Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O Deleite Espiritual dos Santos
Thomas Watson





"Mas o seu prazer está na lei do Senhor."
(Salmo 1.2)


Título Original: The Saint”s Spiritual Delight


Por Thomas Watson (1620-1686)


Traduzido, Adaptado e Editado
por Silvio Dutra




CAPÍTULO I

Mostrando que a Bondade Negativa é Apenas um Título Fajuto para o Céu


Como o livro de Cantares é chamado de Cântico dos Cânticos por um hebraísmo, por ser o mais excelente; de igual modo o Salmo 1 pode ser chamado de Salmo dos Salmos, pois contém em si a própria medula e quinta-essência do cristianismo.
“1 Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores;
2 antes tem seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e noite.
3 Pois será como a árvore plantada junto às correntes de águas, a qual dá o seu fruto na estação própria, e cuja folha não cai; e tudo quanto fizer prosperará.
4 Não são assim os ímpios, mas são semelhantes à moinha que o vento espalha.
5 Pelo que os ímpios não subsistirão no juízo, nem os pecadores na congregação dos justos;
6 porque o Senhor conhece o caminho dos justos, mas o caminho dos ímpios conduz à ruína.” (Salmo 1)
O que Hierom diz das epístolas de Paulo, o mesmo pode ser dito deste salmo; é curto em sua composição, mas cheio de conteúdo e força em seu assunto. Este salmo carrega a bem-aventurança no frontispício; ele começa onde todos esperamos terminar: ele pode muito bem ser chamado de Guia de um cristão, porque ele descobre as areias movediças, onde os ímpios afundam até a perdição, verso 1, e o solo firme em que os santos pisam rumo à glória, verso 2.
O texto é um resumo e breviário da religião, "mas o seu prazer está na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite." Cada palavra tem sua ênfase; Eu começo com a primeira palavra: “mas”.
Este “mas” é cheio de vinho espiritual, vamos abordar isso e provar um pouco, então prosseguiremos.
“Mas”. É uma conjunção adversativa que carrega o significado de oposição. O santo é descrito:

I. Por meio da negação, em três aspectos. (1.) “Ele não anda segundo o conselho dos ímpios;” ele não segue o seu conselho; e não dá maus conselhos. (2.) "Ele não se detém no caminho dos pecadores." Ele não vai ficar entre aqueles que não serão capazes de ficar de pé no juízo - verso 5. (3.) "Ele não se assenta na roda dos escarnecedores.” Ainda que isto seja uma cadeira de Estado, ele não vai sentar-se nela, pois sabe que será muito desconfortável no final. A palavra “assenta” implica,
1. Um hábito em pecado. Salmo 50. 20 – “Tu te sentas a falar contra teu irmão; difamas o filho de tua mãe.”
2. Sentar implica familiaridade com os pecadores, Salmo 26.4. - “Eu não tenho assentado com homens falsos;” ou seja, eu não ando na sua companhia. O homem de Deus sacode toda a intimidade com os ímpios. Ele pode trafegar com eles, sem se associar às suas más obras; ele pode ser civil para com eles, como vizinhos, mas não se misturar à iniquidade.
II. O homem de Deus é descrito neste Salmo por meio de posição ou melhor, de oposição, "Mas o seu prazer está na lei do Senhor. “ A partir desta palavra, observa-se que a bondade negativa não é suficiente para nos dar direito ao céu. Não ser escarnecedor, é bom, mas não é suficiente. Há alguns no mundo cuja religião consiste somente em aspectos negativos; eles não são alcoólatras, eles não são perjuros, e por isso eles abençoam a si mesmos. Veja os ares de orgulho liberados pelo fariseu em Lucas 18.11. "Deus, graças te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos, adúlteros," etc. Infelizmente, não ser escandaloso não vai fazer um bom cristão mais do que uma cifra vai fazer uma soma. O homem de Deus vai mais longe, "ele não se assenta no banco do escarnecedor, mas o seu prazer está na lei do Senhor.” Nós não estamos prontos somente para cessar de praticar o mal, como também para fazer o bem. “Aparta-te do mal, e faze o bem: busca a paz, e segue-a (Salmo 34.14). Será isto uma apelação pobre, afinal - Senhor, me guardei de ser manchado com pecados graves. Eu não fiz qualquer dano; mas que bem há em ti? Não é suficiente para o servo da vinha não fazer qualquer dano contra ela, que ele não quebre as árvores, ou destrua as sebes; pois se não trabalhar na vinha, ele perde o seu pagamento; e assim não é o suficiente para nós dizer, no último dia, que não fizemos nenhum mal, que temos vivido sem qualquer pecado grave; mas que bem que temos feito na vinha? onde está a graça que temos obtido? se não podemos mostrar isso, vamos perder o nosso pagamento, e perder a salvação.
Aplicação: Não se contente com a parte negativa da religião; aquela que nega simplesmente determinados atos pecaminosos, porque muitos constroem suas esperanças para o céu sobre este fundamento rachado, eles não são dados a qualquer vício, ninguém pode acusá-los de quaisquer erros e faltas, e estas são as suas cartas credenciais para serem exibidas; a essas pessoas eu digo três coisas:
1. Você pode não ser exteriormente ruim, e ainda não ser interiormente bom. Você pode estar tão longe da graça como do vício; embora ninguém possa dizer, seu olho é negro, mas sua alma pode ser tingida de preto. Embora suas mãos não estejam trabalhando em iniquidade, a cabeça pode estar tramando-a. Embora você não saia para curtir o seu arbusto, você pode secretamente estar vendendo a sua mercadoria: uma árvore pode estar cheia de vermes, mas as folhas sadias podem cobri-los para que eles não sejam vistos; e assim as folhas justas de civilidade podem escondê-los dos olhos do homem, mas Deus vê os vermes de orgulho, incredulidade, e cobiça em seu coração: “Vós sois os, “diz Cristo”, “que vos justificais a vós mesmos diante dos homens, mas Deus conhece os vossos corações; porque o que entre os homens é elevado, perante Deus é abominação." (Lucas 16.15). Um homem pode não ser moralmente mau, e ainda não ser espiritualmente bom. Ele pode estar livre da enormidade grosseira, mas cheio de inimizade secreta contra Deus; como a serpente, que apesar de ser de uma cor muito boa, ainda tem seu aguilhão.
2. Se vocês são bons somente no sentido negativo, Deus não faz cômputo de vocês; porque são como dígitos na aritmética de Deus, e ele não anota dígitos no livro da vida. Pegue um pedaço de bronze, embora não seja um metal tão ruim como chumbo ou ferro, ainda não é tão bom como a prata ou o ouro, e como há pouco cômputo nele, ele não vai servir de lastro para a moeda corrente; e assim, embora você não seja profano, ainda que seja um bom metal, querendo o carimbo da santidade sobre você, não pode ser de uso para Deus e ele lhe despreza, porque você é senão um cristão de bronze.
3. Um homem pode muito bem ir para o inferno por não fazer o bem, como por fazer o mal; aquele que não dá bom fruto é um bom combustível para o inferno, tanto quanto aquele que dá frutos maus. "E já está posto o machado à raiz das árvores; toda árvore, pois que não produz bom fruto, é cortada e lançada no fogo.” (Mt 3.10). Pode-se muito bem morrer por não comer alimentos, como com veneno, um terreno pode muito bem ser estragado por falta de boa semente como por ter joio semeado no mesmo; os que não estavam ativos em obras de caridade, foram infelizmente condenados: "Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o Diabo e seus anjos; porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber;" (Mt 25. 41,42). Não é dito: pegue comida comigo, mas “não me destes de comer.” Por que foram as virgens loucas caladas? Elas não tinham feito nenhum dano, não tinham quebrado as suas lâmpadas, mas elas "não levaram azeite em suas lâmpadas,“(Mt 25.3). Elas tinham falta de azeite, foi a acusação: Portanto, que nenhum homem construa a sua esperança para o céu em cima de negativas. Isto é construir sobre a areia; a areia é ruim para construir; ela não vai cimentar; mas suponha que um homem deve terminar uma casa em cima dela, qual é o problema? A inundação vem - a perseguição - e a força dessa inundação vai afastar a areia e fazer a casa cair; e o vento sopra, o sopro do Senhor, como um vento veemente e vai explodir um edifício tão arenoso no inferno; tenha temor, então, para descansar na parte positiva da religião, lance sua luz e seja eminentemente santo. Então eu venho para as próximas palavras, mas "o seu prazer está na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite."




