenta, oitenta anos é muito longa, contudo refuto esse pensamento, pois estas pessoas não sabem do que estão falando. Sempre é tempo de aprender, esquadrinhar opiniões, defender, contestar ou apoiar teses, seguir uma corrente filosófica (no meu caso, a corrente kantiana), não necessariamente crer num ser superior, mas admirar e respeitar quem acredita nele. Entender a diversidade de costumes e culturas denominados de forma polissêmica nas diferentes partes do mundo, falar um ou dois idiomas, se perguntar o porquê e tentar encontrar respostas para as guerras, a segregação racial, as diferenças étnicas, o fanatismo religioso, o avanço tecnológico, o entendimento político. Enfim, apenas estes temas já levaria uma vida para se ter uma compreensão média. A leitura é o oráculo para estas informações, é ela que torna o mundo cada vez menor capaz de se acomodar nas páginas de um livro. É por isso que se diz que não há fronteiras para quem lê. Atualmente as pessoas confundem Balzac com anti-inflamatório, Borges com azeite, Camilo Castelo Branco com rodovia estadual, Lima Barreto com laranja de determinado município paulista, Aristóteles com marca de carro e por aí vai. Embora, eu tenha dissertado sobre o conhecimento culto, os meus trabalhos publicados aqui demonstram o dia a dia das pessoas comuns narrados através de divertidas e curiosas estórias. Meu público alvo são as mulheres. É para elas que escrevo, pois são elas possuidoras de sensibilidade capaz de entender o conteúdo do meu trabalho.
Número de vezes que este texto foi lido: 33768


Outros títulos do mesmo autor

Contos BERGSON E O RISO: Rubemar Costa Alves
Crônicas ROMEU & JULIETA MODERNOS Rubemar Costa Alves
Crônicas CASAMENTOS PERFEITOS Rubemar Costa Alves
Contos MARIDO DE ALUGUEL Rubemar Costa Alves
Contos SIMPATIAS CIGANAS Rubemar Costa Alves
Crônicas NOBREZA MEDIEVAL X NOBREZA DECADENTE Rubemar Costa Alves
Releases A CONFISSÃO DE LÚCIO Rubemar Costa Alves
Contos IDADE MÉDIA (de novo?) Rubemar Costa Alves
Contos SÉCULO XXI Rubemar Costa Alves
Contos SORTEIO FALSO Rubemar Costa Alves

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 38.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 48414 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 42766 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 41863 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 40778 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 40420 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 40134 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 39997 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 39961 Visitas
A PRAIA DO PROGRESSO - Rosângela Barbosa de Souza 39762 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 39728 Visitas

Páginas: Próxima Última