Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O amor está morto
Uma pessoa seria capaz de retornar à vida em nome do AMOR?
Carlos Rogério Lima da Mota

Resumo:
"Encostei-me no carro e ouvi o que tanto tinha para me dizer, foi aí que percebi que nós, seres humanos, somos tão arrogantes, incapazes de sentir a tristeza alheia e compadecer-se das dores daqueles que tanto necessitam de nosso apreço. De fato, aquele homem nada queria, aliás, queria sim, e era tão pouco! Apenas conversar...conversar...conversar..! "

Dia desses, noite escura, tempo nublado e garoa fina caindo, parei em um posto de gasolina para abastecer o carro, quando fui abordado por um estranho que, apesar das roupas - um gorro surrado, já amarelado pela sujeira, calça e casaco amarrotados, aparentava possuir um vasto conhecimento, tal a forma como me abordara: "Por obséquio! Poderia falar um minuto com vossa senhoria?"

Confesso que, motivado pelo medo, muitas vezes ignorei conversas alheias, mas ao ouvir aquelas palavras, senti-me atraído, com uma vontade louca de conversar com aquele sujeito, cuja aparência beirava os 70 e poucos anos.

Perguntei então o que desejava. Foi quando tive uma surpresa. Ele nada queria... Nem dinheiro, nem cigarros (apesar de que não fumo), nem vender qualquer tipo de produto. Curioso, afastei-me, pensando que fosse um assalto ou algo do tipo. Imagine aquele homem a isca de uma quadrilha para me levar o pouco que tinha?

_Acalme-se, moço! - pediu-me ele, com sereno tom de voz. Não quero nada seu... Nada! - um sorriso lindo brilhou naquela face seguido por lágrimas, algumas apenas, que lhe desciam a face, sem rumo. Fique tranqüilo, eu não quero nada do senhor!

_ Então por que me abordou? – questionei-o, abismado com a sua sinceridade. Em que posso ajudá-lo?

_ Preciso de um simples favor...

_ E o que seria? - entrecortei-o, com os olhos a correr seus trajes.

_ Sua atenção! Só!..É possível?

Não estava entendendo nada. Encostei-me no carro e ouvi o que tanto tinha para me dizer, foi aí que percebi que nós, seres humanos, somos tão arrogantes, incapazes de sentir a tristeza alheia e compadecer-se das dores daqueles que tanto necessitam de nosso apreço. De fato, aquele homem nada queria, aliás, queria sim, e era tão pouco! Apenas conversar...conversar...conversar..! De um possível assalto a uma conversa franca com um desconhecido. Que bela peça do destino!

Cada palavra que dizia, cada frase que formava, mais profundamente eu sentia o remorso me cutucar, perfurar meu coração, fazendo-me também chorar. Como pudera ter pensado tanta coisa ruim daquele homem? Com que direito minha mente ultrapassava a divisão das terras demarcantes da dúvida e da certeza, rendendo-me ao verme do medo, que nos faz primeiro agir para só depois pensar? Meu Deus! Como eu estava envergonhado!

_ Obrigado, meu jovem! Que Deus lhe pague por esses minutos... - E lá se foi o homem, sumindo aos poucos na escuridão.

_Quem era? Queria lhe assaltar? - perguntou-me um frentista, aproximando-se.

_Eu que lhe roubei... –respondi, em meio à reflexão.


_CO-MO AS-SIM? - indagou o coitado, com os olhos arregalados, dando um passo para trás. E... o que lhe roubou?

_...a SABEDORIA! - completei a frase, com um largo sorriso no rosto.

O rapaz certamente achou-me também louco, a ponto de se afastar de vez. Limpei as lágrimas, resolvi abastecer outro dia, entrei no carro, dei a partida e, ao andar algumas quadras, percebi que o pneu havia furado. Estava diante de um ponto de táxi. Paguei a um taxista para que trocasse o pneu e, durante o serviço, conversamos sobre o ocorrido, quando o homem, completamente extasiado, deixou a roda cair e correr pela lateral, para me perguntar:

_MO-MO-ÇO... O QUE ES-ES-TÁ ME DIZENDO?

Repeti a história.

_ E-ELE USAVA UM GORRO E UM JOGO DE PALETÓ BEM ENVELHECIDO?

Confirmei a descrição.

_Esse homem morreu há 10 anos, vítima do abandono familiar. O filho o trancou num quarto e o deixou lá padecer, em cima daquela cama, vítima de uma terrível doença... Quando o acharam, junto ao corpo havia um bilhete, com as seguintes palavras: “Eu não queria nada desse mundo, apenas conversar, sentir as pessoas, ser um ser humano de verdade... Enfim! Isso eu nunca consegui! Para mim, o amor nunca existiu! Está morto!"


Biografia:
Formado em Letras e em Educomunicação. Casado, 34 anos, 3 filhos. Colaborador de diversos órgãos midiáticos, sendo eles: YesMarília - (www.yesmarilia.com.br), parceiro da Globo.Com na cidade de Marília, interior de São Paulo, Jornal da Manhã de Marília e Revista Eletrônica Alô Ibiúna, de Ibiúna/SP. Pertence ao quadro de autores da Editora Virtual Usina de Letras (www.contosjuvenis.cjb.net), mantido pelo Sindicato de Escritores de Brasília, que conta, até o momento, com mais de 99 obras publicadas de sua autoria, em sua maioria, artigos e contos de suspense. Seu sonho é ser apenas FELIZ em vida, afinal, que autor consegue ser feliz ao ser incomodado o tempo todo por sua visão perspicaz e sensível de um mundo já torpe feito o atual? * Sites para os quais escreve: http://recantodasletras.uol.com.br/autores/carlosmota http://twitter.com/autorcarlosmota http://www.artigonal.com/find-articles.php?q=carlos+rogerio+lima+da+mota www.brasilwiki.com.br www.etextos.com.br www.contosjuvenis.cjb.net http://carlosmota.dihitt.com.br/ www.autores.com.br/carlosmota http://www.jornaldamanhamarilia.com.br/site/ver_noticia.aspx?CodNoticia=8298 http://www.diariodesorocaba.com.br/noticias/not.php?id=21168 http://www.talentos.wiki.br/post.php?id=14206 http://autorcarlosmota.blogs.sapo.pt http://contosjuvenis.weblog.com.pt/ http://literaturaperiferica.ning.com/profile/carlosmota
Número de vezes que este texto foi lido: 28556


Outros títulos do mesmo autor

Contos Redenção Carlos Rogério Lima da Mota
Crônicas Deus não existe! Carlos Rogério Lima da Mota
Crônicas Às moscas Carlos Rogério Lima da Mota
Artigos Como construir leitores capazes de autoria? Carlos Rogério Lima da Mota
Artigos A telenovela retrata o cotidiano Carlos Rogério Lima da Mota
Artigos Colunista social português assassinado por suposto namorado Carlos Rogério Lima da Mota
Artigos PORTUGAL À BEIRA DA BANCARROTA Carlos Rogério Lima da Mota
Artigos AS ARMADILHAS DA LÍNGUA PORTUGUESA EUROPEIA Carlos Rogério Lima da Mota
Artigos Alunos de escola de Cotia lançam livro coletivo Carlos Rogério Lima da Mota
Romance "OBSESSÃO..." - CAPÍTULO II Carlos Rogério Lima da Mota

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 21.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 64527 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 54300 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 43152 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 42734 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 40802 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 40232 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 37754 Visitas
Amores! - 35969 Visitas
Desabafo - 35378 Visitas
Faça alguém feliz - 33773 Visitas

Páginas: Próxima Última