CAPÍTULO II



O Que se Quer dizer com a Lei de Deus, o Que é se Deleitar na Lei, e Qual é a Proposição Resultante


As palavras dão uma dupla descrição de um homem piedoso.
Em primeiro lugar, tem prazer na lei de Deus.
Em segundo lugar, Ele medita na lei de Deus.
Eu começo com a primeira, "Seu prazer está na lei do Senhor:" O grande Deus tem afeto e carinho por cada criatura; isto tem, pelo instinto da natureza, algo para agradar a si mesmo nisso. Agora o verdadeiro santo, não por intuição, mas por inspiração divina faz com que a lei de Deus seja o seu prazer.
Este é o emblema de um cristão, "Seu prazer está na lei do Senhor.“ Um homem pode trabalhar em seu comércio, e não deliciar-se com ele, quer no que diz respeito à dificuldade do trabalho, ou à pequenez da renda; mas um homem piedoso serve a Deus com prazer; pois é a sua comida e bebida fazer a Sua vontade.
Para a explicação das palavras, isto deve ser analisado:
1. O que se entende por "a lei do Senhor. “ Esta palavra, Lei, pode ser tomada de forma mais estrita ou mais ampla. (1) Mais estritamente, para o Decálogo ou Dez Mandamentos. (2.) Mais amplamente: [1] Para toda a palavra escrita de Deus. [2] Para aquelas verdades que são deduzidas a partir da palavra, e que se concentram nela. [3] Para todo o assunto da religião que é a contrapartida da lei de Deus, e concorda com ela assim como a transcrição com o original. A Palavra é um fundamento, algo estabelecido, e a religião é uma mostra, uma exibição da prática da lei de Deus. Vou aproveitar esta palavra em toda a sua latitude e extensão.
2. O que se entende por prazer na lei de Deus. Tanto o original Hebraico quanto a Septuaginta trazem: “sua vontade está na lei do Senhor; e aquilo que é voluntário é deleitoso; um coração misericordioso serve a Deus a partir de um princípio de inocência; ele faz da lei de Deus não somente a sua tarefa, mas a sua recreação.
Doutrina: Que um filho de Deus, embora ele não possa servir ao Senhor perfeitamente, mas ele lhe serve de bom grado; sua vontade está na lei do Senhor; ele não é um soldado pressionado, mas um voluntário; pelo bater deste pulso podemos julgar se há vida espiritual em nós, ou não. Davi professou que a lei de Deus era o seu prazer (Salmo 119,77), ele teve sua coroa para deleitar-se, teve sua música para animá-lo, mas o amor que ele tinha à lei de Deus fez afogar todos os outros deleites.
“Tenho prazer na lei de Deus”, diz Paulo, "no homem interior." (Rom 7,22), a palavra no original grego é, eu tenho o prazer; a lei de Deus é a minha recreação, e foi um prazer no coração, isto é, no homem interior. Um homem ímpio pode ter alegria no rosto ( 2 Cor. 5.12), como o mel de orvalho, que molha a folha; mas o vinho do Espírito de Deus alegra o coração. Paulo se encantou na lei no homem interior.
(Nota do tradutor: Deus criou o homem para que se deleitasse nas coisas criadas mas sobretudo na maior fonte de deleites que é Ele próprio. Mas o homem não pode ter a devida apreciação de todo este deleite caso não ande em conformidade com o caráter de Deus, o qual é revelado na Sua Lei, e daí nos ser ordenado e indicado não raras vezes nas próprias Escrituras sobre a necessidade de amarmos e praticarmos os mandamentos de Deus porque sem isto é impossível agradá-lo, e se Ele não se agradar de nós, como poderemos, por nosso turno achar qualquer prazer nEle, ou até mesmo desfrutar tudo o mais que criou para o nosso aprazimento, com comedimento, sabedoria e com um coração reto, para um verdadeiro desfrute? Pode uma má consciência desfrutar a paz? Pode um viver na imundície conhecer e desfrutar o prazer que há na pureza? E assim por diante, nada é de real valor e deleite se não houver este prazer na lei de Deus no coração.
A justificação pela graça mediante a fé em Jesus Cristo pode nos garantir o ingresso no céu, mas para termos o deleite espiritual aqui referido a justificação e regeneração que são obtidas na conversão não serão suficientes para termos este deleite no Senhor, caso não sejam acompanhadas pela santificação diária, pela qual somos capacitados pelo Espírito Santo a também amar e guardar os mandamentos de Deus.)




CAPÍTULO III



De Onde Brota o Deleite Espiritual do Santo?


