Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Espiral do silêncio
Rafael da Silva Claro



Esta semana morreu Paulo César dos Santos. Quem? Paulinho. Quem? O principal vocalista do Roupa Nova. Agora ficou fácil. O Paulinho, embora revezasse com o Serginho, era a principal voz do grupo. Ou melhor, a voz do grupo. Eu não quero cansá-lo citando sucessos no rádio, em novelas e na memória afetiva, na voz dele, nem canções que embalaram relacionamentos.

O Roupa Nova é a banda que a maioria dos roqueiros esconde que gosta. Quase todas as, ótimas, músicas são melosas, falam de amor. Confessar que gosta do grupo, só depois de muitas cervejas, afinal os caras são excelentes músicos. Já para a namorada, pega super bem e até conta pontos, a confissão.

Esse receio de expor algo que curte, se torna um axioma tácito. Ou seja, todo mundo curte, mas ninguém fala. O nome desse fenômeno: espiral do silêncio. Um exemplo claro disso, é quando o professor abre um espaço para dúvidas, e vários alunos deixam de perguntar, com vergonha, achando que a sua dúvida é tola.

À espiral do silêncio manteve a direita brasileira escondida, envergonhada, parecendo inexistente. Antes, comparados a defensores de regimes autoritários e à tortura, agora são chamados de fascistas e nazistas. Esses “carimbos”, que não passam de falácia do espantalho, revelam um espantoso desconhecimento da História, pois os termos, usados para encerrar qualquer discussão, podem ser empregados tanto à direita quanto à esquerda ideológicas.

Uma falácia do espantalho muito comum é associar qualquer pirralho, que não teria maldade sequer para matar uma formiga, a Hitler, só porque tem as ideias associadas à direita. Isso é uma covardia e encerra qualquer debate.

A espiral do silêncio sempre impediu que amigos roqueiros, querendo manter a postura heavy metal, dissessem que sempre curtiram Roupa Nova pra caramba; os alunos com indagações não se sentissem envergonhados, ficando calados; e as pessoas com pensamentos direitistas não ficassem caladas, sentindo-se escravas da patrulha do politicamente correto e da polícia do pensamento.


Biografia:
Ensino secundário completo. Trabalhei em várias empresas, fora da literatura. Tenho um blog, onde publico meus textos: “Gazeta Explosiva” Blogger
Número de vezes que este texto foi lido: 35027


Outros títulos do mesmo autor

Ensaios Teoria da Conspiração Rafael da Silva Claro
Crônicas É só dobrar o pescoço Rafael da Silva Claro
Releases Brasil Paralelo Rafael da Silva Claro
Crônicas A bela e a fera Rafael da Silva Claro
Crônicas A placa avisou Rafael da Silva Claro
Crônicas Até tu! Rafael da Silva Claro
Crônicas Fogo no Parquinho Rafael da Silva Claro
Crônicas O Último Carnaval Rafael da Silva Claro
Ensaios Sai, coisa Rafael da Silva Claro
Ensaios Leite condensado de direita Rafael da Silva Claro

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 107.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
O FAROLEIRO DA ILHA DA MOELA - LICA NEAIME 35029 Visitas
FOGO CRUZADO - Telio Fonseca Diniz 35029 Visitas
APRENDENDO A VENCER DIFICULDADES - CLAVIO JUVENAL JACINTO 35029 Visitas
Faça alguém feliz - 35029 Visitas
DIANTE DO PATÍBULO - Tércio Sthal 35028 Visitas
QUERIA - orivaldo grandizoli 35028 Visitas
Eu sou Palmeiras - Escritor Thiago Winner 35028 Visitas
A dívida - Daniel Alvarenga 35028 Visitas
Coragem unida - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 35028 Visitas
A minha certeza - Gianluca Stival 35028 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última