Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
🔴 “Um museu de grandes novidades”
Rafael da Silva Claro


Os aplicativos apontavam uma direção para o Brasil, um país empreendedor, que tinha tudo para despejar, no mercado de trabalho, jovens ansiosos a começar a trabalhar na sua própria empresa. Nessa época, “start-up” caiu na boca do povo, de modo que o anglicismo praticamente foi incorporado ao Tupi-guarani. As palavras empreendimento, empreendedor e empreendedorismo gastaram tanto que pareciam papo de “coach” e pegava super mal repetir um termo (e suas variações) que havia virado modinha e podia ser sinal de alerta de que era golpe.

Nas faculdades, bastava juntar um grupinho de uns 5 geniozinhos ou uma turminha com uma boa ideia, muita iniciativa e com energia suficiente para botar a mão na massa, para uma empresa surgir ou uma ótima ideia ser financiada ou vendida por milhões.

Alguns aplicativos deram certo e giraram a economia durante a pandemia. Enquanto o mundo foi convencido a não sair de casa, “motoboys” traziam comida na porta. Quando alguém precisava ir do outro lado da cidade, o motorista levava. A comida e o transporte por aplicativo foram incorporados ao planejamento de vida, e as novas gerações urbanas abandonaram a “obrigação” de comprar um automóvel.

Mas chegou o governo que quer acabar com isso. Bitolado no estatismo de Getúlio Vargas, o “gigante faminto”, apelidado de governo federal, se julga o “papai” e para justificar sua existência, cultiva um povo dependente e grato pelas migalhas distribuídas.

Sindicalizado e amarrando com supostos direitos trabalhistas, o governo encarece o empregado do aplicativo, desencoraja a admissão, dificulta a demissão e inflaciona o produto. O raciocínio de Lula e seu ministro do Trabalho (“ministro do Atrapalho) parecem dispostos a criar o “programa Datilografia Popular”. O governo “imposto” é composto de incapazes capazes de tudo, por isso, é necessário neutralizar a vanguarda do atraso.

Se depender do bloco do atraso, “essa gente bronzeada não vai mostrar o seu valor” e amargará um primeiro emprego fritando hambúrgueres ou uma existência inteira no Banco do Brasil ou nos Correios.



⬛️ “Tudo no Estado, nada contra o Estado e nada fora do Estado”
(Benito Mussolini)


Biografia:
Ensino secundário completo. Trabalhei em várias empresas, fora da literatura. Tenho um blog, onde publico meus textos: “Gazeta Explosiva” Blogger
Número de vezes que este texto foi lido: 207


Outros títulos do mesmo autor

Ensaios 🔴 A arte de enganar Rafael da Silva Claro
Crônicas 🔵 Rosmitter, o boêmio Rafael da Silva Claro
Poesias 🔴 Conto de fardas Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴Madonna de areia Rafael da Silva Claro
Ensaios Leite com Pimenta Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 As joias da coroa Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 Feiquinius Rafael da Silva Claro
Crônicas 🔵A mansão dos mortos Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 Os esquerdistas invadem a América Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 Atila, o rei dos energúmenos Rafael da Silva Claro

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 426.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
JASMIM - evandro baptista de araujo 69106 Visitas
ANOITECIMENTOS - Edmir Carvalho 58001 Visitas
Contraportada de la novela Obscuro sueño de Jesús - udonge 57663 Visitas
Camden: O Avivamento Que Mudou O Movimento Evangélico - Eliel dos santos silva 55939 Visitas
Entrevista com Larissa Gomes – autora de Cidadolls - Caliel Alves dos Santos 55260 Visitas
URBE - Darwin Ferraretto 55254 Visitas
Caçando demónios por aí - Caliel Alves dos Santos 55161 Visitas
Coisas - Rogério Freitas 55031 Visitas
ENCONTRO DE ALMAS GENTIS - Eliana da Silva 55019 Visitas
Sobrenatural: A Vida de William Branham - Owen Jorgensen 54996 Visitas

Páginas: Próxima Última