O deleite do santo procede da lei de Deus.
1. A partir de solidez de julgamento. A mente apreende uma beleza na lei de Deus; Agora, o julgamento chama as afeições. "A lei de Deus é perfeita" (Salmo 19.7). A palavra hebraica para perfeito, parece aludir a um corpo completo, corpo inteiro, que não tem falta de qualquer membro ou detalhes. A Lei de Deus deve necessariamente ser perfeita, pois é capaz de nos fazer sábios para a salvação (2 Tim. 3. 15).
A Septuaginta – versão grega do Velho Testamento - diz que a lei do Senhor é pura, como a beleza que não tem mancha, ou o vinho que é clarificado e refinado. A alma que olha para essa lei, vendo tanto brilho e perfeição não pode deixar de deliciar-se com ela; a lâmpada do meio do santuário que era acendida com o fogo do altar, acendia todas as demais luzes do candelabro de sete hastes. Assim, o julgamento tendo sido iluminado pela Palavra, começa a arder em seus afetos por ter sido incendiado pela Palavra.
2. Este santo deleite nasce da predominância da graça. Quando a graça vem com autoridade e majestade sobre o coração, ela o preenche com prazer; naturalmente, não temos prazer em Deus; "Eles dizem a Deus afaste-se de nós, pois não desejamos ter conhecimento dos teus caminhos“; ou melhor, não há apenas uma antipatia, mas a antipatia; pois pecadores são chamados de aborrecedores de Deus (Rom. 1.30), mas quando a graça entra no coração, que grande mudança acontece nele! A graça prepondera, e lança fora a rebelião da vontade, faz um homem ser de outro espírito. Ela transforma a ferocidade leonina em uma doçura igual à da pomba, ela muda o ódio em prazer; a graça coloca um novo viés na vontade, ela opera uma espontaneidade e alegria no serviço de Deus. “O teu povo será um povo disposto no dia do teu poder” (Salmo 110,8).
3. Este prazer santo em religião é derivado da doçura do fim. Bem podemos com alegria lançar a rede do nosso esforço quando temos um tão excelente projeto. O céu no final do dever traz consigo o deleite no caminho do dever.




CAPÍTULO IV



Mostrando uma Diferença Característica entre um Filho de Deus e um Hipócrita


Aplicação 1. Isto nos mostra uma diferença entre um filho de Deus e um hipócrita, o que serve a Deus a partir de um princípio de prazer, e outro que não o faz, mas finge que o possui, e por isso dizemos hipócrita, não em sentido ofensivo, mas em relação a tentar mostrar algo que não se possui de fato.
"Melhor é para mim a lei da tua boca do que milhares de ouro e prata.“ ( Salmo 119.72).
(Nota do tradutor: além de ter uma aplicação geral, isto se aplica especialmente aos falsos pastores e mestres da religião que são enganadores e que fazem um comércio para explorar os incautos. Estes são lobos em peles de ovelhas, e nada possuem da verdadeira santidade. De maneira que o deleite que propõe aos seguidores não é e nem pode ser aquele que decorre da guarda genuína dos mandamentos de Deus, senão das vantagens que são fundamentadas no tráfico de promessas que não são espirituais, celestiais e divinas, mas todas de caráter mundano e relativas aos interesses desta vida, conforme são buscadas e agradam aqueles que vivem e andam na carne e não no Espirito.)
Com que deleite um avarento fala sobre os seus milhares? Ah, mas a lei de Deus era melhor do que os milhares de Davi; um filho de Deus olha para o serviço de Deus, não só como seu dever, mas como o seu privilégio. Um coração gentil ama cada coisa que tem o selo de Deus sobre ela. A Palavra é o seu prazer. "Acharam-se as tuas palavras, e eu as comi; e as tuas palavras eram para mim o gozo e alegria do meu coração; pois levo o teu nome, ó Senhor Deus dos exércitos.” (Jer 15.16). O dia do Senhor, o Sabath, é o seu prazer. "Se desviares do sábado o teu pé, e deixares de prosseguir nas tuas empresas no meu santo dia; se ao sábado chamares deleitoso, ao santo dia do Senhor, digno de honra; se o honrares, não seguindo os teus caminhos, nem te ocupando nas tuas empresas, nem falando palavras vãs; então te deleitarás no Senhor, e eu te farei cavalgar sobre as alturas da terra, e te sustentarei com a herança de teu pai Jacó; porque a boca do Senhor o disse.” (Isa. 58.13,14).
A oração é o seu prazer – “sim, a esses os levarei ao meu santo monte, e os alegrarei na minha casa de oração (Isa 56.7). A audição da Palavra é o seu prazer - "Quem são estes que voam como pombas para as suas janelas?“ (Isa 60.8). A alma gentil voa como uma pomba para uma ordenança, sobre as asas do deleite. O sacramento é o seu prazer – “E o Senhor dos exércitos dará neste monte a todos os povos um banquete de coisas gordurosas, banquete de vinhos puros, de coisas gordurosas feitas de tutanos, e de vinhos puros, bem purificados.” (Isa. 25.6). Um dia de santa ceia é um dia de alma festiva; aqui Cristo toma a alma em sua casa de banquete, e exibe a bandeira do amor (Cant 2.4). Aqui estão as iguarias celestiais que nos são dadas. Cristo nos dá seu corpo e sangue. Este é o pão dos anjos, este é o néctar celestial, aqui está um copo perfumado com a natureza divina; aqui está o vinho aromático com o amor de Deus. Os judeus em suas festas derramam bálsamo sobre seus hóspedes, e os beijam; aqui Cristo derrama o óleo da alegria para o coração, e nos beija com os beijos de seus lábios. Este é o banho do rei onde somos lavados e purificados da nossa lepra: a alma seca, após o recebimento desta Santíssima Eucaristia, tem sido como um jardim regado, frutífero e florescente, ou como os campos do Egito, após o transbordamento do Nilo; e você quer saber como um filho de Deus se deleita nas coisas santas? Ele precisa ser voluntário na religião.
Mas não é assim com um hipócrita; ele pode ser forçado a fazer o que é bom, mas não querer o que é bom; ele não vai servir a Deus com alegria. "Deleitar-se-á no Todo-Poderoso?” ((Jó 27.10). Aquele que não tem nada desta complacência e deleite, aparece, assim, porque ele serve a Deus de má vontade; ele traz o seu sacrifício com uma mente perversa (Prov. 21.27).
Assim se deu com Caim: foi muito antes de ele trazer a sua oferta, que não era as primícias; e quando o fez trouxe-a a contragosto; não foi uma oferta voluntária (Deut 16. 10). É provável que era o costume da família de seu pai sacrificar; e talvez a sua consciência possa tê-lo confrontado por tolerar por tanto tempo, e por fim, quando a oferta foi trazida, veio como uma tarefa em vez de um dever; como um imposto ou multa em vez de um sacrifício apresentado com amor.
Caim trouxe a sua oferta, mas não a si mesmo. O que Sêneca diz de um presente, posso dizer de um sacrifício; não é ouro e prata que faz um presente, senão uma mente disposta. Por isso, não é a oração e a audição da Palavra que faz um sacrifício aceitável a Deus, mas é um espírito voluntário. Caim não era uma oferta, mas um imposto, não uma adoração, mas uma penitência.




