Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Da felicidade ao necroceno
DIRCEU DETROZ

No domingo li duas entrevistas. Uma com a escritora da Academia Brasileira de Letras Nélida Piñon. Era pelo lançamento do seu novo romance “Um Dia Chegarei a Sagres”. A outra com Leonardo Boff. Apresentado como teólogo, filósofo e ecólogo. Já foi frade e padre. Nas duas, os dois tiveram de responder a mesma pergunta. Se eram felizes. As repostas não têm muita importância.

A “literatura” da autoajuda está recheada de livros sobre a felicidade. O enredo da quase totalidade deles é ensinar como ser feliz. Começa com os títulos. São usados da mesma maneira que um Don Juan usaria para seduzir a mocinha inocente. É compreensível. Ganhar dinheiro e muitas vezes tornar-se milionário escrevendo livros sobre a felicidade deve deixar os autores felizes. Se quem foi seduzindo é ou será feliz, também não tem muita importância.

Nossos três “pensadores pop” decidiram ir além no assunto. Leandro Karnal, Mário Sergio Cortella e Luiz Felipe Pondé escreveram “Felicidade: Modos de Usar”. O livro é o resultado de um bate-papo entre os eles. Pobre leitor seduzido. Ainda nem conseguiu aprender a ser feliz e já precisa conviver com seus “modos de usar”. Garanto que no livro não se lê que um dos modos de usar a felicidade é escrever caça-níqueis sobre ela.

Qualquer tentativa de ensinamento sobre como ser feliz é uma fake news. O que apenas podemos sentir e cada um sente de forma diferente não é ensinável. O maior defeito dos humanos é a busca pela felicidade individual não importando o preço a se pagar. A verdadeira essência da felicidade é coletiva. Seria a nossa maior virtude. Uma virtude que jamais almejamos ter.

Essa nossa busca doente pela felicidade individual é uma das variáveis na equação que nos leva ao “necroceno”. A palavra foi usada por Leonardo Boff. Seria como se vivêssemos numa idade geológica na qual os humanos espalham a morte pelo planeta. Boff se refere a nossa época atual no que discordo. Evoluindo o Homo sapiens nunca quis sair da era no “necroceno”. No século 20 continuamos nela.

Assim como a ciência descobriu no genoma 41 variações associadas a pessoas canhotas, um dia descobrirá que espalhar a morte pelo planeta também está em nosso DNA. Depois de trocar os galhos das árvores pelo chão das florestas, a evolução usou a morte como um trampolim. É assustador uma raça evoluir com o princípio de que matar é a melhor solução se autoproclamar “civilizada” com o significado que a palavra tem.

A cor que marca os humanos na história é a do sangue. Das ideologias às limpezas étnicas chegando a Deus, motivos para espalhar a morte pelo planeta nunca faltou nem faltará. A história só nos conta dos mandantes desses genocídios em massa. Nunca das massas que apoiavam esses mandantes. Espécimes quase sempre travestidos de “mitos”.


Biografia:
Sou catarinense, natural da cidade de Rio Negrinho. Minhas colunas são publicadas as sextas-feiras, no Jornal do Povo. Uma atividade sem remuneração.Meus poemas eu publico em alguns sites. Meu e-mail para contato é: dirzz@uol.com.br.
Número de vezes que este texto foi lido: 33870


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas Os donos da nossa privacidade DIRCEU DETROZ
Crônicas Da felicidade ao necroceno DIRCEU DETROZ
Poesias DEVORADOS DIRCEU DETROZ
Poesias DESVIOS DIRCEU DETROZ
Crônicas Humanos demais DIRCEU DETROZ
Poesias BANDEJAS DIRCEU DETROZ
Crônicas As araucárias do sul DIRCEU DETROZ
Crônicas As teorias do charuto DIRCEU DETROZ
Poesias TEUS CABELOS DIRCEU DETROZ
Poesias INSÓLITO DIRCEU DETROZ

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 1024.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
LÍRIO - Alexsandre Soares de Lima 48069 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 47678 Visitas
A PRAIA DO PROGRESSO - Rosângela Barbosa de Souza 47371 Visitas
A tristeza no Nordeste - Wanessa Daiana de Brito 47243 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 46683 Visitas
Um dia serei algo - José Rony de Andrade Alves 46175 Visitas
Tempo - Luiz Fernando Sacramento Lusoli 45946 Visitas
Pou, a Majestade Não-Zoombi - Alice Silva 45735 Visitas
Conexão - Luca Schneersohn 45632 Visitas
Amanhã não saio fico em casa - Martinho do Rio 42536 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última