Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Liberdade é isso? Sério mesmo?
(The Killers e Spike Lee esmiuçam a terra das oportunidades)
Roberto Queiroz

A internet é rápida e você precisa ser mais rápido do que ela, se quiser encontrar pequenas boas ideias e desabafos. E precisa estar atento, pois novidade surge a qualquer momento, quando você, espectador, menos espera, é surpreendido por algo.

Foi o que aconteceu nesta última terça-feira quando assisti com lágrimas nos olhos o clipe musical Land of the free, da banda The Killers, dirigido pelo mestre Spike Lee (de clássicos da sétima arte como Faça a coisa certa e Malcolm X). E ao final do curta documental - pois é disso que se trata a participação do diretor e ativista negro - ficou uma amarga certeza em minha mente estamos ruindo como civilização dia-a-dia.

O assunto que mais perturbou o mundo nos últimos anos foi a decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de construir um muro separando a América do México. Afinal de contas, segundo o próprio presidente, eles sempre foram o problema. Perguntem aos americanos de onde veio o Texas e o Novo México e certamente a maioria fugirá do debate. "Culpado são os outros", dirão. E esta é uma máxima que vem ganhando força ao redor do mundo nas últimas décadas. Sartre já dizia: "o inferno são os outros".

Pois bem: aqui, no clipe de pouco mais de quatro minutos, o muro vira protagonista de uma realidade insana. E mais do que a própria letra da música e as imagens chocantes e devastadoras, vira um ponto de interrogação cada dia mais difícil de responder.

Em certo momento da música, o vocalista da banda, Brandon Flowers, diz "temos problemas com armas". E tudo leva a crer que esses problemas também chegarão aqui, ao Brasil, por conta do novo decreto que permite a posse de armas para a sociedade civil. Como se já não tivéssemos problemas em demasia nessa sociedade passional e cretina em que vivemos! Contudo, na América, terra do clipe, as armas de fogo são uma realidade antiga. Que o diga o documentarista Michael Moore que destrinchou o tema em Tiros em Columbine, chegando a desmascarar o machismo e a arrogância de um grande ícone de hollywood, o ator Charlton Heston, de filmes como Os dez mandamentos e Ben-hur. E mais do que antiga, covarde e imparcial.

Mas como disse num dos parágrafos anteriores: a culpa é dos mexicanos, dos imigrantes, dos outros...

Passeando por pessoas desabrigadas, sem pátria, sem casa, por crianças que brincam com pichorras, por famílias que fazem vigílias religiosas à procura de uma resposta para seus problemas, rostos censurados por tarjas pretas e conflitos envolvendo tiros e bombas de gás lacrimogêneo, o que a pesquisa feita por Spike Lee para este trabalho quer nos dizer é: quando foi que perdemos a humanidade, esquecemos da história passada e passamos a acreditar que o nosso próprio umbigo - e nada mais - é o mais importante?

Não conheço tanto assim da carreira musical dos The Killers, mas posso dizer agora que vejo a banda com outros olhos, com respeito. Em meio a tantos artistas que não passam de pose e vaidade, falando única e exclusivamente de suas vidas pessoais, suas derrotas, ressentimentos e conquistas, é gratificante ver que ainda existe alguém no mercado fonográfico disposto a apontas as falhas e feridas da sociedade mundial.

Desde que me entendo por gente ouço a velha história dos EUA como grande nação, como "terra das oportunidades". E sempre vi essa mesma história com sarcasmo e ironia. Não há nada na terra do tio Sam que, com uma boa análise e conhecimento dos fatos, não possa ser desmentido com enorme facilidade. O grande problema do resto do mundo é que eles preferem permanecer subjugados a esta realidade. "É sempre mais fácil", me disse certa vez uma professora de filosofia, "obedecer ordens do que ditar as regras do jogo".

Ou seja: vivemos em meio a uma sociedade global que não deseja responsabilidades, mas adora acusar os demais de covardia, de anti-patriotismo, de falta de capacidade para reagir ao sistema. E dizem isso coniventes com o sistema (mais: orgulhosos disso!). E nesse sentido Land of the free é um tapa na cara dos demagogos com quem volta e meia cruzamos na rua e gostaríamos que simplesmente desaparecessem.

Enquanto eles não desaparecem ou tomam vergonha na cara, que aturem a verdade das palavras e imagens brutais que, infelizmente, serão a tônica desse século XXI cada vez mais desolador.

Para quem ainda não viu o clipe e quer tirar suas próprias impressões, assista aqui: https://www.youtube.com/watch?time_continue=283&v=OIT0ucf_gys


Biografia:
Crítico cultural, morador da Leopoldina, amante do cinema, da literatura, do teatro e da música e sempre cheio de novas ideias.
Número de vezes que este texto foi lido: 153


Outros títulos do mesmo autor

Cartas Carta ao poeta do rock Roberto Queiroz
Poesias Quando é tarde demais... Roberto Queiroz
Contos Moralistas no more! Roberto Queiroz
Poesias Consuelo Roberto Queiroz
Poesias Confissão tardia Roberto Queiroz
Crônicas Ode aos babacas Roberto Queiroz
Poesias O erradicador Roberto Queiroz
Artigos Contradicionalismo Roberto Queiroz

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 181 até 188 de um total de 188.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
Só deixa - Bernardo Felipe Rotiroti 7 Visitas

Páginas: Primeira Anterior