CAPÍTULO V



Dois Casos de Consciência Resolvidos


Mas aqui estão dois casos a serem colocados.
Caso 1. Se uma pessoa regenerada pode servir a Deus com cansaço.
Resposta. Sim; mas 1. Este prazer em Deus não é totalmente extinto. Esta lassidão e cansaço em um filho de Deus pode surgir, da corrupção interior, Rom. 7.24. Isto não provém da graça que há nele, mas do pecado; como o afundamento de Pedro sobre a água não foi decorrente de sua fé, mas de seu medo; ainda eu digo que a vontade de uma pessoa regenerada é para Deus, Rom. 7.15. Paulo encontrou, por vezes, uma indisposição para o bem, Rom. 7,23; mas, ao mesmo tempo, ele professa uma complacência em Deus, verso 22. “tenho prazer na lei de Deus, no homem interior.”
Uma pessoa pode deleitar-se com música, ou qualquer recreação, ainda que com cansaço do corpo, e estando indisposta; um cristão pode amar a lei de Deus, embora às vezes a obstrução da carne pese para baixo, e ele encontra seu antigo vigor e agilidade abalados.
Resposta 2. Respondo que esta fraqueza e cansaço em uma pessoa regenerada não é habitual; não é o seu temperamento constante; quando a água do mar flui pode ser maré baixa, mas logo depois de um tempo será maré alta de novo; de igual modo na vida do cristão há um tempo de maré baixa, ele encontra uma indisposição para o que é bom, mas dentro de um tempo há uma maré alta de afeto, e a alma é levada a cumprir com disposição e alegria os deveres sagrados; dá-se com um cristão o mesmo que acontece com um homem que está enfermo, ele não tem prazer em sua comida como antigamente; ou melhor, por vezes, a simples visão dela o ofende, mas quando ele está bem, ele volta a comer novamente com prazer e apetite; por isso, quando a alma é destemperada através de tristeza e melancolia, não acha deleite na palavra e oração como anteriormente; mas quando ele retorna ao seu temperamento saudável novamente, agora ele tem o mesmo deleite e alegria no serviço de Deus como antes.
Resposta 3. Respondo que esse cansaço em uma pessoa regenerada é involuntário; ela está preocupada com isso; e não vai abraçar a sua doença, mas lamentá-la. Ele está cansado de seu cansaço. Quando ele encontra um peso no dever, ele vai pesadamente sob aquele peso; e então ora, chora, luta, usa de todos os meios para recuperar seu entusiasmo no serviço de Deus como ele estava acostumado a ter. Davi, quando as rodas de sua carruagem eram quebradas, ele colocava mais peso na religião, quantas vezes ele orou por vivificação da graça? (Salmo 119).
Quando os santos encontram seus corações desmaiados, suas afeições enfraquecendo, e um estranho tipo de letargia apreensiva sobre eles, eles nunca estão em repouso até que tenham se recuperado, e cheguem àquela liberdade e prazer em Deus como experimentavam antes.
Caso 2. O segundo caso é, se um hipócrita não pode servir a Deus com alegria? Eu respondo, ele pode; Herodes ouviu João Batista de bom grado (Mt 6.20). e aqueles que jejuaram para contendas e debates, “tinham prazer em saber o caminho de Deus,” (Isa, 58.2). O hipócrita pode, por algumas esperanças chamativas do céu, mostrar um deleite na bondade; mas ainda não é um deleite como é encontrado no regenerado, porque o seu deleite é prazer carnal. Um homem pode ser carnal, enquanto ele está fazendo as coisas espirituais: não é na santidade e rigor na religião que o hipócrita se deleita, mas em outra coisa; ele se deleita em orar, mas isto é senão uma exibição de dons, do que o exercício da graça. Ele tem prazer em ouvir a palavra, mas não é na espiritualidade da palavra que ele se deleita; não no sabor do conhecimento e da prática, mas no brilho. Quando ele vai ouvir a palavra pregada, é para que ele possa celebrar a sua fantasia e não para melhorar o seu coração; como se um homem devesse ir à farmácia por uma pílula, só para ver o douramento da mesma, não para a virtude operativa.
O hipócrita vai para a palavra para ver o que há de dourado em um sermão, e que possa encantar o intelecto. Os hipócritas vêm para a palavra como quem entra em um jardim para arrancar e cheirar alguma fina flor; e não como uma criança que vem ao peito por alimento. Isto é mais curiosidade do que a piedade. Tais eram os que são citados em Ez 33.32: “E eis que tu és para eles como uma canção de amores, canção de quem tem voz suave, e que bem tange; porque ouvem as tuas palavras, mas não as põem por obra." O profeta sendo eloquente, e fazendo uma entrega da Palavra de Deus, lhes era muito doce e agradável, ele soava para eles como uma música, mas não era da espiritualidade do assunto que eles gostavam, senão da tonalidade da voz.
Esta foi uma repreensão afiada, ainda aplicável à nossa época, de Crisóstomo aos seus ouvintes: “Isso é o que”, diz ele, “afunda as suas almas, vocês ouvem seus ministros como muitos menestréis, para agradar ao ouvido, e não para ferir as suas consciências.“ Você vê que o deleite de um hipócrita na religião é carnal; isto não é o que está sendo criado com as palavras da fé, senão a eloquência do discurso, a vividez da fantasia, a suavidade do estilo: ele se esforça apenas para arrancar o conhecimento da árvore do conhecimento. Ai, pobre é aquele que pode ter a luz da estrela do conhecimentos e, no entanto, pode ser noite em sua alma.



