Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Ao som de cantilenas
Matilde Diesel Borille

Terna saudade do tempo em que me habitava um som de paz
que quando a lua elevava-se igualava-se às vozes de mil anjos,
e a minha criança interior adormecia ao som de cantilenas,
e eu aprendia palavras que apenas se pode dizer em prece.
Magoa-me a saudade, pois naquele tempo eu tinha minha mãe
e na voz aveludada dela, os sussurros de Deus em meus ouvidos;
a primeira oração - versos divinos de minha vida - foi ela quem deu.
E agora não há dela senão uma inefável e velada lembrança,
como a rosa invisível pintada na parede da casa da chuva,
que eternamente em pétalas e espinhos fere minha ternura.
Guardo-as, rosa mãe e rosa flor, no pedaço do céu de dentro
do bolsinho daquele vestido de menina.
Oh, eu nunca mais o tirei,
esperando o meu primeiro infinito chegar propondo um acordo íntimo:
beijar cá dentro, meus desejos de descansos,
e ficar em mim até o fim.
Sim, sim, lindas, minhas lindas,
pra fazer valer ter memória,
eu quero aprender ver no invisível
e até no infinito ver
o amor assaltar minha alma,
ocupar o que ainda vou ser.


Biografia:

Este texto é administrado por: MATILDE DIESEL BORILLE
Número de vezes que este texto foi lido: 408


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Fios de sóis Matilde Diesel Borille
Infantil Sentimento de criança Matilde Diesel Borille
Poesias Além do verde dourado Matilde Diesel Borille

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 61 até 63 de um total de 63.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
O TEMPO E A CERTEZA - Alexsandre Soares de Lima 1 Visitas

Páginas: Primeira Anterior