Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
HIGIENE AO TEMPO DE JESUS
Higiene ao tempo de Jesus
Henrique Pompilio de Araujo

Resumo:
Como era a higiene ao tempo de Jesus. Confesso sinceramente que não era nada boa. Aqui temos alguns resquicios do que o povo fazia naquele tempo.

HIGIENE AO TEMPO DE JESUS
     Você já se perguntou como era a higiene ao tempo de Jesus? Pra dizer a verdade não era nada agradável.
     Pra começar as pessoas dormiam no chão. Assim todos tinham a sua esteira e a estendiam para poder se deitar. Travesseiro era qualquer coisa que tivesse por perto, um pedaço de pau, um cobertor velho e outros vestuários. A única coisa que a pessoa tinha e que ainda tem até hoje é um cobertor, pois as mulheres teciam naquele tempo, portanto cada um tinha o seu.
     A pessoa dormia tranquilamente e no outro dia acordava geralmente muito cedo, pois tinham as galinhas e as cabras para serem tratadas. Entretanto ninguém lavava o rosto e nem escovavam os dentes. Lavar o rosto não era costume daquele povo e água era muito difícil e precisava ser regrada. Pentear o cabelo nem pensar, o máximo que se fazia era jogá-lo as costas. Não existiam pentes. Com o tempo foi sendo fabricado o pente de madeira.
     Havia um lanche de manhã, geralmente a base de leite de cabra e pão ázimo, ou seja, sem fermento. Era costume também de se sentarem a mesa para o almoço que não tinha hora certa, nem comida certa. Geralmente pão ázimo com peixe e sucos, ou os diversos tipos de frutas. Também não se conhecia a farinha. Algumas vezes comia-se carne de ovelha ou cabritos que eram animais mais típicos da região. Quase não existiam bois naquela época.
     As panelas todas eram de barros e as conchas eram de madeira. O fogão quase sempre era feito de pedras e no quintal, nunca dentro de casa, às vezes numa barraca toda aberta para expandir a fumaça. Já existiam facas e facões, e ferramentas para se produzir móveis rústicos.
     Tomava-se banho uma vez por semana e olhe lá, nem sempre. A água naquela região era sempre muito difícil, e o clima era muito seco, chovia muito pouco. Os banhos eram tomados nos córregos ou de um balde que retirava de um poço quase sempre longe de casa.
     Todos usavam sandália de couro de bode ou ovelha, mas a maioria não tinha calçado. Roupas era apenas uma túnica para cada um, no máximo duas e quase sempre não eram lavadas. Roupa de baixo não existiam e alguns enfaixavam as partes íntimas. Tanto os homens como as mulheres e as crianças se vestiam iguais. Esta túnica geralmente era feita pela mulher da casa e se não soubesse, então comprava-se das costureiras da região. Já existiam agulhas para tecelagem, já que o ferro já estava em uso há muito tempo.
     Comia-se muito o pão ázimo, carne de cordeiro, peixe, frutas, e Oliva. Não havia nada industrializado. Também se cultivava em casa algumas hortaliças para o consumo próprio.
     Não existiam sabão naquela época e para lavar a roupa usava-se uma mistura de urina com soda cáustica para lavar as peças. Existiam muitas buchas que eram utilizadas em lugar de escovão.
     Para fazer as necessidades tinha que ser na moita e muitos se escondiam atrás das pedras, já que o mato era muito raro naquela região. Ali as coisas ficavam expostas ao sol. Para se limpar era uma calamidade. Limpava-se com a mão e depois limpava as mãos nas pedras, outras vezes limpava-se com pedras da região depois começaram a usar paus, restos de tecidos. Não existiam papel higiênico, nem milho para se aproveitar o sabugo.
     Com o tempo inventou-se a bucha comunitária. Todos se limpavam com a mesma bucha e depois ela era lavada e guardada para ser usada por outra pessoa.
     Como não existiam talheres, a comida tinha que ser levada a boca com as mãos. Todos comiam com as mãos, daí a exigência dos filisteus exigirem que todos lavassem as mãos antes de se alimentarem.
     As casas eram todas de chão batido e quase sempre as paredes eram de madeira ou de pedras. O tijolo não tinha sido inventado ainda.
     Com o tempo começaram a inventar os pentes de madeira ou ferro e então todos já podiam pentear os cabelos, mas não existiam champoos e usava-se banhas de animal e óleos diversos. O penteado ficava bom, mas o mau cheiro era horrível.
     As mulheres iam às festas ao vivo, sem se maquiarem, pois não existiam produtos para isto. Os povos romanos é que inventaram as parafernálias da maquiagem e descobriram outros produtos, nem sempre agradáveis hoje em dia.
     Ninguém plantava grandes coisas naquele tempo. Alguns poucos plantavam o trigo, hortaliças e frutos. Grande parte da alimentação daquele tempo vinha do mar, que eram os peixes. Era o maior produto da região e por isto os pescadores eram pessoas da classe média.
     Existiam algumas essências como mirra e outros produtos, mas tinham o seu preço avaliado em ouro e somente os grandes ricos usavam disto. Estes produtos, como os belos tecidos, eram todos importados, pois a região era muito pobre.
     Foi assim, nesta região tão hostil que nasceu Jesus.


Biografia:
Henrique Pompilio de Araújo, nascido em Campo Mourão PR e radicado em Cuiabá MT. Começou a escrever desde cedo. Professor aposentado, bacharel em Direito e Teologia. Trabalhou em diversas escolas em Cuiabá e alguns jornais do Estado. Publicou sua primeira obra em 1977: Secos & Molhados - Poemas. Ultimamente publicou outros livros: "Flores do Além" Poemas, "Contos da Espiritualidade" - Contos, "Nas curvas da vida" Memórias, "Cinquenta contos" Contos. Há muitas obras ainda esperando edição.
Número de vezes que este texto foi lido: 53016


Outros títulos do mesmo autor

Ensaios COMO VIVER MAIS DE CEM ANOS Henrique Pompilio de Araujo
Ensaios COLÔNIA DAS ÁGUAS Henrique Pompilio de Araujo
Ensaios CIÊNCIAS OCULTAS Henrique Pompilio de Araujo
Ensaios CIDADES UMBRALINAS Henrique Pompilio de Araujo
Ensaios Chico deu continuidade às obras de Kardec Henrique Pompilio de Araujo
Ensaios AVISO DOS PLEIADIANOS Henrique Pompilio de Araujo
Ensaios Almas gêmeas, existem ou não existem? Henrique Pompilio de Araujo
Ensaios A minha missão na terra Henrique Pompilio de Araujo
Poesias A escuridão é poderosissima Henrique Pompilio de Araujo
Poesias Energia dos Espíritos Henrique Pompilio de Araujo

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 62.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
JASMIM - evandro baptista de araujo 69106 Visitas
ANOITECIMENTOS - Edmir Carvalho 58001 Visitas
Contraportada de la novela Obscuro sueño de Jesús - udonge 57663 Visitas
Camden: O Avivamento Que Mudou O Movimento Evangélico - Eliel dos santos silva 55940 Visitas
Entrevista com Larissa Gomes – autora de Cidadolls - Caliel Alves dos Santos 55260 Visitas
URBE - Darwin Ferraretto 55257 Visitas
Caçando demónios por aí - Caliel Alves dos Santos 55161 Visitas
Coisas - Rogério Freitas 55031 Visitas
ENCONTRO DE ALMAS GENTIS - Eliana da Silva 55019 Visitas
Sobrenatural: A Vida de William Branham - Owen Jorgensen 54996 Visitas

Páginas: Próxima Última