CAPÍTULO VI



Provação do Deleite de um Cristão em Deus


Aplicação 2. Provação. Deixe que isto seja colocado sob um escrutínio santo, se temos este deleite na religião? Responder isto é como uma questão de vida ou de morte.
Questão. Como pode este deleite espiritual ser conhecido?
Resposta 1. Aquele que se deleita na lei de Deus, está frequentemente pensando nisto; que um homem se deleita em seus pensamentos que ainda estão em execução; aquele que se deleita em dinheiro, sua mente está ocupada com isso; portanto, do avarento é dito que só pensa nas coisas terrenas (Fp 3.19). assim, se há um prazer nas coisas de Deus, a mente estará ainda meditando sobre elas. Que tesouro raro é a Palavra de Deus! Ela é o campo onde a pérola de alto valor está escondida; quão preciosas são as promessas? Elas são o canal que contém a água da vida; elas são como aqueles dois ramos de oliveira - "Segunda vez falei-lhe, perguntando: Que são aqueles dois ramos de oliveira, que estão junto aos dois tubos de ouro, e que vertem de si azeite dourado?” (Zac 4.12). Estas selam perdão, adoção, e glória: “Ó Senhor por estas coisas vivem os homens,” (Isa 38.16). Onde há um prazer na lei de Deus, a mente está totalmente ocupada sobre ela.
2. Se nos deleitarmos com a religião, não há nada que possa nos afastar disso, mas vamos estar familiarizados com a palavra, a oração, e os sacramentos. Aquele que ama o ouro vai negociar por ele. O mercador irá cruzar terra e mar para ganhar dinheiro.
Se há um deleite em coisas santas, não vamos ser detidos por uma ordenança, pois não estamos traficando para a salvação. Se um homem estiver com fome, ele não deixará de ir ao mercado por causa de uma dor em seu dedo. As ordenanças são um mercado evangélico, não se afastarão por causa de qualquer provação leve.
(Nota do tradutor: o fardo de Jesus é leve, ou seja, o seu serviço, e o seu jugo é suave, ou seja, o dever que temos de guardar os seus mandamentos em obediência à direção do Espírito Santo que nos guia. Guardar os mandamentos não é, portanto, conforme dizer do apóstolo João, algo que seja penoso. Não é um peso mas um prazer para o crente guardar a Lei de Deus. E quanto às provações da fé que temos neste mundo, elas não podem ser comparadas em sua leveza momentânea, com o eterno peso de glória que aguarda por todos aqueles que têm a Cristo como seu Salvador e Senhor.)
“Alegrei-me, quando me disseram, vamos à casa do Senhor“ (Salmo 122,1). Você que fica feliz quando o diabo lhe ajuda com uma desculpa para se ausentar da casa do Senhor, está muito longe deste santo deleite.
3. Aqueles que se deleitam com a religião vão muitas vezes falar dela; "Então aqueles que temiam ao Senhor falaram uns aos outros:” (Mal 3.16). Onde há graça infundida, ela será efusiva. “As palavras da boca do sábio são cheias de graça," (Ecl 12.10). Davi deleitando-se com os testemunhos de Deus, “iria falar deles diante dos reis,” (Salmo 119,46). A esposa deleitando-se com seu amado, não conseguia esconder o seu amor, mas irrompe em expressões não menos elegantes: "O meu amado é branco e rosado, o primeiro entre dez mil, a cabeça é como o ouro mais refinado“ etc.
Os discípulos cujos corações estavam sobre Cristo, fizeram dEle todo o seu assunto quando eles estavam indo para Emaús (Lucas 24.19). Os cristãos primitivos que foram alimentados com o amor a Deus, falavam tanto do céu, e do reino preparado por Cristo para eles, que o imperador suspeitava que pretendiam tomar o seu reino dele. As palavras são o espelho da mente, elas revelam o que está no coração. Onde há deleite espiritual, como o vinho novo, ele exalará o seu aroma; a graça se derramou em seus lábios (Salmo 45.2). Um homem que é da terra fala da terra (João 3.,31). Ele pode falar, senão com dificuldade, três palavras, mas duas delas são sobre a terra. Sua boca, como a do peixe no evangelho, está cheia de ouro. (Mt 17.27). Então, onde há um prazer em Deus, “a nossa língua será como a pena de um escritor habilidoso”. (Salmo 45). Esta é uma escritura que é uma pedra de toque para provar os corações dos homens. Infelizmente, revela quão pouco eles se deleitam em Deus, porque são possuídos por um demônio mudo; eles não falam a língua de Canaã.
4. Aquele que se deleita em Deus, vai dar-lhe o melhor em cada serviço. Aquele a quem amamos melhor, terá o melhor. A cônjuge deleitando-se com Cristo, lhe dará de seus frutos excelentes (Cant 7,13), e se ela tem um copo de vinho aromático, e cheio do suco da romã, ele deve beber disto (Cant 8.2).
Aquele que se deleita em Deus dá-lhe a força de suas afeições, a nata das suas funções; se ele tem qualquer coisa melhor do que outra, Deus a terá. Os hipócritas não se importam com isso, pois oferecem a Deus aquilo que jogariam fora ou o que nada lhes custe. Oferecem orações que não lhes custam lágrimas ou o derramar da alma. (1 Sam 1). Eles não colocam qualquer custo em seus serviços. Caim trouxe do fruto da terra (Gên 4.8).
É observável, que o Espírito Santo não menciona qualquer coisa que possa elogiar, ou detalhar o sacrifício de Caim. Quando ele fala de Abel, ele coloca uma ênfase sobre isso, "Abel trouxe dos primogênitos das suas ovelhas, e da sua gordura", versículo 4, mas quando fala de Caim, somente diz, "ele trouxe do fruto da terra." Alguma coisa talvez tirada de uma vala; mas Deus, que é o melhor, será servido com o melhor. Domiciano não teria a sua estátua esculpida em madeira ou ferro, mas em ouro. Deus terá o melhor das nossas melhores coisas, serviços de ouro. Aquele que se deleita em Deus, dá-lhe a gordura da oferta; o mais puro do seu amor, o mais quente do seu zelo; e quando ele fez tudo, lamenta que ele não pôde fazer mais, e vê uma desproporção infinita entre a Divindade e o dever.
5. O que se deleita em Deus, não encontra mais deleite em qualquer outra coisa. O mundo parece estar em um eclipse; Paulo deleitava-se na lei de Deus, no homem interior, e como ele foi crucificado para o mundo? (Gal. 6.14). Não é absolutamente ilegal deleitar-se com as coisas do mundo, (Deut 26.11). “Te alegrarás por todo o bem que o Senhor teu Deus te deu. "
Mas ninguém pode usufruir melhor e ter o conforto dessas coisas que os crentes têm; pois eles têm um melhor direito a elas, e têm o orvalho de uma bênção destilada, “Pegue dois talentos, disse Naamã a Geazi,”(2 Reis 5.23). Assim diz Deus a um crente, tome dois talentos, para teus confortos exteriores, e toma o meu amor com eles; mas os filhos de Deus, embora sejam gratos por misericórdias exteriores, todavia, eles não se ocupam muito com essas coisas; eles apenas as usam como uma conveniência, para a sua peregrinação, mas sabem que quando se assentarem no reino dos céus, e eles próprios descansarem, eles não terão qualquer uso pessoal destas coisas de Jacó. Crentes não oram muito por essas coisas que ainda estão passando. Seu prazer está principalmente em Deus e na sua lei; e isto é assim? Temos esta baixa opinião de todos os confortos sob a lua?
Disse o astrônomo, que se um homem fosse levantado tão alto quanto a Lua, a Terra pareceria para ele, senão como um pequeno ponto. Se pudéssemos ser levantados para o céu em nossas afeições, todos os prazeres terrestres pareceriam ser nada; quando a mulher de Samaria havia se encontrado com Cristo, para baixo foi o cântaro, ela o deixou para trás; aquele que se deleita em Deus, como tendo provado a doçura nele, também deixa o cântaro, e o mundo para trás.
6. O verdadeiro deleite é constante. Hipócritas têm suas dores de desejo, e flashes de alegria, que são breves. Os judeus se regozijaram na luz de João Batista por uma temporada (Jo 5,35). Corações doentios podem ter prazer na lei do Senhor por uma temporada; mas, eles vão mudar rapidamente a sua nota: "Que canseira é servir o Senhor!"
O crisólito (pedra de ouro), que é de uma cor dourada, na parte da manhã é muito brilhante para se olhar, mas ao meio-dia ele fica sem brilho, e tem perdido o seu esplendor; tais são os brilhos de hipócritas. O verdadeiro deleite, como o fogo do altar, nunca apaga; e a aflição não pode extirpá-lo. "Tribulação e angústia se apoderam de mim, mas os teus mandamentos são o meu prazer." (Salmo 119,145)


CAPÍTULO VII



Uma Persuasão para Este Deleite Santo em Religião


Aplicação 1. Exortação. Deixe-me persuadir os cristãos a trabalharem para este prazer santo; comentando o texto "Deixe seu prazer estar na lei do Senhor:" E para que eu possa cumprir melhor a exortação, vou colocar diante de você várias considerações de peso.
1. Há aquilo que na lei de Deus, pode causar prazer; como aparece em duas coisas. Há nela:
1. Verdade.
2. Bondade.
1. Verdade. A lei de Deus é uma série de verdades (Sl 119.160). "A tua palavra é a verdade desde o início." Os dois Testamentos são os dois lábios pelos quais o Deus da verdade tem falado para nós. Aqui está uma base firme para a fé.
2. Bondade. “Desceste sobre o monte Sinai, do céu falaste com eles, e lhes deste juízos retos e leis verdadeiras, bons estatutos e andamentos;” (Ne 9.13).
Aqui está a Verdade e a Bondade; uma adequada para a compreensão, e a outra para a vontade. Agora, esta bondade e excelência da lei de Deus resplandece em nove indicações.
1. A presente lei abençoada de Deus é uma carta enviada a nós do céu, ditada pelo Espírito Santo, e selada com o sangue de Cristo; veja algumas passagens da carta: Isa. 62.5 "Pois como o mancebo se casa com a donzela, assim teus filhos se casarão contigo; e, como o noivo se alegra da noiva, assim se alegrará de ti o teu Deus “ e Oséias 2.19: “Desposar-te-ei comigo para sempre em justiça e em benignidade, e em misericórdias.” Não é agradável a leitura desta carta de amor?
2. A lei de Deus é uma luz "que brilha em lugar escuro“ (2 Pe 1.19). É a nossa estrela polar para guiar-nos para o céu; foi a lâmpada e a luz para o caminhar de Davi (Sl 119,105). Agora a luz é doce (Ec 11.7). É triste a falta dessa luz nos pagãos que não têm o conhecimento da lei de Deus, e que em sua necessidade tropeçam para o inferno no escuro.
3. A lei de Deus é um espelho espiritual para vestir nossas almas. Davi olhou-se neste espelho, e teve muita sabedoria, Salmo 119,104 - “Pelos teus preceitos alcanço entendimento. "
A lei de Deus é um espelho para nos mostrar nossos rostos, e uma pia para nos lavarmos.
4. Esta lei de Deus contém em si as nossas evidências para o céu; saberíamos se somos herdeiros da promessa, se os nossos nomes estão escritos no céu? devemos encontrá-lo neste livro da lei. 2 Tessalonicenses. 2.13 - "Mas nós devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos, amados do Senhor, porque Deus vos escolheu desde o princípio para a santificação do espírito e a fé na verdade”. 1 João 2.14 - "Nós sabemos que já passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos;“ e não é confortável esta leitura sobre as nossas evidências?
5. A lei de Deus é um lugar de munição, a qual devemos buscar para nossa artilharia espiritual para lutar contra Satanás. Pode ser comparada com a “torre de Davi, edificada para sala de armas; no qual pendem mil broquéis, todos escudos de guerreiros valentes. “ (Cant. 4.4). Ela é chamada de "espada do Espírito” (Ef. 6.16). É observável, que quando o diabo tentou nosso Salvador, ele correu para as Escrituras para armar-se, “está escrito”; três vezes feriu Cristo a serpente com esta espada, (Mt 4,4). É bom ter a nossa armadura sobre nós quando o inimigo está no campo.
6. A lei de Deus é o nosso livro físico espiritual, ou um livro de receitas. Basílio compara a palavra de Deus à loja de um boticário que tem todos as receitas para qualquer doença que estiver crescendo na alma. Se nos encontramos mortos no dever, aqui está uma receita, Salmo 119.50. “A tua palavra me vivifica”; "se nossos corações estão frios, aqui está uma receita," Não é a minha palavra como fogo?” (Jer 23.29).
Isto é capaz de derreter a rocha em ternura. Se ficar orgulhoso, aqui está uma receita, 1 Pe 5.5 - "Deus resiste aos soberbos”; se há alguma culpa, temos aqui um remédio soberano para tomar, John 17.17. "santifica-os na tua verdade.“ A lei de Deus é como um jardim de um médico, onde se pode caminhar e recolher qualquer erva medicinal para expelir o veneno do pecado.
7. A lei de Deus é um tesouro divino para nos enriquecer; aqui estão as riquezas do conhecimento, e as riquezas da segurança que deve ser encontrada, Col. 2.2. Nesta lei de Deus estão espalhadas muitas verdades como diamantes preciosos para adornar o homem oculto do coração. Davi tomou a lei de Deus como sua herança, Salmo 119,111. Nesta mina abençoada está escondida a verdadeira pérola; aqui nós cavamos até encontrarmos o céu.
8. A lei de Deus é o nosso conforto em tempos difíceis; e é um forte consolo, Heb. 6.18. "Para que possamos ter uma forte consolação." Elas são consolações fortes certamente que podem adoçar a aflição, que podem transformar água em vinho, que podem resistir contra a provação ardente. “Este é o meu conforto na aflição, porque a tua palavra me vivifica,” (Salmo 119.50).
Os confortos do mundo são consolações fracas; o homem tem conforto na saúde, mas deixe a doença vir, onde está o seu conforto, então? Ele tem conforto em uma propriedade, mas deixe a pobreza vir, onde está o seu conforto, então? Estas são consolações fracas, eles não podem suportar problemas; mas o conforto da palavra são consolações fortes, elas podem adoçar as águas de Mara. Deixe a doença vir, o conforto da palavra pode acalmar e "o habitante da terra não deve dizer que está doente,“ (Isa 33,24). Deixe a morte vir, e um cristão pode dizer com coragem: "Ó morte, onde está o teu aguilhão?” (1 Cor. 15,55). E não é confortável ter tal poder para expelir o veneno da morte?
(Nota do tradutor: O consolo de Deus nos vem pela Palavra, mas não devemos esquecer que é o próprio poder emanado da pessoa de Deus Pai, de Jesus e do Espírito Santo, que com Sua presença fortalece o coração do crente abatido, quando este coloca a sua confiança na Palavra de Deus e anda segundo os Seus mandamentos.)
9. A lei de Deus é o maná; um maná celestial que se adapta ao paladar de todos os cristãos. Qual é o desejo da alma? vivificação? fortalecimento? ela pode encontrar tudo neste maná.
2. Deleite-se com as coroas da religião e todos os nossos serviços. Portanto, Davi aconselha seu filho Salomão, não somente a servir a Deus, mas a servi-lo "com um espírito voluntário“ (1 Cron 28.9). Deleitar-se com o dever é melhor do que o próprio dever; como é pior para um homem ter prazer em pecado do que cometê-lo, porque não há mais a vontade em pecar; assim o prazer no dever é para ser preferido: “Oh quanto amo a tua lei,” (Salmo 119.97). Não é o quanto fazemos, mas quanto nós amamos; hipócritas podem obedecer à lei de Deus, mas os santos amam sua lei; isso leva embora a guirlanda.
3. Deleite-se com as coisas espirituais evidenciadas pela graça; é um sinal de que recebemos o espírito de adoção. Uma criança inocente deleita-se em obedecer seu pai; aquele que é nascido de Deus é enobrecido pela graça, e age a partir de um princípio de inocência; a graça altera o viés do coração, e faz com que seja mudado de relutante, para disposto. O espírito da graça é chamado de espírito voluntário (Salmo 51). não só porque ele funciona livremente, mas porque torna o coração livre e alegre em obediência; um coração misericordioso, que não age por constrangimento somente, mas por livre consentimento.
4. Deleitar-se na religião vai fazer o assunto da religião se tornar mais fácil para nós. O deleite faz cada coisa fácil; não há nada difícil para quem é de espírito voluntário; o deleite transforma a religião em recreação; é como o fogo para o sacrifício, como o óleo para as rodas, como o vento para as velas do navio, ele nos leva ao cumprimento completo do dever; aquele que se deleita no caminho de Deus, nunca vai reclamar da aridez do caminho; uma criança que vai à casa de seu pai, não vai se queixar de um mau caminho.
Um cristão está indo para o céu no caminho do dever; cada oração, cada sacramento, é um passo mais próximo da casa de seu Pai; a certeza de que ele está tão cheio de alegria e que ele está indo para casa, fará com que não reclame do mau caminho. Obtenha então este prazer santo. Amados, não temos muitos quilômetros para percorrer, a morte vai encurtar nosso caminho, vamos então nos deleitar docemente nisto.
5. Todos os deveres em religião são para o nosso bem. Teremos o benefício; "Se tu és sábio, serás sábio para ti mesmo“ (Prov 9.12).
Deus tem misturado a glória e o nosso bem juntos. "Eu dei-lhes os meus estatutos, que se um homem fizer, ele viverá por eles," (Ez. 20.11). Não há nada que o Senhor exija que não tenda à autopreservação. Deus nos convida a ler a sua palavra, e por quê? esta palavra é a sua vontade e testamento em que ele faz com que mais de uma propriedade equitativa seja fixada sobre nós, (Col. 1.12; 1 João 2.25). "E esta é a promessa que ele nos fez, a vida eterna;" ele nos manda orar, e este dever transporta alimento em sua boca, 1 João 5.14. "Esta é a confiança que temos nele, que se pedirmos alguma coisa segundo a sua vontade, ele nos ouve." Peça o que você deseja, ele vai assinar suas petições.
Se você tivesse um amigo que lhe dissesse: Venha a mim quando precisar, que eu vou fornecer-lhe com dinheiro, você não se deleitaria em visitar esse amigo? Deus lhe dará mais da metade do reino, e não devemos deleitar-nos com a oração? Deus nos manda crer, e há um favo de mel para ser encontrado neste preceito: "Creia e você será salvo." A salvação é a coroa que está na cabeça da fé. Bem pode o apóstolo dizer, “os seus mandamentos não são pesados. "Oh então, se a religião é tão benéfica, e se há tal ouro para ser escavado desta mina, isto pode fazer-nos ter deleite nos caminhos de Deus.
6. Como Cristo se deleita com a obra da nossa redenção? "Eis-me aqui, tenho prazer em fazer a tua vontade, ó meu Deus,“ (Salmo 40.7,8). Nisto concordam os expositores quando falam misticamente de Cristo; quando ele veio ao mundo para sacrificar sua vida por nós, que foi por oferta de uma vontade livre. "Eu tenho um batismo para ser batizado com ele" (Lucas 12.50). Cristo deveria ser, e assim foi, por assim dizer, batizado em seu próprio sangue, e como ele desejava que isto se cumprisse. Cristo deleitou-se com a obra da nossa redenção, e não vamos nos deleitar com o seu serviço? Ele sofreu de bom grado, e oraremos de má vontade? Ele entregou a sua vida por nós tão alegremente, e não vamos desistir de nossas vidas por ele? Certamente, se qualquer coisa pudesse fazer Cristo se arrepender de derramar seu sangue, seria isso, ver os cristãos se saírem tão mal no dever, fazendo-o antes como uma penitência do que um sacrifício.
7. Deleitar-se no serviço de Deus nos faz semelhantes aos anjos no céu. Eles servem a Deus com alegria; assim que Deus fala a palavra, eles ficam ambiciosos para obedecer. Como eles são enchidos com prazer, enquanto eles estão louvando a Deus! No céu, seremos como os anjos; o deleite espiritual deveria nos fazer como eles aqui; porque servir a Deus por constrangimento, é ser como o diabo; todos os demônios do inferno obedecem a Deus, mas é contra a sua vontade, eles aceitam uma obediência passiva; mas o serviço que sai com prazer é angelical: isto é porque oramos para que a vontade de Deus seja feita na terra como no céu; e esta não é feita com prazer lá?
8. Seu prazer na lei de Deus não produzirá excesso. As coisas carnais muitas vezes causam aversão e náusea; logo se cansam de nossos deleites; por isso é que mudam de um sentido para outro. Prazer demasiado é uma dor; mas as coisas espirituais não enfastiam ou cansam a alma; pois quanto mais estudamos na lei de Deus, mais prazer encontramos. E a este respeito Davi podia dizer que as palavras da boca de Deus eram "mais doces ao seu paladar do que o mel “(Salmo 119.103). porque alguém pode em breve se enjoar do mel, mas ele nunca pode se enjoar com a palavra de Deus. Aquele que tem uma vez, como Jeremias, “encontrado a palavra e a comido" (Jer 15.16). não ficará enjoado com ela; há um sabor e aroma na palavra, que fazem um cristão clamar: “Senhor, sempre me dê deste pão.” Há aquela doce comunhão com Deus, que faz a alma dizer: "Oh que eu possa estar sempre assim; Oh que eu sinta sempre o que eu sinto agora!" Aquele que se deleita em Deus, não vai se queixar que tem muito de Deus, mas muito pouco: ele abre e espalha as velas do barco da sua alma para ter mais dessas tempestades celestiais, ele anseia por aquele tempo em que ele estará sempre se deleitando na visão doce e abençoada de Deus.
9. Sem este prazer santo nós nos cansamos, e cansamos a Deus também, Isa. 7.13. " Então disse Isaías: Ouvi agora, ó casa de Davi: Pouco vos é afadigardes os homens, que ainda afadigareis também ao meu Deus?”. O nosso prazer em Deus faria com que ele se agradasse de nós; mas quando começamos a dizer que estamos cansados de servir ao Senhor (Mal 1.13), Deus fica tão cansado como nós ficamos. Quando os deveres são um fardo para nós, eles são um fardo para Deus, e o que devemos fazer com eles? quando um homem está cansado de um

fardo, ele vai lançá-lo fora. Vamos todos ter este prazer vivo no serviço de Deus.



CAPÍTULO VIII



Mostrando Como um Cristão Pode Chegar a Esse Deleite na Lei de Deus


Aplicação 4. Para atingir este deleite abençoado na lei de Deus, três coisas são necessárias.
Direção 1. Tenha uma alta estima pela Palavra; o que preza ao julgamento, as afeições abraça; aquele que valoriza o ouro, irá deleitar-se com ele; estamos aptos, por meio de um princípio de ateísmo, para entreter ligeiros pensamentos da religião, portanto, nossas afeições são tão pequenas. Davi valorizava os estatutos de Deus numa taxa elevada; "Mais desejáveis ​​são do que o ouro, sim, do que muito ouro fino“ (Salmo 19.10), e, portanto, cresceu nele esse amor inflamado por eles; “Terei prazer nos teus estatutos" (Salmo 119,16).
2. Ore por um coração espiritual; um coração mundano não irá se deleitar com os mistérios espirituais; a terra apaga o fogo. O mundanismo destrói a alegria santa; obtenha um paladar espiritual, para que você possa saborear a doçura da Palavra. Aquele que conhece a doçura do mel, vai se deliciar com ele. "Se é que já provastes que o Senhor é bom“ (1 Ped 2.3). Não é o suficiente ouvir um sermão, mas você tem que provar o sermão; não é suficiente ler uma promessa, mas você tem que provar a promessa; quando tiver chegado a este paladar espiritual, então a Palavra de Deus estará com você "o ​​gozo e alegria do seu coração" (Jer 15.16).
3. Se você deseja ter deleite na lei de Deus, lance fora a alegria pelo pecado; porque o pecado envenenará este deleite espiritual: Se você deseja ter a doçura da lei de Deus, não deixe que “o mal lhe seja doce na boca” (Jó 20.12). Quando o pecado for o seu fardo, Cristo será o seu deleite.



CAPÍTULO IX



O Deleite Santo Deve Causar Gratidão


Aplicação 5. Gratidão.
Que motivo têm para serem gratos aqueles que podem encontrar este deleite espiritual em Deus? Como Davi bendisse a Deus que moveu os corações das pessoas para ofertarem tão alegremente para a construção do templo; "Mas quem sou eu, e quem é o meu povo, para que pudéssemos fazer ofertas tão voluntariamente? Porque tudo vem de ti, e do que é teu to damos.”
(1 Cron 29.14). A sua vontade era mais do que a sua oferta; por isso um cristão deve dizer: Senhor, quando há tantos soldados servindo, quem sou eu, que eu deveria ofertar tão voluntariamente? Quem sou eu que deveria ter teu espírito livre, e servir-te com um coração voluntário! É uma grande bênção ter esta prontidão e presteza no serviço de Deus.
O deleite anima o espirito para o dever; agora nós agimos de acordo com o propósito da religião. Os cristãos nunca são descritos de forma tão poderosa e docemente, como quando a cadeia de deleite é presa ao seu coração. Sem isso tudo está perdido; nossa oração e audição da Palavra é como a água derramada no chão. Isto perdeu sua beleza e recompensa; então, bendiga a Deus, cristão, que ungiu as rodas da tua alma com prazer, e agora tu podes “correr e não se cansar”. Porque teu conforto está assegurado e não terás falta de qualquer coisa que teu coração possa desejar - Salmo 37.4: "Deleita-te também no Senhor, e ele te concederá o que deseja o teu coração."


Este texto é administrado por: Silvio Dutra
Número de vezes que este texto foi lido: 495


Outros títulos do mesmo autor

Artigos O Grande Ganho da Piedade – Parte 3 Thomas Watson
Artigos O Grande Ganho da Piedade – Parte 2 Thomas Watson
Artigos O Grande Ganho da Piedade – Parte 1 Thomas Watson
Artigos A Luta da Fé Coroada Thomas Watson
Artigos O Homem de Caráter Reto Thomas Watson
Artigos Uma Nova Criatura Thomas Watson
Artigos O Deleite Espiritual dos Santos Thomas Watson
Artigos "Todos os teus filhos serão ensinados do Senhor" Thomas Watson
Artigos A Arte do Contentamento Divino Thomas Watson
Artigos Jesurum Thomas Watson

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 20.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 185121 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 163019 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 160696 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 130299 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 117427 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 76515 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 69508 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 63917 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 59833 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 55368 Visitas

Páginas: Próxima Última